História Karaokê - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias IKON
Personagens B.I, Bobby, Chanwoo, Donghyuk, Jinhwan, Junhoe, Personagens Originais, Yunhyeong
Tags Bobby, Dongchan, Double B, Hanbin, Jiwon, Junhoe Pseudo-hetero, Junhwan, Mtywo, Treesome, Yunchan, Yundong, Yundongchan
Visualizações 95
Palavras 3.199
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Fluffy, Romance e Novela, Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Pansexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


iai galerinha do barulho, tudo bom com vcs?
antes de tudo, gostaria de pedir desculpas por nao ter atualizado a fic domingo retrasado, e nem ontem (ja q meu objetivo era postar todos os domingos), mas ontem eu nao postei por pura preguiça, perdão a todos.
enfim, o capítulo ta meio bosta como minha vida, mas ta revisado; se tiver algum errinho, por favor, ignorem, pq ne, sempre escapa alfumas coisinhas.
Boa leitura bbs <3

Capítulo 6 - Noite do Karaokê


Fanfic / Fanfiction Karaokê - Capítulo 6 - Noite do Karaokê


Ultimamente, ando pensando ir me benzer, porque eu ando tendo muitos sentimentos ruins, do tipo de que algo vai dar errado, ou de que algo está errado, ou de que vai dar muita bosta e eu vou tomar no cuco; e se eu me benzer e der em nada, vou procurar ajuda naqueles grupos de ocultismo que tem no facebook, sei lá né, vai que é feitiçaria.

Enfim, um desses sentimentos ruins, é o de que hoje vai acontecer algo, não necessariamente dar merda, mas sim alguma coisa que vai me fazer querer pular do terraço do prédio mais alto da minha cidade, bem especifico esse meu sentimento, não? Ah, e eu sinto também, que o meu amado Kim Jiwon vai contribuir com tudo isso; não sei não hein, acho que to ficando paranóico.

Mas mudando de assunto, neste exato momento, estou ajudando minha queria mãe, a arrumar a casa para a Noite do Karaokê; e eu acho que essa mulher ta ficando meio doida, porque ela comprou bebidas alcoólicas e vai deixar eu, o Jiwon e a Somi tomar, não sei se ela sabe, mas o Jiwon bêbado é um desastre, até pior que eu, ele fica carente demais, irritante demais, chato demais, resumindo, ele fica achando que voltou a ser nenê e se joga no colo da gente pedindo carinho, e tem vezes que ele fica com fogo no rabo e vem se atracar na gente, pode não parecer muita coisa na teoria, mas na pratica é o verdadeiro inferno. E a Somi, a Somi fica triste quando bêbada, ela começa a chorar e cantar as musica do Sleeping at Last, enquanto da uns goles na garrafa de qualquer coisa que estiver tomando, e você não pode falar com ela, porque qualquer coisinha que tu falar, ela vai começar a chorar mais e dizer que ninguém ama ela, mesmo que você tenha dito “capivaras são legais”.

A senhora Kim está realmente animada para essa noite, talvez seja porque hoje faz sei lá quantos anos desde que ela e meu pai se beijaram pela primeira vez, eles se importam muito com datas especiais, por exemplo, eles comemoram o dia em que eu e a Somi aprendemos a falar, que por sinal, foi no mesmo dia, explicação cientifica para uma coisa dessas? A única que tenho é que deve ser coisa de gêmeo; e sim, nós somos gêmeos, não parecemos nadinha um com o outro, mas somos. Tem coisas que acontecem na minha família, que ninguém consegue explicar.

Voltando ao assunto da festa, a senhora Kim está muito empenhada em arrumar milimetricamente os CDs, que nem notou que Kim Somi estava roubando uns salgadinhos, e como não sou bobo nem nada, fui lá roubar uns também.


— Ansioso maninho? — A Somi falou de boca cheia.


— Olha os bons modos. — falei igualmente de boca cheia, ela ignorou. — Mas não estou ansioso, por que estaria?


— Talvez porque o cara que você gosta desde que era um projeto de gente, vai estar aqui? 


