História Just Friends Forever - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais, Pretty Little Liars
Personagens Caleb Rivers, Hanna Marin, Personagens Originais
Tags Ação, Amigos, Amizade, Aventura, Azuis, Depressão, Drama, Hanna, Impossível, Orfanato, Perda, Proibido, Romance, Sexo, Suícidio, Tragedia
Exibições 7
Palavras 1.951
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Luta, Mistério, Misticismo, Poesias, Policial, Romance e Novela, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Hanna, uma pequena jovem de pequeno porte, cabelos castanhos e com belos olhos azuis claros vivia em Nova Iorque com sua família, sua mãe chamada Isabel e seu Pai Michael, sempre viveram neste local, Hanna era uma das garotas mais conhecidas da cidade, todos a sua volta a admiravam, sempre tinha um belo sorriso em seu rosto que deixava qualquer um feliz, seus cabelos castanhos ao vento deixavam qualquer um deslumbrado, mas tudo isso mudou após um triste acontecimento na vida desta garota.

Capítulo 2 - Capítulo II - Kiss me Hard before you go...


Fanfic / Fanfiction Just Friends Forever - Capítulo 2 - Capítulo II - Kiss me Hard before you go...

Livro: Just Friends Forever
             Capítulo II – Kiss me Hard Before you go...

 

Hanna estava começando a acordar sentia frio, estava tremendo no canto de algum lugar que não conseguia enxergar nada, mas parecia que estava em constante movimento, ao olhar para o lado viu dois garotos sentados no chão, já na porta de saída havia uma mulher um pouco mais idosa, usava óculos e tinha uma caixa ao seu lado aberta cheia de seringas.

— Aonde... eu estou... —  Perguntou Hanna com a voz tremula enquanto tinha lágrimas escorrendo de seus olhos

— Você está indo para o inferno... — Respondeu o garoto moreno sentado ao chão

— Qual.… seu nome?

— Meu nome é Caleb Mayers, prazer.

— Eu sou Hanna Marin, porque você disse que estou indo para o inferno? Eu não sei o que aconteceu desde que me sedaram no hospital...

— Estamos indo para o Orfanato de Nova Iorque, lá é um inferno, será o pior castigo que você terá... — Falou Caleb a olhando nos olhos

— Eles não tinham um carro melhor para nós levar? Que carro é esse?

— É um furgão, normalmente levam presidiários nesse tipo de carro... essa é só a primeira etapa do inferno, se prepare...

— Eu estou com.… medo...

— Não fique com medo, se precisar de algo pode contar comigo, mesmo que eu não te conheça. — Dizia enquanto dava um sorriso para ela

— Obrigado, Caleb...

— Pegue meu casaco, você está tremendo. — Retrucou Caleb tirando seu casaco e se levantando entregando na mão dela

— Obrigado, você é muito gentil. — Agradeceu sorrindo para ele — Senta aqui do meu lado, por favor, estou me sentindo vulnerável.

— Tudo bem. — Respondeu Caleb sentando-se ao lado dela

— Olha em menos de cinco minutos já formamos um casalzinho aqui. — Falou o garoto que estava sentado no chão

— Nós só somos amigos... — Respondeu Hanna com sua voz tremula de vergonha — Por acaso qual seu nome?

— Meu nome é James, prazer casal.

— Vocês três podem calar a boca? O Caminho e longo, mas eu já estou querendo matar vocês, eu tenho seringas e sedativos o bastante para deixar vocês desacordados até lá, então se comportem, não testem minha paciência. — Berrou a Senhora pegando uma das seringas da mala

— Pode guardar a seringa, moça... ficaremos quietos... — Respondeu Hanna abraçando o braço de Caleb e se aconchegando nele

Eles seguiram o caminho, ambos em silencio até sentirem o furgão parar de andar do nada, ouvia-se passos ao lado de fora, subitamente a porta de saída se abriu, o sol invadiu o furgão por completo os olhos dos três ardiam depois de terem ficado tanto tempo no escuro, a senhora se levantou e gritou com ambos:

— Saiam logo, chegamos!!

— Ok, velha irritante... — Respondeu James se levantando do chão e saindo do furgão

— E Vocês dois? O Casalzinho não vai sair? — Gritou a senhora encarando Hanna com ódio

— Vamos... calma...

— Eu não tenho calma, agora!! — Gritou a senhora se aproximando e agarrando o braço de Hanna e a tacando para fora

— Hanna!! — Falou Caleb ao ver que ela havia caído no chão — Tudo bom com você?

