História Kitten (Lolicon) - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook
Tags Baby Girl, Bts, Daddy Kink, Incesto, Jimin, Jungkook
Exibições 115
Palavras 600
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Hentai, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - Capítulo Um: Professor Park.


Fanfic / Fanfiction Kitten (Lolicon) - Capítulo 2 - Capítulo Um: Professor Park.

 

Quatorze anos atrás

 

   Os indícios de meus desejos despontaram fortemente quando entrei na casa dos vinte anos. As garotas de minha faculdade insistiam de todas as formas e insinuavam-se para mim de todas as maneiras apenas por uma noite de foda, eu não negava, embora aquilo não trouxesse-me prazer algum.

  Eu tentava focar em meus estudos, era tudo que eu fazia, mas ao final de cada tarde eu me encontrava escondido entre os arbustos da Escola Preparatória para Garotas, assistindo-as brincarem umas com as outras, com seus uniformes de cor azul, e não deixava de imaginá-las antes de dormir. Uma a uma.

  Por muitas vezes eu me odiei, e por muitas vezes quis dar um fim àquela tortura, mas eu sempre fui um homem fraco: agora e antes. A maioria dos meus colegas não desconfiava de meus desejos impuros, sempre comentavam comigo sobre uma garota ou outra que haviam ficado ou levado para sair, eu esforçava-me para parecer interessado, mas eu pouco me importava.

  Os anos de curso passaram rapidamente, aos vinte e cinco anos eu era um professor de Literatura formado por uma boa instituição, mesmo a contragosto de papai segui aquilo que desejava fazer de todo meu coração: Lecionar.

   Passei alguns anos ensinando em uma pequena escola na cidade, uma turma mista e repleta de adolescentes imbecis. Certo dia, perdi a cabeça com um deles e junto com isso, meu emprego também. Eu não estava preocupado.

       Iniciei minha carreira como professor particular, primeiramente para um rapazinho com autismo, seu nome era Clauss, de alguma forma nos dávamos bem, mas o garoto costumava fazer comentário aterrorizantes ao meu respeito.

   Certa tarde, ao chegar até sua casa para mais um dia de aula, me deparei com Clauss escrevendo algo em seu caderno escolar, aproximei-me do pequeno para ler seus rabiscos. Meu coração colapsou.

   “ Professor Park gosta de garotinhas.” A letra cursiva e a tinta fresca não negavam que o próprio Clauss havia escrito aquelas palavras. Como ele poderia saber? Ah, caro leitor, eu faço-me essa pergunta todos os dias.

  Na mesma tarde pedi demissão de meu emprego como professor particular de Clauss, juntei todas as tralhas que ainda me restavam e retirei-me daquele país. Daquela forma seria melhor, talvez as coisas estivessem sem controle demais.

        Uma vaga como professor particular surgiu no interior da Inglaterra, longe o suficiente para me fazer esquecer os acontecimentos obscuros de minha vida, e daquela criança devota do mal.

   Aceitei sem pensar duas vezes.

Seria professor de dois irmãos, filhos de um magnata coreano: Jeon Jung.

 O salário era melhor do que o esperado, provavelmente as duas crianças eram tão imbecis quanto meus antigos alunos. Era o que eu pensava e gostaria de acreditar.

      Peguei o vôo na mesma semana e enfiei-me em um pequeno apartamento que cheirava a mofo no centro da pequena cidade gelada.

   Era um sábado a tarde e no domingo iria até a residência da família Jeon para conhecer meus afortunados alunos.

  Por alguma razão, naquela noite, vasculhei a internet a procura de endereços de escolas para garotas, anotei todos eles em meu diário com capa dura de couro, como seriam as garotas inglesas? Minha mente instantaneamente criou a imagem de uma garotinha de cabelos loiros, enormes olhos azuis e uniforme vermelho e cinza, chamando por meu nome…

  — Professor Park, eu gosto de você. Dizia sua voz doce em minha mente, repetidas vezes. Em poucos minutos, uma de minhas mãos já estava preenchendo minhas calças, movimentando meu membro firmemente, imaginando aquela pequena figura a chamar meu nome, despir-se para mim, clamar por meu toque… Ensandecida.

   Eu era completamente doente. Completamente.












 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...