História Kaos - Capítulo 50


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Ação, Demonios, Drama, Ficção, Horror, Psicológico, Seinen, Terror, Violencia
Exibições 4
Palavras 1.182
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Científica, Luta, Mistério, Misticismo, Policial, Romance e Novela, Seinen, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Voltei a postar minhas histórias psicóticas, meus personagens sanguinários estão de volta.

Capítulo 50 - Cronicas do inferno. parte 3. Ilusão desfeita.


Fanfic / Fanfiction Kaos - Capítulo 50 - Cronicas do inferno. parte 3. Ilusão desfeita.

REPUBLICA NICO/ DIA 04/ MARÇO/2014

Krinch - Enfim jovem allex, ou devo dizer... Kyle... hehehe, o que vai fazer mocinho? Eu demorei muito pra me recuperar do que seu amigo o senhor Alexander fez comigo. Eu vou levar seu corpo para ele e brincar de marionete e depois faze-lo em pedaços.

A Coisa tava complicada. Eu estava preso entre a morte e a vida mas só não parva de pensar nas garotas idiotas que eu conheci e transei de repente. Queria falar com cada uma delas de novo pra pedir desculpas e pelo menos contar quem eu era de verdade. Não imagina se meus "irmãos" sabiam o que eu fazia, talvez nem o meu outro eu soubesse. Ter uma dupla personalidade é um porre.

Kyle - Valeu por me curar do meu transtorno capetão, mas eu ainda tenho coisas pra fazer e explicar.

Krinch - Ah, e o que é mais importante do que morrer aqui e agora? Hehehe

Allex - Sei lá, tranzar de novo.

Hora de correr eu pensei, mas quando eu olhei pra trás ele já havia dado um salto por cima de mim parando bem em minha frente com seu sorriso assustador. O que diabos um cara normal podia fazer além de correr? Correr mais ainda. Mas pra onde era a questão. Eu avistei um carro à alguns metros que parecia estar aberto e bem, eu estava sem muitas opções.

Em alta velocidade ele usa sua enorme mão para tentar me apanhar e mais com medo do que coragem eu desvio com uma cambalhota para o lado do carro caindo desajeitado no chão. Me lanvanto rápidamente desviando de outro golpe de Krinch que me erra amassando o carro em dois, e isso me fez pensar que foi uma péssima ideia o carro.

Agora era vida ou morte. Última chance para encontrar um lugar para escapar. Eu olhei, olhei e vi um dos prédio apartamentos com sua porta da frente aberta e bem, era vida ou morte. Eu corri em direção ao apartamento e Krinch vinha logo atrás correndo e jogando tudo pela frente longe como se fossem feitos de isopor ou de plastico.

Sentindo os maiores caláfrios na espinha que eu já senti na vida, eu só pensava em como era ter sido nunca ter matada ninguém, nunca ter me tornado um genócida em massa. Eu nunca mencionei a polícia mas eu tenho que dizer que ela já estava exterminando quase todo o grupo da Kaos. Era só questão de tempo, foi tudo temporario, eu sou a Kaos no fim das contas. Se eu morrer eles morrem comigo pelo menos. Questão de tempo.

Voltando ao risco de vida aqui, eu consegui entrar no prédio e nem pensei em elevador, fui pelas escadas mesmo. Krinch era grande demais para entrar no prédio, mas era esguio o suficiente para se contorcer pelos corredores. Desajeitado mas rápido, eu corria dele subindo as escadas planejando entrar em um dos apartamentos. Eu subi até o terceiro andar e entrei em um deles.

O lugar tava trancando, mas eu arrombei a porta com um tiro da minha pistolinha que só servia pra dizer que eu estava armado, pois eu sabia que não servia de nada atirar naquela coisa com esse revolverzinho. Era só um brinquedinho pra ele e eu sabia disso, a melhor opção sempre foi correr, pelo menos naquele momento.

O lugar tava vazio. Eu não precisava me preocupar com enquilinos assustados ou perigosos. Agora eu só podia ouvir a voz de Krinch andando pelos corredores... eu me sentei no chão do do sofá da sala de estar e fiquei pensando.