— Sim... eu acho... só me machuquei um pouco porque uma velha loca me atiro para fora de um furgão... —

— Vamos, se levante... — Retrucou Caleb esticando sua mão para ajudá-la a levantar

— Obrigado, vamos. — Respondeu Hanna pegando na mão dele e caminhando até a entrada do orfanato lado a lado

O Orfanato era uma casa de dois andares de madeira, as árvores não eram mais podadas, a grama do chão já tapava grande parte do quintal, a madeira tinha buracos por conta dos cupins, o parque que antes tinha brinquedos agora só tem entulhos e coisas quebradas, era plenamente uma visão do inferno...

— Esse lugar me dá arrepios... espero que minha cama seja decente ao menos... — Comento Hanna encarando sua futura casa

— Vamos entrar... tomara que lá dentro seja melhor do que aqui fora... — Respondeu Caleb entrando de mãos dadas com ela

Após entrarem se depararam com uma recepção totalmente desagradável, algumas cadeiras de madeira velha, o balcão que a recepcionista ficava era uma tábua de madeira segurada por duas pilastras, era uma moça que aparentava ter uns trinta anos, era morena, mas tinha cabelos brancos já, o carpete vermelho já estava rosa de tão velho, eles caminharam até o balcão e falaram com a moça.

— Bom dia... somos novos aqui, como conseguimos um quarto? — Perguntou Hanna que ainda segurava a mão de Caleb

— Vocês não têm um quarto, vocês têm que merecer um bom quarto aqui, começaram num quarto simples e desagradável, vocês querem ficar juntos, ou posso separá-los.

— Não me deixa com esse casal, eu já quase vomitei em vê-los abraçados no furgão, não mereço ver eles assim todos os dias. — Retrucou James implorando

— Ok... Caleb e Hanna, certo?

— Sim... certo...

— Vocês querem ficar juntos no quarto? Se quiserem tiveram sortes, tem um quarto para duas pessoas vazio.

— Acho que podemos ficar juntos sim, né Hanna? — Perguntou Caleb a olhando nos olhos

— Sim... podemos...

— Ok, vocês ficaram juntos em um quarto, já James ficará em um quarto com outros três garotos, para o casal aí o quarto é o 303, já pra James é o quarto 307. — Falou a Recepcionista os dando as chaves — Tenham uma boa estadia no orfanato...

— Ter uma boa vida no inferno... eu acho que não é possível... — Retrucou Caleb sussurrando para si mesmo

— Menino, repita o que você falou, acha que não ouvi? — Perguntou a Recepcionista o encarando enquanto pegava um caderno que ficava no chão

— Eu? Que o Orfanato é um inferno, ou posso de chamar de castigo eterno?

— Assine este caderno agora, já estreará no orfanato indo para a solitária, parabéns garotos, você é um recordista. — Disse a Recepcionista entregando uma caneta para ele

— Não, por favor moça, meu namora...doo.... Não fez por querer, ele é super gentil... ele vai se comportar, perdoa essa vez, ele está nervoso, acabamos de chegar, por favor perdoe ele. — Retrucou Hanna segurando às mãos de Caleb e o abraçando enquanto olhava a recepcionista

— Garoto, você tem que sorte da sua namorada ter te protegido, se fosse por mim já iria pegar uma semana na solitária, agora vão para os quartos logo já encheram minha paciência. — Respondeu a recepcionista apontando para o corredor de quartos

— Ok, obrigado...

Os três seguiram para o corredor, James entrou em seu quarto, enquanto Caleb abria a porta do deles, ao abrir a porta lá estava duas camas acabadas com lençóis verdes de hospital, os vidros da janela eram quebrados, o tapete do lado da cama era rasgado, tudo colaboraria para se tornar a pior experiência da vida de ambos.

— Eu realmente cheguei no inferno, só falta aparecer alguém aqui se dizendo o rei do inferno. — Falou Hanna entrando e se sentando na cama

— Calma... eu já morei em coisas piores do que isso, você irá sobreviver, nós iremos nos unir para enfrentar esse lugar... e você encenando que gostava de mim na recepção foi genial, você realmente é uma boa amiga, Hanna.

— É... Eu enceno bem, já fiz teatro uma vez, alías pegue seu casaco aqui, obrigado por te me emprestado. — Dizia Hanna ao começar ao tirar o celular, mas sendo impedida por ele

— Não... quero que você fique com ele, aí você nunca terá medo, sempre uma parte de mim estará com você. — Respondeu Caleb sorrindo para ela

— Você realmente é um dos melhores garotos que eu já conheci...

