História Um Ano Inesquecível - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Gustavo Stockler (Nomegusta), Kéfera Buchmann
Personagens Gustavo Stockler, Kéfera Buchmann
Tags Gustavo Stockler, Kéfera Buchmann, Kesta
Visualizações 40
Palavras 1.054
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 11 - Partiu Pizza?


Kéfera ON

Gusta e eu passamos o dia assim, só trocando carinhos e cantando

Ké: Ai, cansei

Gusta: Cansou de que? Passou o dia todo deitada nessa cama sendo mimada por mim.

Ké: Seu bobo, cansei de ficar aqui quero ir para casa logo.

Faço bico, realmente não aguentava mais esse hospital, a comida aqui é horrível.

Gusta: Só mais essa noite e você vai poder sair, e outra eu vou ficar aqui com você.

Ké: Essa é a única coisa boa aqui.

Sorri e ele me beija, um beijo calmo, porém, cheio de desejo.

Gusta: Você tem razão

Ké: De que?

Gusta: Esse lugar é horrível, mal vejo a hora de você poder sair.

Finjo não entender de que ele estava querendo falar

Ké: E eu posso saber por que?

Gusta: Por que...

Ele não fala mais nada e vai beijando meu pescoço até a orelha.

Gusta: Porque eu to com saudades.

 Ok, Kéfera se acalma que isso é um hospital, abaixa esse fogo, pelo que é mais sagrado no mundo!

Ké: Gusta... Isso é um hospital... é melhor você...

Gusta: É melhor eu?

Droga ele não ajuda. Uma voz “diabólica” na minha cabeça fala para eu continuar, enquanto a voz “anjinho” fala para eu parar e que isso não estava certo, pelo menos não aqui. 

“E agora qual voz eu escuto?”

Não sei se eu falei alguma coisa e não percebi ou se o Gusta leu meus pensamentos.

Gusta: Você está certa, estamos em um hospital

Solto o ar, que nem eu sabia que tinha prendido.

Gusta: Mas eu ainda estou com saudades

Ké: Eu também estou com saudades mizi.

 Dou um beijo nele, um beijo demorado e com gosto de menta.

Médico: Sr. Kéfera temos que informar...

Maldito médico, tinha que atrapalhar esse momento.

Médico: Me desculpe se atrapalhei algo.

Gusta: Não, tudo bem, mas o senhor ia dizer alguma coisa?

Médico: Na verdade só vim informar que a senhorita... ( interrompido) 

Ké: Pode me chamar de Kéfera mesmo, não tem problema. Tudo bem que é o trabalho dele, mas toda vez que ele me chama de senhorita ou até mesmo senhora, me sinto cinco anos mais velha.

Médico: Kéfera- sorriu fraco- Bom, eu só vim avisar que a sua recuperação foi muito boa e que em algumas horas já poderá ir para casa.

Ké: Pensei que teria que ficar até amanhã?!

Dr.: E teria, mas a senh... Kéfera, você teve uma recuperação mais rápida que o previsto.

Gusta: Muito obrigado Doutor

Médico: Qualquer coisa é só me chamar.

Não sei por que, mas ele não para de me olhar, não vou mentir ele até que é bonito, parece ter uns 20 anos, talvez estivesse estagiando no hospital.

Gusta: A gente não precisa de nada.

A maneira com que o Gu falou me assustou um pouco, parecia até que ele estava com ciúmes, resolvi interromper ou o Gu vai arrancar o coração dele com os olhos.

Ké: Eu não preciso de nada, agora, obrigada.

Ele saiu e Gu me fuzilou com os olhos.

Ké: O que foi?

Gusta: Ele estava te comendo com os olhos e você nem ai.

Ké: Ele pode olha o quanto quiser, mas só você pode tocar.

Nos beijamos até o ar se fazer necessário e depois começamos a arrumar as minhas coisas.

                  Gu on

Ajudei a Ké a arrumar as coisas dela e depois peguei as minha, saímos do hospital já  ia dar 20:30

Ké: Eu quero comer comida de verdade

Gusta: Mais a gente já comeu no hospital.

Ké: Eu falei que quero comida de verdade, nesse caso uma comida na qual eu sinta o gosto.

Gusta: Mais... (interrompido)

Ké: Mais nada, ou você me leva para comer uma pizza ou hoje vai ter greve

Gusta: Partiu pizza?

Ké: Safado

Sorriu e ele fica me olhando, parecia que nunca tinha me visto na vida

Gusta: Vamos fazer assim, a gente vai para casa e pede a pizza, por que eu to muito cansado.

Ké: Cansado? Quero só ver esse seu cansaço mais tarde

Subimos na moto e fomos para a casa do Gusta, demorou só alguns minutos, já que a casa dele era perto

Gusta: Estranho.

Ké: O que foi?

Gusta: O carro da minha mãe não está em casa.

Ké: Se o carro dela não está é por que ela saiu, né?  Não tem nada de estranho nisso.

Digo descendo da moto e arrumando o meu cabelo

Gusta: Achei estranho por que ela não é de sair essa hora.

Ké: Ela deve ter saído com algumas amigas, deixa ela se divertir um pouco, agora vamos entrar que eu to com frio e eu quero comer

Gusta: Gulosa você não?

Ké: Eu disse que queria comer, só não disse oque

Sai andando em direção a porta sem nem esperar ele falar. Gu abriu a porta e eu fui entrando primeiro, no meio da sala Gu me abraça por trás e vai dando beijos no meu pescoço

Ké: Pensei que você estava cansado mizi

Gusta: Eu? Quando eu disse isso?

Ké: Quando saímos do hospital.

Gusta: Não, quando saímos do hospital eu disse que estava muito disposto

Ké: Disposto a que?

Gusta: Qualquer coisa.

Já sentia o volume da calça dele na minha bunda. Eu queria, queria mesmo, mas a fome falou mais alto que eu.

Ké: Então quer dizer que você está disposto a tudo?

Gusta: Aham...

Me viro e jogo ele no sofá, sento em seu colo com uma perna de cada lado e vou beijando seu pescoço até a sua orelha, assim como ele fez comigo no hospital.

Ké: Até mesmo para... ligar para pizzaria e pedir a minha pizza?

Digo me levantando rápido e saindo correndo para a cozinha pegar o número da pizziria.

Gusta: Oque? Você não fez isso Kéfera

Ké: Oque? Ter deixado você todo excitado no sofá e depois ir pedir a pizza? Sim acho que eu fiz isso

Gusta: Você vai pagar caro por isso.

Diz pegando o número da minha mão e tirando o celular do bolso 

Ké: Não vejo a hora disso.

Subo para o quarto e pego uma toalha, entro no banheiro, tiro minha roupa e entro no chuveiro, fico lá por mais ou menos 10 minutos. Assim que saio pego uma lingerie preta com renda e coloco, passo um pouco de hidratante no corpo



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...