História Kamigami ni Kakushi: Alpha 01 - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Exibições 14
Palavras 1.410
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Ficção Científica, Luta, Magia, Romance e Novela, Saga, Violência
Avisos: Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Pra falar a verdade esse é o capítulo 1, por isso está escrito capitulo 1 (não é erro meu, é que no site a numeração do capítulo é automática e eu não posso fazer nada quanto à isso) e ele será divido em varias partes, cada vez que o capítulo mudar o nome também irá mudar, e caso queira saber o número do capítulo é só olhar as notas do autor ou ler a parte 1 (de cada capítulo), na primeira linha tem o número :3

Capítulo 2 - Cap 1 - Como tudo Começou parte 1


Capitulo 1: Como tudo começou

Narrativa: Tayo

-Tem certeza disso? - eu disse

-Absoluta! - disse Zed

-Então meu jovem, o que tem a nos contar sobre vocês?

-Eu poderia começar lá do início desde que eu conheci o Jen? E isso faz bastante tempo.

-Claro que pode! É para isso que eu estou aqui, para documentar a maioria da história dos finalistas do maior torneio desse mundo!

-Bem, eu conheci o Jen faz muito tempo…

… Eu tinha mais ou menos 6 anos, e estava andando por aí, mais ou menos em uma floresta ou montanha não me lembro, quando de repente me deparo com garoto, que aparentava estar sozinho naquele lugar longe de tudo, e ele foi a primeira pessoa que se interessou em perguntar meu nome, porque até então ninguém havia se quer perguntado se eu tinha algum parente, nome ou lugar para morar; e eu respondi:

-Oi, meu nome é Tayo Yoroi, por que a pergunta?

-É porque você parece tão sozinho, como se todos o ignorassem, então pensei que poderia te ajudar com isso-ele disse.

-Mas como você faria isso é apenas uma criança, assim como eu.

-Tem um jeito sim! Esse jeito é se você aceitar ser meu amigo, e então você aceita?

-Sério que você quer ser meu amigo! É claro que eu aceito, aliás eu ainda não perguntei seu nome ainda né tampinha?

-Meu nome é Jeneshisu Shokan, e você me chamou de tampinha, é sério isso, pois você parece ser mais novo do que eu.

-Pois eu acho o contrário Jen, eu posso te chamar assim né? Pois eu tenho 6 anos

-É, pior que você é mais velho do que eu mesmo, eu tenho 5 anos ainda. Mas fora isso, sua casa é aqui por perto? Gostaria de conhecer ela.

-Pra falar a verdade, eu não tenho casa.

Naquele momento ele ficou com um sorrisinho no rosto, achei que ele iria me irritar e encher o meu saco por causa disso, mas foi bem o contrário, e ele disse bem assim:

-Não tem problema, você pode vir morar na minha casa!

-Mas isso não vai causar problemas para você?

-Não irá causar nenhum problema, pois meus pais sempre dizem que as vezes eu sou um pouco sozinho de mais, e que era bom eu ter um irmão com mais ou menos a minha idade, e minha mãe não pode mais ter filhos, assim resolvemos duas coisas com apenas uma solução.

-Você tem certeza disso? Seus pais nem me conhecem.

-Não se preocupe eu resolvo isso. E vê se para de enrolar e vem logo.

Depois disso, ele me apresentou para os pais dele, e até que eles me receberam bem, eu achei que eles iriam desconfiar de mim ou algo parecido, mas isso acabou não acontecendo, também achei que seria uma vida sossegada, mas acabou sendo o contrário do que eu havia pensado. A família dele era de invocadores, e invocadores são bastante caçados pelos demônios que não querem ser usados por eles, e isso tornou minha vida bastante agitada e perigosa, e só pra piorar, naquela época o Jen era muito fraco e bastante chorão; ele ficava berrando no meu ouvido.

Mas tirando esses “lindos” momentos vividos, esse tempo que eu fiquei com os pais do Jen, foi bastante marcante pra mim. Mas infelizmente isso durou somente por 3 anos.

-Como assim, somente 3 anos? Você fugiu da casa deles? O  que aconteceu? E eu gostaria de saber o que aconteceu depois disso.

