História Knock On The Past Door - Capítulo 54


Escrita por: ~ e ~Gaby_Rose

Postado
Categorias Guns N' Roses
Personagens Axl Rose, Duff Mckagan, Izzy Stradlin, Slash, Steven Adler
Tags Akatsuki, Aventura, Guns N' Roses, Romance
Visualizações 47
Palavras 4.519
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Famí­lia, Misticismo, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Bitch aqui-> É só eu ler uns comentários antigos que dá a nostalgia.. Achei que nem sabia mais mexer aqui haha mas enfim, deu a louca no cy e só vim

Capítulo 54 - Axl is not dangerous


POV-Gaby

Acordei me mexendo na cama. Não tinha aberto meus olhos ainda, apenas estava me espreguiçando até que bati minha mão em alguém. Tirei a minha mão rapidamente, pois a verdade era que eu não sabia o que tinha acontecido comigo na noite passada. Assim que abri meus olhos para ver quem era, tomei um susto. Era ELE de novo, eu havia dormido com Slash de novo enquanto eu estava bêbada.

Elevei minhas mãos aos meus cabelos, procurando minhas roupas. Acabei achando minha calcinha e sutiã pelo chão. Enquanto me vestia pensava em como meu subconsciente é perturbado e vadio. Assim que terminei de abotoar o sutiã comecei a ver tudo girar e minha boca salivar cada vez mais. Meu corpo fez um movimento para frente como se eu fosse vomitar.

Na mesma hora, corri para o banheiro do quarto do moreno sem pensar e comecei a colocar tudo para fora. Não tinha dúvida, era os efeitos da heroína misturados com a bebida. A minha cabeça começava a latejar enquanto eu colocava tudo pra fora.

 Já estava colocando até a bile para fora quando senti alguém tocando em meus cabelos, os segurando para trás. Era o moreno, que passava a mão em minhas costas, me fazendo carinho.

-E eu achava que você era forte para bebida –Ele falou soltando uma risada gostosa.

-Não foi bem a bebida... –Falei tentando me recompor

-Hã? –Ele perguntou. Merda! Eu havia falado demais.

-Nada. Agora sai! Não precisa ver isso!

-E deixar você sozinha? Mal se aguenta em pé! –Ele falou me levantando –Vem aqui.

Ele me foi me guiando, e me pediu para sentar na cama. Não sabia direito o que estava acontecendo. Ele estava sendo tão gentil comigo, tão preocupado.

-Fica aqui sentadinha. Eu já volto –Ele falou rápido e então correu para fora do quarto.

Fiquei pensando no que ele poderia estar fazendo. Mas apenas ele estar sendo gentil comigo era especial. Ele estava tão preocupado comigo que era até engraçado. Depois de um tempo, Slash voltou com umas roupas na mão.

-O que é isso? –Perguntei curiosa.

-São suas roupas.

-Mexeu nas minhas roupas? –Me levantei rápido e acabei me desequilibrando e quase caindo, mas Slash correu e me segurou.

-Vai com calma, desastrada. Tem que se levantar devagar... –Ele falou ainda comigo em seus braços –Agora toma essas roupas. Vai tomar um banho, talvez você melhore um pouco. Enquanto isso eu preparo alguma coisa para você comer.

-Não precisa fazer nada.

-Claro que sim! Agora vai entra logo nesse banheiro –Ele falou meio que empurrando.

****

Assim que sai, me sentia um pouco melhor, bem que Slash me falou isso. Mas tudo melhorou mesmo quando vi Slash segurando uma bandeja com uns sanduiches e suco. Ele estava sentado na cama junto com as coisas.

-Se sente melhor? –Ele perguntou

-Sim. Muito!

-Otimo! Agora vem aqui, você precisa comer –Ele falou me puxando até a cama e me dando um sanduiche.

-Não precisava disso... –Falei meio tímida.

-Claro que precisava! Você está fraca, acho que não come desde a hora que o show começou ontem. Deve ser por isso que está tão fraca. –Ele explicou.

-É, talvez seja... Obrigada, Saul –Falei sorrindo para ele.

-Não agradeça, apenas coma. –Ele falou enquanto me olhava começar a comer –Só não entendo, já vi você beber muito mais e não ficar tão mal como está. Você tomou ou usou alguma coisa ontem?

-O que? Não! –Neguei rapidamente.

-Hm.. Mas de qualquer jeito é estranho.

-Esquece isso! Eu estou bem melhor agora graças a você. Mas, por que está sendo tão legal comigo?

-Ah, eu sei como é ficar mal como você ficou. Quero apenas cuidar de você, afinal, você é diferente.

-Diferente?

-É. Mas acho melhor esquecer. Talvez seja muito cedo e não deve ser o momento certo. –Ele começou a mudar de assunto.

-Muito cedo? Acho que já temos intimidade o suficiente. Por que tipo..? –Falei me referindo a noite passada que tivemos. –Conte logo.

Slash sorriu tímido.

