História Kill For Love - Capítulo 2


Escrita por: ~ e ~Mukami-Senpai

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens Personagens Originais
Tags Bakugou Katsuki, Boku No Hero Academia, My Hero Academy, Todoroki Shouto
Visualizações 20
Palavras 1.600
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishoujo, Colegial, Comédia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Linguagem Imprópria, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 2 - ( Kill For Love - Chapter Two )


Fanfic / Fanfiction Kill For Love - Capítulo 2 - ( Kill For Love - Chapter Two )

Yuki e Karumi estavam deprimidas em seu dormitório, as duas haviam se revelado de maneira totalmente inesperada, e pior, levado um fora.

*Yuki POV's ON*

Yuki:-- Por que Todoroki-Senpai?! - Digo com meus olhos desabando em lágrimas.

Karumi:-- Bakugou-Sama.. - Susurra Karumi, que estava Isolada em um canto da parede.

Como a vida pode ser tão cruel para nós duas? Por que àquilo foi acontecer, justo com a gente? Mas… Não podemos desistir deles, né? Bem… Não podemos podemos desistir deles tão facilmente.

Me levanto da cama, é começo a caminhar até a porta.

Yuki:-- Karumi… Vamos passear um pouco para… Esquecer de tudo que aconteceu hoje.. - A chamo.

Karumi:-- Bakugou-sama… - Ela repetiu se levantando e indo até o banheiro. O cabelo dela estava totalmente bagunçado, ela até picotou algumas pontas do cabelo. - Bakugou-sama…

Ela repetia várias vezes, baixinho. Isso me contaminou.

Yuki:-- Todoroki-senpai… Todoroki-senpai….

Karumi:-- Bakugou-sam---- Yuki! - Ela me gritou me tirando do transe.

Yuki:-- Quê? - Ela não falou nada, só apontou para frente. Tinha uma roda de meninas em volta do Todoroki-senpai e tinha também algumas em volta do Bakugou-san, apesar de elas estarem mais tímidas por ele ser violento. - Todoroki-senpai…

Karumi:-- Bakugou-sama…

Do nada, nuvens de chuva cobriram o sol e começou a chover fortemente. Karumi com certeza quer matar elas. As gotas de água estavam levemente alteradas e mais geladas que o normal.

Karumi:-- Eu vou mata-las! - A chuva ficou mais forte e a Karumi andava em direção a elas que se esconderam dentro de uma lojinha.

Yuki:-- Deixe algumas para mim! As oferecidas do Todoroki-senpai também se esconderam lá!

Entramos totalmente secas, vantagens de estar com Karumi. Ela estava com uma faca de gelo na mão, e eu com as mãos mais quentes que tudo.

Karumi/Yuki:-- O que estavam fazendo rodeando o Bakugou-sama/Todoroki-senpai?!?!

Garotas:-- Ma-Mas, quem são vocês?

Karumi:-- Para que dizer quem somos para futuros corpos mortos?

No final, a vendedora não viu nada, porque também morreu. Nós matamos todos que tinham visto, e torturados elas vagarosamente.

*Karumi POV'S ON*

Estou satisfeita, apesar de ainda estar muito nervosa com o que aconteceu, tão nervosa que não consigo mas fazer a chuva parar, apenas consegui deixar a chuva normal e suas gotas menos gélidas.

É tão difícil se controlar quando algo envolve Bakugou-sama, e mesmo assim ele me trata daquele jeito. Ele me ama tanto! Só não sabe!

Eu e Yuki saímos da pequena loja e continuamos a andar, eu só pensava em Bakugou-sama, afinal, ele podia logo me pedir em casamento.

Karumi:-- Yuki, por que ainda está nervosa?

Yuki:-- Como sabe?

Karumi:-- Estou com calor no meio de uma chuva, acha que não perceberia?

Yuki:-- A Momo da sala do Todoroki-senpai estava dando em cima dele, mas não consegui mata-la. Quero matar ela! Mas não posso, o senpai vai saber que fui eu!

