História Just one Night - Imagine Lay (Exo) - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Tags Chanbaek, Exo, Fantasia, Festa, Imagine, Lay
Visualizações 458
Palavras 4.698
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Festa
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oii gente, turu bom?

Sem enrolação, espero que gostem desse lindo imagine com nosso Lay 💜

Capítulo 1 - Capítulo único.


Daqui a três horas, eu irei a festa surpresa de Byun Baek Hyun. Pela primeira vez em anos, os seus amigos conseguiram organizar uma festa surpresa na qual Baek não descobriu. Chega a ser engraçado pensar na cara dele ao ver o que seus amigos prepararam.

Esse ano Baek Hyun faz dezoito anos, e para comemorar a maior idade do amigo, Se Hun e Jong In fizeram uma festa na qual todos terão que ir trajados com alguma fantasia. Baek Hyun adora fantasias e festas, e nada melhor do que fazer uma combinação dos dois. Há uma semana, eu estava louca correndo por toda Seoul em busca de uma fantasia decente. Eu só encontrava de: princesas, bruxas, joaninhas etc. Sinceramente, eu estava quase desistindo de ir a essa festa, mas uma amiga minha havia me falado para ir de anjinha. Não chama muito a atenção, é fofo e bonito. É a fantasia perfeita para mim. 

Olhei no relógio e eram seis e meia da noite, a festa começa as oito, então fui tomar um banho. Me despi e entrei no box, deixei com que a água gelada caísse sobre mim afastando o calor que estava a 29° graus. Seoul no verão é como um inferno, é horrível e agonizante. Enquanto passava todos os meus produtos para a pele, uma sensação ruim percorreu por todo o meu corpo, deixando um embrulho no meu estômago.

Mas que diabos está acontecendo?

Sempre quando eu tinha pressentimentos ruins eles normalmente nunca são tão fortes, mas sempre são uma surpresa inesperada. E eu detestava isso.

Desliguei o chuveiro e terminando de me secar, fui até o meu quarto e coloquei a roupa que eu iria usar hoje em cima da cama. Caminhei até a minha penteadeira e começando a me maquiar, ouvir meu celular tocar, peguei o mesmo e o desbloqueei, vi uma mensagem de Ji Hoo, ela falava para mim passar na sua casa para a mesma ir comigo. Depois de responde-la, botei na minha lista de músicas e coloquei no aleatório e continuei me arrumando.

Terminei de me arrumar por volta das sete e meia, mandei uma mensagem para Ji Hoo dizendo que daqui a dez minutos passaria na sua casa. Antes de sair, dei mais uma checada no espelho e arrumando a saia branca que eu estava usando, me elogiei internamente por estar linda. Sai de meu apartamento e fui para a garagem, entrei no meu carro e dei a partida.

Chegando a casa de Ji Hoo buzinei e ela já se encontrava saindo de sua casa.

- O que você está vestindo? - perguntei olhando para sua fantasia que parecia ser uma coelhinha ou um alce.

- Eu sou uma coelhinha. - disse girando para mostrar sua fantasia por completo. - Vejo que seguiu o meu conselho e veio de anjinha. - disse entrando no carro.

- Claro, garanto que a maioria das meninas que estiverem naquela festa, estarão usando as princesas da Disney, ou diabinha. Por que não ser diferente, né? - disse rindo e dando a partida rumo a casa de Byun.

Chegamos na rua da casa de Baek e já dava para saber qual casa estava fazendo uma festa só pelo som alto. Estacionei o carro e peguei o presente que comprei ao meu amigo, Ji Hoo fez a mesma coisa, mas ao invés de me esperar para entrarmos juntas, saiu correndo ao ver seu namorado.

Caminhei até a entrada da casa e antes de entrar a porta se abriu mostrando um Se Hun muito feliz.

- Yeon Hee, você veio! - disse me abraçando.

- Como eu poderia perder a primeira festa surpresa que vocês conseguiram organizar para Baek Hyun sem que ele descobrisse? Obviamente eu não perderia isso por nada. - disse o abraçando de volta.

- Nossa, como você está gata. Entra daqui a pouco Baek chega. - disse saindo e bebendo alguma coisa que estava em seu copo. - Ah... e depois eu tenho que te contar uma coisa. - disse sorrindo ladino.

