História Just young - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Supernatural
Personagens Adam Milligan, Anna Milton, Balthazar, Bobby Singer, Castiel, Charlene "Charlie" Bradbury, Crowley, Dean Winchester, Gabriel, Jo Harvelle, John Winchester, Lúcifer, Meg Masters, Ruby, Sam Winchester
Tags Colegial, Destiel, Sabriel, Supernatural
Exibições 186
Palavras 3.404
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Festa, Ficção, Lemon, Luta, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


GENTE EU POSSO EXPLICAR ESSE ATRASO!!!

Meu toque me fez escrever 4 versões deste capítulo galera! Minha mente estava uma loucura então eu peço miiiil desculpas, espero que me entendam...

APROVEITEM ESSE CAPÍTULO COM VÁRIOS TIROS.
VEJO VOCÊS NAS NOTAS FINAIS!

Capítulo 6 - Nerd, inseguro... E virgem.


Fanfic / Fanfiction Just young - Capítulo 6 - Nerd, inseguro... E virgem.

-Little Shurley te venceu mais uma vez, baby!

-...Quer saber? Eu estou cansado de jogar.-rosnou o mais alto, arremessando o controle para o colchão nú atrás de si.

-Cansado de jogar, ou de perder?-caçoou o loiro. Samuel era adorável deste jeito... Os fios castanhos escuros estavam bagunçados e ele fazia um bico de criança emburrada como ninguém. Oh! Gabe poderia abraçá-lo ali mesmo.

-Acho que devíamos sair.-propôs sorridente.

-E o quê sugere, Samantha?-os olhos do menor soavam curiosos e divertidos, Sam pensou por um instante que poderia ser motivo de alguma piada interna, mas logo espantou os pensamentos, concentrando-se no assunto.

-Não sei, mas podemos procurar e ver o que achamos, não é?-sugeriu- De qualquer forma...-levantou-se e estendeu a mão para o amigo- Eu não vou ficar nesse quarto mofando.

-E se o seu pai chegar?-Gabe segurou a mão grande com força e subiu duma só vez.

-Quer que eu responda sinceramente?-Sam arqueou as sobrancelhas e o mais baixo acenou com a cabeça- Que ele vá para o inferno.

...

-Ele pediu pra você subir.-a mulher mediana de pele clara e olhos alegres abriu caminho, estendendo as delicadas mãos para o jovem ali parado. Oh, ele era muito bonito... E educado também! Perguntou-lhe se era irmã de Castiel! Yeah! Parece que Hannah ainda estava nos trinques.

-Obrigada, senhorita.-ele lhe deu um sorriso galanteador e subiu escadas acima. Hannah arqueou as sobrancelhas e pôs as mãos em seus quadris. Senhorita, em? Ela gostaria de ver a cara de suas vizinhas fuchiqueiras ao contemplarem essa cena. A xerife está de volta na cidade, baby!

-Querida, será que dá pra me ajudar aqui?!-uma cabeça falante surgiu da porta da cozinha. Ah... Era Jimmy, e ela ainda tinha quarenta anos. Hannah bufou e foi ao socorro do homem que amava. Foi ela quem causou aquele estrago, pra começo de conversa. Culpa da tecnologia, da tecnologia!

No andar de cima, alguém caminhava discretamente por um corredor estreito e branco, como um animal prestes a dar seu bote. Ele soube de cara qual era o quarto de Cass, já que era a única porta que se destacava no corredor... Desenhos, aqueles rabiscos eram desenhos, e aparentemente de uma criança, um garoto. Era provável que de Castiel, de anos atrás...

Haviam foguetes pintados em giz de cera laranja, estrelas em azul marinho e um sol gigante avermelhado. No canto direito, algumas letras quase indecifráveis seguiam espalhadas para lá e para cá, como se estivessem flutuando pela madeira branca. Num coração feito em verde, as palavras “mamãe e papai” se destacavam em roxo.

