História Keeping Promises - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Saga Crepúsculo
Personagens Aro Volturi, Bella Swan, Edward Cullen, Jacob Black, Renesmee Cullen
Tags Amor, Crepusculo, Cullen, Romance, Suspense, Swan, Twilight, Volturi
Exibições 71
Palavras 2.009
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Ficção, Romance e Novela, Saga, Suspense
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá!
Aqui vai mais um cap para vocês :)

Capítulo 2 - De Volta ao Passado


"Acordei em um lugar escuro e úmido. Tentei me levantar e encontrar apoio e me deparei com uma fileira de grades.
- Porque eu estou numa cela?! – Gritei.
- Você foi uma menina má, Isabella. - Eu reconheceria aquela voz em qualquer lugar do mundo. Aro.
- O que você quer? - Rosnei.
- Até parece que você não sabe. – Zombou ele.
Quando me dei conta de que Renesmee não estava comigo, entrei em desespero.
- Não! – Vociferei.
- Ah querida, não se preocupe. Vamos tratá-la muito bem, com o devido valor que nunca recebeu. Não lhe culpo, você é só uma humana. Uma humana que gerou uma criatura incrível, confesso, porém agora você é completamente inútil. - Cada palavra era como se fossem agulhas no meu coração. Eu perdi. Eu quebrei a promessa que fiz a minha filha e a mim mesma. Eu falhei.
- Mamãe?! Mãe! - De repente toda a força que me faltava retornou como se fosse uma corrente elétrica e automaticamente voei na grade.
- Renesmee! Devolve a minha filha! Ela é minha! Ela precisa de mim! - Gritei aos prantos. Não poderia perde-la. Ela não.
- Ela não é sua. Levem-na daqui. - Não! Não! Renesmee!"

