História Kimi ni negai wo - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miyavi, The GazettE
Personagens Aoi, Kai, Miyavi, Reita, Ruki, Uruha
Tags Miyaoi
Exibições 21
Palavras 1.212
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Famí­lia, Fluffy, Lemon, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Quinta feira e cá estou eu sz
Dia primeiro de dezembroooo sz A sexta feira do ano :'D
Faltam 21 dias pra fic nova, tô contando os dias sim, me deixa ahsaushasu
Então, esse é o ultimo cap dessa fase/temporada/parte da fanfic sz
NÃO ME MATEM!!!!
Boa leitura sz

Capítulo 7 - Vll


Finalmente o aniversário de Takamasa tinha chegado, Yuu estava extremamente animado, queria tanto entregar o presente, o sorriso em seu rosto era enorme, a festa seria em um clube de equitação próximo a casa da família, o primeiro a chegar foi Yuu como em todos os anos, ele pediu que os pais do amigo escondessem o presente dentro de casa porque era uma surpresa. Quando Miyavi saiu  de dentro do clube todos já tinham chegado, ele estava lindo com sua camisa favorita dada pelo melhor amigo a quase um ano atrás, era cheia de caveirinhas e com alguns spikes, desde os 10 ele tinha gosto por esse estilo de roupas e Yuu decidiu dar uma de presente. O mais velho correu e abraçou o amigo sorrindo, ele estava tão feliz que nem podia descrever.

 

- Você tá lindo, Miyavi. –sorriu e arrumou o pequeno colar que ele usava no pescoço, que também era presente do amigo.

- Obrigado, Aoi. –sorriu abraçando a cintura do outro beijando sua bochecha.

 

Como sempre algumas mães e parentes achavam estranho a relação dos dois, duas crianças, 12 e 15, agiam como um casalzinho, mas nada em exagero, era como  bonitinho, mas estranho por serem dois meninos. A festinha não era fraca, tinham brinquedos para as crianças de todos os tipos, e muitos, muitos doces! Quando finalmente chegou a hora de entregar os presentes Yuu quase pulou correndo até os pais do amigo, ele seria o ultimo, mas precisava saber onde estava o presente, se sentou e aos poucos todos iam entregando os presentes, o mais velho estava impaciente, queria entregar logo, mas aí acabaria o suspense.

Quando finalmente chegou sua vez ele correu pra dentro do clube e todos olhando o mais velho, Takamasa ficou lá parado sem entender, e quando ele voltou com a caixa enorme o mais novo não sabia o que pensar, quando pegou a caixa ficou sem saber o que fazer, olhava a caixa e olhava para Yuu, ele quase deixou a caixa cair tentando abrir e quando olhou aquele violão preto ele começou a chorar, Aoi não sabia o que fazer apenas abraçou o menor que soluçava baixinho olhando o presente dizendo ter sido o melhor presente que já ganhou na vida.

Ele passou o resto da festa agarrado com o presente, não quis mais saber de nada, mas nada conseguiu preparar Yuu e Takamasa para o que os pais do mais novo iriam dizer.

 

- Então, nós organizamos essa festa não só com o objetivo de comemorar o aniversário do nosso rapaz, mas também um anuncio importante para a nossa família, finalmente depois de muitos anos consegui a tão sonhada posição de vice-presidente da empresa que trabalho. – todos aplaudiram, era algo realmente admirável, todo ali sabiam o quanto ele batalhou por isso. – Mas temos uma má noticia, infelizmente teremos que nos mudar por conta da filial, deixar nossa segunda família são vocês e essa é nossa festa de despedida.

 

Naquele instante os garotos pararam sem saber o que fazer, o que falar e se olharam, o mais problema antes eram não ficar na mesma escola agora ficariam separados por quilômetros.

 

- Yuu, eu não quero ir... – segurou o choro diferente do amigo que nem ouviu direito o que ele tinha dito e saiu correndo.