- Vou aguardar ansiosamente. - disse olhando para trás e entrando de uma vez.

    A festa estava incrível, as pessoas se divertindo e bebendo, algumas se beijando nos cantos, outras dançando e outras rindo de algumas fantasias ridículas. Coloquei meu presente junto a vários outros que estavam jogados em um canto na sala, e depois indo buscar uma bebida eu encontro Chan Yeol.

   - Yeon Hee? - disse incrédulo.

- A única. - disse virando e o cumprimentando.

- Você está incrível, é a primeira vez que eu te vejo vestindo algo do gênero, você não é a Yeon Hee que eu conheço. - disse rindo.

- Não é todos os dias que eu me visto de coelhinho da páscoa e vejo meus amigos elfos. - disse se referindo a Chan.

- Essa é a Yeon Hee que eu tanto amo. - disse e rimos. - Yeon, eu tenho que te contar uma coisa. - disse abaixando a cabeça.

- Você não é o primeiro a falar isso hoje pra mim. - disse colocando um pouco de bebida no meu copo.

Chan Yeol me olhou confuso e logo continuou a falar.

- Então... - pigarreou. - e-eu vou pedir Baek em namoro hoje. - disse colocando uma das mãos atrás do pescoço.

Sorri involuntariamente com isso. Eu realmente estava esperando o dia em que Park Chan Yeol iria tomar coragem para pedir Byun Baek Hyun em namoro. Eu não poderia estar mais feliz com isso.

- Cara, isso é muito bom. Você não faz ideia do quanto eu esperei por isso. Felicidades pra vocês. - disse sincera.

Chan Yeol sorriu e logo me abraçou.

- Muito obrigado, é por isso que eu te amo. - disse me abraçando forte.

- Ta bom, agora já pode parar. - disse sorrindo. - Ninguém mais sabe sobre isso? - digo me referindo ao pedido.

- Não, você é a única. Por enquanto. - sorri.

- É por isso que eu te amo. - disse o abraçando.

Chan Yeol e eu ficamos conversando por um bom tempo, até que eu olho para a sala que fica na frente do lugar onde eu estou e percebo alguém muito familiar.

- Mas não é possível... Sabia que alguma coisa iria acontecer hoje. - disse baixo, mas Yeol conseguiu me ouvir.

- O que disse? - perguntou.

- Na-nada, Chan Yeol pode esperar só um minuto, por favor? Eu já volto. - disse sem tirar os olhos da pessoa que agora estava sentada no sofá.

- Claro.

Sai correndo atrás de Se Hun, procurei-o por todos os cantos, até que o encontro sentado com alguns homens rindo.

- Se Hun, eu preciso falar urgente com você. - disse o puxando.

- Espera só um segundo.

- Se Hun, agora! - disse séria.

Ele veio comigo até um canto do lado de fora da casa.

- O que foi? - disse se apoiando na parede e bebericando a sua cerveja.

- O que ele faz aqui?

- Ele quem? - perguntou confuso.

- Yixing. - Se Hun arregalou seus olhos pequenos e ficou estático por um segundo. - Se Hun, me responde!

- Ah... Então... é... - disse coçando sua nuca. - Era isso que eu tinha para te falar. - arqueei uma sombrancelha. - Os caras pediram para mim convidar ele.

- Por quê?! - perguntei um pouco alterada.

- Calma, não fica assim não. - o fuzilei com os olhos. - Os caras acham ele legal, eu pessoalmente também acho. Me desculpa, aguenta essa só essa noite, por favor? - disse com as mãos juntas. - É aniversário de Baek, apenas essa noite, eu juro. - revirei os olhos.

- Ta. - Se Hun comemorou e me deu um beijo na bochecha.

- Você é uma amiga incrível, sabia? - disse rindo.

- É...

Depois da minha conversa com Se Hun, Ji Hoo deixou seu namorado um pouco e ficou comigo. Estávamos dançando e bebendo. Pode se dizer que eu literalmente esqueci todos os meus problemas essa noite.

- Baek está chegando, se escondam. Rápido! - disse alguém.