— Somi, primeiro: ele é meu melhor amigo, segundo: já me conformei com o fato de que ele nunca vai gostar de mim. — falei a segunda parte um pouco mais baixo, po ainda dói no meu coração verbalizar essas palavras. — Sendo assim, não tenho motivo para estar nervoso, ansioso, ou algo do tipo.


— Cê é cego, ou finge? Porque não tem outra explicação para isso. — Nós tínhamos parado de comer, já que a senhora Kim poderia dar falta de algum salgadinho.


— Isso o que? 


— Ta mais que na cara que o Jiwon quer seu corpo nu na cama dele. — Ela simplesmente falou, como se não fosse algum assunto que facilmente constrangeria alguém.


— Você é doida, é? Ele não quer meu corpo nu, e mesmo se quisesse eu não iria atender essa vontade dele, porque sou um cara difícil e que quer ter sua primeira vez com alguém que me ame como eu amo.


— Mas você não ama ele?


— Amo, mas o sentimento não é recíproco. — Abaixo minha cabeça, eu to um pouco sad.


— Mãe. — Somi chamou a senhora Kim, essa que só olhou para a mesma esperando que ela continuasse. — A senhora já cogitou a ideia de que o Hanbinnie pode ter algum problema de visão? — E ela ignorou, porque tinha que continuar arrumando milimetricamente os CDs.


— Ignorada. — falo, e a Somi me bate. — Hoje eu entendo o porquê de o Jiwon sempre estar reclamando que essa geração está perdida. — ela da um tapa na minha testa.


— Exagerado você, hein? — eu tava de cara fechada, não curto que batam em mim. — Você só é uma hora mais velho que eu.


— Uma hora é bastante coisa, ta bom? — Cruzei meus braços, e fiz cara emburrada.


— Beleza, velhão. — Olha a audácia dessa garota; eu estava prestes a responder, quando nossa mãe gritou para pararmos de fofocar e ir ajudar ela.


[...]


Era 18h00min quando terminamos de arrumar as coisas, e as 19h00min foi quando o senhor Kim, juntamente ao Jiwon, chegaram em casa. Quando meu pai colocou os pés dentro de casa, ele ficou paralisado, levemente em choque, talvez ele não tinha sido avisado sobre o karaokê, ou talvez porque minha mãe estava fantasiada de mulher maravilha, por quê? Não sei, não consigo entender minha mãe.


— Boa noite senhora Kim. — Jiwon, que ao perceber que meu pai tinha dado defeito, passou pelo mesmo, tirou seus sapatos e entrou.


— Jiwon, nós já nos conhecemos há bastante tempo, tempo o suficiente para você saber que senhora ta no céu, e que você pode me chamar de tia, ou de sogrinha, vai de sua preferência. — Ao finalizar a frase, mandou uma piscadela para ele; mas eu fiquei de boas, porque ela poderia muito bem estar falando sobre a Somi, apenas para ver minha reação. Para que inimigos quando se tem uma mãe como essa?


— Desculpe tia, mas eu não tenho interesse algum na Somi, afinal, eu sou gay. — Nenhuma novidade.


— Mas o que te faz pensar que eu estava falando da Somi? — Ela sorriu sacana, e deixou um Kim Jiwon estático, olhando pro nada, e foi ao encontro do senhor Kim, pulou nas costas dele e ficou fingindo que ele era um cavalinho enquanto o mesmo tirava seus sapatos. Já eu não me encontrava em uma situação diferente da do Jiwon, ta, talvez um pouquinho menos, já que já estou acostumado com o fato da minha mãe ser meio fora da casinha; mas ele deveria estar também, afinal, ele conhece minha família desde quando estávamos no ensino fundamental, ah, deixa para lá, que se foda também.


— Eai Hanbin. — Confesso que ao escutar a voz do Jiwon, bem pertinho de mim, levei um baita susto, po não se pode nem viajar em universos paralelos mais.


— Eai. — Eu ainda estou me recuperando do susto.


— Vocês deveriam já estar acostumados com essas falas da senhora Kim. — Falou Somi, brotando do nada e assustando nós dois. — Vocês ainda não entenderam que ela super shippa vocês.