Imagens de um garotinho de olhos azuis intensos e cabelo impecável surgiam em sua mente. Ele logo percebeu que não podia imaginá-lo de outra forma, este era o Castiel de sua concepção. O estudioso, tímido e indefeso Castiel Novak. Aquele com quem queria trepar quase que desesperadamente, aquele que desejava tomar e sucumbir ao seu dispor. Hoje, não passaria de hoje.

Castiel quase saltou para trás quando batidas foram dadas do outro lado da madeira branca. Ele sabia que seus pais não bateriam, só podia ser uma pessoa, e uau, ele foi rápido. Cass contou poucos minutos desde que mandara seu endereço para o primogênito dos Winchester. Será que Dean estava tão ansioso quanto ele? Era provável que não. Dean parecia demasiadamente seguro sobre si, o tempo todo.

Castiel levantou e bufou algumas vezes antes de ter coragem pra segurar a maçaneta. Ele tinha que agir naturalmente e tentar parecer menos inseguro, mas... Misericórdia, ele mal podia controlar os batimentos de seu coração... Vamos lá Cass, coragem, foi você quem o chamou, lide com as consequências agora! 

Apertando a maçaneta com mais força do que era realmente necessário, ele virou-a de uma só vez. Quanto mais rápido isto for, melhor. Ele pode passar por isso não é? Afinal, ele já conseguiu tocá-lo, lá! Sim, ele consegue, ele pode, ele vai e ele...

Seus olhos congelaram nas esmeraldas de Dean. Céus! Será que ele nunca seria capaz de acostumar-se com a beleza desconcertante do Winchester? Era provável que não. E agora... Cristo, o loiro estava em jeans folgados e T-shirt preta. Parecia tão descontraído, jovem e tão... Uau.

-Ér... Eu posso... Entrar?-a voz rouca do loiro guiou-o até a boca de onde ela saía. Oh, Castiel queria beijá-la. Sim! Ele queria! Parece que estamos avançando com as aceitações...

-Claro... Desculpe.-ele abriu espaço e o loiro passou. O perfume de Dean invadiu suas narinas e ele desejou mordê-lo. Wow! Estamos indo rápido demais com essa coisa de aceitar.

Ele podia olhar para o loiro por horas e horas consecutivas. Castiel sabia... Sabia que nunca cansaria de vê-lo, mesmo que de longe. E agora... Tão, perto.

Dean estava invadindo seu espaço pessoal porque é isso o que ele faz. Ele chega e te faz questionar sobre tudo e todos. Ele derruba suas barreiras e então... Ele vai embora. Mas será que desta vez ele iria? Como Castiel podia saber? Como ele saberia de qualquer coisa, quando se tratava de Dean Winchester?

Ele estava ali. Andando para lá e para cá, tocando suas coisas, e fazendo-o tão lentamente que Castiel se via hipnotizado.

Quando a porta foi fechada, a atmosfera mudou quase que imediatamente. Castiel reconhecia aquele frio na barriga e os giros em sua cabeça. Ele os sentiu da última vez.

E então, Dean estava virado para ele. Seu ar era tão soberano, viril e frio... Mas seu maxilar saltado significava que estava apertando os dentes. Seus músculos estavam rígidos, e era visível... Mas o que aquilo queria dizer?

Depois de um pesado suspiro, Dean estendeu uma das mãos. Seus discos... Oh. A desculpa para que ele viesse até aqui.

Castiel caminhou ao seu encontro. Sendo cada passo pensado e repensado por diversas vezes. Será que Dean iria embora depois disto? Será que diria ao menos um “oi” para ele na próxima semana? Por que ele estava tão calado? Céus, por que Castiel estava com medo?!

De repente, a mão que ia de encontro aos discos, foi puxada... E foi tudo tão rápido, bruto. Castiel só notou segundos depois que estava nos braços de Dean, olhando-o nos olhos, apoiando as mãos em seu peitoral, respirando pesado. Eles... Eles estavam tão perto...

A respiração do maior batia em seu rosto, o calor vindo dele se intensificava junto ao seu... Seus rostos estavam se aproximando, e Castiel fechou os olhos. Fechou porque precisava disto, precisava senti-lo, precisava deste toque tão ansiado... Deus, ele precisava mais que tudo no mundo.