Eu e Ji Hoo saímos correndo e nos abaixamos atrás do balcão da cozinha. Apagaram as luzes e depois de dois minutos Baek abre a porta e liga as luzes.

- Surpresa! - todos pularam gritando. Soltaram fitas e confetes coloridos e todos começaram a cantar parabéns.

Baek estava muito feliz, ele estava praticamente chorando. Com certeza esse foi o seu melhor aniversário. Depois de todos terminarem de cantar parabéns, Chan Yeol chamou a atenção de todos para si.

- Por muito tempo, eu amei uma pessoa. Por muito tempo, eu espero por esse momento. Byun Baek Hyun. - disse se virando para ele. - Eu te amo de todas as formas e jeitos. Você é a única pessoa que me faz muito feliz, você foi a única pessoa que me fez enxergar a verdade e que me mudou por completo. Eu te amo, você aceita namorar comigo? - disse se ajoelhando e erguendo uma caixinha de veludo preta.

Baek estava aos prantos, nunca o tinha visto chorar tanto. Ele foi até Yeol e gritou um sim, abaixou e abraçou forte seu namorado. Todos aplaudiram e gritaram, eu estava muito feliz. Eu chorava junto com Baek, adorava ver esse tipo de coisa. E Baek merecia tudo aquilo que estava acontecendo de bom hoje para ele.

Depois de muito choro e aplausos, as pessoas foram comer, outras voltaram a dançar e tinha eu, que estava do lado de fora olhando para o céu e sorrindo. Ou eu ainda estava muito feliz por Baek ou estava bêbada. Tinha perdido a conta de quantos copos de vodka e outras bebidas eu já tinha tomado.

- Oi. - escutei uma voz familiar. Era ele.

Droga!

Me virei e pude perceber Yixing encostado na porta olhando para mim.

- Oi. - disse sem ânimo algum.

Senti seu maravilhoso perfume no qual eu sou apaixonada entrando pelas minhas narinas e trazendo algumas lembranças boas.

- Faz muito tempo. - disse se sentando ao meu lado naquela cadeira branca.

- Concordo. - disse voltando a olhar as estrelas.

Senti seus olhos em minha direção e com certeza um rubor vermelho apareceu nas minhas bochechas. Eu não queria admitir, mas querendo ou não ele ainda mexia comigo.

- Olha Yeon, eu peço desculpas. E-eu não queria...

- Não Yixing, agora não é um bom momento pra isso. Esquece, isso é passado. - disse fechando os olhos e respirando pesado.

- Eu sei, mas ainda me culpo. - disse abaixando a cabeça.

- Olha... A culpa não foi de ninguém, ta bom? Eramos imaturos naquela época. Hoje isso só se tornou um aprendizado para nós dois. - disse agora o encarando.

- Você ainda me deixa louco. - disse rindo abafado.

- Você não mudou nada. - disse sorrindo.

- Nossa, isso realmente me ofendeu. - colocou as mãos para cima como se estivesse ofendido.

- Idiota... - disse tomando um gole da minha bebida.

Yixing passou uma das mãos pelo meu rosto fazendo com que um arrepio passasse por todo o meu corpo. Meu coração acelerou e do nada eu senti uma tremenda vontade de o beija-lo, mas eu não podia. Por mais que Yixing ainda me fizesse sentir borboletas no estômago eu não poderia me entregar. Não depois do que aconteceu.

FlashBack ON

2 anos atrás.

Faziam-se dois dias que eu tinha chegado em Hong Kong, eu estava aqui para fazer uma surpresa para Yixing, já que foi obrigado a voltar para China, eu queria lhe fazer uma surpresa.

Cheguei até a empresa que o pai do Yixing mandou ele assumir por um tempo; eu estou aqui faz duas horas esperando ele chegar.

De repente vejo um carro preto estacionando em frente ao grande prédio e vejo Yixing saindo dele. Ele estava muito bonito, estava com um terno preto e agora tinha seus cabelos pretos que antes eram loiros. Ele estava realmente maravilhoso. Sai correndo em sua direção e o chamei, senti o virar um pouco a cabeça, mas continou andando.

Acho que ele não me viu.

Tentei chegar mais perto dele mais fui empedida por um de seus seguranças.

Acho que eu devo voltar para o hotel.