- Não! Não!
- Bella! Calma, sou eu. Foi só um pesadelo. Bella! – Pulei, olhando em volta desorientada. Eu estava no sofá da minha sala, com Jacob de joelhos ao meu lado e me encarando assustado. Havia sido apenas um pesadelo.
    Quando chegamos da floresta, contei a Jake toda a história dos Volturi e de sua obsessão em seres únicos para sua demonstração de poder. Jacob tentou conter as lágrimas, mas ele sabia que, se a quisessem, provavelmente eles a teriam. Olhei para o relógio e me assustei com a hora.
- Eu dormi demais! Cadê minha Ness?
- Ela está bem. Assistiu um pouco de televisão, tomou banho e eu dei a janta. Deve estar no décimo sono nesse momento, fica tranquila.
- Até quando, Jacob?
- Vamos fugir. Eu iria com vocês para qualquer lugar do mundo. – Insistiu Jacob. A intensidade do seu olhar aqueceu um pouco meu coração, mas não o suficiente para tranquiliza-lo.
- Eles têm um rastreador vivo, Jake.
- Então eu não sei, Bella! Só sei que não podemos ficar sentados na dúvida se um bando de vampiro lunático virá atrás ou não da nossa Nessie! E se vierem, não podemos simplesmente entrega-la!
- Eu concordo. Apenas não sei o que fazer. 
- Olha, hoje eu vou dormir por aqui só por precaução. Ficarei lá no quarto dela. Pensaremos em algo, ok? - Eu quase consigo ficar calma com tanta segurança, mas no final, resolvo também dormir com Renesmee porque não suportava a ideia da distância. Cada minuto parecia precioso e indispensável agora.
    No dia seguinte, acordei decidida a não deixar algo desse tipo chegar perto de acontecer, mas para isso eu teria que tomar uma atitude dolorosa e extremamente drástica.
- VOCÊ VAI O QUE?! - Gritou Jacob, no corredor.
- Assim você vai acorda-la! - Passei o braço por trás dele e fechei a porta do quarto de Renesmee. - Olha, eu sei que os lobos são fortes, mas não são o bastante. Você não tem a mínima noção do que são os Volturi. Eles podem ajudar.
-  Isabella, você quer ir atrás dos Cullen? Você ao menos sabe onde eles estão? Eles te deixaram, te abandonaram grávida. Para que procurar essa gente? Renesmee tem a mim e a matilha! - Não consegui encarar Jacob e sai andando pelo corredor. As vezes parecia que ele gostava de tocar na minha ferida para lembrar o quão melhor que o Edward ele é.
- Jacob. - Ele me olhou arrependido, reconhecendo minha voz de choro. - A vida da minha filha é maior do que qualquer ferida ou orgulho que eu tenha. Se eu tiver que caçar os Cullen até os confins do mundo, eu o farei. Eles irão ajudar, eles me devem isso. Vai ficar do meu lado? Porque quem não estiver comigo estará contra mim. – Disse eu, beirando o desespero. Após terminar, senti as lágrimas descendo violentamente pelo meu rosto. Jacob demorou um pouco para absorver a seriedade daquelas palavras.
- E o que você quer que eu faça? Vá com você?
- Você não precisa se não quiser, mas seria bom. Segurança extra. E também não sei o que posso encontrar ou se irei encontrar. Não posso fazer isso sozinha, eu... – Interrompi, olhando para o chão. Odiava ter que usar o seu sentimento por mim desse jeito, mas minha filha precisava dele. - Preciso de você. - Seu rosto se iluminou e a culpa me deu um soco no estômago.
- Bella... – suspirou Jacob. Parecia que ele estava no meio de uma batalha mental. - Se o Edward for um idiota, eu arranco a cabeça dele com ou sem sua permissão.
- Se ele se negar a proteger a própria filha, eu mesma farei isso.
- Duvido. Você jamais o machucaria.
- Eu posso amá-lo muito Jacob, mas não chega nem perto do amor que sinto pela minha filha. Posso não ser um ser sobrenatural, mas eu sou mãe e uma mãe irritada lutando pela vida de seu filho pode bem pior do que você pensa.
    Jacob havia levado Renesmee para brincar com Claire na reserva e isso me deu bastante tempo para refletir onde eu poderia começar as buscas pela família Cullen. O meu melhor palpite era o Alasca. Além de ser um lugar extremamente chuvoso, os parentes mais próximos deles moram lá.
- Os Denali, hein - sussurrei para mim mesma. - Hora de arrumar as malas, Isabella.
    Embora estivesse tentando não pensar, havia uma parte em mim quicando de ansiedade para vê-lo. Eu sei que não deveria me sentir assim, mas a quem quero enganar? O amo e sinto sua falta apesar de tudo. E se ele estiver com outra? E se ele não me quiser? Ok. Uma dor de cada vez. Renesmee é prioridade. Porém, o que eu iria dizer para ela? Sei que ela encheu Jacob de perguntas sobre o que vimos na floresta e agradeço aos céus por ter sido para ele as indagações, porque sou péssima em desviar do assunto. Como contar que estamos indo atrás do seu pai? Sempre evitei tocar nesse assunto e não sei como ela se sente sobre isso. A dor de ser rejeitada é grande demais.
    Horas mais tarde, Renesmee chegou com Jake em uma atmosfera totalmente diferente da qual eu me encontrava.
- Oi mamãe. Hoje o dia foi muito legal! - Ela correu até mim, levou uma de suas mãozinhas para minha bochecha e instantaneamente um filme do seu dia começou a passar na minha cabeça. Ela correu, brincou com Claire, lanchou e até tirou um cochilo. 
