História Just One Day - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Exibições 12
Palavras 965
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oe xuxus!
Finalmente postei um cap cedo né ajdhahdaois
Aproveitem

Perdoem os erros e não desistam de mim <3

Capítulo 6 - Meu Garoto


Fanfic / Fanfiction Just One Day - Capítulo 6 - Meu Garoto

 

As ruas estão molhadas, tento dirigir com calma dizendo para mim mesma que não tenho motivos para tanta pressa. Passo por Itaewon (*bairro em Seul*) que está bem movimentada para essa hora, os estrangeiros costumam dormir tarde nessa parte da cidade.

Paro no sinal vermelho e observo todas aquelas pessoas ocupadas. Eu nunca sai de Seul, nascida e criada aqui, nunca tive a oportunidade de sair da Coreia. Quando eu era criança, sonhava em visitar os EUA ou qualquer cultura diferente da nossa. Nunca me contentei com pouca coisa, sonhava grande demais para uma criança tão pequena, mas á partir do dia em que meu pai foi embora acabou levando meus sonhos junto com ele.

Sigo viagem e paro o carro de JungKook em frente ao prédio de Seung. Sem pender o costume, cumprimento o porteiro e pego o elevador. Uma musica muito alta da para se ouvir do corredor, Jimin está parado na porta gesticulando com uma senhora que está praticamente batendo nele.

– Abaixe isso, voce está incomodando meu marido

– Eu não tenho nada a ver com isso, senhora. Achei que os velhos já fossem surdos

– Como voce se atreve? – a velhinha da uns tapas em Jimin que parece se divertir com a situação – Eu vou chamar a policia

Ela passa por mim pisando duro e eu me aproximo de Jimin. Ele está sem camisa exibindo seu peito liso e definido e sorri quando me vê.

– Voce voltou? Achei que se desse mais valor...

Jimin bloqueia a porta abrindo um sorriso maior. O que tem de errado com esse garoto.

– Onde Seung está? – pergunto cruzando os braços

– Ele saiu

– Como assim saiu?

– Saiu – ele cruza os braços também definindo ainda mais os músculos do bíceps – Mas voce pode se divertir comigo

Seu olhar pervertido desceu por todo meu corpo e só agora fui lembrar que ainda estava com a blusa do pijama e sem sutiã. Umedeço os lábios e fecho o casaco encarando Jimin. Estava prestes a xinga-lo quando ouço a voz de Seung lá dentro.

– Jimin, quem tá ai?

– Sua namoradinha – Jimin responde revirando os olhos enquanto me da passagem

Entro no apartamento que está parecendo mais um chiqueiro. Roupas jogadas, caixas de pizza, garrafas de cerveja e cinzeiros espalhados por toda parte. Fico enojada tanto com o cheiro do lugar quanto com a expressão de Jimin antes de sair da sala e desaparecer quarto adentro.

– O que aconteceu aqui? – pergunto confusa, Seung jamais deixava o apartamento tão bagunçado assim

– Não tive tempo de arrumar, Jimin é mesmo um furacão

– Ele fez isso? – aponto para aquela bagunça toda, mas não estou surpresa

– Fez

Seung passa as mãos pelo cabelo, mania que eu sei que ele tem quando está nervoso.

– Agora voce entende o meu desespero...

– Vai me explicar agora?

– Sim, por favor senta – Seung vai ate a prateleira e desliga o som barulhento me fazendo agradecer mentalmente

Ele pede e eu olho para o sofá bagunçado, pego uma cueca verde com a ponta dos dedos e jogo no chão para me dar espaço, Seung senta de frente para mim. Fico encarando ele a espera de alguma resposta, mas ele não diz nada, só me olha de volta.

– Porque voce nunca me contou que tinha um irmão? – resolvo falar já impaciente

– Eu não podia, quando eu sai de Busan prometi a mim mesmo que não falaria dele para ninguém...

– Porque? Ele é seu irmão, Seung – pergunto incrédula

– Não, ele não é. Jimin é adotado, um bastardo...

Prendo a respiração por alguns segundos. Eu sabia o que bastardos significava na Coreia, pessoas abandonadas por ambos os pais não eram bem vistos na sociedade, se os próprios pais não o queriam, quem iria querer.

– Meu pai abriu uma nova empresa de hotéis aqui em Seul e nos mudaríamos, mas Jimin se recusou a deixar Busan, ele queria encontrar os pais biológicos e não podíamos fazer nada. Ele não entrou em contato por cinco anos, minha mãe sofreu demais por isso, ela achava que ele tinha encontrado seus pais e esquecera dela. Ela sofreu...

Seung olha para suas mãos no colo e eu as pego envolvendo com as minhas.

– Passei a odiar Jimin por isso. Ele não pode simplesmente voltar e fingir que nada aconteceu

As coisas começam a clarear minha mente. Seung odiava o irmão, mas ainda sim não tinha motivos para falar comigo daquele jeito. Não posso simplesmente perdoa-lo, mas posso entender a situação.

– Tudo bem, o que acha que podemos fazer? – sugiro olhando para a porta do quarto temendo que Jimin apareça

– Só quero tira-lo daqui o mais rápido possível, antes que minha mãe volte a se apegar e ele vá embora. Ela não vai aguentar...

Olho naqueles olhos e vejo aquele garoto por quem eu me apaixonei de verdade pela primeira vez. Seung sempre quis proteger a mãe, admiro o relacionamento dos dois e vejo que se compara ao que tenho com minha mãe. Já vi ela sofrer demais pelo meu pai e faria de tudo para tomar a dor dela.

– Quer que eu te leve de volta? – ele pergunta

– Estou de carro

– JungKook? – ele ri

– Sim – dou risada também, adorava nossas piadas internas

– Passa a noite comigo então? Não quero voce dirigindo sozinha á essa hora – Seung segura minha mão força quase suplicando – Vou dar um jeito para que Jimin não te incomode...

– Está bem – concordo sentindo que respondi rápido demais, mais uma vez meu coração fala por mim – Esse lugar está precisando de um toque feminino mesmo

Tento fazer humor e me levanto sem suportar aquela bagunça. Eu tentaria ignorar Jimin ou pelo menos tentar me dar bem com ele, para o bem de Seung.

– Vou pedir algo para comer

Seung me da um beijo na bochecha e vai para a cozinha enquanto eu penso por onde começar a limpar aquilo.


Notas Finais


Ta ruim né? Não é um dos meus melhores caps :(
Devo continuar?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...