Mas o beijo não veio... Não. O nariz de Dean foi para seu cabelo recém lavado, e ele o aspirou. Quando Castiel abriu os olhos, confuso, foi pego de surpresa por uma expressão de apreciação. Dean o cheirava de olhos fechados e lábios curvados, como se o cheiro vindo de Cass fosse especial e agradável.

Logo a mão direita de Dean estava na curvatura de seu traseiro, trazendo-o para perto, segurando-o alí. Era possível sentir a ereção do maior tocando sua virilha, e Dean não era o único que estava duro. Mais uma vez, eles estavam ali, desejando um ao outro de uma maneira tão carnal e pecaminosa.

-Você cheira tão bem Cass... É tão viciante.-o sussurro do loiro em sua orelha pareceu ter o poder de levá-lo à outro mundo. Os pelos de seu corpo foram arrepiados simultaneamente e ele sentiu o pulsar ainda mais desesperado de seu membro- Você está me deixando louco a dias... Sabia disto?

Oh merda, ele estava? Ele tinha esse poder sobre Dean? Sobre o forte, másculo, rico e poderoso Dean Winchester? Ele não podia acreditar. Não. Eram só palavras ditas no calor do momento, se Dean o quisesse desta forma não o ignoraria por todo esse tempo, não é? Não é?!

-Eu não consigo pensar em mais nada...-continuou a confissão sussurrante- Só naquele quarto, em você me tocando...-Dean usou a mão livre para afagar os fios bagunçados do moreno. Céus, Dean também havia pensado sobre aquilo, ele também o queria!

Castiel queria gritar, ele queria dizer que estava passando pelo mesmo, queria dizer que os últimos dias sem tê-lo por perto foram uma tortura sem tamanho... Mas nada saía. Ele não tinha mais controle sobre seu próprio corpo. Ele estava entregue.

-Diga que sim Castiel...-pediu. E então, o moreno pressentiu o que aconteceria, Castiel sabia o quão avassalador era seu desejo sobre Dean, e ele soube, soube que sempre diria sim.

-Dean, eu... Por favor...-o fio rouco da voz de sua voz comprovava sua cobiça. Sim! Ele queria gritar, ele queria gritar para quem quisesse ouvir. Ele desejava Dean Winchester.

-Diga.-ordenou. E ah... Foi só preciso usar de um tom mais duro para que Castiel estivesse em suas mãos.

-Sim.-sussurrou, e um brilho diferente foi posto naquelas orbes verdes quase que instantaneamente. Logo, Dean segurou sua mão direita e levou-a... Oh meu Deus, levou-a para lá! Suas mãos estavam no... No pau de Dean! Suas mãos estavam em um pênis Winchester de novo! Dean estava tão duro... E uau. Castiel nunca se acostumaria com o quão grande ele era, e nem com o quão bom era tê-lo em mãos.

-Veja o quê você faz comigo...-Dean apertou os dedos de Cass na silhueta de seu membro- É assim que eu fico toda vez que eu penso em você Castiel.-o moreno mordeu seu lábio inferior- Eu quero foder você... Agora.-oh...

...

O movimento na sorveteria estava intenso. Isso fez com que Shurley e seu amigo escolhessem saborear suas delícias cremosas longe dalí, numa praça qualquer. O clima estava bom e poucas pessoas passavam hora ou outra para lá e para cá.

Gabe parecia tranquilo, feliz e despreocupado. Mas Sam, por outro lado, aparentava ter algo o incomodando em sua cabeça. Algo que precisava falar, ou poderia explodir a qualquer segundo. E quem melhor para escutá-lo, senão Gabriel? Ele tinha que dizer, ele tinha que saber se estava fazendo o certo.

-Gabe...-tomou coragem para começar. O loiro virou-se para ele, logo notando a preocupação em seu rosto- Eu falei com o treinador Bobby e... Bem, você sabe, ele conhece pessoas. Pessoas importantes.-Shurley pareceu não entender nada, Samuel buscou forças para continuar, ele não sabia que reação esperar de seu amigo.

