História Kin Ito (Iterativa) - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Saint Seiya, Vampire Princess Miyu
Personagens Afrodite de Peixes, Aiolia de Leão, Aioros de Sagitário, Albafica de Peixes, Aldebaran de Touro, Asmita de Virgem, Aspros de Gêmeos, Camus de Aquário, Defteros de Gêmeos, Dégel de Aquário, Dohko de Libra, El Cid de Capricórnio, Hyoga de Cisne, Ikki de Fênix, Kanon de Gêmeos, Kardia de Escorpião, Kiki de Appendix, Mascára da Morte de Câncer, Miro de Escorpião, Mu de Áries, Personagens Originais, Saori Kido (Athena), Shaka de Virgem, Shion de Áries, Shiryu de Dragão (Shiryu de Libra), Shun de Andrômeda, Shura de Capricórnio, Sísifos de Sagitário
Exibições 35
Palavras 1.594
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Sobrenatural
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


MIL PERDÕES A DEMORA! TIVE MUITOS PROBLEMAS E A FACUL PIOROU TUDO! T-T GOMENNASAI!!!

Capítulo 8 - Perspicácia e Honestidade.


Durante a refeição, alguns conversavam animadamente outros já ficavam quietos aproveitando a refeição e outros fazendo baderna. Fuyuko era a única a não interagir com ninguém, apenas ficava encostada na parede ao lado na janela olhando a paisagem.

As meninas olharam discretamente preocupadas com Fuyuko e já tinham um mau pressentimento, preferiram fingir que ao era nada e continuaram a comer, não demorara a terminarem e seguem caminho deixando os librianos e Aimée para trás e com Fuyuko liderando o grupo.

Aos poucos conseguiram ver o grande portal que era feito da pedra conhecida como Ágata vermelha e no topo estava escrito Perspicácia, todos então passaram por ele vendo... Um grande nada no grande planalto que não tinha um único rastro do templo que deveria estar ali.

Kardia: Mas hein!? Que raios é isso?!

Fuyuko: Perspicácia. –respondeu simplesmente como se não fosse nada.

Mei: Diferente dos outros templos esse é como se estivesse vivo e notou presenças estranhas, então ele se teleportou para uma dimensão diferente deixando armadilhas mortais no lugar onde estava.

Milo: Tá bom, eu acredito. –diz sarcástico e começa a andar- Vocês devem estar escondendo com energia né?

Kyoko: ESPERA! –tenta alertar.

Milo mal deu um passo a mais e um círculo roxo brilha envolto de seu pé, logo a sua frente surge uma grande massa de energia rubra surge abrindo um portal onde se podiam ouvir gritos e gemidos não demorando muito para almas negras acorrentadas começarem a tentar sair do portal e agarram Milo que não pode se mexer ao mesmo tempo que uma barreira impede os outros chegarem perto.

Milo: ALGUÉM ME AJUDAAAAAAAA!!! –gritava apavorado.

Fuyuko: .......... –ela se manteve calma e caminhou tranquila até perto da barreira.

Pequenos raios começaram a sair da barreira acertando Fuyuko que não sentia nada e na verdade não faziam efeito, ela só continuou andando e manifesta um tenebroso e obscuro cosmo negro. Seus cabelos escureceram até se tornaram ébano, os olhos verdes, a pele deu uma leve acinzentada dando a aparência de um cadáver e a tatuagem de olho em sua testa brilhou intensamente enquanto os cabelos e a roupa esvoaçavam sutilmente pelo forte cosmo assustador. O chão ao seu redor ficou roxo por apodrecer e ficar venenoso, o céu ficou vermelho como sangue, as poucas plantas que tinham murcharam até virarem pó, alguns animais agonizavam de pavor e sem contar os santos de Atena que estavam paralisados pelo poder de Fuyuko.

As almas então percebem o poder de Fuyuko ficando amedrontadas e largam Milo, a albina lentamente ultrapassa a barreira que se desfaz e ela entra na frente de Milo cabisbaixa.

