História KILLER LOVE - Imagine Namjoon - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Imagine Namjoon
Visualizações 686
Palavras 2.034
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Terror e Horror
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


ATENÇÃO: conteúdo com violência e tortura.

se voce nao gosta desse tipo de conteúdo, o melhor a se fazer é pular ele,ok

bom, desculpa pela demora, ate falei para uma leitora que postaria ontem, porem tive um contra tempo com a internet e so estou conseguindo postar hoje

espero que esteja bom e boa leitura

Capítulo 7 - Minha Arlequina


Fanfic / Fanfiction KILLER LOVE - Imagine Namjoon - Capítulo 7 - Minha Arlequina

Namjoon on:

 

Enquanto eu dirigia, a mulher ao meu lado passava a mão por todo o meu corpo e como eu precisava de um bom boquete antes de começar os meus jogos, meu membro acordou querendo atenção e parece que minhas palavras foram atendidas, já que a bela jovem ao meu lado passou sua mão por cima da minha ereção e eu arfei. A olhei e ela sorriu começando a abrir o zíper da minha calça, assim que foi aberto, vi ela abaixar próximo a meu membro e o lamber por cima da box preta. Senti sua mão puxar minha cueca um porco para baixo e imediatamente meu pênis saltar para fora.

 

-Ah minha querida, não me enrole, me mostre do que é capaz- falei a olhando de soslaio

 

Quem me conhecesse de verdade, diria que eu sou louco e eu confesso que realmente eu sou, sei que o que faço não é certo, mas eu não consigo me conter, a cabeça humana é uma bagunça, um grande quebra cabeça e as minhas peças, estão soltas.

 

-Tudo bem – ela respondeu com uma voz rouca e sexy, o que me deu vontade de foder a boca dela

 

Senti seus dedos quentes envolverem meu membro, o que me fez soltar um baixo gemido. Eu sinceramente não estou me reconhecendo, não é do meu feitio gemer assim tão facilmente, porem a raiva é tanta e a vontade de extravasar também, que eu simplesmente estou me sentindo necessitado desse boquete. Quando seus lábios envolveram meu membro, não aguentei e gemi mais alto.

 

-Uhhhh- fechei os olhos por breves milésimos de segundos e acabei lembrando de S/N. ah como eu a quero novamente

 

A mulher do meu lado fazia um bom trabalho com a boca e com as mãos, sentia meu corpo relaxar, “eu com certeza to precisando gozar”- pensei. Senti descargas elétricas passarem por todo meu corpo, sabia que já estava perto de chegar ao meu ápice e Megan percebeu isso. Ela passou a língua em meu falo inchado e voltou a engolir meu membro com maestria e rapidez.

 

-Puta que pariu- apertei o volante com minhas mãos e fechei os olhos novamente sentindo espasmos por meu corpo, abri meus olhos e pus minha mão em seus cabelos mantendo sua boca em meu membro, enquanto gozava em sua boca a obrigando a engolir tudo. 

 

Megan sorriu satisfeita voltando a se sentar em seu lugar, enquanto limpava resquícios do meu esperma no canto da sua boca, e eu sorri aliviado. Pronto, agora só falta uma etapa para concluir minha noite e aliviar meu estresse de vez.

 

Chegamos em frente à minha casa e eu estacionei o carro. Assim que entramos em minha casa, vi os olhos da mulher brilhar admirando todo o meu “cantinho do terro”. A guiei até a sala e lhe ofereci um whisky que foi aceito de imediato.

 

-Então Megan, o que você faz da vida? - Perguntei me sentando ao seu lado e ela prontamente pulou em meu colo, ficando com uma perna de cada lado do meu corpo

 

-Eu? Bem, eu sou jornalista- ela disse lambendo minha orelha- Mais que tal deixarmos para nos conhecer melhor depois? – ela perguntou rebolando em meu colo, porem eu já estava satisfeito sexualmente.

 

-Tudo bem. Meu quarto é a terceira porta a direita, entre e me espere em cima da minha cama, quando eu entrar não quero ver nenhum pano cobrindo seu corpo, entendeu? - perguntei e ela assentiu sorrindo

 

Assim que ela subiu as escadas e sumiu do meu campo de visão, fui em direção a cozinha, abri a terceira gaveta que era a da minha “pequena” coleção de facas e peguei três. Sai da cozinha indo em direção ao meu porão, abri a porta e entrei no lugar acendendo as luzes. Apesar de já ter matado algumas pessoas aqui dentro, sempre mantenho o lugar limpo, gosto de matar pessoas, ver seus sangues escorrendo, mas não gosto do cheiro de podre que fica depois.

