História Karaoke Box - Capítulo 5


Escrita por: ~

Exibições 57
Palavras 2.413
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi, oi! Obrigada pelos comentários e favoritos, pelas visualizações, por tudo! Eu to passando por momentos de muita tensão no meu relacionamento com a internet da minha casa, estamos meio brigados e basicamente ela não está falando comigo as known as tá ruim pra cacete, não consigo nem abrir o google direito rs Eu ia postar sexta-feira, mas cadê que eu consegui conexão? Enfim, vou parar de enrolar e publicar logo antes que a internet caia de novo rs

Espero que gostem apesar de ser um cap hetero :( Sorry aos götzeus shippers (eu)

Capítulo 5 - Little Numbers


29.07.16

 

— Scarlett, a gente vai se atrasar!, — Eu disse pela milésima vez naquela noite

— Só falta uma coisinhaaaa!

 

Eu rolei meus olhos apesar de ela não poder me ver neste momento. Nós combinamos de ir ao Karaoke Box, faríamos uma espécie de encontro de amigos meus e dela, daí quando eu mandei mensagem dizendo que já estava chegando, ela me mandou outra pedindo para que eu subisse e aqui estamos há mais de meia hora. O Auba já me mandou mensagem dizendo que estava lá e já tinha conseguido uma mesa grande, pelo menos isso. 

Scarlett e eu estávamos saindo há seis semanas, sem contar aqueles dois primeiros encontros (no bar e no café). Eu mandei uma mensagem pra ela e aí começamos a nos falar o dia inteiro sobre os mais variados assuntos, desde besteiras até coisas do cotidiano. Uma coisa levou a outra e quando eu percebi já estávamos andando de mãos-dadas na rua e coisas assim. Eu ainda levei algum tempo para enfim assinar os papéis do divórcio, eu estava relutante porque eu ainda amo muito o Mario, mas eu também sei que as chances de voltarmos a ter alguma coisa séria são muito poucas. Ele fez questão de deixar tudo isso BEM claro, na verdade. Enfim, no meio desse furacão que é a minha vida nos últimos meses, apareceu essa garota engraçada, bonita… 

 

— Pronto!, — Scarlett disse assim que apareceu na sala, — Como estou?

— Linda. Vamos, — Eu me levantei

— Marco Reus

 

A voz dela era séria, então parei para observá-la. Eu não me relacionava com mulheres há milênios, mas nunca deixei de apreciar o corpo feminino e Scarlett estava especialmente deslumbrante. Um pouco arrumada demais para o lugar, mas eu não me importava com isso. Fui até ela e a beijei. Ela pareceu satisfeita, apesar do elogio não ter sido verbal. Ela desligou as luzes da sala e logo estávamos descendo as escadas e adentrando o meu carro. Scarlett mexia freneticamente no celular enquanto eu dirigia, vez ou outra eu a olhava e lá estava ela sorrindo para a tela. 

 

— Do que você tanto sorri?, — Perguntei quando parei o carro no sinal vermelho

— A Sophia já está lá no bar

 

Eu a olhei sem entender se isso era uma explicação ou algo simplesmente aleatório que ela me disse. Scarlett pareceu notar meu olhar sobre ela e então me devolveu a cortesia, ela sorriu divertida e eu arqueei uma sobrancelha: o que eu estava perdendo? 

 

— O seu amigo já está lá, — Ela parou, acho que ela quer que eu fale alguma coisa, mas não sei o que dizer, — Eles estão conversando

— E ela está falando ao mesmo tempo com você no celular?, — Voltei meus olhos para a frente ao perceber que o sinal havia ficado verde

— Hm, mais ou menos isso. Ele está dando em cima dela, mas ela tem namorado e aí tá ignorando ele, sabe?

— E por que ela não diz logo que não é solteira?

— Ela disse! 