Nós dois não sabíamos o que falar, então apenas começamos a comer — já que estávamos bem do lado da mesa de salgadinhos —, e a conversar sobre qualquer coisa. Isso até a minha querida senhora Kim chegar e avisar para a Somi e para o Jiwon — já que eles não sabiam — que eles poderiam beber o quanto quisessem, e após saberem da novidade, foram correndo pegar coisa para beber e me deixaram falando sozinho, acho que eu deveria rever minhas amizades, assim, só acho.

E ai eles voltaram, cada um com um copo cheio de conteúdo alcoólico; vocês devem estar se perguntando: “Mas álcool não é proibido para menores de idade?”, sim meus queridxs, é proibido, mas o Jiwon já está quase chegando a maioridade e a minha mãe é bem liberal (ou irresponsável, depende do ponto de vista de vocês), e deixa a gente beber, mas com algumas regrinhas: não podemos sair de casa bêbados, se tivermos bêbados, não podemos mandar mensagens, ou ligar para alguém, e também não podemos fazer muito barulho. Mas ai vem a reflexão, para que essas regras, se quando nós ficarmos bêbados vamos estar loucos demais para lembrar que essas porcarias de regras existem? Mas nós fazíamos de tudo para tentar seguir.

Depois de Jiwon já ter tomado uns três copos cheios da mistura de alguma bebida com energético, a Somi — que estava empatada com ele — teve a brilhante ideia de quem tivesse a pontuação menor que 95 no karaokê, tinha que beber duas doses de vodka pura; eles são idiotas, sim ou com certeza? Mas voltando, eu tinha ficado como o encarregado de encher os copos deles, e de ver a pontuação, já que ambos já não estavam muito sóbrios; mas se eu trapaceasse, teria de tomar por quem estava na vez. Não curti muito essa ideia, mas não há nada que eu possa fazer.

E Kim Somi deu inicio a brincadeira, começou cantando Cheer Up, e eu como o bom Once que sou, dancei a musica inteira, quando minha irmã já tinha acabado, chegou a hora de ver o resultado, e ela tinha tirado 96.


— Uh, na lata. — Exclamou Jiwon, ele tinha ficado a musica inteira azarando a Somi, agora eu vou ficar azarando ele, porque eu posso gostar dele, mas quero ver ele putasso por ter perdido, Kim Jiwon e Kim Jiwon putasso são a oitava e a nona maravilha do mundo.


E ele já começou cantando Okey Dokey, essa musica para ele era bem facinha, já que a mesma era o toque do celular dele; e eu como Zico stan, cantei essa musica também, porque eu to ali para me divertir, e dar risada dos outros bêbados. A pontuação dele fora exatos 95, confesso que fiquei um pouco triste, poxa, eu queria ver eles bêbados e pagando mico.


— Ah, mas isso ta muito fácil. — Falei. — Vamos mudar, quem tirar menos que 98 perde, e conforme vocês vão tomando, a pontuação mínima vai abaixando, que tal?


— Nós vamos tomar muito no cu, mas curti a ideia. — Kim Somi, sempre sendo radical.


Mesmo que o Jiwon não concordasse, ele iria fazer, porque a Somi estava animada com a ideia, e quando ela está animada com algo, nada consegue tirar tal coisa da cabeça dela; sendo assim, uma nova rodada começou, e a Somi cantou Ice Cream Cake, não preciso nem falar que cantei, dancei e imitei Kang Seulgi, né? Ao final da musica, sua pontuação foi 97, nós três gritamos, Somi um pouco menos animada que nós dois, e em troca recebemos um grito da senhora Kim, mandando a gente gritar mais baixo, isso faz sentido? Não. Enfim, fui lá buscar as doses para minha linda maninha tomar, e eu estava — internamente — rindo maléfico, pois fiz questão de encher até quase transbordar o conteúdo do copo; e voltei para a sala, felizão da vida, porque, eu posso odiar Kim Somi bêbada, mas amo os segredos que ela me conta, quando ela quiser me caguetar por ter feito qualquer coisa, posso utilizar os segredos contra ela, muito mau de minha parte, eu sei.

