História Kingdom Come - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Dragon Ball
Personagens Gohan, Goten, Trunks
Tags Bulma, Dragon Ball, Gohan, Goku, Goten, Trunks, Vegeta
Visualizações 26
Palavras 1.646
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Kingdom Come está entrando em contagem regressiva. Não faltam mais do que seis ou sete capítulos até seu fim. Mas eu me sinto feliz e realizada, pois é a primeira vez que escrevo algo sobre DB e o retorno que tive com essa estória foi e está sendo gratificante.
Agradeço cada visualização, cada favorito, cada comentário...
Vocês são demais!

Fica aqui o meu MUITO OBRIGADO!

Capítulo 11 - Juu-ichi (onze)


Fanfic / Fanfiction Kingdom Come - Capítulo 11 - Juu-ichi (onze)

Mirai Trunks

 

Olhei em direção à floresta e vi duas pessoas se aproximarem. Uma delas era Goten, o que fez com que Yuko, que flutuava bem ao meu lado e ao de Gohan, se jogasse contra o corpo do Saiyajin, para que não fosse descoberta. Ele a agarrou pela cintura, sustentando seu peso e também sua mentira. A outra pessoa era ela. E meu coração se acelerou só de vê-la olhando em minha direção. Eu sorri involuntariamente, sem nem me dar conta de que teria de me explicar para ela. Estava boquiaberta, e eu fui ao seu encontro sabendo o quanto  estava confusa com o que via.

— Goten?! — ouvi Yuko exclamar e meu amigo não parecia muito satisfeito com o que presenciava — Trunks e Gohan estavam me mostrando como flutuar. Não é o máximo?

Ele voou até onde ela ainda estava, nos braços de Gohan, e tomou seu corpo com propriedade, enquanto seu irmão o fitava, sem ter o que dizer.

— Eu assumo daqui! — sentenciou, e não parecia brincar.

Arqueei as sobrancelhas sabendo que aquilo ainda se tornaria um problema. Desci até onde Mayumi estava com minha jaqueta azul nos braços, e me fitando assustada.

— Maya?! — disse, aproximando-me dela o máximo que consegui — Oi! Que bom que veio...

Eu sorria feito um bobo. Estava inegavelmente envolvido por aquela garota.

— Você... Vo-você...

Ela gaguejou, e eu já sabia do que falava.

— Eu estava voando sim! — respondi, despreocupado — Apesar de parecer maluquice, isso é bem real e possível. Não sabia?

Claro que não sabia. Mas eu estava totalmente disposto a lhe esclarecer todas aquelas coisas. 

— Possível? — ela rebateu e parecia inconformada — Trunks, como isso é possível?

Eu gargalhei. Fitei por um instante todos os outros lutadores à nossa volta, temendo me meter em problemas maiores. Mas estava certo de que tudo estava sob controle. Havíamos combinado de treinar sem nossas transformações, uma vez que no torneio, competiríamos da mesma forma. Desse jeito, nem mesmo Goku e meu pai eram um perigo iminente. 

— Todos nós temos algo dentro de nós que se chama KI. E que se controlado totalmente, nos permite fazer coisas impressionantes. Como voar...
Tentava me explicar, mas ela ainda parecia incrédula.

— Você também pode, Maya! — garanti — Só precisa dominar seus impulsos e energia.

— Trunks... — ela me interrompeu, afobada — Eu ainda não sei se acredito no que vi...

— Me deixa te fazer acreditar? — estendi minha mão direita, esperando por uma resposta.

Ela engoliu seco ao me ouvir, e precisou de alguns segundos pra tomar aquela decisão. Assim que sua mão tocou a minha, percebi que estava gelada e suando. Ela estava nervosa! Sabendo disto, abracei-a, mesmo sob o olhar de todos aqueles idiotas que me cercavam e ela escondeu sua cabeça em meu peito. 

— Você confia em mim? — sussurrei em seu ouvido esquerdo.

— Ainda não sei porque, mas sim...

