História Killer Love - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Taekook, Vkook
Visualizações 31
Palavras 2.349
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Lemon, Luta, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


@[email protected] <3

Nome do capítulo = Encontro sangrento

Capítulo 1 - 01 : Bloody Encounter


Fanfic / Fanfiction Killer Love - Capítulo 1 - 01 : Bloody Encounter

                        JK

- " Tchau omma, daqui a pouco eu volto "-

- " Se cuida filho, e não volte tarde " -

- São 20:00, e me deu uma vontade enorme de ir em um restaurante que eu tanto gosto - Ele não é tão longe de casa, mas vou ir de carro - Além de eu ser preguiçoso, está muito frio, por causa da neve, nesse inverno...-

- Após eu entrar no carro, solto um longo suspiro, e coloco uma música qualquer para tocar -

Enquanto nós damos as mãos até não poder mais, só estar juntos

Me faz chorar

- Dou partida no carro -

Enquanto o vento se torna mais frio

E o inverno se aproxima, pouco a pouco por este caminho

Vem a estação em que eu tenho que deixar você partir

Enquanto vejo as primeiras flores de neve deste ano

Neste momento em que compartilhamos juntos

Quero te dar tudo de mim

Você conhece o meu coração?

Eu não era sempre tão fraco

Te amo assim, desta maneira, mas

Isso é tudo o que o meu coração pode dar

Eu estava do seu lado, sem me importar o quanto difícil podia ser essa prova

Senti que podia fazer, tinha esse sentimento

Desde antes e até hoje, onde quer que possa ser

Estou orando para que o nosso amor dure para sempre

Quando o vento vier e bater em minha janela e mesmo que

A escura e fria noite apareça, apagarei todas as tuas tristes e dolorosas lembranças

Do meu coração

Com esse sorriso brilhante

Com essas flores brancas de neve caindo sem fim na calçada

Que estamos caminhando, brilha como

Uma luz resplandecente mesmo sem saber que ele mudou

Eu tenho vivido por alguém mais? Querendo fazer tudo por eles

Aprendi que isso era

Se por sorte soubesse aonde você está

Me converteria em estrela no céu de inverno e brilharia sobre você

Mesmo nos dias alegres e noites tristes que se enchem de lágrimas

Ai estarei para sempre ao seu lado

Enquanto vejo as primeiras flores de neve deste ano

Neste momento em que compartilhamos juntos

Quero te dar tudo de mim

Você conhece o meu coração?

Por favor não chore, olhe para mim

Tudo o que quero é estar sempre junto com você do seu lado e não deixarei você partir dessa vez

Dentro dessas flores de neve que enchem este caminho e caem sobre nós sem fim

Pouco a pouco pequenas recordações estão sendo deixadas

Dentro de nossos corações

Para sempre estarás ai do meu lado

Você está ao meu lado para sempre

Snow Flower

- Ao acabar a música uma pequena lágrima solitária escorre pelo meu rosto - E eu trato de limpa-lá rápido -

É sempre assim....- Se eu escuto, assisto ou leio algo que seja romântico, eu choro -

Como eu posso explicar....É....Eu gostaria de ter um romance - Mas não um romance normal..- Eu queria viver um romance igual dos filmes e livros - Uma aventura...Um romance bem diferente do "normal" - Pois minha vida é bem sem graça, sem emoção - E eu já não aguento mais ficar na seca - Já tenho 18 anos e nunca tive um namorado sequer - Namorado? Sim, namorado, eu sou gay - Acho que sou dês de os meus 14 anos quando gostei de um menino, mas ele só me ignorava, ainda bem porque hoje em dia ele tá feio pra caralho - Contei a minha mãe que era gay aos 16, ela sempre me apoiou e nunca me julgou... -

Não conheço meu pai... - Minha mãe dis que ele nos abandonou quando soube que ela estava gravida, e que nunca mais voltou - Ela cuidou de mim sozinha, e sou muito grato a ela por isso - Talvez se fosse outra pessoa, teria me abandonado, ou abortaria a gravidez, se o pai da criança os abandonassem -

Além da minha mãe, só tenho meu avô, que é dono de uma das maiores empresas de jóias de Seul - E que é onde minha mãe trabalha -

Eu sou o típico, nerd riquinho, que não tem amigos - Mas que quando chega o dia das provas, parece que fiz milhares -

- Mas um dos motivos para eu querer, deixar minha vida, com um pouco mais de sal - Ou pimenta... -

                          ____

Ao ver que cheguei ao meu destino, estaciono meu carro no estacionamento do restaurante -

Pego minhas luvas pretas que esvam no outro banco ao meu lado e as coloco enquanto saia do carro -