Karumi:-- Vira amiga dela e pede desculpas, depois quando tiver sozinha com ela, mate-a.

Yuki:-- Boa ideia Karumi! O que seria sem você?!

Karumi:-- Melhor que eu. - Ela riu. Mas logo o sorriso some. Vejo ao longe Todoroki conversando com a Momo da mesma sala que ele.

Yuki:-- Puta! - Ela está mais nervosa, estou suando sem parar.

Karumi:-- Yuki, ainda está chovendo, mate-a com sua individualidade, a chuva cobre os rastros.

Yuki:-- Hai! - Do nada, vejo Momo cair no chão, Todoroki ia segura-la mas aparentemente ela estava muito quente e ele queimou a mão, fiz a minha chuva cobrir os pequenos rastros e esfriei o corpo dela. Yuki do nada fez uma cara assustada. - Ah não!

Karumi:-- O que foi?

Yuki:-- Todoroki-senpai vai pensar que foi ele que a matou! Eu sou um monstro!

Karumi:-- Ele não vai pensar isso. É só nos darmos aquela pílula a ele. - Ela saiu correndo, fui atrás e vi ela ajudando ele que tava assustado e então ela uma pílula que nós desenvolvemos para ele.

*Yuki POV's ON*

Yuki:-- Aqui Todoroki-Senp… quer dizer Todoroki. - Digo botando a pílula em sua boca e logo o fazendo engolir a mesma. Me levanto e me afasto um pouco de Todoroki-Senpai, Começo a caminhar de volta para V.A , deixando Karumi lá. Estava pouco me importando se Karumi estava me seguindo ou não, só conseguia pensar em Todoroki-Senpai.

Karumi:-- Yuki, desculpa. Eu te incentivei. Eu não quis! Juro! - As vezes, Karumi é sentimental demais. Em sua voz, percebo que ela está chorando. - Não era para ter acontecido isso! Não dói intenção! - Sempre que chove, Karumi fica assim. Sentimental, frágil com seus sentimentos. Então, é assim que ela tá se sentindo? Paro e olho para trás, vendo ela chorar.

Yuki:-- Karumi, não é sua culpa. Não deixe ela chuva te atingir. - Chego perto dela.

Karumi:-- É sim! - Ela saí correndo, mas não consigo ir atrás dela. Que nem quando éramos pequenas. Por que? Não devia tá acontecendo!

Yuki:-- KARUMI! - A grito, mas não consigo correr atrás dela. Então eu lembro, lembro do dia em que ela foi mais forte que eu, e me abraçou dizendo "Vai ficar tudo bem."

O dia da morte dos nossos pais. O dia que descobrimos que eles haviam morrido. Eu me encolhi e chorei sem parar, até ela vir até mim me abraçar e dizer o que ela também queria acreditar: "Vai ficar tudo bem." Eu queria ter a força dela naquela hora, mas sou incapaz. Me tornei mais gélida que o próprio gelo.

Karumi, ela se segurou para não chorar, e repetia para mim que tudo ficaria bem.

Karumi…. Karumi.…

Sem ver, já estou atrás dela, procurando por ela no meio dessa chuva que só sabe ficar mais forte.

*Karumi POV'S ON*

Não consigo mais suportar tudo! Me segurei para não chorar naquele maldito dia, tentava acreditar em minhas próprias palavras, até hoje tento, e não consigo. Já não basta isso, praticamente fiz a Yuki fazer o Todoroki perder parte da memória. Eu as vezes sou tão lixo.

Sinto algo vibrar em meu bolso. É meu celular, olho na tela… Yuki está me ligando. Como sempre ela irá dizer: "Pare de besteira por causa dessa chuva e volte logo para a V.A., vou te esperar lá Karumi."

Sorrio cínica.

Prefiro voltar ao meu antigo hábito a simplesmente voltar agora e receber uma bronca por sentimentalismo.

Volto a andar, vou na direção da casa do Bakugou-sama. No caminho, vejo um bar. Entro rapidamente e pessoa uma dose. Não sou meio que maior de idade, mas algumas ameaças ajudam.

