História Kiss Me Quick - ShortFic ABO - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction
Personagens Harry Styles, Louis Tomlinson
Tags Abo, Alfa, Dois Alfas, Edward, Gemeos Cox, Gêmeos Styles, Harry, Larrystylinson, Louistomlinson, Ômega, One Direction
Exibições 1.129
Palavras 2.828
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Escolar, Famí­lia, Ficção, Hentai, Lemon, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Cross-dresser, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hey voltei :D Espero que vocês gostem

Capítulo 2 - Capítulo 2


Louis dormia tranquilamente antes de se assustar com o despertador. O ômega levantou tão rápido quanto fora deitar na noite seguinte. Tomou banho o mais rápido que pode e saiu de seu apartamento. Passou para comer algo na padaria que ficava uma quadra antes da universidade e ai sim dirigiu para o prédio alto e antigo da universidade. 

Quando ele entrou na sala de aula ficou surpreso ao ver que Edward e Harry haviam chegado antes dele e que tinha deixado o lugar entre eles para que Louis se sentasse. 

O menor subiu a escadaria e logo se sentava entre os dois, deixou um beijo na bochecha de Harry e outro na de Edward. Ambos os gêmeos faltaram suspirar os órgãos para fora de seus corpos, como Louis era fofo e sensível. Fora seu cheiro de flores, eles não sabiam qual flor era, mas sabiam que era uma das mais cheirosas e que eles sabiam que assim  que soubessem o nome dela encheria o ômega das mesmas. 

—Bom dia, Lou! – Saudou Edward e  Louis sorriu para o mesmo. Ambos escutaram Harry rosnar e se viraram para o encarar. 

—Bom dia pra você também, Senhor irritadinho que logo pela manhã já está rosnando para o vento. – Louis brincou e Harry ficou confuso. Como diabos esse garoto podia ser tão adorável em pleno as 7h05 da manhã? 

O professor de Histologia chegou tomando toda a atenção para si, fazendo o assunto rosnado ser esquecido. 

Harry estava bravo porque seu ômega só conversava com seu irmão, era como se Harry nem existisse. Culpe-o também por ser vergonhoso e pedir para que o irmão fizesse as perguntas. 

Edward nunca teve problema de comunicação, podia ser com a pessoa mais importante do mundo e ele conseguiria ter uma conversa calma e longa. Harry culpa a sua mãe, ele diz que a mais velha deu toda a vergonha do mundo somente para Harry deixando Ed um língua solta. 

—Hey, onde vamos almoçar hoje? – Harry escutou Louis perguntar e ele se animou por saber que o outro não tinha outras pessoas além deles. 

—Pode ser naquele quiosque com o nome italiano? – Harry falou pela primeira vez naquele dia. Nem mesmo quando Edward o acordou com beijos por todo seu rosto ele havia falado algo para que o irmão. Ele não entendia como a sua outra metade podia ser tão alegre, ou, será que ele era o problema e era tão mal-humorado? 

—Yeah, soa legal. Uma boa massa! – O alfa sorriu por saber que seu ômega gostava de massa, o que é estranho já que ontem o mesmo estava no restaurante vegano. 

—Achei que fosse vegetariano. – O cacheado perguntou. 

—Não, eu às vezes gosto de variar o cardápio. Eu sempre tento cozinhar uma coisa diferente da outra pra não cair na mesmice. – Tomlinson disse simples dando de ombros e ambos alfas se encararam maravilhados por saberem que o ômega cozinha. —Então combinado, vamos almoçar italiano; mas, por favor, sem refrigerante. – ele falou olhando ora pra um e ora pra outro. 

—O que a vossa majestade quiser! – brincou Harry e Louis sorriu encarando seu caderno. 

 
 

O almoço não demorou chegar e com ele veio o constrangimento que era andar entre os alfas. Louis se sentia tão pequeno perto deles, quem visse essa cena provavelmente acharia que ele tem guarda-costas. Pois ambos andavam com aquele óculos na cara e a face ranzinza. 

—Por que vocês são tão mal-humorados? – Louis perguntou e Edward quem respondeu. 

—Isso não é mau-humor, isso é uma barreira para que as pessoas não ache que somos amigáveis. Nós só conversamos com quem realmente gostamos. – Edward explicou e Harry concordou. 

—Também por quem nós somos. As pessoas veem nossos nomes e já vem nos pedir favores, como se nós mandássemos em alguma coisa. – Louis riu. 

—E qual seria o nome de vocês, afinal eu ainda não sei nada de vocês além do primeiro nome. 

– Os dois riram e concordaram com a cabeça. 