Fuyuko: Anata no subete... – ela olhou para as almas com total desprezo e ódio que nunca viram antes assim como a sede por sangue - Ima sugu modotte jigoku e! –a tatuagem de olho em sua testa brilhou ainda mais intensamente e os olhos dela ficaram totalmente verdes dando a verdadeira aparência de um demônio.

{Todos vocês... voltem agora para o inferno!}

Tanta era sua ira que por alguns instantes surgiu atrás de Fuyuko uma ilusão de uma mulher usando um kimono branco manchado de sangue, os longos cabelos negros cobrindo quase o rosto e o corpo cadavérico extremamente pálido com espadas e lanças cravadas em sua carne com ela exalando a energia da própria morte. Com medo de serem alvos da fúria de Fuyuko as almas retornam e o portal se fecha, dando lugar a um grande palácio chinês de oito andares. Era feito puramente de granada vermelha, os pilares de turmalina azul que possuíam dentro de si estavam flores de Amarílis perfeitamente conservadas e emanando uma forte energia que revigorou cada centímetro dos corpos dos dois escorpianos.

Kardia: A casa de escorpião... Foi humilhada... –diz de boca aberta.

Milo: Nem dá pra competir. –também estava de boca aberta.

Mei: No momento a outra guardiã não está, fora em missões para unir feitiços que podem ser perigosos caso caiam em mãos erradas. Poderia complicar pro nosso lado.

Maya: A outra guardiã sou eu. -diz polindo seus chakrans que brilhavam como um espelho.

Kyoko: Fuyuko-San? –perguntou preocupada ao perceber ela voltando ao seu estado normal.

Fuyuko: Estou bem, só um pouco cansada. –diz com o olhar pesando e a visão turva colocando a mão sobre a tatuagem de olho na testa que formigava.

Sisifo: Mas que raios foi isso!?

Fuyuko: Isso é Kyouhaku, intimidação. Elevei ambas as minhas energias, Cosmo e energia sobrenatural para intimidar aquelas almas. Com isso posso impor minha vontade em outras pessoas e fazer com que meus oponentes a cumpram. Porém isso é desgastante por fazer anos que não uso essa técnica.

Kyoko: Ahhh...! –ela fez aquela cara de que entendeu tudo- Então o poder esquisito que tinha ouvido falar que você havia derrotado um exército de um milhão de soldados há trezentos anos era isso?

Aiolos: Tre, trezentos anos?! Quantos anos ela tem?!

Mei: Se não me engano... Fuyuko-San tem... –fez uma carinha pensativa.

Fuyuko: Tenho oitocentos e dez anos. –respondeu tranquila.

El Cid e Shura: Santo cielo... –disseram juntos e de olhos arregalados pela surpresa.

{Santo céu...}

Fuyuko: Antes que começam a discutir sobre a minha idade, vamos continuar.

Ela retomou a postura e os portões começaram a se abrir sozinhos, o chão era totalmente feito de obsidiana floco de neve, os pilares eram de kunzita e pedestais de cornalina com chamas azuis que dava um ar convidativo e misterioso. Haviam grandes almofadas vermelhas espalhadas pelo chão, também cortinas de seda negra que davam um ar meio romântico e sensual. Os dois escorpianos não conseguiram evitar em pensar em coisas mundanas e pervertidas que poderiam consumar naquele ambiente.

Kardia: Vou me mudar pra cá.

Milo: Tirou as palavras da minha boca.

Os demais os ignoram e seguiram caminho, Fuyuko pela primeira vez expressou outra face além da sua serena e havia demonstrado repulsa daquele ambiente. Seguiram para a próxima escadaria e estranhamente eles sentiram o corpo pesando, menos os sagitarianos, capricornianos e aquarianos que seguiam tranquilos as garotas e nem notando o que se passava.

Mei: Todo mundo bem? –finalmente notara os psicianos ficando para trás.

Albafica: Sinto, meu corpo pesado.

Afrodite: Eu também.