A Somi tomou uma dose em um único gole, e acabou fazendo uma careta, eu fiz uma careta com ela, e Jiwon deu risada de nós dois; assim que Somi tomou a segunda dose, falou que estava morrendo, e que era para nós ligarmos para o Samu, nós ignoramos ela, e logo Jiwon já estava cantando a próxima musica, que era Hello Bitches, eu e minha irmã, cantamos e rebolamos muito, pois um hino deve ser venerado, mas acabou que Jiwon tirou 95 e teve que tomar as doses. E foi assim que ficamos até Somi estar mais que doidona e o Jiwon começar a conversar com um dos CDs milimetricamente arrumados pela minha mãe.

Estaria mentindo se dissesse que não tomei nem um golinho de bebida alcoólica, na verdade eu tive que tomar duas doses pela Somi, já que os dois inventaram a regra de que só porque eu tava enchendo o copo até a borda, eu estava trapaceando, e eu até que iria discutir com eles, mas discutir com bêbado é a mesma coisa de que discutir com uma parede, então apenas bebi o negócio.

Agora, eu vou ter que dar um jeito em uma Kim Somi deitada no chão, tendo uma crise existencial, e um Kim Jiwon que fingia que era um gato; que caralho eu fiz para merecer isso?

Comecei com a Somi, a mesma tava muito grogue, então só passei um braço dela pelo meu ombro e a ajudei a subir as escadas até seu quarto; e depois de 15 minutos subindo as escadas, conseguimos chegar até o quarto dela, chegando lá, eu apenas entrei no banheiro que havia no quarto dela, e a taquei no debaixo do chuveiro com água gelada, olha eu de bom irmão. Ela gritou comigo, quando sentiu a água fria, e após uns dois minutos ali, ajudei-a a sair do banheiro, e a deixei lá no quarto dela, para ela se secar e trocar suas roupas que estavam encharcadas, e para ela ir dormir, ou fazer qualquer coisa que quisesse.

Voltando para a sala, vi Jiwon deitado no chão, onde antes Somi estava, andei até ele e me deitei ao seu lado.


— Tendo uma crise existencial? — Perguntei mesmo sabendo que o outro tava entendendo era nada.


— Eu estava pensando, por que o teto se chama teto. — Ele falou com aquela voz arrastada de bêbado e se virou para mim. — Hanbinnie, por que batatas se chamam batatas? Por que eu me chamo Jiwon? Por que o amor se chama amor, e não batata?


— Eu não sei Bunny, talvez porque quando nossos descendentes foram dar nomes as coisas, deram esses nomes. — Falei lentamente, o vendo sorrir quando pronunciei seu apelido que eu não usava desde a sétima serie. — E seu nome é Jiwon, porque sua avó quis assim, e o amor não se chama batata, porque batata é batata e não amor.


— Mas Hanbinnie, batata é amor. — Eu ri, conversa de bêbado é realmente estranha. — Você já parou para perceber que batata fica boa de tudo quanto é tipo? Batata frita é bom, igual a, batata cozida, batata assada, batata doce, batata refogada, batata salsa, eca, não gosto de batata salsa, batata salsa é a única batata que eu conheço que não gosto.


— Ok, chega de falar de batata, e vamos subir, porque você ta fedendo a cachaça e precisa tomar uma ducha. — Já tava me levantando, quando ele pegou no meu pulso e me fez sentar de volta, percebi que ele estava chorando. — Ué, Jiwon, por que ta chorando?


— Hanbinnie... — Ele falou com a voz chorosa e arrastada de bêbado. Não acredito que vou ter agüentar mais um bêbado chorando, já tive que agüentar a Somi há alguns minutos atrás.


— O que aconteceu? — Ele me abraçou e começou a chorar no meu ombro.


— Por que a vida é tão difícil? Por que amar alguém dói tanto? Por que ter um amor unilateral me faz querer morrer? — mano, o que caralho ta acontecendo? — Por que amar meu melhor amigo dói tanto? Por que te amar dói? — Ok. Eu definitivamente não estou entendendo nada.


— Jiwon, a única coisa que eu sei te responder é: você ta bêbado demais e...


— Mesmo que eu esteja bêbado não estou mentindo. — Ele me cortou, mesmo bêbado ele faz essas coisas, pf. — Eu te amo Hanbinnie, te amo desde que você entrou naquela escolinha, te amo desde antes daqueles naniquinhos catarrentos começarem a te atazanar, eu te amo antes mesmo de saber o que era amar.