Chamei um táxi e pedi para que ele me levasse até o hotel onde eu estava hospedada. Chegando no hotel agradeci o taxista em inglês, já que sou péssima no mandarim e logo entrei no prédio.

- Aish, são oito e meia e eu estou com muita fome. Acho que vou aproveitar que eu estou aqui para dar uma volta e comer em algum restaurante.

Peguei minha bolsa e sai do hotel caminhando para o centro de Hong Kong. Comprei algumas roupas e estava exausta, mas eu ainda precisava comer, então parei em um restaurante bem famoso aqui na cidade para comer. 

O lugar era deveras magnífico, nunca vi algo tão chique assim antes. Entrei e pedi uma mesa para o garçom que logo me enviou até uma que ficava do lado da janela onde dava para ver toda Hong Kong, era lindo.

Fiz meu pedido e fiquei esperando. Vejo alguns carros pretos chegando e fico observando. Uma mulher muito bonita saiu de um deles e no outro... Calma! Yixing?! Sorri involuntariamente e esperei para que passassem na minha frente, já que a minha mesa era uma das primeiras. Eles entraram e meu coração acelerou, sorri e acenei para Yixing, mas o mesmo passa por mim e me olha logo desviando o olhar e segurando a mão da mulher que saiu junto com si no carro.

Meu coração se despedaçou, eu estava pronta para chorar. Sai correndo daquele estabelecimento sem esperar pelo meu pedido e fui em direção ao hotel. Entrei no meu quarto e logo me pus a chorar.

- Como ele pode fazer isso comigo? Eu o amava. Como eu pude ser tão burra em não perceber que tinha algo estranho. Ele não estava mais respondendo as minhas mensagens e nem retornando as minhas ligações. Eu sou uma completa idiota.

E foi assim que eu adormeci. Chorando.

No dia seguinte eu acordei e decidi que voltaria para Seoul. Arrumei minhas malas e pedi para um táxi passar no hotel e me levar para o aeroporto. E assim foi feito. Eu já me encontrava no aeroporto, esperando meu vôo para ir embora daqui.

- Droga, eu não tomei café da manhã. - senti minha barriga roncando.

Me levantei e procurei alguma cafeteria, até que achei uma e vi o que não deveria ter visto. Ao chegar na cafeteria me deparo com Yixing beijando aquela mulher de ontem. Eu fiquei ali, parada, como se eu não conseguisse me mover para lugar algum.

Yixing assim que cessou o beijo virou e me encarou, logo desviou o olhar e voltou a prestar atenção na sua mulher.

FlashBack OFF

- Yix... - fui cortada por um de seus dedos que estava pousado em meus lábios.

- Xii... Por favor, não fala nada. Nós dois sabemos que queremos isso. - disse e logo se aproximou de mim roçando seus lábios nos meus.

- Yixing, não... Por favor! - disse em um sussurro me esquivando de seu toque.

- Por favor, me de só mais uma chance... Eu juro que mudei... - o olhei e quando menos percebi nossos lábios já estavam colados. Nos beijamos devagar, precisávamos daquilo, querendo ou não ainda nos amávamos. Fui cedendo aos poucos, em um estalo de dedos, nosso beijo foi ficando mais necessitado, nossas respirações estavam pesadas.

- Vamos para o quarto. - disse Yixing me puxando.

Entramos na casa e todos já estavam bêbados, bom, a maioria sim. Subimos as pressas e entramos em qualquer quarto, até que ligamos as luzes e vimos Chan Yeol e Baek Hyun aos beijos na cama.

- Desculpa, quarto errado. - disse rindo e saindo do quarto.

- Ya - disse Baek Hyun assim que saímos do quarto.

Entramos em outro e dessa vez não tinha ninguém. Yixing trancou a porta e logo voltamos a nos beijar euforicamente, paramos para recuperar nossos folegos. Ficamos nos olhando por um bom tempo, suas íris opacas penetravam as minhas e ainda que silenciosas, elas me diziam palavras não-ditas. Seus lábios rubros se mostravam assustadoramente suculentos e uma fragrância libidinosa pairou no ar daquele cômodo. Eu precisava dele.

Sem refletir minhas ações, enrosquei minha perna na altura da sua cintura e selei nossos lábios. Era um beijo devagar mais intenso.