- Ao entrar no restaurante - Logo pude sentir o cheirinho que eu tanto gosto, e que eu estou acostumado a sentir -

- Quando eu era criança, costumava vir aqui aos domingos com minha mãe e meu avô... -

- " Olá senhor Jeon, o que vai querer pedir hoje " - Um garçom, mais conhecido como Park Jimin, me tirou de meus pensamentos -

- " Jiminiee, já falei que não precisa me chamar assim, eu não sou velho, e também eu sou seu amigo " - Faço um bico para ele - Jiminie tem essa mania de sempre que venho aqui ele me chama assim, já disse milhares de vezes que não precisa dessa formalidade toda, mas ele nunca me escuta ... -

- " Kookie, não seja assim....É meu trabalho, tenho que chamar assim os clientes se não o patrão briga " -

- " Acabou de me chamar de outra forma " - Dei um sorrisinho, pela sua distração -

- " Aii " - me deu beliscão no braço - " É assim que você trata os clientes? " - Disse esfrengando o local em que levei o beliscão -

- " Vai, dis logo o que você vai querer, e pare de gracinhas, se eu conheço bem sua mãe, sei que ela não vai querer que você chegue tarde em casa, e também as ruas daqui ficam perigosas a noite..." -

- " Tudo bem, é...Quero um Japchae " -

Disse, e Jiminie após anotar, foi para o local onde ficam os funcionários -

- Esse restaurante não é chique, caro e nem nada do tipo, mas é confortável, e eu gosto do clima daqui -

                          ____

Estava perdido em meio aos meus pensamentos até que escuto uma voz -

- " Aqui está o seu pedido senhor Jeon " -

Reviro os olhos pelo modo que ele me chamou novamente, me sinto velho quando me chamam assim, e é estranho ver Jimin me chamando dessa forma -

- " Obrigado Jiminie " - Dou um sorrisinho para ele, que retribui, e sai para atender outras mesas -

- Huumm, está uma delícia como sempre esse japchae -

Não demorou muito para eu comer tudo - Fui olhar em meu celular para ver as horas e...Ah não está tão tarde...Acho que vou dar uma voltinha antes de voltar para casa.. -

Antes de sair do estabelecimento, me despedi de Jimin, e fui para o estacionamento -

- Aah que frio que está aqui fora - Passei a esfregar meus braços por causa do frio -

- Pera ...Cadê o meu carro? - Não, não pode ser isso que estou pensando -

- " Ai que raiva, algum idiota deve ter roubado, agora vou ter que voltar a pé " - Digo chutando o pneu de um carro qualquer que tinha no estacionamento - 

Isso que dá ter carro caro e bonito - Eu falei para minha mãe que queria um caro mais simples, mas ela não me deu ouvidos e comprou um dos mais caros que tinha -

Fui andando pelas ruas escuras que tinham - Não vou dizer que não estou com medo porque vou estar mentindo, na verdade estou cagando de medo! -

Coloquei as mãos nos bolsos de meu casaco - E tentei me acalmar para não ter uma crise no meio da rua -

Quando eu ia passar perto de um beco - Ouvi vozes parei na mesma hora e me escondi na parede -

- Como sou curioso, quis dar uma espiadinha -

Me assustei com o que vi - um homem estava segurando o outro pelo colarinho e apontava uma arma em sua direção...-

Um arrepio percorreu por todo meu corpo -

Mas que merda é essa ? - Será que devo chamar a polícia? Ou devo ajudar o homem? - Não...Se eu tentasse o ajudar eu morreria... - Ai o que eu faço? -

Enquanto eu brigava comigo internamente - Ouvi um barulho alto de tiro  -

Instintivamente, meu olhar foi em direção aos dois homens -

Meu coração falhou uma batida, e meus olhos se arregalaram, ao ver aquela cena -

O Homem que estava com a arma tinha atirado, e estava todo ensanguentado - Ele sorria enquanto olhava o corpo já sem vida no chão -

- " Mas, que merda " - Soltei sem querer, e tapei a minha boca como se quisesse abafar as palavras -

Me escondi na parede, torcendo para que ele não tivesse escutado - Fechei meus olhos e tentei me acalmar ... - Eu estava suando frio e tremendo - A ponto de gritar e sair correndo -

Mas mesmo assim tentei me acalmar - apesar de isso ser impossível, em uma situação dessas -

- Pude sentir a presença de alguém e me desesperei, apertando mais ainda meus olhos e começando a chorrar baixinho -

- Senti mãos com algum tipo de líquido, encostarem em meu rosto - Que deduzi ser sangue pelo cheiro ferroso forte - e logo depois escutei uma voz rouca e sexy -

- " Hum, bonequinha você não deveria ter visto isso " - Abri meus olhos instintivamente - E me deparei com um jovem, muito bonito com o terno todo ensanguentado -

- " Devo te matar? " - Perguntou analisando minha face, com tranquilidade - Ele todo tranquilo, e eu aqui quase tendo um ataque do coração -

- " P-Por favor, n-não me mate " - Falei chorando mais ainda - " Eu faço tudo que você quiser, mas por f-favor não me mate " - Já estava desesperado com a possibilidade de ele me matar da mesma forma que ele fez com aquele homem, ou talvez até de uma forma pior...