-Tudo bem. Mas não fique estranha comigo, quero muito que nos demos bem como estamos nos dando agora. É que você é especial. Tem algo que só você mesma tem, acho que é isso que me faz gostar cada vez mais de você, ruiva. –Ele falou olhando nos meus olhos.

-Você gosta de mim? –Perguntei  meio confusa.

-Na verdade, eu gostei de você desde a hora que eu te vi. Você me chamou atenção. Mas por alguma ironia acabamos nos distanciando e agora você está com o Neil, mas eu não consigo parar de pensar em você mesmo eu estando com Yvonne... Mas como eu disse antes, esquece!

Ele se declara para mim e depois me manda esquecer? O que? Slash está doido? Ele não poderia estar bêbado, ne? Acabou de acordar! Pessoas não acordam bêbados!

-O que você falou?

-Esqueça, Gaby. Come aí que é melhor. –Ele falou mudando de assunto.

-Não.. –Falei olhando nos olhos dele –Cara, você é meu ídolo. Você não pode simplesmente falar que não para de pensar em mim e pedir para esquecer! Eu não vou esquecer, muito menos ficar estranha. Por que eu sinto a mesma coisa! Mesmo com o Vince, as vezes eu me pego pensando em você.

-Isso é serio? Por que muitas vezes quando eu estou com a Yvonne, eu penso em você também, e isso me assusta um pouco. Eu até tentei ser frio e me afastar de você, mas não deu certo.

-Então por isso você andava tão estranho? –Perguntei com minha cabeça a mil.

-É. Eu não sei o que fazer. Mas eu estou surpreso que você sinta o mesmo. –Ele pareceu bem animado ao falar isso. Apesar do nervosismo aparente dele, se bem que eu não podia falar nada, uma vez que eu sentia o mesmo.

-Eu que estou surpresa! Não sei o que falar, Saul! –Eu estava tão nervosa que nem tinha mais controle dos meus dedos que tremiam.

-Não precisa falar nada, só de saber que você sente algo por mim já me deixa... Estranhamente bem! Mas a pergunta é: Como a gente fica? –Ele perguntou.

-Eu não sei, tá tudo muito confuso para mim! –Falei com um sorriso.

-Para mim também.  Mas de qualquer forma, agora que eu sei o que você sente de verdade por mim, vai ficar meio difícil para você se livrar de mim, ruiva.

-Calma, moreno –Falei rindo –Nunca vou querer me livrar de você. Mesmo você me deixando louco como está agora!

-Mas você não vai terminar com a Yvonne, ou vai? –Perguntei –Por que não sei se eu teria coragem de fazer isso com o Vince...

A verdade era que eu tinha medo de como eu ficaria sem a minha heroína. Vince era o cara perfeito, mas ele não era o Slash. Eu sempre fui atraída pelo Slash e sempre falei que faria de tudo por ele. E agora que eu sabia dos seus sentimentos, lutaria por ele até o fim, se o moreno permitisse.

-Eles não precisam saber da gente. –Ele falou desviando o olhar. Aquilo fez disparar ainda mais meu coração. Tudo estava muito louco. 

-Você diz então, para continuarmos com eles...

-... Mas sem abrir mão de nos dois. –Slash completou. –Lógico que isso ficaria apenas entre nós dois. Para segurança do nosso segredo.

 

POV-Cherry

Acordei com um sorriso no rosto por saber do lugar onde eu estava: Na cama do Axl, como recentemente. Mas assim que fui me levantar, fui impedida. Eu ainda amarrada na cama desde a noite passada. Eu tentei me mexer para tentar sair, mas não havia a mínima chance. Axl gostava de algemas fortes.

Pensei em gritar, mas sabia que qualquer um poderia ver e meu plano de ser amante do Axl, iria por água abaixo. Com certeza ele escolheria a Erin. E eu não conseguiria suportar perder ele, uma vez que eu o tenho.

Analisei bem a minha situação. Eu estava nua, com o lençol cobrindo apenas da minha cintura para baixo. Ou seja, meus seios estavam à mostra. Ou eu faria alguma coisa, ou teria que ficar ali até que alguém aparecesse. E esse Alguém poderia não ser o Axl. Tentei levantar apenas meu tronco e fui me virando para achar uma boa posição, mas apenas piorei tudo. Acabou que eu fiquei de quatro, com meus braços fazendo um sinal de X. E o pior, o lençol caiu, me deixando totalmente despida.  

-Não... –Resmunguei. –Como eu posso ser tão idiota?

Foi então que eu ouvi o barulho da porta abrir, mas não era a porta do quarto. Era a porta do banheiro. Provavelmente era o Axl que estava saindo de lá. Dava para sentir o cheiro do seu shampoo recém-passado se espalhando pelo quarto.

-Isso é algum tipo de presente para mim? –Ouvi a voz do ruivo. Até imaginei a cena que ele encontrou. Eu estava praticamente empinada para ele.

