História Just One Pic. - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Alan Ferreira (EDGE), Felipe Z. "Felps", Flavia Sayuri, Rafael "CellBit" Lange
Personagens Personagens Originais, Rafael "CellBit" Lange
Tags Cellbit, Drama, Romance
Exibições 17
Palavras 2.100
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Não sei o que escrever aqui X3
Esse fim de semana vai ser corrido, já tô chegando ao final da temporada aqui no caderno, vou escrever muito! Queto pedir desculpas por qualquer erro - sendo no enredo e na escrita - tentarei meu máximo para ajeitar.

Espero que gostem do capítulo! Boa leitura!

Capítulo 5 - Sentimentos novos talvez?


                      29 de Abril

Mais uma semana de aulas havia começado, os professores estavam pegando cada vez mais pesado. Ganhei muitas lições de casa para o fim de semana, o que não me agradou nem um pouco, mais desagradável que isso era Valentina Blairfield, parecia que eu era o alvo dessa garota, em menos de um ano ela conseguiu me tirar completamente do sério.
                      
                          13:00

Nesta sexta cheguei exausta em casa, a primeira coisa que fiz foi me jogar em minha cama e dormir até ter de buscar minha irmã.
Depois de 4 horas de quatro horas de descanso acordo e vou buscar Júlia. Na porta da escola a vejo correndo até mim alegre como sempre, a mesma se joga em meu colo.
Voltamos para casa e, como em todas as sextas, brincamos por um bom tempo até a hora de fazer o jantar - e de meu pai chegar. Jantamos assim que o mesmo chegou e logo fomos para nossos quartos.
Estou sem sono depois de ter dormido por quatro horas mais cedo. Peguei um livro que está pela metade e continuei lendo. Pouco tempo depois meu celular toca, estou realmente recebendo uma ligação? Atendo.

- Alô - falo.

- Adivinha quem é.

- Espero ser engano.

- Poxa, não quer falar comigo é só atender - Rafael finge chorar. Eu rio.

- Pode falar amiguinho.

- Já faz uns quatro dias que não me manda mensagem.

- Ocupada com a faculdade, desculpa - digo manhosa.

- Quero ver alguém... podemos sair amanhã?

- Você tem namorada pra quê?

- Ela voltou pra casa dela, só vai vir aqui de novo no domingo.

- Eu ia adorar, seria até uma fuga, mas tenho lição de casa, coisas pra estudar, etc.

- Tudo bem, então eu vou até aí.

- Mas, eu disse que... - ele me interrompe.

- Eu te ajudo com a lição, e também não quero ficar sozinho aqui, já que Mike e Pac precisam sair.

- Você nem ao menos sabe onde moro.

- Me passa o endereço por mensagem.

- Ok, te vejo amanhã.

- Até - desligo.

Envio meu endereço para seu número e volto a ler, em poucos minutos ja estava dormindo.

                    30 de Abril

Na manhã seguinte me levanto cedo, não era só Rafael que seria a visita de hoje.
Coloquei meu short jeans habitual, uma regata comprida e como sempre prendi o cabelo, fui até a cozinha é tomei meu café junto da minha pequena família.
              
                        12:35

Lívia chega, não iria ficar por muito tempo pelo que me falou.

- Ok, o que queria tanto me contar? - perguntei assim que a mesma entrou.

- Bom, vim me despedir - ela se joga no sofá da sala.

- Como assim? - estava confusa.

- Como você já sabe, sou a pessoa mais azarada do mundo, ganhei uma viagem com a família para a Inglaterra.

- Isso não é azar, Lívia! É a Inglaterra! Como pode ser azar?

- Pode ser bom, mas acontece que eu não queria ir, queria é ficar aqui com você, o Gabriel, o Rafa  e todo mundo... e você tem noção do frio que faz lá nessa época? - ela cruzou os braços jogando as costas no encosto do sofá.

- Por que não diz isso pra sua mãe?

- Na verdade ela está me obrigando à ir, disse que seria bom pra "juntar os laços de família" - ela diz imitando a voz de sua mãe, eu ri.

- Tá, tudo bem, manteremos contato, e não vai ser muito tempo não é?

- Duas semanas...

- O QUE? E a faculdade?!

- Minha mãe já conversou com a diretoria de lá - seu celular vibra - falando nela... Preciso ir, amiga - ela me abraça forte e deposita um beijo em minha bochecha - boa sorte estudando com o Rafa.

