História Killing Butterflies - Capítulo 27


Escrita por: ~

Postado
Categorias Got7
Personagens Jackson, Mark, Personagens Originais
Tags Got7, Jackson, Mark, Markson
Exibições 148
Palavras 923
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 27 - Capítulo 27


Fanfic / Fanfiction Killing Butterflies - Capítulo 27 - Capítulo 27

-Desculpa – eu disse, e minha voz soou chorosa e irritante.

Ele não respondeu. Eu não esperava que respondesse.

Quando entramos no carro, a maior parte do sangue já havia secado. Foi então que me lembrei do periquito. Eu esperava que Wilbur não tivesse se cortado com um estilhaço de vidro, que estivesse seguro. Ninguém se lembrou de coloca-lo de volta na gaiola, pensei quando nos aproximamos da casa de Zhou.

Olhei a palma da minha mão, as linhas finas que , de repente, eram tudo que havia para segurar a pele unida, e me senti frágil. Quebrável. E mortal. Quando vivemos o dia a dia, apenas nos esquivando das coisas que a vida lança sobre nós como se fosse um jogo cósmico de queimada, não percebemos que um dia podemos cair do jeito errado e nunca mais levantar. Pousei a mão no joelho, com a palma para cima.

Jackson estava virado para o outro lado, olhando pela janela. A parte de trás de sua cabeça estava horrível com os pontos, os cabelos loiros grudados e pegajosos, parecendo duros e estranhos, colados logo acima da nuca. Eu desejava saber o que ele estava pensando. Estaria agradecido de alguma forma por estar vivo e ter sido medicado, quando pouco tempo atrás estava deitado ao meu lado no vidro, sangrando sem parar? Ou estaria apenas bravo, cheio de raiva que ele não sabia para onde dirigir? Tive um desejo momentâneo de esticar a mão e tentar tocá-lo. Se fosse qualquer outra pessoa, eu teria feito isso, sabendo que ele se sentiria reconfortado como toque de alguém que acabara de passar pela mesma coisa e saíra bem daquilo... Mas ele não era qualquer outra pessoa. Ele era Jackson, sozinho em seu solo sagrado, mesmo quando se feria. Eu sabia disso. Mas meu desejo de tentar alcança-lo só crescia.

Como ele se sentira quando estava com medo, quando caímos e ele implorou a Zhou que o levasse ao hospital? Eu me tranquilizei ao ver o rosto de Li Akame e de Zhou, por saber que elas estavam ali e se preocupavam comigo. Mas ele, sozinho e sem ninguém a não ser ele mesmo, como se sentira? Ele estava deitado no chão, respirando com dor e uma costela quebrada, e em sua cabeça não tinha ninguém a não ser ele mesmo. E isso deve ter sido aterrorizante. Só pode ter sido.

-Ei – eu disse baixinho, quando chegamos à entrada da casa de Zhou. – Ei, dá para acreditar no que aconteceu com a gente? – Eu sabia que isso não ia significar nada para ele, mas queria tentar mesmo assim. – E estamos bem – continuei. –Estamos bem mesmo.

Eu tentava projetar externamente o que sentia. Queria me sentir agradecido por nós dois, aliviado por nós dois, e envolver ambos com esses sentimentos. Ele estava sempre procurando; eu queria pôr ali, bem na frente dele. Ainda pensava em alcança-lo, em tocá-lo. Só uma vez.

-Tivemos muita sorte – eu disse, e devagar, muito devagar, estendi o braço e pus a mão sobre a dele. Era a primeira vez que eu ousava fazer algo assim e meu coração se acelerou de imediato. Meus dedos tremiam e eu mordi o lábio, tentando fazê-los parar. Por um momento, esqueci a dor viva que ainda estava presente em todo o meu corpo, em todos os meus cortes.

Então ele se virou lentamente e , sem querer, minha mão enrijeceu sobre a dele, com medo de qual poderia ser sua reação. Vi seus olhos se ajustarem. Ele me examinava com atenção outra vez, como no dia em que estávamos na cozinha e eu declarei que ia ficar. E percebi que, durante todos aqueles anos em que éramos pequenos, quando eu olhava para ele e me perguntava como ele podia ler tão bem, desenhar tão bem, falar com tanta clareza, pensar em brincadeiras tão inteligentes, ele estivera olhando para mim e eu não notara que ele também se perguntava coisas a meu respeito. Como eu sentia tão profundamente. Como eu chorava tão alto. Como, embora ele soubesse que podia me superar em todas as outras áreas da vida, eu ainda vivia tão mais intensamente do que ele.

Ele desviou o olhar de mim, puxando a mão da minha e fechando os olhos, como se estivesse fugindo de uma visão desconcertante.

-Não foi sorte –disse ele, com a voz fraca, um fio de som no que parecia de repente um carro gigantesco. – Eu vou ficar com tantas cicatrizes.

E eu me senti desabar de repente, como se estivesse vendo o meio do banco entre nós afundar em um grande fosso. As cicatrizes. Essa foi a primeira coisa que sua mente pensou: as marcas físicas.

Ele era mais inteligente que eu, melhor e mais talentoso do que eu, mas também estava mais perdido do que eu, e ambos, sabíamos isso. E isso era impressionante, porque eu mesmo me sentia incrivelmente perdido. Estava sentado no banco de trás de um carro manchado com meu próprio sangue, e queria minha mãe e não a queria, e era culpa dela mas não era, e eu tentava com tanto empenho fazer algo certo, ainda que o plano estivesse corrompido, arruinado e manchado com meu sangue, tanto quanto o carro. Engoli e doeu, e me perguntei se teria vidro na garganta, no peito, nos pulmões.

O carro avançava devagar. Estendi o braço e pus a mão no ombro de Jackson, mas de repente estávamos na frente da casa e a vida continuava, e eu já havia meio que esquecido como tinha sorte por respirar, sentir e viver.


Notas Finais


Capítulo pequeno mas tamo ai né
Gente quem aqui vai no show do bts???? EU VOU!! Vamos conversar pessoalmente se alguum de vcs irem *-*
Até sábado S2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...