História Just Love - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Armin, Castiel, Dakota, Debrah, Iris, Kentin, Leigh, Lynn, Lysandre, Melody, Nathaniel, Personagens Originais, Rosalya, Violette
Tags Amor Doce, Castiel
Exibições 39
Palavras 1.001
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Festa, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


O capítulo foi pequeno, já que é apenas na visão do Castiel, além de que eu não sabia o que escrever, então me desculpem.
Boa leitura.

Capítulo 14 - Ela chorou?


~Point of View: Castiel Jordan~

Eu acordei e quando me viro para o lado, Emma não estava ali, mas sim uma carta. Eu a peguei e quando abri o envelope branco, retirei um papel de dentro do mesmo, eu vi que era ela que havia escrito aquilo. Eu me pus a ler a carta... Pior decisão da minha vida, pois quando terminei de ler a mesma, eu estava chorando igual um garotinho. Ela tinha ido embora, ela tinha me abandonado, ela não me deu a chance de me despedir dela.

Eu levantei da cama, vestir uma roupa e saí de casa, então peguei o elevador. Fui até seu apartamento, à porta estava aberta, então eu entrei e vi tudo coberto por lençóis brancos. Subi as escadas, entrei em seu quarto e estava tudo no mesmo lugar, apenas estava vazio... Não havia ela ali, de braços abertos pra mim com seu sorriso estonteante, ou com seu quarto cheio de roupas pelo chão, ou com o cheiro de seu perfume.

Aproximei-me da cama, deitei na mesma e cheirei os travesseiros... Eles ainda tinham o cheiro dela. O cheiro dos seus cabelos e do seu perfume que pra mim era único. Eu acabei por lembrar todos os momentos com ela, das vezes que ela sorriu e chorou nos meus braços, quando nos beijamos pela primeira vez, quando fizemos amor pela primeira vez, por fim, o baile... Ela estava incrível naquele vestido, estava mais bonita do que já era.

 

[...]

 

Lysandre me ligou e disse para eu ir a casa dele, pois precisava conversar comigo, então eu saí do apartamento de Emma e fui até o meu. Peguei as chaves de casa e do meu carro, já que eu havia comprado um para termos mais privacidade, mas agora não servia mais de nada. Segui para casa dele, quando cheguei à mesma, eu estacionei meu carro na frente da casa. Saí do carro e segui até a porta, então toquei a campainha. Ouvi passos e a porta foi aberta por Rosalya.

- Oi... – Seu rosto estava inchado.

- Oi Rosa. – Disse e entrei.

- Vem. Vamos para o quarto do Lys. – Ela subiu as escadas e eu a segui.

Nós entramos no quarto do Lys, ele também estava de cara inchado, então eu percebi a verdade, eles sabiam... Eles não me contaram que ela ia embora.

- Senta. – Ele disse curto e grosso.

Eu me sentei na cama, Leigh apareceu na porta e Rosalya saiu correndo para abraça-lo. Ele saiu do quarto com a mesma deixando eu e Lysandre a sós.

- Por que não me contou? – Perguntei.

- Ela nos fez prometer que não contaríamos. – Respondeu.

- Por que ela não me contou que estava indo embora? – Sentia a vontade de chorar voltando.

- Ela não queria fazer você sofrer mais do que já iria. – Disse e se aproximou da cama. – Ela sofreu essa última semana, Castiel, por isso ela te evitou. Vocês terem transado ontem, foi uma despedida.

- Ela chorou? – Encarei-o.

- Sim... Ela chorou muito. – Disse e me abraçou.

Se fosse qualquer outro momento, eu diria para ele para de ser gay, mas eu estava realmente precisando daquele abraço. Acabei por voltar a chorar, de novo.

 

[...]

 

- Você está bem?

- Sim, eu estou... E ele?

- Ele está dormindo.

Vi ele me encarar, então voltei a fingir que estava dormindo.

- Ele chorou?

- Sim... Emma, você não deveria ter feito isso com ele.

- Lys... Não faz isso. Não agora, por favor.

- Eu quero que você seja feliz, mas o Castiel não vai desistir tão fácil assim de tentar te encontrar, você sabe disso...

- Eu sei disso, por isso, eu estou me culpando.

- Não se culpe Emma. Não é sua culpa se você teve de ir embora.

- Mesmo assim, Lys.

Ouvi-a fungar... Aquilo doeu, já que sempre odiei vê-la chorar.

- Eu tenho que desligar, meu pai está me chamando.

- Tudo bem. Tchau, Em.

- Tchau, Lys.

Lysandre desligou a chamada. Eu sentir seu olhar sobre mim, eu ainda fingia dormir, então me remexi e abrir meus olhos.

- Bom dia. – Lysandre disse.

- Bom dia. – Respondi.

 

[...]

 

Duas semanas depois...

Eu estava em casa sozinho, encarando o teto, deitado no sofá. Tudo me lembrava dela, cada canto da casa, me fazia ter uma lembrança dela. Eu ainda podia sentir a presença dela. Todas as noites eu sonhei com ela e eu sempre acordei chorando, gritando para que ela não fosse embora, que ela não me abandonasse, mas ela não escutava e acabava embarcando no avião.

Acabei por pegar meu violão e tocar a melodia da música que tocou no baile, comecei a cantar a música, quando chegou à parte que ela cantou... Veio-me a imagem a cabeça dela cantando no meu ouvido. Quando me dei conta, eu já estava chorando, de novo. Eu nunca chorei tanto por alguém como eu estava chorando por ela. Dragon se aproximou de mim e se esfregou na minha perna, como se pedisse desculpas, mesmo não tendo feito nada de errado.

- Não se preocupe... Não é culpa sua, Dragon. – Fiz carinho em sua cabeça.

Eu pensava e repensava sobre os motivos dela não ter me contado. Ela não queria me machucar, eu sei disso, mas não me contar me machuca mais ainda. É como se ela não confiasse em mim, mas também tem a hipótese de ela não ter me contado, porque eu iria tentar convencê-la de fazer alguma loucura. Ela iria aceitar, por isso, não me contou.

Eu preciso esquecer ela, não posso mais viver dessa forma, eu não sou assim. Nem pela Debrah eu fiquei dessa forma, caralho. Como você, Emma Clark, pode fazer uma confusão tão grande na minha cabeça? Você sempre foi capaz de mexer com meu coração, meu consciente e subconsciente, fazer pensar coisas que nunca imaginei. Eu nunca havia pensado em casar ou ter filhos, até ela entrar na minha vida e mudar ela drasticamente, da forma que só ela sabe.


Notas Finais


Fiz esse capítulo na visão dele, pois era para vocês verem como ele estava, mas os que seguiram adiante serão só na visão da Emma.
Podem dar ideias do que querem que aconteça nos próximos capítulos, pois isso ajuda bastante.
Eu também estava pensando em criar um grupo no WhatsApp, assim eu posso ter mais contato com vocês leitores, além de que você poderão receber alguns spoilers. Se aprovarem a ideia, falem nos comentários.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...