- Eu e minha curiosidade.... -

- " Humm, faz tudo que eu quizer? " - Seu sorriso sarcástico, o deixava com um ar de psicopata - Esse homem me assusta... -

- " S-Sim " - Foi a única coisa que consegui dizer no desespero -

- " Então...Quero que mate alguém por mim " - O que? Matar alguém ? Ele só pode estar brincando com a minha sanidade - Nunca eu mataria alguém -

- " Você está brincando né? Não posso fazer isso " -

- " Então vou ter que te matar " - Aponta a arma para minha cabeça -

- " P-Por favor não " - Fecho meus olhos -

A única coisa que me lembro era de ter apagado depois disso -

                           ____

- Minha cabeça latejava , e eu tentava abrir meus olhos mas não conseguia-

- Tentei me mecher, falhando no ato -

Um barulho de porta rangendo se fez pelo ar - E pude ouvir passos de alguém desconhecido vindo em minha direção

- Tentei abrir novamente meus olhos - com um pouco de dificuldade -

Enxergava um pouco embaçado -

Meus olhos foram se acostumando com a claridade desconhecida que refletia para meu rosto, para qual eu tentava desviar o olhar -

- " Acordou Boneca ? " - Uma voz rouca conhecida se fez presente, me fazendo estremecer -

- " Está na hora da brincadeira " - Tentei olhar para sua face

- Que estava com uma máscara de raposa - O que deixava tudo mais assustador - E era essa a intenção mesmo, me assustar -

Eu estava preso em uma cadeira - e o assassino estava a minha frente segurando uma faca ensanguentada -

- " Isso vai ser seu agora " - Mostrou uma máscara de coelho e a colocou em mim -

- " Você vai ser meu - E nós vamos matar todos, juntos, eu vou te ensinar tudo - E nós vamos dançar na chuva de sangue que cairá sobre nós " - Pegou a faca ensanguentada e passou em meu pescoço -

- " VOCÊ É LOUCO? EU NÃO VOU SER NADA SEU, ME SOLTA, EU QUERO IR EMBORA, SEU ASSASSINO! " - Já estava ficando desesperado, me debatia tentando me desprender das corentes, mas como já era de se esperar, não consegui -

- " Você tem muito que aprender ainda bonequinha...Quando os outros homens seguirem cegamente a verdade, lembra-te...Nada é verdade. Quando os outros homens estiverem limitados pela moralidade ou pela lei, lembra-te...Tudo é permitido. Nós trabalhamos nas sombras para servir a luz. Nada é verdade, tudo é permitido " -

- " SEU ASSASSINO ME SOLTA " -

- " Não sou assassino, apenas antecipo o fim da vida de outros. " -

- " Você é louco " -

- " Chega de falatório, está na hora da brincadeira " -

Tirou a máscara, e colocou uma mordaça em minha boca, depois colocou a máscara de coelho de volta -

- " Isso vai ser muito divertido " - ele segurava um ferro quente, enquanto ria - O passou no fogo e foi chegando perto de mim -

- " O-O que você vai fazer? " - Falei abafado pela mordaça -

- " Vou te marcar, você é meu agora " -

- " NÃO POR FAVOR NÃO FAÇA ISSO " - Estava desesperado e não conseguia pensar em nada a não ser gritar e chorar 

- " Sabia que você fica lindo todo desesperado? " - Ele continuou chegando perto de mim, com aquele soriso que era a única parte de seu rosto que ficava a mostra -

- " NÃO, NÃO, NÃO " - " AAAAAAAAAAAAAHHH " - Encostou o ferro do lado esquerdo de meu pescoço - Minha pele sendo queimada, era uma dor que não tinha explicação - Eu gritava e pedia para que ele parasse -

Ele fingia que não me ouvia, e apertava mais ainda o ferro contra o meu pescoço -   



- " A brincadeira só está começando " - 







Notas Finais


Desculpem os erros '-'

×-× ¥-¥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...