—Styles. – Harry disse e Louis parou de andar no mesmo momento. —Viu, é por isso que nós não contamos antes. 

—Vocês são os gêmeos Styles? Aí meu Deus. – Louis tampou a boca tão rápido quanto falou. Ele não queria que ninguém soubesse que ele é amigo dos gêmeos Styles do hospital de Câncer. Tomlinson ficou envergonhado por ter feito essa cena, então passou pelos dois grudando em ambos braços para os puxarem mais rápido. 

—Hey, ligeirinho. Vai com calma! – Pediu Harry e Louis fez shiuu pra ele. —Hey, não me mande calar a boca. 

Todos que caminhavam por ali achavam a cena engraçada, um ômega arrastando dois alfas pelo braço. Alguns faziam cara de nojo, porque onde já se viu um ômega com dois alfas. 

Louis entrou no quiosque e procurou por uma mesa afastada para se sentar. E talvez ele já soubesse que ambos sentariam um de cada lado de sua pessoa. 

—Agora que já estamos aqui podemos saber o que foi isso? – Edward perguntou tentando não ser mal-humorado e nem grosso com o ômega que é tão delicado. 

Observaram o menor se jogar na cadeira e cruzar os braços emburrado. E os Styles se encararam sem saber o que tinham feito de errado. 

—O que aconteceu de errado, Louis. Fala com a gente! – Pediu Harry preocupado. 

—Eu não quero dividir vocês com ninguém. Ninguém! – ele bufou alto e os Styles o encararam preocupado. Do que esse garoto está falando? 

—Você poderia explicar? – Ed perguntou e Louis levantou as duas mãos para cobrir o rosto envergonhado do que havia acabado de fazer. 

—Eu só não gosto de dividir as coisas! – assumiu depois de já ter regulado sua respiração. — E se descobrirem que vocês são os gêmeos Styles, vai todo mundo amontoar em cima de vocês. E eu não quero isso! – Louis queria se bater, desde quando ele podia fazer isso. Ele conhecia os garotos a vinte quatro horas e já se achava o dono dos mesmo. Porém ele não se culpava por tal coisa, os gêmeos que escolheram ele. 

—Lou, presta atenção. – tentou tirar a mão do menor do rosto e sem muito sucesso. —Lou, olha aqui rapidinho pra gente. – Tomlinson deixou os braços caírem e suas mãos se embolarem uma na outra no colo. —É por isso que nós não contamos nosso sobrenome pra ninguém, as pessoas nunca tiveram uma imagem nossa. Mamãe nunca deixou que alguém tirasse fotos nossas. Assim como papai também evita falar com a gente na universidade, as pessoas acham que nós como filhos do Reitor da UCL vamos conseguir fazer com que eles tenham os gabaritos e outras coisas. – O ômega assentiu com a cabeça entendendo. —Essa é a segunda vez que tentamos fazer o curso, a primeira vez uns idiotas descobriram e papai teve que trancar nossa matrícula. Eles foram tão horríveis com a gente. – Edward terminou de falar e Louis se sentiu mal por eles. 

—Vocês não têm dezoito, então? – Louis perguntou e eles assentiram. 

—Nós fizemos dezenove em fevereiro. 

—Oh! – Lou assentiu novamente. —Nós vamos almoçar agora, certo? 

Os Styles concordaram e antes que Louis levantasse, Harry levantou e disse que eles iriam buscar os pratos. 

—Não precisa, sério, eu vou! – Louis tentou novamente, mas Harry rosnou o assustando. 

—Você senta aqui e espera, é nosso dever te alimentar! – O ômega se assustou, pois nunca alguém havia feito isso. Nem mesmo Stan que é seu amigo alfa de Doncaster com quem ele passa seus cios. 

—Tudo bem! – concordou e assistiu os alfas saírem até o balcão do quiosque. 

Enquanto esperava, o menor pegou seu celular e entrou em suas redes sociais a procura do perfil de ambos os garotos, mas não encontrou. Procurou por Harry Styles e não encontrou nada, procurou pelo Edward e também não encontrou. 

Levantou o olhar para os dois que se sentavam ao seu lado e depois olhou para o prato de macarronada. 

—Obrigado! – ele agradeceu. —Hey, vocês não têm Facebook ou qualquer outra rede social? – bloqueou a tela do celular e deixou em cima da mesa para que começasse a comer. 

—Temos, nós usamos o sobrenome da nossa mãe; Cox. – Harry falou e esperou que o ômega comesse para depois ele comer. Sua vontade era pegar aquele garfo e passar ele mesmo a colocar a comida na boca do menor. Ele é tão precioso. 