 

Aoi não tinha rumo, apenas corria, seus olhos ardiam e ele chorava em meio aos soluços, a voz do outro era ouvida ao fundo mas era totalmente ignorada, ele só queria ficar só naquele momento pra tentar aceitar que ficaria sozinho, depois de quase 15 anos ele ficaria sem seu melhor amigo, quando chegou ao jardim do lugar se deixou cair encostando a testa na grama levemente molhada chorando e se abraçando, ele estava se sentindo tão perdido, todo seu mundo girava em torno do amigo, tudo era pra ele, com ele e por ele.

 

- Yuu, Yuu...calma...- o mais novo finalmente o alcançou e se ajoelhou ao seu lado acariciando as costas de Aoi que soluçava baixo.

- Não dá...eu não quero...não pode... – o mais novo se segurava para não chorar, mas sabia que tinha que ajudar o outro.

- Olha, eu não vou te deixar, eu te amo.. –o puxou o erguendo e abraçou o corpo do maior que tremia devido ao choro. – Eu te prometo assim como você me prometeu, mesmo que eu vá eu vou vir sempre nas férias... – não conseguiu se segurar chorando baixinho abraçado ao amigo.

- Taka...não pode, você é meu único amigo de verdade...não me deixa sozinho... – apertou o corpo do mais novo.

 

Ficaram daquele jeito até os seus pais chegarem tentando acalmar as crianças, mas estava sendo difícil, separar aqueles dois era como mata-los, sempre juntos e de uma hora para outra seriam separados. Era extremamente triste.

 

Takamasa só se mudaria na próxima semana prometeu ficar até o dia de ir embora junto com Yuu, dormiriam juntos, iriam para a escola juntos, fariam tudo juntos até o dia de ir embora, o mais velho estava irreconhecível, sem sorrisos, sem animação, nada, seus pais estavam preocupados de ele ficar pior quando o amigo fosse embora. A semana ia passando mais rápido do que o desejado, todos os dias os meninos se sentavam no quintal e Aoi ouvia o outro tocar o violão que ganhou de presente, ele não queria acreditar que ele iria embora, mesmo sendo pra Tokyo, ele quase sempre ia pra lá ver sua avó, poderia vê-lo nas férias, sem tirar a tia de Takamasa que morava a três quadras dali, mas nada lhe parecia ser mais triste do que ficar sem o outro.

Quando chegou o dia foi mais triste ainda, os dois não queria se largar, tudo estava arrumado e nada tinha ficado dentro da casa, ele estava a venda, depois de 12 anos sendo acostumado a ficar naquela casa agora não poderia entrar nela e ver seu melhor amigo o esperando, não poderiam jogar vídeo games no fim de semana, nada de dormir no quintal...nada de Takamasa.

Todos os dias Yuu ia para o quintal da casa ainda não vendida e ficava sentado tocando violão, músicas que Takamasa adorava ouvir, ele evitava sair de casa, não queria ver outros “amigos”, não queria fazer nada,  sua timidez acabou voltando e quase não conversava, seu professor estava estranhando mas quando o explicaram ele realmente  entendeu, ele sabia o quanto eles eram colados.

Trocavam cartas sempre, ligavam um para o outro e nas férias Yuu foi para Tokyo e viu o amigo, ficaram juntos durante duas semanas e depois ele viajou novamente com a avó, ficou triste pois achou que teriam mais tempo juntos, alguns anos houveram desencontros, como no verão que Takamasa veio de surpresa mas Aoi tinha viajado pra fora do país com os pais, até que em um momento eles acabaram perdendo o contato, aproximadamente 2 anos depois. Yuu tinha dificuldades pra se relacionar, com 16 anos, ao contrário dos outro garotos não queria nada, namorar, ele só estudava e saia raramente com os amigos que tentou fazer no ensino médio. Takamasa estava ainda mais agitado, sem o amigo ele só tocava violão e aprontava na rua, com 14 anos quase foi detido por vandalismo, tinha más amizades e as suas notas caíram.

 

O desequilíbrio tinha atingido os dois, separados eles estavam perdidos.   


Notas Finais


NÃO DESISTAM, AINDA TEM MUITO AMOR PRA ROLAAAR!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...