Levei minhas mãos até a sua nuca e puxando alguns fios de cabelo senti as mãos de Yixing passear pelo meu corpo em locais propositais pelo meu corpo. Seus dedos gélidos passeando por toda a minha extensão fazendo com que soltasse gemidos baixos.

- Irei fazer você desfrutar de uma noite inesquecível. Apenas essa noite! 

Em um ato quase que impulsivo tombei minha cabeça para trás e Yixing passou a beijar o meu pescoço logo apertando meus seios rígidos por conta da excitação. Com um impulso coloquei minha outra perna em volta da sua cintura fazendo com que eu ficasse em seu colo e sem reparar, já roçava minha intimidade contra seu membro que latejava sob a calça preta que ele estava usando. O que fez Yixing gemer roucamente.

Com isso, afastou-se e me retirando do seu colo. Girando agilmente o meu corpo, posicionou-me de frente à porta e manteve-se por trás de mim. Colando seu tronco em minhas costas, notei o volume de seu pênis sobre minha bunda. Ele encaminhou suas mãos obstinadas pelo meu ventre, até mudar de rumo e encontrar meu seios o apalpando me fazendo ofegar.

Ainda não satisfeito, permaneceu com a mão esquerda em meu seio e usou a outra para chegar em minha intimidade. Vibrei quando senti seus dedos esfregando meu clitóris por cima do fino tecido da minha calcinha. Gemi satisfatoriamente apalpando as minhas mãos na porta. Empinei a minha bunda e pude sentir seu pênis ereto por dentro da calça.

Yixing tirou seus dedos de minha intimidade e apertando com as duas mãos a minha cintura, comecei a rebolar sobre seu membro latejante. Meus gemidos agudos se misturavam com seus grunhidos graves.

Senti que poderia chegar ao ápice somente com aquilo. Entretando, ele me virou de frente a ele e pude notar que agora seus olhos ardiam diante mim. Suas mãos me dominaram novamente e seus lábios úmidos selaram o meu pescoço. Ele destribuia ora chupões, ora mordidas pela extensão da minha clavícula, deixando um rastro de lesões roxas e avermelhadas por minha pele branca. Aproveitei e tirei sua camiseta assim deslizando meus dedos sobre seu abdômen até chegar no notório volume, o qual massageei ainda por cima do maldito tecido de sua calça.

Diante disso, ele separou seus lábios da minha pele e me lançando um olhar sugestivo, pude compreender claramente o que ele queria. Então, o empurrei para a cama o fazendo sentar e logo desabotoando sua calça e retirando sua cueca preta, me ajoelhei, e pude ver seu membro saltar para fora.

Sem demorar, preenchi minha mão com seu membro enrijecido, e sem ter noção alguma de como fazer aquilo apenas segui meus instintos. Passei delicadamente a ponta da minha língua em sua glande e seu gemido rouco ecoou o cômodo. Sorri e repeti meu ato vigorosamente, ele demonstrou aprovar, sinal que eu precisava para prosseguir.

Deslizei suavemente sua glande para dentro da minha boca e usando os lábios, ora a sugava, ora a chupava, sentindo seu fluído pré-ejaculatório mesclar-se com a minha saliva. Observei Yixing, o qual gemias palavras incoerentes, nitidamente tomado pelo prazer. Ele segurou meu cabelo e o enlaçou firmemente em seu punho, forçando a minha cabeça contra seu membro.

Acabei por preencher minha boca inteiramente com seu pênis, sentindo refluxo, que logo reprimi e comecei a chupá-lo. Mamando toda a sua extensão, apoiei minha mão disponível em sua coxa, cravando minhas unhas em sua carne e ele inclinou a cabeça para trás entregue aos meus toques. O moreno usou a mão que enlaçava meu cabelo e passou a ditar o ritmo que eu lhe chupava, o qual não era tão rápido, visto que ele investia na intensidade. Seu pênis pulsava, sendo pressionado pela minha cavidade bucal e um gemido indicou a proximidade do seu ponto culminante.