— Ha! Meu garoto, — Eu ri porque agora estava imaginado a cena ridícula que o Auba estava fazendo, — Mas ó, fala pra ela que ele é super de boa mesmo, às vezes nem está dando em cima dela 

— Nah, temos certeza que está sim, — Scarlett riu e voltou a digitar em seu celular

— Sua amiga não estaria passando por isso se certo alguém não tivesse trocado de roupa 40 vezes… 

— Eu queria estar bonita para conhecer os seus amigos, — Ela falou mansinha e eu senti seus olhos sobre mim, então me virei e sorri para ela

— Tá perdoada, mas não se acostume com isso

— Achei que por você ser meio gay, você entenderia melhor isso

 

Olhei para ela novamente com a sobrancelha arqueada, ela pareceu brevemente nervosa, talvez tenha pensado que eu fiquei chateado com o que ela disse e então eu ri. 

 

— Meio gay? Não quero nem imaginar o que você falou de mim para as suas amigas

— Na verdade eu não falei nada sobre ser gay ou ser casado com homem

— Divorciado

 

Eu acabei falando um pouco mais seco do que eu gostaria, mas é que além de não gostar de falar sobre o assunto do divórcio, eu ainda estava um meio sentido por ela ter escondido essa parte da minha vida das amigas. Não é que eu não entenda, mas também não acho que isso justifique a omissão. Fomos o restante do caminho sem trocar nenhuma palavra. Quando chegamos ao Karaoke Box, não foi nada difícil descobrir onde estavam os nossos amigos. Aparentemente nós éramos os últimos a chegar ali, a mesa já estava cheia e… Entrosada. Eu quase me senti um intruso quando botei a mão no ombro do Pierre. 

 

— Faaaaala, Marcolino!, — Auba se virou para fazermos nosso cumprimento com as mãos

— E aíiii, ése!

— Ah meu, vai se foder, — Pierre me empurrou, — Deixa eu falar com essa princesa aqui, — Ele cumprimentou Scarlett e ela sorria toda tímida, — Agora sim estamos sendo devidamente apresentados. Eu sou Pierre-Emerick Aubameyang. Encantado, — Auba curvou-se e Scarlett lhe ofereceu a mão que ele logo prontamente beijou 

—  Encantada! — Ela riu e olhou pra mim

— Olha, ainda dá tempo de fugir desse aí, a gente segura ele enquanto você corre e pega o carro, — Auba falou perto do ouvido da Scarlett

— Ignora ele, — Puxei Scarlett pela cintura para que então pudesse apresentá-la para os meus outros amigos, — Bom, pessoal, essa aqui é a Scarlett! 

— Meninas, esse é o Marco!

 

Eu imagino que estávamos parecendo dois idiotas: óbvio que eles já sabiam quem nós éramos. Fui de uma a uma para cumprimentar as amigas da Scarlett e ela fez o mesmo com os meus amigos. Por fim nós nos sentamos juntos, eu ao lado do Marcel e ela ao lado da Sophia. Auba pediu uma nova rodada de canecões de cerveja para a mesa e logo já estava falando com outra amiga da Scarlett que eu já não me recordava o nome. Não demorou também para Scarlett me deixar de lado e começar a conversar tão rapidamente com a amiga dela que eu era incapaz de compreender. Me virei então para o Marcel. Eu e ele nos conhecemos desde sempre. 

 

— Tudo de boa?, — Perguntei

— Ela é linda

 

Eu me virei para olhá-la e ela ainda estava freneticamente falando, eu ri e me voltei para o Marcel. 

 

— Sim, ela é 

— Então é sério esse negócio de vocês? Quer dizer, a última garota que eu lembro foi… Hmm, — Ele franziu o cenho ao tentar buscar na sua memória e eu ri do esforço dele, — Anna? Era esse o nome dela? 

— Foi! Nossa, eu nem lembrava mais disso! Foi o que? No ensino médio?

— Acho que foi, — Marcel ria, — Foi o casal mais esquisito que eu já vi

— Idiota, — Empurrei ele com meu ombro, mas depois eu já estava rindo com ele, — Como será que ela tá agora?

