História Kage no Sekai e os Guerreiros do Fim - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Exibições 12
Palavras 2.271
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Super Power, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


E voltamos com mais um capítulo! espero que gostem e boa leitura! :3

Capítulo 4 - Algo reacende em seu coração


Fanfic / Fanfiction Kage no Sekai e os Guerreiros do Fim - Capítulo 4 - Algo reacende em seu coração

*TRIIIIMMMM* *TRIIIIMMM*

-Já entendi! - eu dei um tapão no despertador e ele parou ou quebrou ta aí né - eu deveria levantar... mas eu to com sono - eu só fazia resmungar e rolar pela cama com o travesseiro na cara por causa da claridade que entrava pela sacada que eu tinha fechado só a cortina, até que eu comecei a cair no sono de novo, não que eu precisasse de muito para isso até que....

*TRIIIIMMMM* *TRIIIIMMM*

-PUTA QUE PARIU NÃO É POSSÍVEL SA PORRA TEM MODO SONECA?!!! - eu levantei da cama toda estressada e deliguei o despertador e soquei ele na mesa, depois me sentei na beira da cama - Talvez voltar a dormir não seja uma boa ideia... Ah quer saber vou tomar banho logo de uma vez! - liguei o chuveiro no gelado mesmo para ver se acordava, má ideia - Geladooo - eu ficava "fugindo" da água, acabei conseguindo deixar a água meio morna, depois de muito tempo, depois só me enrolei na toalha, escovei os dentes e etc - Eu deveria arrumar uma mala né? - por sorte eu tinha uma bolsa enorme para esse tipo de coisa, eu provavelmente gastei dez minutos só socando coisa ali dentro, depois por algum milagre de Jesus Cristo eu me lembrei de trancar toda a casa e desligar tudo e sai correndo

-Chegou bem em cima da hora em.... - ela olhava para um relógio enquanto eu tentava recuperar o folego - Nove horas! vamos!

Nós atravessamos a pequena cidade com todos nos encarando, é sério o que ela tem com esse povo? No que parecia ser o final da cidade tinha uma espece de "carroça chique"

-Nós vamos contornar a nação de Mistyc e chegar até porto de lá nós vamos direto para Kishi - assim que ela terminou de falar um cara desceu da carruagem, carroça sla, a Jane parecia incomodada - Só não vá se apaixonar por ele ta? - "em?"

-Jane! linda como sempre! ou, quem é essa com você?

-Oi Kou... Essa Mira ela vai viajar comigo... - ele parecia um pouco mais velho que nós, musculoso, cabelo castanho e olhos azuis, ele veio em minha direção se curvou e beijou minha mão

-É um prazer senhorita...

-Aham, claro... - eu me aproximei da Jane - Qual era do não vai se apaixonar? eu to mais é com vontade de dar uns cascudos nele!

-Huh - por um momento eu jurei tê-la visto rindo - É que toda mulher bonita que ele vê, ele da um jeito de visgar, nunca vi ninguém com vontade de dar uns "cascudos", bem merecidos aliás, huh -  de novo!

-Posso saber o que as donzelas estão cochichando aí?

-Pode parar Kou, ela não vai cair na sua 

-Sério?

-Sério - falamos juntas

-Ah caraa... Pelo menos ainda tenho você não é Jane

-Sai fora, só to aqui por que não tava afim de gastar com transporte!

-Assim vocês me quebram! - eu não consegui não rir, apenas cobri a boca com a mão para disfarçar - Ela fica tão fofa rindo... - ele se aproximou de mim

-Ãn? - Jane fez a mesma coisa, os dois estavam perto de mais, eu pude sentir meu rosto ficando vermelho - Olha... ela troca de cor...

-Sua idiota, é isso o que acontece quando se fica com vergonha... é fofo né?

-É, talvez eu tenha que concordar... - eles estavam hipnotizados com a minha cara ou o que?!

-N-n-não é m-melhor  a gente ir? - ótimo agora eu nem sabia mais falar

-Ah é, Kou! - ela deu tapa no ombro dele

-Ai!

-Vai fazer seu serviço!

-Tá, tá! quanta agressividade 

-Tú é homem ou não?! - eu só estava feliz por eles terem se afastado

-É só que você não sabe controlar essa sua força monstruosa!

-Ah vá! Venha Mira vamos entrar - começamos a andar e aquilo sacudia que era uma beleza, eu ficava a todo momento fitando a janela, perdida em meus pensamentos, acho que já tinha se passado uns vinte minutos desde que tinhamos saído, então a Jane quebrou aquele silencio 

-Ontem, quando a gente se esbarrou e eu gritei com você... por que ao invés de ficar com raiva você sorriu? - eu não pude evitar de sorrir na mesma hora - Ei do que esta rindo?!