-E então...?

-Bobby conseguiu que alguns dos maiores representantes de alguns times dos Estados Unidos aparecessem no primeiro jogo da temporada, que vai acontecer daqui um mês.

- Uau... Isso é incrível Sammy. Todo mundo vai surtar. Espere até que Cass saiba disso! você sabia que ele ama futebol americano? Sério, eu_

-Gabriel.-o maior interrompeu. A expressão de Sam era dura e a velocidade de sua respiração aumentou- Eles virão para me ver, eles têm um vídeo da final do ano passado...-fechou os olhos- Eles... Me querem, para jogar, profissionalmente.-Gabriel congelou e assim ficou por longos segundos, sem permitir que nenhuma emoção transparecesse pelos olhos cor de whisky.- Diga alguma coisa, por favor...

O que o menor fez depois disto foi inesperado. O loiro simplesmente saltou em seu colo e o abraçou tão forte que podia machucá-lo, não fosse pela sua experiência com as pancadas no campo.

-Oh meu Deus!-sua voz parecia trêmula, alegre e emocionada- Eu estou tão feliz por você SammyBoy! Esse... esse é o seu sonho! Oh meu Deus! Finalmente Sammy! V-você conseguiu!

-Sim, eu... Eu consegui.-agora era Samuel quem o abraçava, e o maior não pôde esconder o sorriso escancarado em seu rosto. Seu melhor amigo estava feliz por ele, seu melhor amigo estava ali, como sempre esteve.

...

-Eu ainda não entendi... Por que temos que ir pra outro lugar?-o cenho do Novak estava franzido enquanto adentrava um Chevy Impala 1967. Dean gostava mesmo de carros antigos, então foi por isso que chegou tão rápido minutos atrás?

-Temos que ir para outro lugar porquê...-Dean pegou o cinto do banco passageiro e prendeu Castiel em seu banco, sentando-se ao seu lado para dirigir- Não queremos que sua mãe escute seus gritos. Certo?-oh merda. Como Dean fazia aquilo parecer tão sexy? Cass ficou calado no mesmo segundo.

O Impala acelerou e agora, Castiel estava desesperado... Por que diabos Dean tinha que lhe dar esse tempo para que seu cérebro fosse posto no lugar? Agora ele estava definitivamente surtando! Ele estava em um carro, com Dean Winchester, pra fazer... Cristo! Pra foder! Foder com Dean Winchester! Desde quando ele fode?

-Para onde estamos indo?

-Minha casa.

-Mas e seus pais?

-John está no trabalho, e a menos que o espírito de Mary esteja vagando pelos cômodos, creio que não teremos problemas.-deu de ombros. Castiel encolheu os ombros no mesmo instante.

-Oh... Eu... Eu sinto muito.

-Está tudo bem... Posso te fazer uma pergunta?

-Sim.

-Você já...-Castiel franziu o cenho, mas logo seu rosto se iluminou quando descobriu o que o Winchester queria dizer. Oh, é verdade! Merda, ele era virgem!

-Não.-respondeu cabisbaixo. Castiel sentia tanta vergonha que queria enfiar sua cabeça num buraco e nunca mais tirá-la de lá.

O sorriso do Winchester não pôde ser contido, filho da mãe! O que seria de Castiel agora? Não haviam mais escapatórias e merda... Ele nem sabia se queria escapar. Por que diabos Hanna confiou sua segurança em um garoto que ela nunca vira na vida? Bem, certamente nem imaginava o bruto, controlador e frio adolescente de 17 anos que estava em sua frente. Mas é isso... Você fez sua cama Castiel, agora deite. E ah... Foda muito enquanto estiver encima dela.

...

-Gabe, eu realmente acho que isso não é necessário...

-Ora, fique na sua. Temos motivos para comemorar, não é?-o menor transbordava felicidade enquanto enchia as taças de um champanhe que seu pai havia comprado para comemorar o lançamento de um novo livro.

-Se o Chuck descobrir...