Yixing aumentou consideravelmente a velocidade com seu punho, fazendo com que fodesse a minha boca e assim alcançando o ápice em minha boca, fiz questão de engolir até a última gota do seu gozo, limpando sua glande com a língua. Sem demorar muito, ele me levantou e recuperando o fôlego, beijou-me delicadamente desfrutando de seu gosto que predominava na minha boca.

Após o término do beijo, mais uma vez me pegou no colo e me colocando em cima da cama, me deitou e se debruçou em cima de mim.

   - Irei te dar uma emoção diferente que está escondida a muito tempo em você. - disse.

Ao terminar de falar, Yixing agilmente pegou suas mãos e tirando todos os acessórios de anjo que eu estava usando na minha fantasia. Me deixou apenas de camiseta e saia. Ele voltou a me beijar e descendo suas mãos até a barra da minha camiseta, puxou-a e observou meus seios quase desnudos. Desceu seus beijos até meus seios e descendo mais um pouco suas mãos senti o puxando minha saia junto com a minha calcinha. Yixing não cessou o beijou e só faltava tirar a última peça de roupa que cobria meus seios. Sem qualquer aviso prévio, ele arrancou meu sutiã e voltando a me beijar fazia com que gemidos roucos saíssem da minha boca, Yixing com uma de suas mãos livres, desceu até meu íntimo e o massageando de forma lenta. Yixing foi descendo seus beijos até chegar em minha intimidade e deixando um selinho ali, o que compeliu com o arqueamento das minhas costas e ele inclinou seu tronco para trás, endireitando-se de joelhos, afastou minhas pernas e beijando minhas coxas até chegar na minha intimidade, roçando seu nariz em meu clitóris, fazendo meu corpo tremer. Na quele momento eu sabia que estava entregue a ele.

Yixing passou sua língua por minha intimidade fazendo eu contrair minhas pernas impulsivamente. No entanto, Yixing as afastou novamente. Sua habilidosa língua, percorreu toda a minha vulva até parar em meu clitóris o qual começou a chupar, enquanto penetrou-me dois dedos de maneira gentil. Eu senti um certo incômodo por ainda ser virgem.

Seu modo jeitoso transformou o desconforto em puro prazer com algumas estocadas. Ele aumentou a força e eu acomodei minhas pernas em seus ombros, ao mesmo tempo que Yixing se encontrava afundado entre elas. Retirando seus dedos do meu íntimo, passou a pressionar sua língua contra minha entrada. Levei minhas mãos à sua cabeça e entrelacei os dedos por entre seus negros fios de cabelo, arranhando com as unhas o seu couro cabeludo, ele gemeu roucamente sobre a minha intimidade e eu enlouqueci, pressionando sua cabeça contra o centro das minhas pernas, incentivo-o a continuar.

Situava-me completamente sensível ao seu toque e o trabalho incrivelmente incrível de sua língua era algo diabolicamente angelical. Não sabia mais quem eu era e o que acontecia ao meu redor. Estava focada apenas no sentimento de prazer que o homem a minha frente proporcionava. Meus gemidos poderiam facilmente ser ouvidos por toda a casa eu dava graças aos céus, por todos estarem bêbados e o som estar absurdamente alto. Eu estava indo a loucura, o meu tesão só aumentava. Quase indo ao meu ápice, ele estimulava meu clitóris e agora me fodia usando três ágeis dedos.

Sem suportar tamanha excitação, senti o enfraquecimento das minhas pernas e o contrair do meu corpo inteiro. Gemi seu nome, enquanto gozei na sua boca. Yixing lambeu toda aquela área sensível, buscando pelo meu líquido e eu suspirei, tentando retomar a minha respiração normal.

Ainda ajoelhado, pegou-me graciosamente e me colocou em seu colo, permanecendo entre minhas pernas. Beijou-me de uma maneira carinhosa e eu senti sua rígida excitação, que novamente fez com que meu corpo vibrasse com esse toque. Rocei minha intimidade sobre seu membro ele gemeu sobre meus lábios. Como se houvesse lido minha mente, realizou o que eu almejava naquele momento.

Yixing me deitou sobre o colchão novamente e me beijando com tamanha excitação, ele posicionou seu pênis em minha entrada, penetrando somente a glande e a retirando, simulando estocadas repetidas vezes. Mas eu já não aguentava. Meu corpo implorava pelo seu com urgência. Então forcei meu quadril contra o dele o fazendo me invadir completamente. Grunhi devido ao maldito desconforto e ele notou, maneirando em suas investidas.