-É que você lembra um pouco eu quando era pequena...

-Quando você, era pequena?

-Eu era muito sozinha, não por opção, é que por algum motivo as pessoas tinham ódio gratuito por mim, então eu acabava descarregando isso tudo na raiva, eu era bem briguenta, huh, ainda sou

-E você acha que eu sou solitária?

-Você não pode esconder o que esta estampado em seus olhos...

-Mas que grande bobagem! - ela simplesmente se virou e ficou bufando, nós seguimos viagem em silencio dali em diante, já tinham se passado duas horas da quele jeito - Quanto tempo ainda vai demorar?

-Mais uma hora e chegamos à entrada de Mistyc

-Ai meu Jesus Cristo....

-Meu quem?

-Ninguém... - lá obviamente não tinha as mesmas culturas e religiões que nós apesar de ser tudo muito parecido, de qualquer forma não adiantava muito explicar, com tanto tempo para fazer nada eu decidi dormir, mas era meio complicado já que parecia que eu estava dentro de um liquidificador! Mesmo assim eu ainda sou eu, então eu consegui dormir, não me lembro se sonhei alguma coisa ou não, mas logo acordei, queria perguntar para Jane onde estavamos, mas assim como eu ela acabou adormecendo - Parece até um ser humano dormindo assim... espero que esse cochilo à ajude a ficar de bom humor - eu fui até aquela janelinha que dá para o "motorista"

-Ei!

-Ai! não me assuste assim garota! eu pensei que ela tinha matado você ou coisa parecida, ta tudo tão quieto

-Oxe!

-Foi ideia dela te trazer?

-Ela não foi contra a ideia 

-Ah faz mais sentido

-Vocês se conhecem a quanto tempo?

-Ha muito tempo... ela veio pra essa cidade quando tinha dez anos... então já faz seis anos que a conheço 

-Ela tem 16?

-É, e você? por que decidiu se juntar a megera 

-Na verdade foram Mika e Roberto que pediram a ela para que eu a acompanha-se, esse é meu segundo dia nesse mundo - eu acabei contando "toda" o meu dia pra ele

-Você é literalmente a primeira pessoa que não arruma encrenca com ela - ele começou a gargalhar

-Qual o problema nisso?!

-É que ela adora arrumar briga só para testar alguma coisa nova que aprendeu, essa garota é de dar medo

-Você sabe da onde ela veio?

-Não, ela se recusa a falar qualquer coisa do passado, duvido que até mesmo Mika ou Roberto saibam

-Você se assustou quando me viu, ela não tem costume de ficar muito com as pessoas né... 

-O que isso? esta se preocupando com ela?

-Algum problema?

-Um conselho, se você realmente convence-la de que não é uma completa inútil como ela pensa, mesmo que ela acabe virando sua amiga por algum milagre, não se acostume com a presença dela, vai por mim, em algum momento ela vai sumir e depois convencer a si mesma que você nunca fez parte da vida dela

-Por que ela faria isso?

-Eu não sei... ela simplesmente faz isso com todo mundo

-O que estão fazendo?!

-AAHH -  eu e Kou assustamos - Não faça isso garota! - falamos ao mesmo tempo

-Taaaa...

-Aliás, onde estamos agora?

-Já passamos a entrada de Mistyc ha uma hora! vocês dormem feito pedra

-Ainda falta quanto tempo? - eu já não aguentava mais 

-Para contornar uma nação inteira? acho que só amanhã lá pela hora do almoço 

-N-ã-o a-c-r-e-d-i-t-o - eu disse me jogando no banco - Sera que eu durmo até lá?

-Também tava pensando nisso - ela se encostou no banco

-Vocês duas não pensam em outra coisa não?

-Comida!

-Aff

Eu consegui dormir de novo bem mais rápido do que eu pensei, quando acordei de novo não senti mais aquele chaqualho de antes, olhei pela janela já estava de noite e nós estavamos parados, lá fora Jane e Kou conversando em volta de uma fogueira, eu me levantei lentamente e fui até eles

-Boa noite Bela adormecida - Kou disse me oferecendo um sanduíche - Seu jantar

-Obrigada - eu me sentei dando a primeira mordida, não tinha percebido o quão faminta eu estava, afinal nem almoçado eu tinha, era meio desconfortável estar ali já que ninguém falava nada, só quando terminei de comer Jane resolveu dizer algo

-Fique de pé um minuto

-Ãn?