Senti uma enorme tristeza, senti um desconforto terrível.. eu agora nem ligava maid pra nada... eu ouvia ele gritar meu nome com um tom de risada, estava brincando de esconde esconde comigo mas eu nem ligava.. estava afundado naquele momento. O motivo foi simples, eu só queria morrer e desistir quando eu parei pra pensar que mesmo que eu saísse vivo dalí, eu não teria pra onde ir, pois sou um genocida.

Pensei em o quão bom seria só morrer e ir direto pro lugar de onde esse bixo veio. Pensei o quão mau eu fiz pra tanta genete por aí. Bem, apenas que se dane. Eu fiquei sentando do lado do sofá olhando pra porta de vidro da varanda que dava pra chegar no outro prédio pulando de varanda pra varanda. Bem, eu só fiquei onlhando por uns minutos e pulei pro outro prédio ainda pensando em tudo aquilo. Uma depressão repentina.

Krinch ficou sozinho nos apartamentos, eu só desci pelo outro prédio, roubei um carro qualquer e fui embora. Fui ver Alexander, tirar umas duvidas.

Quando cheguei lá, passei pelas mesmas pessoas, pelos mesmos colegas, inimigos, criminosos e esse tipo de gente do submundo. Todos me olhavam e todos me conheciam. Eu apenas passei reto por todos e fui ver alexander.

Chegando em sua sala pessoal ele abriu seu velho sorriso e me abraçou comprovando novamente que eu era Allex e Kyle ao mesmo tempo. Então.. Eu tinha que saber.

- Alexander... você se lembra de quando eu vim aqui.. e aquele monstro apareceu?

Alexander - Sim filho. Eu lembro, a gente acabou com aquele bixo. Eu fiquei sabendo que ele fez um estrago terrível em Re.Nico. Eu que nâo queria estar lá.

- Certo... Alexander. Naquele dia na sala, tinha mais alguém além de mim aqui?

Alexander - Como assim? Tinha apenas nós dois cara. O que foi?

- O que aconteceu naquele dia? O que a gente conversou?

Alexander - Allex, você tá estranho. Tá tudo bem amigão?

- NÃO ME CHAME DE ALLEX! .... Desculpa cara. Desculpa.

Alexander - ... N-não carinha. Tá tudo bem. Me fala o que aconteceu.

- Só me responde o que eu perguntei... por favor.

Alexander - Hm.. ok. Foi assim. Vocé chegou de moto e assim que entrou foi arrumando briga com os skin heads e os lutadores de kung fu lá em baixo. Depois eu te chamei pra cá pra coma e você me contou várias coisas sobre como você e seu amigo Fernando escaparam de um monstro, como você foi perseguido pelo monstro cinza e etc.. cara. Não tinha mais ninguém aqui falando comigo além de você maninho.

- Você sabia que eu tenho um segundo nome?

Alexander - Sim, eu sei. Por alguma razão, seus seguidores chamam você de Kyle. Você quer que eu passe a te chamar assim também?

- Ha-ha... só me diga qual você prefere.

Alexander - Hm.. na minha humilde opnião? Você sempre ter cara de Allex pra mim. Eu prefiro te chamar assim.

Allex - Ahm... que assim seja então. Eu sou Allex e apenas Allex. Eu já te contei que sempre quis atacar Lacro-city?

Alexander - Já, várias vezes. Mas porque tá falando disso agora?

Allex - Porque a hora chegou. Finalmente é hora de botar em prática o plano.

Alexander - Mas agora não dá. Nãos com esses monstros soltos por aí. E aquele monstro cinza só iria atrapalhar tudo.

Allex - Ah não, dá sim. E o melhor, Krinch é quem vai nos ajudar.. vamos fazer nosso próprio inferno com nossos próprios demonios.. hahahahahahahaAHAHAHAHAHAAHAHAHAHAHA... gostou da minha rizada?

Alexander - Você só pareceu um idiota e eu quase morri de rir também.

Allex - Ah se foder vey.

Continua.


Notas Finais


Voltei com a frequencia de 3 dias.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...