Declarou, e eu a abracei mais forte ainda. Aos poucos, ela sentiu nossos pés se distanciarem do chão, e cerrou os olhos com intensidade por causa disso. Eu sorri, e continuei a subir até uma altura considerável, mas que  sabia que não iria assustá-la demais. Acariciei seus cabelos tentando lhe passar confiança e assim que ela se sentiu segura o suficiente, abriu os olhos e contemplou o que fazíamos e também a vista que nos cingia. Sem dúvidas, ela estava maravilhada!

— Trunks, isso é...

Ela tentou dizer alguma coisa, mas desistiu, me direcionando apenas um sorriso que pra mim fora o suficiente. Depois que se acostumou com a ideia, voei com ela por alguns metros, passando por Yuko e Goten que pareciam discutir sobre alguma coisa. Ela pareceu gostar, e assim que eu a coloquei no chão, ganhei um beijo caloroso como agradecimento. Deixei minhas mãos deslizarem por sua cintura, enquanto nossos lábios se tocavam com agitação. O coração dela batia forte,e eu já não sabia se o motivo era o voo ou o beijo. Assim que nossos rostos se afastaram,  pude apanhar a jaqueta que havia caído no chão e também dar a atenção à algumas pessoas que se aproximavam de nós.

— O que está fazendo aqui, Maya? — Yuko indagou, parecendo apreensiva com sua presença naquele local recheado de lutadores.

— Queria ver o Trunks! — ela respondeu, e eu sorri.

— Por que não disse que estava com uma namorada nova, Trunks? — Yamcha indagou, também caminhando em nossa direção.

O que aquele idiota queria dizer com "uma namorada nova"? 

— Porque não tinha a certeza de que vocês saberiam o que era isso! — resmunguei, fatigado.

Algumas pessoas gargalharam, e uma delas foi Mayumi.

— Vocês vão treinar ou vão gastar outro dia falando de bobagens?— Piccolo pareceu nos convocar.

Gohan fora o primeiro a se candidatar à luta que ele propunha.

Goten caminhou de mãos dadas com Yuko até um local livre de pessoas ou Saiyajins. Parecia descontente, e eu podia jurar que tinha alguma coisa a ver com Gohan. Não sei como Yuko reagiria àquela conversa, mas ela também devia algumas, muitas, explicações a mim naquele dia. Eu seria o próximo a interrogá-la. Mas por hora, tudo o que eu queria fazer era afastar Maya de Yamcha e dos outros caras que a encaravam diferente. Não queria ter que me desentender com alguns amigos por causa de sua maneira equivocada com que tratavam as mulheres.

— Onde vamos? — ela indagou, agitada. Podia ver em seus olhos o interesse que tinha na luta que iria começar.

— Não se preocupe, você vai poder assistir tudo! — tentei tranquilizá-la, enquanto nos escorávamos em uma pedra grande que nos serviria de acento naquele momento.
Ela parecia ter muitas dúvidas, e era natural. Havia perdido a memória, e estava descobrindo seus gostos e interesses novamente. Eu sentia que fazia parte dessas descobertas, e sorri involuntariamente por causa disso. Maya então direcionou seu olhar a mim novamente, perdendo alguns segundos valiosos do treinamento de Gohan que tanto chamava sua atenção.

— Do que está rindo? — ela indagou, corando as bochechas de vergonha.

— Desculpa, não é de você... — tentei me explicar — É só que...

— Trunks? — ela me interrompeu, afobada — De todos os lutadores da cidade, quem é o mais forte? 

Eu franzi o cenho, receoso com sua pergunta. Nunca havia parado pra comparar ninguém. E não tinha a intenção de causar conflitos por conta de minhas convicções. Meu pai era vaidoso demais pra ouvir de minha boca que já não era o Saiyajin mais poderoso que existia. 

— Bem... — pigarreei — Maya, Gohan é sem dúvidas um lutador execpcional. 