— Jiwon... — Ele tava muito bêbado, só pode. — Não to te entendendo, se você me ama tanto assim, por que ficava se atracando com os garotos da nossa escola?


— Pois, caso você não saiba, eu sou um adolescente com os hormônios a flor da pele, e eu tenho desejos, e eu sinto tesão, porra. — Opa, não me diga. — Você não faz ideia de quantas vezes, depois da aula de educação física, por sua culpa, eu tive que ir me satisfazer em alguma cabine do vestiário, ou tive que mandar uma mensagem para o Jeonghan, pedindo para ele me encontrar atrás do ginásio, para a gente se dar uns pegas, já que eu tava com fogo no rabo.


— Eita. — Essa era a única coisa que eu consegui dizer. — Mas pera, o Jeonghan não é aquele que tinha o cabelo bem comprido, e que agora ta namorando o Jisoo, aquele estrangeiro bonitão?


— Esse mesmo. — Kim Jiwon, talarico raspa canela. — Mas, para sua informação, depois que ele começou a namorar, nem visualizar minhas mensagens não visualiza. — Kim Jiwon não é mais talarico. — E como eu estou sem beijar alguém há duas semanas, estou muito necessitado.


— Que jóia brother, pena que o problema é seu. — Eu tava me levantando, quando, novamente, o Jiwon puxa meu braço. — Vai se foder caralho.


— Mas sabe de uma coisa que eu tenho raiva? — neguei com a cabeça. — É quando você faz descaso. Po, se você gosta de mim, pelo menos goste direito, e sinta ciúmes quando eu falar que tava pegando alguém. 


— Vish, vai arranjar o que fazer, não sou obrigado a sentir ciúmes de você; e, quem disse que eu gosto de você? Além de babaca é iludido.


— Sério Hanbin? 


— Você ta me vendo rir, seu fodido?


— Não, é que, você não deve ter percebido, mas, você é mais transparente que roupa branca molhada.


— Calúnia. — Eu mesmo sonso mello.


— Tudo que eu falei é a mais pura verdade. — ele sussurrou no meu ouvido, me causando arrepios, eu acho que vou morrer, sério. — Mas agora se me der licença, eu preciso correr para o banheiro. — se levantou e saiu correndo em direção ao mesmo.


Eu obviamente fui correndo atrás dele, e o dei uma ajudinha, quando o mesmo começou a vomitar tudo o que tinha em seu estomago, e após vomitar, ele deu PT, e eu tive que carregar ele para meu quarto; chegando lá, taquei ele na cama, tirei seus tênis, suas meias, seu casaco e sua camisa vomitada, peguei uma camisa minha que ficava grande em mim, e vesti nele, após isso o cobri com um acolchoado que tinha guardado no meu guarda roupa, e fui tomar um banho quente e rápido, e ao sair do banheiro já vestido com meu pijama, deitei ao lado de Jiwon, cobrindo-me com meu cobertor — eu e Jiwon estávamos dormindo com cobertas diferentes, pois, alem dele estar fedendo a cachaça, nós dois disputávamos cobertor quando dormíamos juntos, então a solução sempre era um cobertor para cada um, mas sempre acordávamos abraçados e com as cobertas no chão.

E apenas agora consegui parar para pensar nas coisas que Jiwon disse a alguns momentos atrás, e cai no sono pensando no porquê de Jiwon ter escondido seus sentimentos, sendo que ele sabia que eram correspondidos.




Eu falei que algo ia acontecer, mas não esperava que fosse um Kim Jiwon se declarando para mim.



Notas Finais


Gostaram?
enfim, eu tinha q falar algo para vcs, entao vamos direto ao assunto.
Karaokê está chegando em sua reta final, pois vão ser 8 cap (contando com o prólogo), um epilogo e mais um especial, e é sobre esse especial que eu queria falar; me digam ai nos comentss se voces preferem um especial sobre o nosso 3some lindo e cheroso, ou sobre junhwan o otp da naçao, estarei esperando suas escolhas.
Mas, espero que tenham uma boa semana ;D
Tchauzinho ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...