Andei com a garganta gritando por causa da dose, mas a sensação é boa. Eu só não posso voltar com isso, ou forçar a Yuki a voltar com aquilo. Surpreendentemente, veja Bakugou se escondendo da chuva em uma loja de conveniência, que por coincidência, é minha preferida.

Quem quero enganar? Só é minha preferida porque foi ali que vi ele pela primeira vez.

Entro na loja, fingindo estar fugindo da chuva.

Senhora:-- Hã? Garota, como ainda está seca nessa chuvarada toda? - Uma idosa perguntou sorrindo, ela estava surpresa com aquilo. Mas falou alto demais.

Karumi:-- Eu estava de capa e guarda chuva, mas meu guarda chuva vôou e eu tive que tirar a capa. Apenas isso. - Acabamos chamando a atenção de alguém que eu não gostaria muito de te chamado.

Com o tempo me acalmei e a chuva diminuiu. Como esperado, Bakugou não aguentou esperar a chuva parar, e saiu da loja. Me esforcei muito e fiz com que não chovesse mais.

Estava seguindo ele, sem esconder nem nada. Isso só levantaria suspeitas. Até que ele para na rua, eu continuo andando para não deixar desconfianças, viro na esquina e espero ele.

Bakugou:-- Onde eu já te vi e por que tá me seguindo?

Karumi:-- Be-Bem….

*Yuki POV's ON*

Ainda procuro ela, tentei ligar, mas ela deve ter pensado que ia levar bronca como sempre e desligou. Meio que eu me odeio nesse quesito.

Me sentei em um banco na frente de uma loja de conveniência, do nada, ouço uma música que eu cantei para ela quando éramos crianças e estávamos no orfanato.

Eu me acostumei

Andar sozinha por ai

Mas então errei

e muitas vezes eu cai

É tão nostálgico pensar nisso. Pensar que eu fui tão malvada com ela, mesmo ela tendo sido tão boa comigo.

Nunca consegui

Manter a minha direção

Com você aqui

Foi que eu sai da escuridão

Nos meus momentos de fraqueza

Você estava aqui

Para me levantar

Tudo que eu preciso

É da sua voz

Para me guiar

Quando tem tempestade.

Eu cantava junto a música, no ritmo perfeito. Eu me acalmei um pouco ao perceber que a chuva havia parado. Karumi também deve estar calma.

Quando estou contigo

Sei que tenho forças

Pra lutar

Isso é amizade

De verdade (De verdade)

Nunca imaginei

Que chegaria onde cheguei

Quando precisei

Foi em você que me apoiei

Como é bom saber

Que tenho alguém para contar

E se eu perder

Você não vai me abandonar

Nos meus momentos de fraqueza

Você estava aqui

Para me levantar

Mais uma vez eu me sentia mágica, me sentia nostálgica e feliz. Esse era o efeito da música que na época ela disse ser nossa. Fecho meus olhos imaginando nós duas.

Tudo que preciso

É da sua voz

Para me guiar

Quando tem tempestade

Quando estou contigo

Sei que tenho forças

Pra lutar

Isso é amizade

Juntos podemos chorar

Juntos podemos sorrir

E na nossa amizade

Temos força para seguir

Tudo que preciso

É da sua voz

Para me guiar

Quando tem tempestade

Por que eu brigo com ela quando ela fica sentimental? Não tenho motivos. Acho que eu só brigo por brigar e achar incoveniente

Quando estou contigo

Sei que tenho forças

Pra lutar

Isso é amizade

Tudo que preciso

É da sua voz

Para me guiar

Quando tem tempestade

Quando estou contigo

Sei que tenho forças

Pra lutar

Isso é amizade

De verdade (De verdade)

A música termina, e vejo algumas pessoas ao meu redor me observando, provavelmente porque eu estava cantando. Mas, entre essas pessoas, estava Todoroki-senpai.

Fico nervosa ao vê-lo, me levanto e saio andando. Ele não deve me lembrar dando a pílula para ele, mas deve lembrar do grito que eu dei naquele dia com a Momo.

Continua..



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...