- Como sabe...?

- Ele também é meu amigo, sabia? - ela sai pela porta acenando.

Não demorou mais de meia hora e Rafael chega, vou atende-lo.

- Tá adiantado, entra - digo à ele - normalmente começo tudo às 6:00.

- É tão bom saber que minha amiga é organizada até em horários - ele diz sarcástico - tá sozinha aqui ?

- Mais ou menos, meu pai foi no mercado com minha irmã, volta daqui a pouco.

- Ok... então, o que faremos, Laurinha?

- Não me chama assim - disse nervosa o fazendo dar aquela sua típica risada escandalosa, não sei porque mas aqueles seus gritos me fizeram gargalhar junto dele.

Recuperamos fôlego depois de um bom tempo rindo.

- Vejamos - ele começa - por que não me mostra sua casa?

- Boa ideia - disse indo em sua frente -  vamos começar nosso tour pela casa dos Ayres.

- Tô tão ansioso - ele entra na brincadeira.

O levo até a sala, a cozinha e logo depois mostro os quartos, em um corredor tinham quatro portas, a primeira a direita era o  banheiro, a segunda no mesmo lado o quarto em que meu pai dividia com Júlia, no fim do corredor tinha o meu - o mais arrumado por sinal.

- E aqui acabamos - fechei a porta.

- Mas, e esse quarto? - ele pergunta apontando para a única porta a esquerda.

  Fiquei em silêncio por um tempo.

- Era o quarto em que minha mãe e meu pai dormiam - abaixo a cabeça - antes de ela ir embora sem ao menos dar um explicação.

- Desculpe... se soubesse não teria mencionado a porta.

Não gostava de deixar isso me afetar, sempre tentava esquecer, talvez assim a dor fosse menor.

- Bom, o tour acabou - corri até a sala - alguém está com fome? - primeiro Rafael me olhou confuso mas logo sorriu e foi até mim.

- Eu estou com fome, senhora!

- Ótimo! Do que vamos nos alimentar - coloquei a mão no queixo para pensar.

- Que tal nos alimentarmos de ... CÓCEGAS - ele pulou em mim me fazendo cócegas nas costelas, filho da puta, meu ponto fraco.

Comecei a gargalhar alto até cair no sofá atrás de mim. O mesmo continuou por quase todo meu corpo, ouço a portar abrir fazendo com que nos separássemos rapidamente, Rafael caiu no chão.

- Espero que isso não seja o que estou pensando que é - meu pai disse encarando Rafael.

- Rafa! - Júlia saiu de trás do meu pai assim que o viu e correu para um abraço.

- Jubs! - ele abraça a mesma.

Na maioria das vezes em que eu e Rafael saímos Júlia foi junto, não todas as vezes, mas o pouco tempo em que ficaram juntos já fez ela se apaixonar por ele. Me levanto e digo para Rafael levantar também.

- Pai, esse é o Rafael, o amigo que eu te falei - os apresentei - e, Rafa, meu pai.

- É um prazer - ele diz tímido estendendo a mão.

- Igualmente - meu pai diz sério e aperta sua mão.

- Ele vai me ajudar a estudar, tudo bem se ficar pro jantar?

- Claro, assim posso conhecer ele melhor - ele sorri deixando o garoto sem graça.

Levei Rafael para meu quarto e Júlia foi para o seu, Deus, obrigada por me não me dar uma daquelas irmãs chatas e irritantes!

Peguei todo material que precisava e me sentei em minha cama e Rafael em minha frente.

- Achei que os começasse a estudar às 6 - ele diz abrindo um de meus cadernos.

- Pra ser sincera, eu tenho MUITA coisa pra fazer, então quanto mais cedo terminar melhor.

                       6:00

O tempo foi passando e ele não me ajudou em nada, ele literalmente ficou me encarando com um olhar estranho -  para mim era estranho -, não soube como reagir a aquilo, estava me incomodando mas ao mesmo tempo parecia que eu queria que continuasse.
Levantei meu olhar até ele que ficou mais vermelho que a camisa que usava no momento.

- Achei que fosse me ajudar... - falei.

- Você não pediu - ela virá o rosto.

- Você ofereceu ajuda ontem.

Ele se levantou e foi ao meu lado, eu realmente não conseguia entender esse garoto.

- Essas coisas são meio complicadas - fala encarando meu caderno ainda um pouco corado.