-Só fique de pé - eu me levantei e ela me observou por alguns segundos - Me mostre o que sabe, se me convencer de que pode fazer alguma coisa com esses braços finos eu tentarei não me arrepender de tê-la trazido comigo - assim que ela terminou de falar Kou já estava de pé - tente deixa-la inteira pelo menos 

-Não se preocupe vou tentar manerar - ele já estava com os punhos serrados na minha frente em posição de ataque mas antes que eu pudesse me dar conta do que estava acontecendo ali pude ouvir Jane resmungar para si mesma

-não vai dar conta nem de um soco... - em seguida vi o ombro esquerdo de Kou se movimentar, "ele é canhoto?", - Vamos acabar logo com isso! - então ele veio para cima com um golpe certeiro, bem seria se eu não tivesse desviado, apesar de não ser muito forte ou até mesmo muito inteligente, eu era boa em calcular movimentos, sempre fui fascinada por artes marciais mas nunca pude praticar pra valer então meu pai me ensinou uns truques - Como desviou? você parecia totalmente desfocada do seu oponente como pode desviar tão rápido? - era verdade eu não estava prestando atenção nenhuma nele

-Segredo básico de uma luta - eu me coloquei em forma, os braços em forma de X na minha frente, fazendo o ante-braço proteger o peito e as mão semi-serradas proteger o rosto, um soco bem dado e na hora certa bem em cima do coração pode causar um infarto, um abaixo do queixo desmaio imediato e um no nariz de baixo para cima morte cerebral - Você não olha para as mãos do adversário mas sim para seus ombros, assim pode saber quando e de que  mão vira o soco, antes se quer de ele pensar em mexer a mão ele vai mexer o ombro...  - então ele logo tentou outro soco com a outra mão eu desviei e antes que pudesse puxar o braço de volta eu segurei seu pulso como reflexo, se eu tivesse força o suficiente poderia socar seu ombro e deslocá-lo mas eu não tinha, então outra ideia veio, eu girei meu corpo, eu estava agora ao lado dele quase atrás e seu braço virado, um movimento em falso e eu poderia facilmente quebra-lo - Parece que não sou tão inútil quanto pensava não é?... - eu acabei falando aquilo sem querer bem baixinho, mas nessa hora perdi o foco e ele percebeu por eu provavelmente ter afrouxado o braço dele, então, não sei como, ele me derrubou 

-Não, você não é ruim, só não pode se deixar levar... - ele riu e me estendeu a mão para me ajudar a levantar, eu gentilmente aceitei o gesto 

-Afinal de contas - eu disse me limpando - pra que tudo isso?

-Já não disse? para valia-la, de agora em diante faremos isso todas as noites até chegarmos no porto pelo menos

-Todas as noites? mas você não disse que chegariamos amanhã ao meio dia?

-Eu disse? eu menti, ainda faltam uns três dias até chegarmos lá

-O queee?!!

-Vamos atravessar uma nação inteira, esperava o que? - ela se levantou  e começou a caminhar até a carruagem

-Aff - me sentei no chão

-Você não deveria ir dormir também? - ele disse indo na mesma direção que ela

-Bem, talvez essa não seja uma boa ideia mas... eu quero dormir aqui fora, eu gosto de observar as estrelas e adormecer enquanto faço isso, então não precisa se preocupar - eu sorri gentilmente

-Não é um costume comum, sabe não conheço muitas garotas que durmam no chão sujo voluntariamente apenas para poder observar as estrelas 

-É, eu acho que tem gente pra tudo né - eu ri um pouco - é só que eu particularmente gosto quando me dizem isso, gosto de sentir que não sou igual a ninguém e que surpreendo as pessoas com isso

-E sabe o que mais? você é estranha

-Obrigada

-Boa noite

-Boa noite

POV Autora

Sem que nenhum deles uma garota os observava da janela da carruagem, com os olhos arregalados e brilhantes como nunca desde muito tempo, o que será que ela ouviu que lhe chamou tanto a atenção? Na verdade ela queria entender por que ainda insistia em prosseguir com tudo aquilo, ela não entendia por que aquela garota que ela nunca tinha visto havia despertado algo antigo dentro dela, algo que ela achou que havia se perdido ha muitos anos, aquele brilho em seus olhos, ela viu seu próprio rosto refletido no vidro e com as chamas da fogueira ao fundo, ela não se reconhecia, que expressão era aquela? sua cabeça lhe dizia para desfazer imediatamente aquela cara e parar de pensar tanto e simplesmente abandonar aquela garota, mas alguma coisa, uma coisa bem lá no fundo, parecia disser "não desista dessa vez", era uma voz de criança, era a voz dela, da época em que ela pensou ter perdido seu verdadeiro eu


Notas Finais


então tá aí mais um capítulo, espero que tenham gostado e até o próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...