Fuyuko: Vocês não estão sendo honestos.

Shura: Que você quer dizer? –olhou pra ela confuso.

Kyoko: Esses degraus são nomeados como “Ascensão para a Honestidade”.

Mei: Se quiserem continuar precisam ser honestos, mesmo que seja algo pequeno.

Fuyuko: Caso contrário ao chegarem ao portal da Honestidade terão suas almas destroçadas como punição. –ela não demonstrou nenhuma preocupação.

El Cid: Sorte do Manigold e do Kardia, eles iam acabar morrendo de tão teimosos e pelo gosto de mentir.

Shura: Isso vale para o Máscara da Morte e Milo. –se lembrou dos “Mentirosos do santuário”.

Mei: É o momento para serem honestos. – ela deu uma risadinha.

Albafica: Como tivéssemos escolha... Dégel!

Dégel: Hn? –olhou neutro como sempre.

Albafica: Lembra quando a gente chegou ao santuário quando crianças e no dia seguinte a biblioteca de aquário tinha quase pegado fogo? Pois é, foram Manigold e o Kardia que fizeram aquilo e não contei porque eles tinham feito chantagem comigo.

Dégel não reagiu, pelo menos não até seu olho esquerdo ter dado uma leve tremida e ele soltou um pequeno sopro na forma de bufo que liberou um ar frio. Aquilo era um mau sinal e os cavaleiros do século dezoito se entre olham já imaginando Dégel profundamente irritado, não era para menos. Primeiro ele amava livro, segundo, odiava brincadeiras de mau gosto e por último ele estava na biblioteca naquele dia que quase foi o último dele.

Camus olhou como quisesse chamar os dois de idiotas e ele não fora o único, as garotas olharam da mesma forma se entreolhando.

Albafica: Hn??? –sentiu o corpo ficando mais leve- Tenho dó dos mentirosos se vieram aqui. –começou a andar.

Afrodite: Tá certo, Aiolos! Lembra quando você acordou uma vez e tava com a cara rabiscada quando você era tinha 14 anos? Foi o Aiolia e o Máscara que fizeram aquilo.

Aiolos: E porque você não contou?

Afrodite: O mesmo motivo do Albafica. –logo sentiu o corpo mais leve.

Kyoko: Achei que era algo mais interessante, mas é só besteirinha de criança.

Fuyuko: Pelo visto Já terminaram de confessar agora vamos. –ela continua andando.

Não demorara para avistarem o portal onde estava gravado “Honestidade” e era feito de azurita, no caminho para o templo brotavam grandes pilares desta pedra anda em seu estado bruto que davam um ar forte e estas cruzavam seu formando um grande túnel em forma trangular. Para variar a criança da turma chegou perto bem curioso e pode ver seu reflexo, não resistiu e fez caretas caretas enquanto todos ignoravam-o.

Shura: Idiota...

El Cid: E realmente é um cavaleiro de Atena? –olhava entediado para Seiya.

Aiolos: Sim. –comenta entediado.

Sisifos: Ele é uma vergonha para os cavaleiros de Atena e para os sagitarianos. –tentava ignorar Seiya bancando a criança de sete anos que gosta de se fazer de palhaço.

Seiya continua fazer caretas e logo seu reflexo estranhamente para de “imitar” o rapaz que demora a perceber e viu seu reflexo o olhando com tédio.

Seiya: Hein? –estranhou.

- Finalmente você parou com isso, tem vergonha não? Ou você já nasceu palhaço? –o reflexo de Seiya falou completamente entediado e chega a bocejar.

Seiya: Eh...? –pragueja não assimilando de primeira o fato que seu reflexo falou.

Seiya[Refexo]: Tá olhando o que? Tem algo de errado na minha cara? –perguntou entediado.

Seiya: Eh...? .... Eh...? Eh?!... EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEHHHHHHHHHHHHHH????!!!!!! –gritou tomando um susto assim que a “ficha caiu” e tomba pra trás.

Continua...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...