 

Organizei tudo para Megan, pus uma cadeira no centro do local, ajeitei as correntes, preparei agua com sal, minhas facas. Sabe algo curioso sobre o meu porão? Todos me perguntarão o porquê de eu colocar suas paredes como ante ruídos, hahaha. Vamos brincar, se vocês acertarem o porquê, vocês terão direito a um pedido, valendo.  Assim que já estava tudo organizado, fui em direção ao meu quarto, enquanto andava retirei minha jaqueta. Assim que entrei vi a mulher em cima da minha cama completamente nua, como mandei.

 

-Que bom que sabe obedecer- falei pegando uma gravata

 

-Para que isso? – ela pergunta

 

-Calma delicia, eu uso gosto de apimentar mais as coisas- falei amarrando a gravata nela e em seguida amarrei seus pulsos também, fui em direção ao meu banheiro, peguei um pano e o molhei com Éter.

 

Assim que voltei comecei a subir mordidas por seu corpo, comecei nas coxas, passei pela barriga e sentei em cima da mesma, cheguei em seus seios e os mordi e chupei um pouco, ouvindo gemidos da mulher que se contorcia de prazer, assim que cheguei em seu pescoço pressionei o pano em seu nariz. A mulher começou a se debater freneticamente abaixo de mim enquanto tentava se soltar, até que senti seu corpo amolecer e ela parar de se mexer.

 

-Boa menina- falei e mordi seu lábio inferior- Agora vamos brincar querida

 

Desamarrei seus braços e peguei seu corpo, desci as escadas e fui direto para o porão. A sentei na cadeira e amarrei seus braços e pernas com as correntes, assim que vi que ela já estava pronta, fui até a pia e enchi um balde com agua, me aproximei de Megan e joguei a agua. Ela começou a se mexer lentamente.

 

-Está na hora de acordar docinho- falei dando leves batidas no seu rosto, enquanto a mulher murmurava palavras desconexas.

 

-O.…o que você está fazendo? - ela perguntou erguendo um pouco o olhar e abaixando em seguida, o efeito do Éter ainda não tinha passado completamente – Quem é você de verdade?

 

-Bom, você pode me chamar do jeito que quiser, louco, psicopata, apenas uma pessoa que gosta de brincar de matar os outros...

 

-Vo.… você vai me matar?

 

-Mais é claro meu bem, vai dizer que ainda não percebeu isso- falei sorrindo e caminhei em sua direção

 

-Por favor, não faça isso- ela implorava com sua voz embargada pelo choro

 

-Eu não sou do tipo que tem clemencia por alguém querida- falei segurando seu rosto e o soltando em seguida, caminhei em direção a mesa que estava próxima de nós e peguei minha faca- Então, você gosta de laminas Megan?

 

-Por favor

 

-Ahhhh, não me peça para parar agora. Até por que eu fiquei de te fazer ir ao céu, certo? Só não falei como, quem sabe eu antecipando sua partida, você não vê os anjos mais cedo. A não ser que você tenha sido uma má menina Megan, ai você não iria para o céu e sim para o mesmo lugar que eu- disse rindo diabolicamente enquanto passava a faca por cima dos seus seios lentamente

 

-Você não precisa fazer isso Namjoon- dessa vez ela parecia determinada a me fazer mudar de ideia

 

-Cala a boca- pressionei a faca em sua pele e ouvi a mulher soltar um grito de dor- Você fala de mais Megan

 

Aproximei a faca de sua boca e vi os olhos claros se arregalarem em minha direção. Abri sua boca com força e segurei sua língua com força, ela se debatia freneticamente, enquanto tentava falar e chorava ao mesmo tempo. Olhei no fundo dos seus olhos e cortei a metade da sua língua, ela gritava de dor e eu me divertia com seu sofrimento.

 

Empunhei novamente a faca e desferi alguns golpes em sua coxa, ela tentava pedir por socorro enquanto urrava de dor, mas a falta de metade da sua língua a impossibilitava de tal ato. Parei de perfurar sua perna e me ergui novamente e fui em direção a mesa, deixando a faca e pegando a agua com sal.

 

-Então, está gostando? - perguntei me aproximando, enquanto a mulher a minha frente só chorava- Sabe, acho que muitas mulheres tem o fetiche de serem sequestradas por um louco e depois viverem uma perigosa história de amor, mas deixa eu te contar um segredo Megan, tudo isso é fantasioso, nós não somos bonzinhos. Além do mais, eu já tenho minha Arlequina.