-SE ele descobrir, Samuel. E aliás, meu pai prefere Whisky.-entregou uma das taças para o moreno- Ao maior jogador de futebol americano que esse país já viu!

-O quê? Mas eu nem...

-Cala a boca e brinda.-revirou os olhos para o mais novo.

Depois do toque das duas taças de cristal, os dois derramaram o líquido em suas bocas. As bolhas seguiam em suaves estouros, deixando um ácido seguido pelo gosto adocicado, fazendo com que aquela fosse uma experiência deliciosa e inusitada para ambos.

-Uau...-sussurrou Gabriel.

-Acho que precisaremos de mais champanhe...-sorriu Samuel travesso.

...

-Você tem certeza de que isso é certo?-o Navak estava sendo puxado pela mão para dentro daquela casa enorme e luxuosa. Essa era a mansão Winchester? Era bem maior que o esperado.

-Só fique quieto e me siga...-Dean apertava sua mão com força, como se tentasse evitar que ele escapasse. 

Um homem de porte médio e terno fino estava ao lado das grandes escadas de mármore escuro, ele olhou para os dois e acenou educadamente para os garotos que seguiam apressados.

-Dean...-cumprimentou.

-Benny.-retrucou o loiro- Este é Castiel Novak, um amigo.-um amigo?

-Boa tarde, Sr. Novak.

-Boa tarde Benny...-Dean puxou-o com mais força e ele quase caiu de cara para com os degraus- Me chama de Cass!-gritou antes que Dean o puxasse para um corredor longo e bem iluminado.

Quadros chiques e bem pintados tomavam as paredes. Por que os ricos tinham essa mania de colecionar quadros? Algumas portas depois e Dean parou para abrir uma delas... 

Cass estava boquiaberto. Aquilo era lindo! Era tão prático, mas tão sofisticado, diferente de tudo o quê vira na vida. De repente, o moreno sentiu vergonha da bagunça que estava o seu quarto quando Dean apareceu em sua casa.

Dean o puxou para dentro e soltou-o logo depois. Fazendo uso de suas mãos para fechar e trancar a porta atrás de si. Pelos deuses, Dean estava encarando-o, encarando-o com aqueles olhos! Tão selvagens e perigosos... Castiel se sentia um cervo cercado por um leão. Podia sentir suas pernas tremerem e sua pulsação acelerar.

-Por que está com medo?-e lá estava. Este era o controlador Winchester falando. A voz rouca entregou-o, deixando mais que transparente o quão ferrado Castiel estava.

-Eu não estou com medo.

-Então por que está tremendo?-Oow... Eles já tiveram essa conversa antes. Mas desta vez Castiel não fugiria, não. Ele não se deixaria intimidar pelo loiro novamente.

-Você me deixa assim...-os olhos de Dean dobraram de tamanho. Yeah! Castiel conseguiu deixá-lo surpreso!

-Eu deixo?-Dean estava se aproximando.

-Sim...-Castiel não saiu do lugar, ele enfrentaria isso.

-E o que mais eu faço com você?-por que Dean tinha que falar tanto? Desta vez era Castiel quem andava para ele. O moreno agarrou a mão do maior e levou-a para sua ereção, deixando-o estático.

-Isso...-sussurrou. Dean engoliu seco. Desde quando Castiel era tão sugestivo? Deus, isso era tão sexy! Suas calças de repente pareciam pequenas demais para conter sua vontade. A voz rouca de Novak dizendo essas coisas para ele... Ah, ele nunca se esqueceria.

O volume de Castiel foi apertado e ele não pôde segurar o gemido vindo do fundo de sua garganta.

-Quero que me escute Castiel...-Dean aproximou os lábios de sua orelha- Eu vou deitar você naquela cama, e depois tirar suas roupas. Entendeu?-Cass concordou com a cabeça- Me diga se entendeu.

-Eu entendi.

-Ótimo.-os lábios de Dean tocaram o lóbulo de sua orelha em um beijo suave e rápido. Cristo, Castiel estava se derretendo em suas mãos- Então eu tirarei as minhas e você pode me ajudar se quiser, okay...?-huuuum, tirar as roupas de Dean... Isso parecia bom.

