História Justiça e Vingança - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Ação, Armas, Corrupção, Detetive, Justiça, Policial, Política, Punição
Exibições 10
Palavras 1.028
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Ficção, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 2 - Vulpes et Felis


Capítulo II

   A manhã posterior ao assassinato do deputado foi como Johnny já estava acostumado,  telejornais exibiam reportagens sobre o homicídio, tentando entender e explicar o evento traumático. Johnny estava tranquilo quanto à investigação do crime. Ele sempre pesquisava com antecedência sobre o edifício que seria usado como ponto de vantagem para os disparos, sempre investigando se haviam câmeras de segurança ou porteiros distraídos. Os peritos em criminalística estavam estarrecidos por tamanha violência e profissionalismo envolvidos no ataque e  os jornalistas cogitavam até um atentado terrorista. O homicídio compartilhava semelhanças com outros quatro que aconteceram no último mês: os alvos eram políticos culpados por corrupção que receberam a oportunidade de cumprir pena em regime domiciliar.   Durante a noite, uma coletiva de imprensa foi convocada pelo investigador Almeida, um perito em balística que assumiu o caso. Almeida tinha quase 60 anos, baixinho e acima do peso fumava e bebia bastante, mesmo nas horas de serviço. Ele era um homem que passou a vida toda solucionando casos dos mais violentos aos mais simples e devido à sua fama no ramo investigativo, foi convocado para solucionar os recentes assassinatos misteriosos que ocorreram no último mês.

– O assassino certamente age a mando de algum rival político das vítimas. – Iniciou Almeida de maneira arrogante. – Ele deve receber ordens de partidos rivais e elimina publicamente os alvos para intimidar a oposição. Provavelmente se trata do mesmo assassino ou do mesmo grupo responsável pelos quatro homicídios cometidos nos últimos vinte dias. – falou o investigador roliço enquanto apontava para imagens exibidas por um retroprojetor. – Os disparos foram efetuados com precisão e não foram encontrados nenhum resquício de pólvora ou cápsulas deflagradas nos prédios adjacentes, impossibilitando determinar com exatidão a localização do atirador. Investigamos as gravações do circuito interno de segurança de todos os edifícios, casas , ruas e avenidas dentro de um raio de três quilômetros e nada suspeito foi encontrado, mas a investigação continua e nós não descansaremos até prender esse terrorista.

– Senhor investigador, As vítimas sempre apareciam nos noticiários relacionados à casos de lavagem de dinheiro e corrupção. O senhor não acha que esse indivíduo atua em nome da justiça? Como uma espécie de vingador? O que o senhor acha disso? – Indagou uma repórter de um jornal local.

– Independente da motivação, homicídio é crime e esse indivíduo está infringindo a lei e deverá ser punido com as medidas cabíveis. Ninguém pode sair por aí fazendo justiça com as próprias mãos, nós temos as Polícias Civil, Militar e Federal para nos proteger de criminosos como este indivíduo – Rebateu Almeida.

– Senhor, nas redes sociais, existem alguns grupos que se mostram a favor do indivíduo que pratica esses crimes. Eles o intitulam de O Justiceiro. Esses grupos afirmam que em apenas um mês o Justiceiro misterioso já fez mais pela população do que a Justiça Federal em todos esses anos. Eles também afirmam que...

– Não interessa o que esses grupos acham! – Almeida interrompeu a pergunta com as veias do pescoço saltando – Se unir ao vigilantismo também é crime. A sociedade deveria entender que casos assim nunca são motivados pela justiça em si, com certeza devem existir motivações pessoais obscuras do assassino que não agradarão à todos. Sempre que motivações pessoais são postas em jogo, quem perde é a sociedade. – Declarou enquanto enxugava o suor que teimava em escorrer pela testa protuberante. – E eu declaro encerrada esta coletiva! – Explodiu Almeida.

Após encerrada a coletiva de imprensa, o investigador Almeida saiu da sala e dirigiu-se ao terraço para fumar. Enquanto acendia o cigarro, foi surpreendido por sua assistente.

   Tâmara Souza era uma negra estonteante. Sua pele cor de jambo exalava uma fragrância que continha o doce aroma de jasmim com suaves notas de amora, um perfume que trazia à tona os instintos mais primitivos dos homens ao seu redor. Ela trazia nos cabelos pretos um penteado que ressaltava o orgulho da sua raça e ostentava hipnotizantes olhos castanhos combinados com lábios carnudos que causavam tanto desejo que nem precisavam de batom para exercer o seu poder místico. De altura mediana, a deusa mulata era dona de um corpo delineado e bem torneado, conquistado através anos de ciclismo, uma atividade que ela adorava desde os seis anos de idade e hoje, com vinte e três anos, estava no auge da forma física. Mesmo trajada como executiva, usando um simples vestido preto com abertura nas costas e salto alto, Tâmara despertava olhares por onde quer que passasse. Ela aproximou-se do investigador Almeida, trazendo com ela uma pasta repleta de arquivos.

– Senhor Almeida, os relatórios da investigação estão prontos. – Relatou Tâmara, entregando os arquivos. –  Como o senhor já sabe, o projétil encontrado na cena do crime possui uma numeração que está em sequência com os outros quatro casos anteriores. Parece que o assassino está contando as vítimas como uma demonstração de poder. – falou ela, pensativa.

– Não quero nem ver esses relatórios que não relatam nada. Esse filho da mãe é esperto e possui muitos recursos financeiros. – Ela percebeu o tom de medo contido na voz dele. – Não é possível disparar projéteis de 21 milímetros silenciosamente. Apesar desse tipo de armamento ser de uso restrito do Exército, a versão das Forças Armadas não permite a adaptação de silenciadores. Além disso, a versão do assassino permite disparos de distâncias que superam os três quilômetros proporcionados pela versão do Exército.

– Esse caso é o mais complexo que já eu já peguei nesses cinco anos como sua assistente. Ele não deixa nenhum rastro, parece um fantasma! – falou ela, tentando demonstrar que sentia o mesmo medo que Almeida.

– Nesses cinco anos?! Eu trabalho como investidor há mais de quarenta anos e nunca vi algo parecido. – Falou ele, estarrecido. –  Não existe crime perfeito. Nós  pegaremos esse canalha cedo ou tarde. Quando eu solucionar este caso, posso pedir minha aposentadoria. Leve esses relatórios para a minha sala, amanhã eu irei analisá-los e ver se há alguma informação útil. Pode ir para casa, você trabalhou muito hoje.

– Certo, muito obrigada. Até amanhã. – Ela despediu-se com um sorriso amigável e partiu. 
Ao deixar o seu superior no terraço, Tâmara desceu pelo elevador e se dirigia à garagem, trazendo consigo um sorriso malicioso de quem sabia muito mais do que deixava aparentar.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...