 

Ela me olhou como se implorasse para eu parar, então eu fiz menção de continuar, mas ela me interrompeu

 

-Por favor, pare...- ela disse com a voz falha e eu dei um tapa em seu rosto

 

-Que menina mal-educada, quando os Adultos falam, as crianças ficam caladas. Mais voltando ao que eu tinha dito, eu já tenho minha Arlequina, ah e como ela é linda, porem ela me deixou com raiva, sabia que isso que estou fazendo é por culpa dela?

 

A mulher sorrio em deboche e sem pensar mais, eu joguei a agua com sal em seus ferimentos, a ouvindo gritar de dor, enquanto puxava seus braços tentando os soltar. Voltei a mesa e peguei outra lamina, caminhei novamente em sua direção e me ajoelhei a sua frente.

 

-Acho que já podemos parar por aqui- falei e ela arregalou os olhos, levantei e caminhei para atrás dela posicionando a faca em seu pescoço- Acho que esse é o fim do nosso encontro Megan

 

Falei e fui dando fim a sua vida lentamente, não tinha pressa para isso e tinha consciência de como era doloroso, até por que a morte não vinha de imediato. Ela se debatia, mas assim que ela parou e o sangue não espirrou mais, eu sabia que ela não estava mais viva. Soltei sua cabeça e a mesma se desfaleceu. Caminhei até a mesa e coloquei a faca.

 

-Agora vamos dar um fim ao seu corpo- falei, mas ouvi meu celular tocar e mesmo contrariado o peguei para atender

 

LIGAÇAO ON:

 

-Alo

 

-Nam?

 

-S/N? Onde você está? Melhor, onde você esteve? E porque foi embora da minha casa?

 

-De...desculpa, eu só não queria incomodar

 

-Incomodou indo em bora

-Desculpa, será que podemos nos encontrar amanhã?

 

-Sim, as 08:00 na confeitaria perto da minha casa

 

-Tudo bem, boa noite

 

LIGAÇAO OFF:

 

Desliguei o telefone sem me despedir. Ah qual é ne gente. Eu tinha que demonstrar que estava com raiva. Guardei meu celular no bolso e peguei um lençol. Tirei as correntes do corpo da mulher e enrolei seu corpo no lençol. Peguei ela no colo e sai do porão indo em direção a garagem. Pus seu corpo no porta malas e sai da minha casa, indo em direção a uma ponte.

 

Enquanto dirigia pela estrada escura, começou a tocar a música Sucker for pain e não tinha letra melhor no momento do que essa.

 

Eu torturo você

Pegue minha mão entre as chamas

Eu torturo você

Sou um escravo dos seus jogos

Eu sou apenas um masoquista

Eu quero te acorrentar

Eu quero te amarrar

Eu sou apenas um masoquista

 

Eu catava a música e me sentia vivo a cada nova estrofe, estacionei perto da ponte e sai do carro ainda ouvindo a música. Peguei o corpo e simplesmente o joguei no rio. Entrei em meu carro novamente e dirigi voltando para minha casa, até por que amanhã eu tenho um encontro e ele é minha prioridade.

 

Assim que estacionei meu carro, entrei em casa e me direcionei para o porão. Coloquei tudo em ordem e limpei todo o sangue espalhado pelo local. Subi as escadas do segundo andar e fui para o meu quarto, tirando minhas roupas e indo tomar banho. Depois de tomar um excelente banho quente, me arrumei e desci com as roupas. Peguei álcool, fosforo e fui para o quintal. Joguei a gasolina na roupa e taquei fogo, e o vi queimar até cessar por completo.

 

-Até que enfim, paz- falei abrindo os braços e entrando em casa- Ah S/N, com toda a certeza do mundo, eu vou lhe castigar pelo que fez, você vai passar pelo menos uns três dias sem sentar

 

Falei me jogando na cama, regulei o ar condicionado e me cobri fechando os olhos em seguida, caindo em um sono pesado.

 

 

Namjoon off:

 

                                                              

 

                                                                                                    CONTINUA.........................

 

 


Notas Finais


espero que tenha ficado bom, eu ate pensei em detelhar mais a parte da tortura e tals, porem eu fiquei receosa e achei melhor não. Bom, se vocês poderem dar a opinião de vocês, seria bom. Na minha, eu achobque não ficou muito bom. Qualquer coisa eu apago e faço novamente

Obrigada por lerem
ate o proximo

Kisses de Menta ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...