—Oh, por isso não achei vocês. Eu vou mandar convite depois. Posso fazer uma pergunta? – levantou o olhar e olhou para os dois que assentiram. —Por que eu? – ele queria entender o porque de tantos lugares naquela sala eles escolheram logo o Louis. 

—Não sabemos, é só você! – Edward disse enquanto encarava o irmão, ele temia que o mesmo abrisse a boca e acabasse assustando o menor com a sua teoria de que ele é o ômega com quem eles vão se casar. Que ele é perfeito e que seus filhotes vão ser tão lindos como o ômega. 

Edward sabia que Harry se encantou pelo menor assim que o viu, e era por isso que ele sempre falava pelos dois para que Harry não o deixasse escapar um de seus elogios apaixonado. Ontem durante o jantar não sabe como conseguiu sobreviver com tanta bajulação, sua mãe e seu pai ficaram encantados com o paixão que o filho falava do menor. Harry prometeu que logo levaria o ômega para conhecer sua família e Anne não pode ficar mais feliz. Ela sabia o quão era ruim para eles passarem o cio sem um companheiro e ficou feliz que um de seus filhos arrumou um parceiro. 

 
 

.. 

 
 

Durante toda a semana o dia deles continuaram a se seguir como uma rotina, Louis chegava e beijava a bochecha dos gêmeos e conversava um pouco. Depois assistia às aulas e almoçavam juntos e tornavam a assistir às outras aulas. Toda tarde Louis passava estudando sentado em seu sofá, ele deixava sempre de fundo uma música bem baixa enquanto lia e relia suas anotações e fazendo mais anotações. Livros e apostilas que ele havia ganho durante os anos, ou até mesmo que ele havia pego na biblioteca da universidade. 

Louis acordou com o barulho chato de seu celular e se sentou de uma vez se localizando, ele ficou até tarde fazendo uma atividade de biofísica que acabou dormindo no sofá. Olhou ao redor procurando onde estava o aparelho gritante e o achou conectado na tomada carregando do outro lado do sofá. Desligou o mesmo e fora se arrumar para ir a aula. A preguiça do menor era tanta que acabou indo de moletom e tênis pra faculdade, não estava no pique de se arrumar e ele ia para a universidade estudar e não desfilar para alfas desesperados por sexo. 

—Hey, Lou! – Escutou a voz de seu amigo Edward e levantou o rosto para o encarar, ajeitou o óculos que caia na ponta de seu nariz e sorriu para o maior. 

—Oi, meninos! – esperou que ambos chegassem mais perto para cumprimentar eles com o rotineiro beijo. 

—Você tá bem? – Harry já estava ficando preocupado, seu ômega era sempre tão cheio de energia. 

—Yeah, preguiça. – disse corando por admitir tal coisa. Louis escutou Harry suspirar de alívio e ficou confuso. 

—Você tá arrastando o pé. – comentou Edward sorrindo largo. 

—Aham! – Louis disse enquanto eles andavam pelo longo corredor. 

—Tanta preguiça assim? —Harry brincou. 

—Yeah, me levem escravos. – Louis dramatizou e soltou o corpo pra trás sabendo que ambos os alfas estariam de mãos dadas atrás de suas costas e eles o pegaria. Eles seguraram o menor firme enquanto eles iam o empurrando. Louis se deixou relaxar deixando o seu peso cair para os meninos. 

—Quer que eu te leve no colo, babe? – Harry perguntou e Louis sentiu seu rosto esquentar pelo apelido. Ele sabia que não era malicioso, os Styles são os seus amigos fiéis. 

Eles pararam de andar e Lou abriu os olhos para entender o motivo e só aí podendo ver que estavam na porta da sala. 

—Obrigado meninos! – Louis se enterrou no peito de Harry e esticou a mão pra trás e puxou Edward para que eles o abrasassem. —Oh! – Louis gemeu relaxado pelo abraço quente deles. —Vocês são tão quentes! – exclamou feliz pelo carinho confortável. 

—Vamos, Lou, a aula vai começar. – Edward alertou e o ômega negou com a cabeça. —Vamos, não dificulta pra gente. –Harry sorriu quando sentiu a vibração da voz abafada de seu ômega em seu peito. —O que ele disse? – Perguntou Edward confuso. 

—Que só mais dez minutinhos, papai! – Harry riu e Edward bufou. 

—Hey, mocinho. Não sou seu pai, mas eu vou bater nessa sua bunda linda se você não entrar agora naquela sala. 

Os gêmeos escutou o menor bufar e se afastar deles com um bico nos lábios. Riram quando ele saiu marchando para o seu lugar, e antes que os meninos entrassem na sala alguém passou por eles e subindo as escadas para se sentar ao lado do Tomlinson. 

