História Justiça e Vingança - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Ação, Armas, Corrupção, Detetive, Justiça, Policial, Política, Punição
Exibições 10
Palavras 1.103
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Ficção, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 3 - Sola Dosis Facit Venenum


Capítulo III

   Em um luxuoso apartamento de frente para o mar, uma silhueta feminina se despia sob a luz do luar. Já passava das onze horas quando a mulher chegou em casa e estava se preparando para tomar banho. Tâmara escolheu entre alguns cantores de jazz para relaxar durante o banho e escolheu Jacqui Dankworth para a ocasião. A banheira já estava pronta com sais de banho, a assistente de detetive submergiu seu corpo lentamente, deixando a espuma envolvê-la como um abraço erótico. Mergulhou até os ombros na água morna e ficou brincando com  as bolhas de sabão que se formavam sobre o seus seios enquanto cantarolava Alone With a Heart.

   Após um longo banho, Tâmara vestiu-se e debruçou-se sobre algumas fotos que estavam em cima da cama. As fotografias mostravam idosos jogando baralho na varanda de um apartamento, comemorando mais um aniversário entre amigos. O detalhe mais importante estava ao fundo: um homem vestindo calças jeans e camisa preta estava sentado no peitoril do terraço do prédio vizinho enquanto colocava fones de ouvido. A segunda foto foi tirada dez minutos depois e mostrava os mesmos idosos comemorando e ao fundo o indivíduo estava deitado no terraço e empunhava um rifle de caça, muito semelhante ao descrito pelo detetive Almeida.

   As fotos foram conseguidas facilmente. Logo após o assassinato do deputado, a Polícia pediu para que os moradores que tivessem informações relacionadas ao caso fossem até a delegacia para entregar possíveis pistas sobre o assassino. Tâmara era a responsável por coletar estas informações e repassar para os investigadores. Algumas horas após aviso da polícia na televisão, ela recebeu o neto de um dos idosos que apareciam nas fotos. O jovem que aparentava ter 19 anos apresentou-se como Carlos e disse que tinha fotos que mostravam o possível atirador que assassinou o deputado Augusto da Olaria.

– Estávamos celebrando o aniversário do meu avô, tiramos algumas fotos e foi aí que eu percebi esse cara estranho no terraço. – contou Carlos. – Esse cara é perigoso, por isso que queria que vocês não revelassem meu nome. – disse ele, com um semblante aterrorizado.

– Não se preocupe senhor Carlos, iremos manter sigilo. – respondeu Tâmara.

– Aqui estão as fotos, espero que ajudem vocês a pegar esse monstro. – falou o jovem enquanto entregava o envelope a moça.

Ao olhar as fotos e perceber o quão úteis elas poderiam ser, Tâmara convidou Carlos para tomar um café em sua sala. Apesar de estar tomado pelo medo, o rapaz se deixou levar pelo lindo sorriso feminino que transmitia confiança e pelo perfume de jasmim e amoras que despertava desejo.

– Tudo bem, eu aceito, um cafezinho não faz mal a ninguém – admitiu, lambendo os lábios.

– Ótimo, o senhor também aceita um cigarro? – perguntou ela, enquanto servia o café para os dois.

– Aceito sim, essa marca é muito boa, seria um pecado não aceitar. – respondeu sem tirar os olhos do busto volumoso da moça.

  Enquanto fumava, Carlos tentou puxar assunto com Tâmara. Tentava iniciar temas picantes, tópicos que, segundo ele, poderiam levar qualquer mulher para a cama. Foi um esforço inútil. Durante o monólogo, a moça se limitou a apenas menear com a cabeça e beber o café.

– Foi ótimo conversar com o senhor, nós tomaremos as medidas necessárias para levar o culpado pelos assassinatos à justiça. – Falou Tâmara, enrolando um cacho que teimava em cobrir seu olho esquerdo. – O senhor comentou com alguém sobre estas fotos?

– Não, eu não falei com ninguém, não queria assustar os velhos. – afirmou ainda vidrado pelas coxas bem torneadas da interlocutora.

– E estas são as únicas fotos? – Indagou cruzando as pernas de maneira provocante.

– São as únicas que tem esse cara no telhado. – o rapaz respondeu quase babando.

– Ótimo. Agora o senhor pode ir para casa e ficar tranquilo, nós cumpriremos nosso dever de investigar o suspeito. – falou Tâmara enquanto se levantava bruscamente e ia em direção à porta.

– É só isso? Eu não ganho nenhuma recompensa? – perguntou incrédulo, tal como uma criança que esperava um presente por bom comportamento.

–Bom, o senhor pode me levar para jantar. – falou a assistente de detetive enquanto lançava um olhar sedutor.

–Agora sim! – exclamou o jovem com olhos de lobo faminto. – Eu sei um ótimo restaurante aqui perto.

– Não posso ir assim, sóbria. Vamos beber um pouco antes de irmos. Eu tenho aqui uma excelente garrafa de licor que eu preparei artesanalmente. – disse ela após fechar as persianas da sala. –   Dizem que tem efeitos afrodisíacos – falou a última palavra em um tom sensual enquanto entregava um copo do líquido esverdeado ao rapaz.

– É muito forte! – ele declarou tossindo após o primeiro gole.

– Vamos, seja forte. Beba a garrafa toda e talvez possamos esticar um pouco a noite em meu apartamento. – incentivou-o mexendo nos cachos volumosos sensualmente.

   Quando o rapaz terminou de beber o litro do licor artesanal, o humor da moça mudou de repente e Tâmara expulsou o rapaz da sala dizendo que o encontro ficaria para outro dia, pois ela teria uma reunião mais tarde.

   Carlos saiu da delegacia bêbado, cambaleou até sua casa, triste por ter perdido a chance de sair com a mulher mais linda que ele já vira. Ao chegar em casa, ainda excitado pelo encontro com Tâmara, o rapaz estimulou prazerosamente o próprio corpo imaginando diversas fantasias sexuais com a assistente de detetive. Apesar de estar sozinho trancado no quarto por mais de uma hora só pensando na mulata, Carlos percebeu que seu batimento cardíaco só aumentava, batendo fora do ritmo. Ele começou a sentir uma forte dor no peito acompanhada de tontura e náuseas. Tentou levantar-se mas a visão se tornara turva e tudo ao redor começava a escurecer. Carlos sabia o que aconteceria a seguir: uma parada cardíaca.

   A bebida verde servida por Tâmara era um licor de limão, muito simples exceto por um componente adicionado por ela. O aditivo não causaria mal nenhum desde que não estivesse combinado com outra substância que estava presente nos cigarros de Tâmara. Esses elementos combinados aceleravam o coração até que o músculo cardíaco chegasse ao limite da exaustão, parando de funcionar e matando a vítima em poucas horas após a ingestão. As substâncias eram naturais, extraídas da raiz de algumas plantas rasteiras, e a relação entre os dois aditivos, isoladamente inofensivos, passaria desapercebida pelos exames médicos feitos no cadáver. O rapaz fumou e ingeriu uma garrafa inteira do licor, e, devido à imaginação comum aos jovens na puberdade, o rapaz certamente morreria dentro de 2 horas.

   Após recolher as fotos de cima da cama e guardá-las em um envelope pardo,  Tâmara aumentou o volume da música, encheu uma taça de vinho branco e começou a articular seu plano.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...