— Vamos procurar no facebook, oras

 

Marcel rapidamente pegou o celular dele e abriu no facebook. A foto apareceu mais rápido do que os dedos dele puderam reagir. Ele me olhou meio sem saber o que fazer e eu dei de ombros para que ele voltasse a pesquisar a Anna Niemann. Mario tinha me excluído e bloqueado de todas as redes sociais, então já fazia um tempo em que eu não via nada dele, mas ali estava bem na minha cara uma foto dele com o André e uns caras que eu não conheço. Ele parecia feliz...

 

— Aqui! Nooossa, ela deu uma puta melhorada!, — Marcel disse ao inclinar o celular para que eu também pudesse ver

— Putz! Essa é ela?, — Peguei o celular para ver mais de perto, — Na minha memória ela era bem mais diferente, — Graças a deus que as pessoas crescem  

— Você quem o diga hein

— Engraçadinho, — Voltei a empurrá-lo

— Vocês vão ficar aí só de ti-ti-ti, é? Vamo cantar, porra! Quero ver você passando vergonha!, — Auba gritou 

— Não to bêbado para isso ainda, — Eu ri, — Aliás, cadê a minha cerveja? 

 

Aubameyang chamou o garçom novamente e depois disso foi só um instante para todos da mesa terem novas canecas cheias do líquido âmbar. 

 

— Psiu

 

Me virei e Scarlett me olhava de um jeito engraçado, mas fofo. 

 

— Psiu, — Devolvi o chamado

— Elas te acharam lindo, — Ela sussurrou ao meu ouvido

— Se eles não te acharem maravilhosa eles são cegos ou loucos

 

Ela sorriu e colou nossos lábios tempo o suficiente para o Auba ver. Ele, como a criança que é, começou o coro de “owwwn” que logo foi seguido pelo restante da mesa, atraindo até alguns olhares alheios. Scarlett sorriu tímida e eu rolei os olhos, mas logo estávamos todos rindo. Quando aquela rodada de cerveja acabou, duas amigas da Scarlett tomaram coragem para subir ao palco. Todos da mesa batemos palmas para incentivar as duas corajosas. Eu passei meu braço pelos ombros da Scarlett e ela se aconchegou no meio abraço. 

 

— Como elas se chamam mesmo?, — Perguntei pra ela

— Klara e Lisa

 

Me virei pro Marcel e pisquei. Ele já estava de olho na loirinha, que agora sabemos que se chama Klara. Elas cantaram uma música da Taylor Swift, não sei o nome. A “platéia” pareceu gostar e quando elas terminaram, receberam vários aplausos. O garçom não demorou de trazer mais uma rodada de cerveja e lá pela terceira, desde que havíamos chegado, Scarlett se levantou. Ela parecia um pouco tonta, segurei em sua cintura mas ela sorriu pra mim e disse que estava bem. Auba, Armino e Robin assobiavam para ela enquanto passava por eles em direção ao palco. Marcel me olhou com uma cara engraçada, eu ri e dei de ombros. Finquei meus olhos nela enquanto ela escolhia a música que cantaria. Scarlett teve que esperar o casal que estava cantando acabar, para então subir ao palco e quando ela subiu, todos da mesa batemos palmas, Auba, escandaloso como sempre, ainda gritou um “linda!”. Ela parecia nervosa, seus olhos estavam em mim e então dei meu melhor sorriso para lhe passar confiança. 

A parte instrumental começou e ela convidou a “platéia” para bater a palmas junto com ela. 

 

I’m waiting for you call and for the moon to release me from the longest afternoon — Scarlett mexia-se no ritmo da música, — I’ve re-arranged parts of my living room but time is hard to kill since I met you, — Scarlett então apontou com o indicador para mim e até quem não nos conhecia gritou em aprovação, — Looking at the cars that drive on by, while spring is making promise outside. Red cars are quite rare I realize, then I wonder which color you’d like… Seven little numbers, baby, they could be a start, — Ela fez algo engraçado com os ombros agora e sorriu, seus olhos ainda estavam em mim, — Seven little numbers, baby, I know yours by heaart! Woo-oh, oh-oh!, — Scarlett voltou a se soltar, o que fez a platéia novamente vibrar, — All the pretty things that we could be! Woo-oh, oh-oh! I feel you in every heartbeat! Woo-oh, oho-oh, travel in a dream that could come true, these numbers could be lucky for you!