Edward nos seus dezenove anos nunca viu seu irmão tão bravo quanto agora. Harry rosnou alto ao que o garoto tentou se sentar na cadeira que é seu lugar. Edward segurou o pulso do irmão o impedindo de fazer qualquer merda que fosse, apontou com a cabeça para que ele visse que Louis já havia expulsado o cara de seu lugar. 

—Ei, seus bastardos vem logo se sentar. Não sou pago para segurar seus lugares! – Louis falou um pouco alto para que eles escutassem e se movessem para seus assentos. Edward sorriu carinhoso por saber que o ômega não queria ninguém próximo a ele além dos gêmeos. 

—Viu, Harry. Não precisa enlouquecer, seu ômega não vai te abandonar. – Harry virou para encarar o irmão e sorriu ladino. 

—Nosso ômega, e você viu, ele guardou nosso lugar. Ele é tão incrível e maravilhoso, perfeito e aquela voz de sono dele é tão fofa, me faz querer o embalar em meus braços e cuidar dele. – seus olhos brilhavam enquanto ele falava do menor, ele esta tão apaixonado que nada que o ômega fizesse de errado seria feio para ele. 

—Ei, andem logo. Ta muito solidão aqui, tragam essas bundas magras pra cá logo! – birrou fazendo bico e cruzando os braços. — Vocês são meu cobertor humano, andem logo. — gemeu dramatizado. 

Os gêmeos entraram sendo seguidos pelo professor que começou a dar a sua aula. 

As quatro aulas passaram tão rápidas e ao ver do Lou tão lentas, ele queria que acabasse logo para que voltasse pra casa e poder dormir o sono dos deuses. 

—Vamos almoçar? – Ed perguntou baixo quase sussurrando para não assustar o ômega. 

—Não, eu to com preguiça. 

—Louis Tomlinson, você trate de levantar. –Harry ameaçou o mesmo que levantou a testa que estava apoiada na mesa e o encarou. 

—Ou o que? – desafiou o mesmo. 

—Nada! – Harry disse envergonhado, mas ele iria dizer que o encheria de beijos se não levantasse e Edward levantou chamando a atenção dos dois. 

—Vamos logo. 

Esperou que os dois levantassem para o seguir até a praça de alimentação. 

Harry passou o braço na cintura de Louis e Edward por seus ombros. Passaram a caminhar em silêncio até onde eles almoçariam. 

—Hey Lou, não dorme! – pediu Edward brincalhão. 

—Shiuu! Tem gente tentando dormir. – Brincou o ômega e Harry riu, como ele era dramático. Ele não via a hora de Louis ser oficialmente seu ômega para que pudesse mimar ele. 

Chegaram no quiosque vegano e os gêmeos foram buscar os pratos como fazia todo os dias. Louis esperou paciente com a testa encostada na mesa, ele poderia dormir fácil. Era só o deixar sozinho e em silêncio por alguns minutos e ele dormiria. 

—Pequeno? – Lou sentiu sua costela ser cutucada e levantou a cabeça para encarar Harry. —Vamos comer, aí eu deixo você dormir. – sugeriu e Louis se sentou para comer. 

Porém o que Louis não esperava era que os gêmeos queria o alimentar na boca, ele nem se lembra quando foi a última vez que alguém deu comida na boca pra ele; talvez quando ele era pequeno e sua mãe o ajuda a comer. 

—Eu sei comer sozinho! – Repreendeu e antes que falasse qualquer outra coisa, Harry levou um garfo com comida até sua boca. 

—Abre a boca! – Louis não poderia concordar com isso, por isso negou com a cabeça e cruzou os braços bravo. —Vamos lá, Pequeno Tommo. Abre a boca! – Louis continuou com a sua birra e os Styles se encararam chateados. 

Eles só queriam que seu ômega ficasse bem e comesse. Era só isso. 

—Tudo bem! – Harry e Edward se sentaram corretamente em suas cadeiras se virando para o prato de comida, deixando que o Lou comesse sozinho. O mesmo olhou para os gêmeos e se sentiu mal quando viu que eles estavam chateados. Mas não era por mal, ele sabe comer sozinho e não precisava que seus amigos o alimentasse. 

—Não fiquem chateados comigo, eu só não preciso de babá. Eu sei que é do instinto de vocês cuidarem dos ômegas, mas eu não preciso. – Louis não percebeu, mas o que ele disse deixou os alfas mais chateados do que já estavam. 


Notas Finais


Se tiver erros me desculpe foi escrito por celular :D


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...