- Pensei que fosse o inteligente - provoco

- Também pensei - nós rimos.

Olhei para sua mão e vi uma pequena aliança em seu dedo anelar, pensei em perguntar se era do seu namoro mas parecia óbvio.

- E ai... como vai o namoro? - pergunto sem nenhuma intenção ou com uma intenção gigante.

- Tá indo muito bem até agora, desde que eu te conheci parece que brigamos menos, agora ela está até pensando em morar pra cá.

Bom saber que ajudo casais.

- Isso é ótimo! Fico feliz por vocês.

- É. Mas é você - Ele coloca o caderno ao seu lado e fica de frente para mim - nunca namorou?

- Lívia, é você? - falo colocando a mão em seu rosto.

- Tô falando sério.

- Bom...

- Não.

- Sim! Quer dizer, eu ja fiquei com um garoto uma vez no primeiro ano. Foi só um selinho mas acho que conta.

- Que garota desinteressante.

- Não é minha culpa! Quer dizer, sempre me importei mais com os estudos por isso eu nunca pensei nessa parte.

- Sua hora vai chegar, amiga, tenho fé - ele ri.

- Você é tão convencido, aposto que seu primeiro beijo foi com a Sasa.

- Aí que você se engana, foi com 14, o que foi bem difícil por eu ser o excluído e o mais novo da sala por ser adiantado.

- Quanta diferença de mim.

- Me impressiono de ser mais avançado nessa parte.

- Eu também, já que não tinha amigos.

- Mas aí tem uma diferença, eu era bonito - ele arqueia as sobrancelhas - sempre fui.

- Ah, obrigado, você realmente aumentou minha auto estima- falei sarcástica o fazendo rir.

- Você é linda do jeito que é - sorriu.

Ao ouvir aquelas palavras saírem de sua boca corei, sem saber porque.
Encaro o teto, senti o mesmo me olhando antes de fazer o mesmo.

Ficamos daquele jeito por vários e vários minutos até ouvir meu pai nos chamar para o jantar.

O silêncio reinou por um bom tempo no jantar, tanto que quando meu pai pronunciou sua primeira palavra levei um susto.

- Então, Rafael, não é mesmo? - perguntou meu pai o encarando.

- Sim senhor - ele sorriu sem graça.

- É bom finalmente te conhecer, minhas filhas falam muito de você.

- Bom saber - ele me olhou me fazendo corar.

- Tem quantos anos garoto?

- 19.

- O que você faz? - me pergunto se isso é um jantar ou algum tipo de interrogatório.

- Sou youtuber - meu pai arqueia a sombrancelha sem entender - produtor audiovisual, trabalho em casa com jogos.

- Ah, sim, entendo... você ganha algum dinheiro com isso?

- Não muito, pra poder ganhar alguma coisa boa você tem que fazer algo de bom ou polêmico, como por exemplo matar um idoso - ele fala e bebê um pouco do suco, eu rio baixo daquilo mas o olho querendo dizer "essa não é hora para suas piadas, Lange"

O mesmo aí perceber o que acabará de falar paralisa, meu pai ri alto, o que me faz ficar confusa, não tanto quanto Rafael.

- Você tem um bom censo de humor, garoto, gostei de você - falou meu pai sorrindo.

Rafael me olhou e eu apenas dei de ombros sorrindo.

                      21:15

Assim que o jantar terminou, Rafael diz que precisa ir embora, se despede de minha irmã e meu pai e eu o levo até a porta.

- Caralho, sogro difícil esse - ele fala antes de sair.

- Vai se fuder - ele ri - gostou de você pelo menos.

- Quero te ver de novo.

- Na próxima vez na sua casa, assim vamos ficar quites.

- Okay, mas dá próxima vez, sem livros ou cadernos ou até mesmo pais que assustam - rimos - só eu e você.

Como é?

- E-e amigos é claro - ele ri sem graça.

- Tudo bem, Flávia vai estar junto? - pergunto esperançosa.

- Talvez, vai depender do dia, bem provável que não.

- É uma pena, gostei dela.

- Sei escolher bem.

- Que cara convencido - reviro os olhos - te vejo... em algum dia.

Fecho a porta assim que se despede.


Notas Finais


É isso, espero que tenham gostado!

Qualquer erro me desculpem, não se esqueçam de favoritar e comentar, assim posso saber a opinião de vocês e se estão mesmo gostando.

Um beijo e até lá! Flws!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...