História Just like that - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 8
Palavras 1.271
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Aqui vai mais ummm ❤❤

Capítulo 7 - Capítulo 7.


Fanfic / Fanfiction Just like that - Capítulo 7 - Capítulo 7.

                                 Chloe. 

  Matthew me deixou entrar e correu para pegar uma grande toalha branca e felpuda. Ele estava lindo com cara de preoucupado. 

  Ele estava de bermuda e sem camisa. E nossa que corpo. 

  Naquele momento até esqueci que estava tremendo de frio por estae molhada pela chuva.

  Ele me enrolou na toalha e pediu pra que eu entrasse, e então Jackie apareceu no topo da escada. 

  - O que a vacadela tá fazendo... Oh meu deus você tá encharcada! - e voltou correndo para o corredor e alguns segundo depois reapareceu, carregando um pequeno montinho de roupas. 

  - Vem, sei que não gosta muito de mim mas é melhor vestir minhas roupas do que ficar gripada. - ela falou e me levou pro banheiro que ficava na cozinha e me entregou as roupas. 

  Nunca imaginei que ela seria legal comigo. Afinal, eu invadi o sótão dela e ela me jogou um balde d'água. 

  Vesti as roupas que ela me entregou: uma regatinha branca e uma calça de moletom cinza. 

  Minha cabeça estava à mil, e meus olhos ainda ardiam de tanto chorar. Eu só pensava na briga horrível com meu pai. Eu sentia ódio dele e de tudo que ele me disse quando estava bêbado. Eu ainda tinha hematomas nas costas. Mas os dos braços estavam sumindo e o corte na boca estava melhorando. 

  Enxuguei um pouco os cabelos e sai do banheiro. 

  Estava até um pouco feliz por ter encontrado um lugar para ficar. Mesmo que fosse naquele sótão empoeirado que eu gostava. Qualquer lugar em que eu não tivesse que olhar para a cara do meu pai. 

  Jackieline e Matthew estavam na cozinha, sentados no balcão, de frente um para o outro encarando a cafeteira. 

  - Han, obrigado pelas roupas. - falei. - E desculpe por aparecer assim. 

  - Não, tudo bem. Só... Queria entender o que ouve. - Matthew falou, com um ar doce e educado. - Mas se não quiser falar eu entenderei. 

  - Tá tudo bem. Eu só... Cara... - senti a voz ficar embargada. - O negocio é o seguinte: eu não aguentava mais minha casa e resolvi passar uma noite longe daqueles desgraçados. Ai eu escalei a árvore, subi no telhado e Pow! A janelinha tava trancada! O Caleb resolveu sumir e eu não tinha aonde ir. Então cá estou, contando essa trágica e ridícula história. 

  Falei tudo aquilo e no final tive que respirar bem fundo para me recompor. 

  Por um momento, um silêncio constrangedor se instalou no ambiente. Sendo quebrado apenas pelo barulho da chuva. 

  Então Jackie falou:

  - Você pode dormir no quarto de hóspedes. Eu arrumei ele ontem. Só que ele não é tão grande e não tem muitos móveis. Mas a cama é macia e sem aranhas. - ela falou tudo rápidão e eu tive vontade de rir. 

  - Quer café? - Matthew perguntou. 

  - Não quero abusar da hospitalidade mas eu não gosto muito de café. Mas aceito um chá. - sorri. 

  Matthew fez um chá de hortelã para mim e me entregou em uma xícara que tinha o desenho do Mickey. 

  Ficamos conversando um pouco sobre assuntos banais e então eu perguntei: 

  - Por que nunca vi os pais de vocês? - fiz a pergunta ao acaso, e tomei um grande gole de chá. 

  Jackie baixou o olhar e Matthew engoliu em seco. 

  Me arrendi imediatamente. Não devia ter tocado no assunto. 

  - Foi mal... Eu não devia ter tocado no assunto. - me desculpei. 

  - Tudo bem. - Jackieline falou e tomou um granfe gole de café. - Nossos pais morreram em um acidente de carro à um mais ou menos um mês. Acho que, não superamos direito. 

  Nesse momento senti pena deles. Eu entendia a dor de perder alguém que se ama.