  O excessivo líquido provindo da minha excitação e seu hábil comportamento, afastaram a dor e eu pude apreciar a sensação do seu pau latejando dentro de mim. Fechei os olhos e cravei minhas unhas em suas costas, ele rosnou. Diante disso, abri meus olhos e notei que havia lhe cortado com as minhas unhas. Porém, Yixing pareceu esquecer a dor e focou em me foder.

Seus movimentos eram lentos, porém firmes e precisos, demonstrando exatamente como fazer e quais pontos alcançar. Passei minhas mãos para a sua nuca ora segurando algumas mexas, ora puxando. Ele se apoiou em seus braços e passou a aumentar a velocidade de suas estocadas. As paredes da minha vagina o comprimiam, o que o descontrolava e desenfreava nossos gemidos.

Já chegando ao ápice, quando Yixing parou decididamente suas investidas e eu queixei-me manhosamente.

- Lamento que você tenha me deixado tão louco. - meu olhar confuso o fazia rir sacana. - Você sabe o que fez... Anjinha.

Yixing retirou seu membro de mim, e ordenou para que eu virasse e então compreendi sua sagaz intenção.

Ajoelhei-me na cama e virei para o lado oposto à Yixing, apoiando minhas mãos e joelhos sobre o lençol, permaneci de quatro. Ele agarrou a minha cintura puxou-me para perto de si. Contornou minhas costas com suas mãos, logo desferindo um tapa em minha bunda e eu gemi.

Mirei-o de soslaio e notei que ele já se preparava para me tomar novamente. Não tardou muito e eu o senti forçar a entrada da minha vagina. Invadiu-me completamente e não vivenciei incômodo, já que me encontrava possuída pelo prazer. Devido a diferente posição, minhas paredes se situavam ainda mais apertadas, comprimindo seu pau, o qual inchava diante tamanha excitação.

Inclinando-se sobre mim, usou suas mãos para apalpar meus seios e iniciou suas investidas. Com movimentos, cujo o dava mais prazer, estoucou-me de maneira acelerada. Porém, mantendo sua precisão e firmeza. Encaminhando agora suas mãos até minhas coxas, agarrou meu cabelo em um rabo-de-cavalo e o puxou forte, fazendo minha cabeça ir para trás.

Debrucei meu tórax e empinei consideravelmente a minha bunda para Yixing, oprimindo seu membro pulsante. O moreno depósitou suas mãos em meu quadril de modo bruto e passou a me foder desvairadamente. Meus gemidos eram incontroláveis e os seus não estavam muito atrás. Encontrava-me em um puro êxtase. Nunca havia me sentido assim.

Segurar a nítida chegada do orgasmo foi impossível e esse aconteceu de uma maneira notavelmente mais intensa. Senti a contração de todos os meus músculos e a incapacidade de respirar por alguns segundos. Minhas pernas se situavam bambas e se Yixing não estivesse me segurando pelo quadril, meu corpo teria cedido ali mesmo. Antes que pudesse recuperar o fôlego, ouvi o gemido arrastado de Yixing senti seu esperma sendo expelido dentro de mim. Nesse momento, senti-me realizada.

Estoucou-me algumas poucas vezes até se estabilizar. Alguns segundos depois, retirou-se de mim e se jogou na cama ao meu lado. Permiti o ceder do meu corpo e Yixing me puxou para si, fazendo com que deitasse sobre seu peitoral suado e permanecemos ali. Ofegantes; imóveis; um ao lado do outro.

- Acho que depois de hoje um anjo morreu, e a culpa é sua. - disse e eu ri.

O cheiro de sexo quente pairava no ar, enquanto vivenciávamos uma exaustão forte o suficiente para impedir qualquer sentimento de arrependimento.

- Yixing? - chamei-o.

- hum...

- Eu ainda te amo. - escutei uma risada nasalada.

- Eu também ainda amo você. - disse e me abraçou mais forte contra seu corpo. 

Com certeza, esse foi o melhor aniversário de Baek. 


Notas Finais


Espero que tenham gostado 💜💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...