-Tudo bem...-sussurrou em resposta. Logo, Dean estava caminhando para frente e ele para trás, lentamente. 

Quando o colchão tocou as costas de seus joelhos, Castiel caiu deitado para aqueles lençóis tão macios e cheirosos. Dean engatinhou para ele, até estar na altura de seu rosto, encarando-o por longos segundos. Castiel não se lembra de ter visto um verde tão bonito e intenso em toda a sua vida. Porra, isso não podia estar acontecendo! Ele... Ele estava gostando do Campbell?

As mãos fortes de Dean subiam e desciam por seu quadril, até que agarrassem o cós de sua camiseta. Castiel fechou os olhos com força e oh não... Seu corpo... Ele sentia tanta vergonha agora, tanto medo de que Dean não gostasse do que veria. Por que merda, o próprio Castiel odiava! Dean parou de puxar o tecido de uma hora para outra.

-Por que está fechando os olhos?-o tom de Dean não era duro... Cass abriu as orbes para encará-lo. O loiro tinha as sobrancelhas juntas por não compreender o que se passava e Castiel suspirou.

-É só...-buscou coragem- E-eu... Não sei se você vai gostar do...

-Seu corpo?-as sobrancelhas do loiro se arquearam- Castiel... Você tem vergonha do seu corpo?-aquilo soava um absurdo na voz de Dean. Cass não pôde evitar desviar os olhos para outro lugar. Sim, ele tinha, e não era só isso... Castiel odiava-se.

-Sim...-sua voz quase sumiu ao encarar a mais dura realidade de sua mente.

-Você quer que eu desligue as luzes?-oh meu Deus, Dean faria isto por ele? Ele não o julgou, não disse que era besteira... Quem era aquele Dean Winchester que estava com ele na cama? Castiel voltou a olhar em seus olhos.

-Sim...-e com a resposta, Dean se levantou de imediato, caminhando para o interruptor e cumprindo com o quê disse.

No escuro absoluto Castiel sentia-se outro. Mais seguro de si e finalmente pronto... Pronto para entregar-se, pronto para abrir mão de seu controle... Pronto para pertencer à Dean.

...

-Cara, isso não é igual champanhe...-o rosto de Sammy formava um careta depois de ter levado o whisky para dentro. Argh! Aquilo era ruim. Por que ele estava com calor?

-Você se acostuma depois de um tempo... Eu e Miguel vivíamos pegando o Whisky do papai escondido.

-Miguel bebendo? Eu não consigo imaginar isso.-Sam franziu o cenho.

-Apesar do que todo mundo pensa, ele não é esse cara todo certinho. Se eu abrisse minha boca, ele perderia o emprego. Mas você sabe... Eu não gosto de fofocas.-Samuel quase cuspiu depois de ouvir isso, ele não pôde evitar a grande gargalhada que viria depois.

Gabe revirou os olhos e saiu para sua sala de estar, sendo seguido por um Winchester risonho. Seu braço esquerdo foi agarrado e puxado com força. Agora Gabe estava virado para ele, e muito, muito próximo.

-Qual é Gabe... Eu estou brincando.-o moreno fez biquinho.

-Samuel... Você já está bêbado?-o menor tentava se soltar mas era inútil.

-Eu não seeei!-Sammy começou a rir alto demais.

-Sam, me solte...

-Ah Gabe, não seja chato...-Sammy se aproximou mais e mais. Quando um som vindo da porta principal foi ouvido. Merda, merda, merda! Alguém estava vindo.

-Ahn... Olá...


Notas Finais


Sorry por não ter dado oq todos queriam nesse capítulo... Mas sabe o que isso significa? QUE NO PRÓXIMO VAI ROLAR S E X O HSUHSISSH

Obrigada por lerem, e ah... COMENTEM E ME FAÇAM FELIZ, AMO VOCÊS.

Mais uma vez, desculpa pelo atraso...

Ps.No caso de erros ortográficos, me avisem que eu concerto!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...