  - Eu perdi minha mãe com 12 anos. Foi muito doloroso. E ainda é. E agora, acho que perdi meu pai para a Andréa e o álcool. - contei. Foi o maior "desabafo" que já fiz na minha vida toda. 

   - Sinto muito. - Matthew falou e eu dei um sorriso fraco. 

  De repente, Jackie virou a cabeça em direção ao teto de maneira bem estranha. 

  - Isso é um celular tocando? - ela pulou da cadeira. - Isso é  meu celular tocando. - e saiu correndo para as escadas. - CARALHO, É MEU CELULAR TOCANDO! 

  E sumiu para o segundo andar. 

  - O que ouve com ela? - perguntei, me virando para Matthew e fitando seus olhos. 

  Eles estavam mais castanhos hoje. Mas lindos. Ele era lindo. 

  Matthew deu uma risadinha. 

  - Ela estava esperando uma ligação de um garoto que conheceu na escola. - ele falou. 

  - O nome dele não é Thommas né? - perguntei, de súbito. 

  - É sim, por que? - Matthew pareceu ficar preocupado e curioso. 

  E eu não sabia se contava ou não. Mas resolvi contar, era pro bem dela. 

  - Thommas é um cara que quer ter fama de "pegador". Ele conquista as garotas só para se divertir e depois as larga como se não fossem nada. - contei. - Mas como já enjoou das alunas da escola, ele se aproveita das novatas. 

  - E será que ele só quer iludir a Jackie? - A expressão de Matthew mudou de preocupação para raiva. Ele realmente se importava com a irmã. - Que desgraçado. 

  - Realmente um desgraçado. - a voz de Jackie entrou na conversa. Ela caminhava para a cozinha, cabisbaixa. 

  - O que ouve? - Matthew perguntou. 

  - Ele me ligou e disse que estava interessado em mim e logo depois no fundo, a voz de uma mulher disse "Volta para a cama Thommas".

  - Olha, sei que não sou tão próxima. Mas você pode achar algo melhor. Vários garotos da escola te acharam linda. - falei. E realmente era verdade. - Sei disso por que o Caleb faz parte do time de basquete e ele me contou. 

  Ela abriu um sorrisinho. 

  - Bom. Só desperdicei umas horss olhando fixamente para meu celular deitada de cabeça para baixo no sofá. E ainda quase morri engasgada com a batata frita. - ela riu. 

  E ao imaginar a cena sneti vontade de rir também. 

  - Você vai achar um namorado Jackie. Tenho fé nisso. E não vai ser um canalha. - Matthew falou e deu uma risadinha. 

  Depois fomos dormir. O quarto de hóspedes era pequeno mas bonitinho. Era muito melhor que meu quarto. Só pelo simples fato de não ficar na mesma casa em que meu pai e Andrea estavam. 

  Percebi que Jackie não tinha aceitado muito bem o fato de saber que Thommas não era o que ela sonhava, pois eu pude ouvir soluços baixos vindo de seu quarto. 

  Eu a entendia. Até eu já havia caído na laia daquele nojento. 

  Dormi bem naquela noite. Aliviada por ter encontrado refúgio onde nem imaginava. 

  De manhã, acordei com a luz cinzenta que entrava pela janela. Mais um dia chuvoso em Vancouver. 

  Ainda vestia as roupas de Jackie e teria que dar um jeito de entrar no meu quarto, pegar minhas coisas e escapulir. Eu conseguiria. Ja tinha feito aquilo mil vezes. 

  Desci às escadas e vi Matthew parado no fim das escadas. Ele parecia tenso. 

  - Tem alguém querendo falar com você na cozinha. - ele disse. 

  Caminhei para a cozinha. Meus pés descalços no chão meio frio de linóleo. 

  Meu pai estava lá. Com a minha mochila sobre a enorme mesa de jantar dos Montgomery. 

  Ele tinha as mãos entrelaçadas. Do mesmo jeito que fazia quando estava nervoso ou triste. E naquele momento ele parecia os dois. 

  - Oi Chloe. Eu vim pedir desculpas. 

  

  

  

  

  

  


Notas Finais


Obg por ler :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...