Meu melhor amigo tinha potencial até mesmo pra superar seu pai um dia. Goku estava morto e, por esse motivo, não achava justo colocá-lo naquela classificação. Mas a verdade era que ninguém, nem mesmo Vegeta sabia o quanto meu poder de luta havia aumentado desde que havia retornado do futuro. Mantinha meu K.I sempre controlado, uma vez que a Terra estava em paz e não precisava mais daquilo. Estava tentando levar uma vida normal, embora o Saiyajin que existia dentro de mim sempre falasse mais alto.

— E você? — alguma coisa no jeito em que me fitava me desconcertou — O quão forte você é, Trunks? 

Senti o mesmo arrepio me congelar a espinha. Primeiro no baile do torneio, depois em sua casa na noite anterior, e agora. Por alguns segundos, fui hipnotizado por Maya e seu olhar inquiridor. 

— Sou bem forte, acredite! — garanti, passando-lhe segurança com meu tom de voz — Isso faz diferença pra você?

— Isso me atrai, Trunks... — seu sussurro me arepiou novamente mas, daquela vez, de uma maneira boa. Senti meu sangue ferver. Não sabia se aquela declaração tinha o objetivo de me seduzir, mas eu senti uma parte de mim a desejar intensamente.

— Então me deixa te mostrar o quanto sou forte? — aproximei nossos rostos, mudando o percurso de meus lábios, direcionando-os ao seu ouvido direito, onde minha respiração quente cortou sua pele fazendo-a cerrar os olhos de satisfação. 

Ela assentiu. Tinha um sorriso travesso nos lábios, e aquilo era muito sexy. Seu rosto angelical misturado àqueles pequenos e sutis gestos me enlouqueciam. 

— Você é mais forte que Gohan? — indagou, no exato momento em que o filho mais velho de Goku finalizava sua luta contra Piccolo.

Eu inspirei todo o ar de meus pulmões antes de lhe dar qualquer resposta.

— Sim, sou mais forte que Gohan e Vegeta! — sentenciei. 

Estava me intitulando o Saiyajin mais forte com aquela declaração. E de alguma forma, aquilo a agradou. Seu sorriso ficou ainda maior, e assim que desviei minha atenção de seus lábios, notei que havia algo diferente em seus olhos. Sua cor de esmeralda havia dado lugar a um castanho avermelhado, que se intensificou em poucos segundos até desaparecer por completo. Podia jurar que seus olhos haviam acabado de mudar de cor na minha presença. 

— Maya? — chamei seu nome, uma vez que ela parecia hipnotizada com minha última alegação — Você está bem?

De um jeito doce, ela movimentou seu rosto de maneira a dizer um sim à pergunta que fizera. Parecia um pouco perdida, quiçá até confusa. Mas não tive tempo de descobrir o porquê, uma vez que Piccolo havia acabado de me chamar para uma luta, e era a chance que tinha de mostrar a ela o que ela tanto queria ver. Embora não fosse usar meus incríveis poderes de Saiyajin, nem mesmo minhas transformações, Mirai Trunks entraria em ação, depois de um bom tempo sem treinar. 

— Eu volto logo! — garanti, ameaçando deixar o local, logo em seguida.

— Trunks? — seu chamado me impediu, e eu recebi um beijo caloroso de Mayumi. Ela segurou meu rosto com suas duas mãos, selando nossos lábios com aflição. 

Senti meu coração acelerar dentro do peito, por causa da surpresa e também do desejo que sentia por ela. Eu estava ficando louco. Jamais havia me envolvido com mulher alguma daquela forma. A paixão havia tomado conta de mim de uma maneira avassaladora.  Sorri como resposta, antes de correr até onde Piccolo Damaioh me esperava para lutar, enquanto ela acompanhou meus passos com seus olhos grandes e atentos.
 


Notas Finais


Hoje, quero indicar duas One Shot que realmente me emocionaram. Primeiro por seu conteúdo, segundo pela maneira com que a autora @vicamendes escreveu cada linha delas.

Tu me tens

https://spiritfanfics.com/historia/tu-me-tens-9273340

A carta

https://spiritfanfics.com/historia/a-carta-8890544


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...