- Que dia cheio! Está precisando de um banho! - Mesmo com todo esse desespero, ter minha filha em meus braços era a melhor sensação do mundo. Seu interesse em me mostrar o seu dia é um jeito indireto de dizer que sou importante. Seus olhinhos - cópias exatas dos meus - me olhavam com tanta ternura que dá vontade de chorar. Nada pode se comparar a isso.
- Eu posso tomar sozinha! - Pensou ela.
- Então vai lá. Daqui a pouco vou checar se lavou tudo direitinho. - Ela fez uma careta e caminhou graciosamente até o banheiro. Assim que ouvi a água ser ligada, me virei para Jake, que observava tudo silenciosamente.
- Oi, Jake.
- Você está certa do que você quer? - Fiz sinal de silêncio e o levei para o jardim. A audição de Renesmee era ótima, mas nem tanto.
- Estou. Eles provavelmente estão com os Denali no Alasca.
- E se eles não estiverem?
- Provavelmente seus primos terão informação de onde estão.
- E se ninguém da Itália for vir? E se foi tudo uma coincidência? Quero dizer, nem todo vampiro italiano deve trabalhar para os Volturi.
- Eu não sei, Jacob. Não tenho como saber, mas não quero arriscar. Você consegue suportar a ideia de perdê-la? Eu não. Tenho que fazer isso.
- Eu a amo tanto quanto você, Bella, e você sabe disso, essa não é a questão. A questão é que não acho bom para Nessie ter em sua vida toda aquela escória de vampiros.
- Jacob, mal ou bem aquela escória de vampiros é a família dela. É o pai dela. E como eu já te disse antes: Eles me devem isso. Eles não podem me negar ajuda. Carlisle é muito ético para isso.
- Tão ético que concordou em te abandonar grávida...
- É diferente, Jacob! Eu não corria risco de vida. Para de jogar isso na minha cara, já dói o suficiente sem você me lembrar de cinco em cinco minutos. - Choraminguei.
- Ei, vem cá, me desculpa. - Jacob veio me abraçar mas desviei do seu abraço, não queria olhar na cara dele agora.
- Vou partir às 7 horas. Se for vir conosco, esteja aqui. - Ele não respondeu, apenas abaixou a cabeça, subiu na moto e foi embora. Quis desabar naquele chão, mas Renesmee ainda precisava de mim e sempre precisará. Será que Jacob vai mesmo largar tudo e nos acompanhar? Não posso exigir isso dele porque ele já fez demais por nós, mas não consigo me imaginar fazendo isso sem sua companhia.
- Mamãe? Porque tem malas no seu quarto?
- Oi! – Ao entrar em casa, fui pega de surpresa por Renesmee. - Filha, vamos viajar.
- Oba! Férias! – Comemorou Renesmee. Não pude conter o riso. Apesar de tanta inteligente e maturidade, ela ainda era tão inocente.
- Não exatamente, meu amor. Essa viagem é para encontrarmos algumas pessoas.
- Que pessoas? A senhora sempre diz que o melhor é me manter escondida porque as pessoas não entenderiam.
- Sim e é verdade, mas essas pessoas vão te entender e vão te proteger muito mais que eu e Jacob podemos. Eles não são... Pessoas comuns. Vem cá, vem. - Sentei no sofá e gesticulei para que ela viesse sentar no meu colo. Ela veio me olhando com a expressãozinha bem séria e numa velocidade humana, o que significa que ela está desconfiada.
- Quem iremos conhecer?
- Lembra o que eu te contei sobre seu pai e sua família?
- Lembro. Ele não quis me conhecer. – Disse Renesmee, suspirando. Meu coração se quebrou em mil pedaços com essa observação.
- Homens são bobos, filha. Geralmente fogem quando estão com medo.
- Tio Jacob não fugiu. – Sem resposta para essa afirmação.
- Enfim, é atrás do seu pai que estamos indo, amor. Precisamos de respostas que talvez só ele e sua família tenham.- Renesmee arregalou os olhinhos e pulou do meu colo.
- Eu vou conhecer meu pai?
- Se tudo der certo, vai sim.
- E se ele não quiser me conhecer? Ou não gostar de mim?
- Filha, você é linda, especial e única. Lembra do moço que vimos ontem na floresta? Ele pode tentar te fazer algum mal.
- Porque ele me faria mal?
- Por você ser única podem haver pessoas que queiram te tirar de mim e eu não posso deixar isso acontecer. - Quando terminei a frase sua boca se contraia num biquinho involuntário e seus olhos estavam marejados. Ela me abraçou com muita força, o que doeu um pouco, mas não ousei reclamar. Era uma honra sentir aquela dor.
- Eu não quero me sepa-separar da senhora. – Disse ela, soluçando.
- Não precisa chorar, meu anjo. Ninguém nesse mundo vai tirar você de mim, eu prometo.
- Promete? - Ela me espiou por debaixo dos longos cachos com um ar de dúvida e medo.
- Prometo. Eu vou te proteger com a minha vida. - Depois dessa conversa a levei para meu quarto e resolvi que o melhor era dormirmos juntas. Não conseguia ficar longe dela naquele momento. Agora tenho uma promessa parar cumprir e não poderia estar mais ansiosa para começar. Naquela noite dormimos abraçadas, mais unidas do que nunca.

 


Notas Finais


E ai, gostaram???
Sintam-se livres para opinar ou sugerir qualquer coisa!
Até o próximo, beijos. :D


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...