 

Marcel e Auba vez ou outra viravam para mim e sorriam em aprovação, eu acho. Ela estava bêbada, mas ainda assim completamente adorável.

 

I watch the sky change to a darker blue, I can’t think of another thing to do and every song just makes me think of you, because the singer sounds as if she as longing, as if she was longing too! Seven little numbers, baby, they could be a start! Seven little numbers, baby, I know yours by heart! Seven little numbers, baby, they could make a change! Seven little numbers make a fire out of this flame!

— Eu nunca a vi assim, — Sophia, a amiga da Scarlett, havia sentado do meu lado sem eu perceber, me virei pra ela e sorri, não sabia o que dizer, como sempre, — Ela gosta muito de você, Marco

— Pode ficar tranquila, — Sorri novamente para Sophia, me aproximei de seu rosto, por conta do barulho e disse, — Eu também gosto bastante dela

I read your name on every wall, on every wall, tell me! Is there a cure for me at all, for me at all, tell me?! I read your name on every wall, on every wall, tell me… Is there a cure for me at all, for me at aaall? Woo—oo!

— Se você não tiver certeza, pule fora agora, — Sophia disse com tanta firmeza que eu precisei olhá-la, — Ela passou por uma fase horrível depois do último namorado, ela não merece sofrer aquilo tudo de novo

 

Eu fiquei olhando para a tal da Sophia sem reação. Scarlett ainda cantava no palco e o lugar estava lotado e animado, mas o olhar de preocupação e a voz firme daquela garota de cabelos pretos ao meu lado me paralisaram. Eu engoli em seco e sorri do melhor jeito que eu pude. Eu não queria mentir dizendo que já a amo, mas também não é como se eu não gostasse dela. Eu gosto e muito. 

 

Woo-oh, oh-oh! Woo-oh, oh-oh! Woo-oh, oh-oh! These numbers could be lucky, these numbers could be lucky for youuuu!

 

Scarlett terminou a canção apontando para mim e novamente o local se encheu de palmas, assobios e gritos. Por um instante eu até consegui me esquecer do momento tenso com a amiga dela e pude sorrir de um modo sincero para a mulher linda que vinha agora em minha direção. Eu me levantei e ela foi de encontro aos meus lábios sem delongas; Auba a este ponto já poderia ser confundido com qualquer aluno da quinta-série. Quando nos afastamos, depositei mais um selinho em seus lábios e sorri. 

 

— Você estava incrível!, — Eu falei ao pé do ouvido dela

— Espere só até chegarmos em casa, — Ela mordiscou meu lóbulo e se afastou, em seguida sentando-se e logo começando a conversar com as amigas

 

Até parece que Pierre havia ouvido o que ela me disse, ele me olhava com aquela cara de “isso aí!” enquanto mexia a cabeça de um jeito engraçado. Noites assim me fazem achar que isso pode dar certo, eu e Scarlett. A noite em que eu apresentei o Mario para os meus amigos não foi nada comparada a essa, os amigos dele continuaram em seus grupinhos e Mario não se esforçou para conhecer os meus amigos. O André, coitado, fazia marabalismo entre os grupos praticamente. Eu voltei a me sentar e terminei a minha caneca de cerveja, Scarlett virou-se brevemente para mim e me deu um sorriso antes de voltar para as amigas. Sim, acho que isso pode funcionar. 


Notas Finais


Little Numbers - BOY: https://www.youtube.com/watch?v=zsyjS_vJfkw

ps: eu amo essa música com todo meu coração
ps2: espero que tenham gostado também
ps3: essa semana ainda eu devo voltar com um cap que vai começar a mostrar melhor o que aconteceu pro divórcio do mario e marco <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...