-O que aconteceu foi que…

… Durante uma invasão de um país vizinho ao que nós morávamos, e nossa casa e a dos outros que moravam próximos a nós, foram violentamente bombardeadas, provavelmente outros também sobreviveram, mas da nossa casa fomos somente eu e o Jen. Depois desse incidente o ele ficou mais independente do que era, já que não parávamos em um lugar só por muito tempo, ele teve que aprender a se virar um pouco né, porque sempre estávamos rodeados por algum tipo de perigo, e isso o fez ficar mais atento e mais esperto, mas mesmo assim eu ainda precisava treiná-lo já que ele ainda não era forte o suficiente, e infelizmente isso não nos levou a lugar nenhum, porque mesmo sendo mais independente, ele inda tinha medo de lutar, e também precisava da disciplina que uma pessoa com apenas 9 anos não saberia ensinar, eu pensei que se nós fossemos treinar em um templo seria bom para ele, já que seria um bom incentivo já que o Jen sempre gostou de artes marciais. Em uma de nossas “viagens”, pode-se assim dizer, acabou que eu durante uma luta contra um demônio destruí umas construções em uma montanha, e era uma parte de um templo do raio, acabou que eu me ofereci para pagar uma “punição”, se bem que eu meio que forcei o Jen a participar disso também, e o motivo eu já falei, e também porque acho que ele não teria feito o treinamento junto a mim, e ainda seria um chorão covarde como ele era. Então não me arrependo de força-lo à treinar junto a mim.

Por mais que os treinos fossem duros e difíceis, pois era uma punição né, nós não éramos mais nômades, agora tínhamos onde ficar mesmo que por um curto período de tempo; se bem que durou aproximadamente 3 anos, e tínhamos meio que uma família novamente, porque pelo menos eu me senti adotado pelo povo que morava na vila onde ficava o templo, fora isso tínhamos que aproveitar o treinamento que na verdade era um foi castigo, para ficarmos fortes e o Jen deixar de ser dependente demais.

Pra variar o treinamento/castigo foi muito intenso com o mestre do templo, que nós o chamávamos somente por mestre, mas era pra ser uma punição então deveria ser intensa fisicamente e psicologicamente, e quase morremos várias vezes por falta de preparo para o treino.

No final do treinamento, nós estávamos indo ao encontro ao mestre, no caminho eu ficava imaginando o que teríamos que fazer no fim do treinamento, eu achava que com certeza seria algum tipo de perigo sobre humano, bem maior do que havíamos enfrentado até aquele momento, mas não pensava que seria um ritual de meditação, nós começamos a meditar, e ficamos lá momento de paz e sossego, descansando nosso corpo e exercitando nossa mente e  alma, assim eu organizei os meus pensamentos, e assim percebi que aquela “punição” não era bem uma punição, o mestre estava realmente no treinando, e não somente nosso corpo como eu achava, todo o nosso treinamento fortaleceu somente nosso corpo, mas também nossas mentes e almas, a partir do momento que percebi isso e coloquei quase tudo do treinamento que eu não havia entendido, toda a parte de mente e espirito, uma aura começou a emanar de mim e do Jen, parece que ele também havia entendido.

-Você sabia o que era aquilo?

-Não, mas…

Quando eu ia perguntar para o mestre o que era aquilo, ele disse como se tivesse lido a minha mente:

-Isso é o seu “Alpha”, uma energia contida em todos os seres viventes nesse mundo, mas, somente poucos, tem o suficiente para utiliza-lo sem se machucar ou até mesmo matar quem utiliza, mas isso acaba não acontecendo com os humanos porque nosso corpo bloqueia uma parte do nosso Alpha, para não ficarmos totalmente sem ele, o que acaba causando nossa morte.

-Então isso significa que somo especiais?

-Sim, significa que vocês são especiais, mas existem bem mais iguais a vocês, do que imaginam. E também é muito mais desigual do que imaginaram ou imaginariam; e segundo, vocês acham que quanto maior a quantidade do alpha, mais forte é a pessoa, não é?

-Sim- nós respondemos

-Errado! O que define se um é mais forte que o outro é o quão puro o alpha é. É quase impossível fundir dois Alphas sem criar um novo ser, mas se isso acontecer sem que seja um filho nascido naturalmente, é considerado uma violação da vida humana, porque a pessoa em si, não muda só por dentro mas por fora também, e ao que parece isso não fortalece quem foi fundido, apenas apaga sua memória por completo e aumenta sua quantidade de alpha e só. Por esses motivos e outros motivos que é proibido.

-Nem imaginava que esse tipo de coisa existia. Mas, voltando ao alpha, existe alguma maneira de meio que purificar o nosso Alpha? – eu perguntei


Notas Finais


Error 404: Nothing Found
Opa, algo foi atualizado em todos os capítulos até a parte final do cap 2- O garoto que possuía o dessains


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...