— Obrigado, você também é uma boa pessoa, Hanna Marin.

— Eu estou tão cansada, mas ainda sinto frio, essas janelas furadas deixam muito vento entrar...

— É realmente está frio... — Falou Caleb rindo para ela

— Se senta aqui do meu lado... por favor...

— Ok, Hanna. — Disse Caleb se sentando ao lado dela na cama

— Eu realmente estou começando a achar que você será um dos melhores amigos que eu já tive. — Retrucou enquanto se aconchegava nele e encostava sua cabeça em seu peito

— Eu fico feliz por isso... — Respondeu Caleb passando a mão nos cabelos de Hanna enquanto a olhava nos olhos

— Olha amigas, os novatos já formaram um casal. — Falou uma voz na porta rindo

— Quem é? — Perguntou Hanna virando o rosto e vendo uma garota grande, com músculos, morena com os cabelos presos — Quem é essa coisa?

— Oi, coisa? Você já quer amanhecer careca amanhã né garota?

— Quem é você? Acabei de chegar aqui, sou Hanna Marin e você, qual seu nome?

— Meu nome é não te interessa, você me irritou já, te desejo uma boa sorte vivendo neste lugar, porque este quarto é meu, esta cama é minha, este orfanato é meu, tudo isso é meu, eu sou a líder daqui, não mexa mais comigo se não quiser amanhecer morta, boa sorte para você e seu namorado.

— Cala boca, garota não mexe com ela se não quiser se encrencar. — Berrou Caleb se levantando e ficando cara a cara com a garota

— Você sabe que eu estou em maioria aqui né? Se eu quiser te matar eu te mato agora... e ninguém irá te defender, sua namorada é uma patricinha fraca que não consegue nem se defender. — Respondeu a garota tirando uma lâmina do bolso e apontando para o Caleb

— Vocês dois parem eu vou chamar algum segurança, sai daí Caleb!! — Gritou Hanna se levantando e entrando no meio dos dois

— Ok, mas tomem cuidado, dessa vez você vai sair vivo porque sua namorada te salvou, não terá a mesa sorte da próxima vez. — Retrucou a garota guardando a lâmina no bolso e saindo do quarto

— Puta que pariu, Caleb... — Falou Hanna trancando a porta — O que você pensa que está fazendo? Poderia ter morrido ali...

— Eu não sou um fracassado que nem você acha Hanna, eu tenho um passado bem mais sombrio do que você imagina...

— Como assim? Me conta... sou sua amiga pra isso...

— Eu estava em um reformatório antes de vir para cá...

— Como assim, Caleb? O que você fez...

— É uma longa história... — Respondeu Caleb se sentando na cama e esticando a mão para ela sentar ao lado — Vem cá, senta comigo para eu te contar...

— Ok... — Disse Hanna se sentando e pegando nas mãos dele

— Eu sempre fui bem inteligente eu hackeava sistemas, eu era de uma escola local de Nova Iorque, mas sempre fui zuado por não ter família, em um dia eu estava sentado na mesa durante o intervalo da escola eu mexia no meu notebook, até que chegou um garoto se achando um valentão... ele começou a me xingar sem parar... eu me irrite e nós começamos a lutar, uma multidão surgiu a nossa volta... até que após uma longa luta só de socos e chutes ele sacou um canivete do bolso...

— Meu deus... como você sobreviveu a isso?

— Calma... nós continuamos a lutar até que ele tentou me acertar com o canivete, mas eu segurei o braço dele... e virei para a barriga dele... e aconteceu...

— O que? Você acertou a barriga dele com o canivete?

— Sim, todos viram que foi sem querer, mas ao ver ele caindo no chão com o canivete enfiado na barriga dele enquanto o sangue escorria por toda a parte... todos apontaram para a mim, o diretor chamou a polícia e eu fui mandado para um reformatório, e agora eu estou aqui...

— Mas... você é inocente...

— Eu sei, Hanna. Mas ninguém acredita em um menino adotado que hackeava sistemas...

— Coitado... você não merece isso... — Disse Hanna o abraçando

— Hanna... você é a primeira pessoa que eu realmente me sinto feliz... — Respondeu Caleb interrompendo o abraço e selando seus lábios aos dela

— Não... Caleb... por favor... não posso fazer isso ainda.

— Me desculpe, foi por instinto, eu estou querendo isso desde que você me abraçou naquele furgão, me desculpe mesmo... — Disse Caleb se levantando e saindo do quarto sem olhar para trás.

 

Fim do Capítulo II


Notas Finais


Espero que gostem, comentem e favoritem, obrigado :))


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...