-Pode me ajudar? –Perguntei inocente –Não  consigo sair. Você esqueceu-se de destrancar ontem.

Ouvi Axl rir. Ele estava se divertindo em me ver daquele jeito. Ele veio para o meu lado e percebi que ele estava apenas de toalha, o que me deixou extasiada.

-Primeiro me deixa te tirar dessa posição. –Ele falou enquanto ria. Axl me ajudou a ficar deitada novamente. Demorou um pouco, mas ele conseguiu me deixar direito

-Melhor? –Axl perguntou enquanto me dava um beijo na testa –Agora espera que eu vou pegar a chave. 

 -Não sei como que eu consegui dormir com minhas mãos presas na cama... –Comentei enquanto Axl ia atrás da chave.

-Simples, você estava exausta demais para notar que estava amarrada! –Axl respondeu dando de ombros com um sorriso divertido nos lábios.

-Eu estava tão exausta assim? –Perguntei meio assustada.

 -Não lembra? Você mesma que falou para eu não parar até você apagar de exaustão –Ele explicou, me fazendo ficar vermelha.

A verdade era que eu não me lembrava de ter falado aquilo. Me lembrava de ficar muito louca com o Axl na cama, mas isso... Se bem que é normal eu falar uma coisa dessas.

-Me lembro de nós dois juntos... Mas não me lembro de ter falado isso. –Expliquei.

-Foi quando você já estava meio cansada e eu resolvi usar a língua para... Ah, você sabe! –Axl falou rindo.

Comecei a me lembrar. Axl falou que queria me presentear pelo show. Eu estava cansada, mas não consegui negar aquele pedido do Axl. O ruivo virava outra pessoa quando usava a língua. O mais incrível era que ele não cansava. Não me lembro dele parar de chupar ontem, acho que, como ele falou, eu realmente desmaiei de exaustão. Axl havia me dado prazer até eu dormir.

-Você é perfeito, Axl Rose. –Sussurrei para mim mesma enquanto via ele mexendo impaciente em na gaveta.

-MERDA! A chave não está aqui... –Axl falou.

-Como assim? –Perguntei meio preocupada.

-Pode ficar tranquila, meu doce. Vou achar a chave. –Ele falou passando a mão no meu rosto.

-Axl... Por favor, não me fala que você perdeu a chave.–Falei puxando minhas mãos cada vez mais.

-O que? Que nada! Eu não perdi, apenas não sei onde está. –Ele falou tranquilo.

-Você perdeu!

-Você não me ouviu? Eu apenas não sei onde está! Eu vou achar –Ele falava calmo, que era o único calmo ali. Por que eu não parava de pensar em ficar presa naquele lugar. Tudo estava muito louco e Axl apenas estava me deixando mais louca. 

Ele fechava os olhos tentando lembrar, revirava as coisas e nada. Axl não estava achando a chave e minhas mãos já doíam de tanto ficar puxando aquelas algemas, não puxava por que queria, o nervosismo estava fazendo aquilo comigo.

-PARA COM ISSO! –Axl gritou comigo para parar de ficar puxando meus braços, fazendo as algemas se chocarem contra meus pulsos já vermelhos.

-NÃO! EU TO NERVOSA E VOCÊ NÃO ESTÁ AJUDANDO NADA! –Gritei de volta puxando meu braço de novo, só que mais forte e várias vezes repetidas.

Foi então que eu senti o toque do Axl segurando meus braços com força. Ele tinha um olhar de preocupação misturado com raiva no olhar.

-Assim você está se machucando. –Ele falou sério. –Não faz isso... Por favor. Eu vou te tirar daí.

Ele então subiu em cima da cama e sentou em cima do meu quadril, colocando uma perna de cada lado. Parecia que havíamos invertido as posições. Eu fiquei olhando confusa enquanto Axl continuava serio, pensando em alguma coisa.

-O que está fazendo? –Perguntei.

-Vamos refazer a cena de ontem. –Ele explicou.

-Axl, eu não quero transar agora. Eu estou desesperada para sair daqui.

-Não falo disso, sua boba. –Ele disse revirando os olhos –Eu estou falando para tentarmos lembrar juntos o que aconteceu com essa chave.

-Eu estava tão louca que não vou me lembrar de nada. –Falei bufando.

-Tenta lembrar. Você não quer sair daí?

-Quero, mas...

-Mas nada! Agora me ajuda. –Ele ficou meio pensativo e logo começou a falar –Nos chegamos e você começou a me atacar...

-EU?! –Gritei indignada.

-Shiu! Eu estou falando, você cala a boca! –Ele me cortou e continuou a falar. –Bem, então, assim que a gente entrou no quarto, fui buscar as algemas, porque... Bem, sinceramente? Eu gosto de ver você submissa.

Por um lado, eu acreditava que ele era daquele jeito, por outro, eu não conseguia imaginar que ele era tão cara de pau ao ponto de falar uma coisa dessas. Eu apenas observava ele repassando a cena dentro daquela mente perturbada.

-Você estava animada como sempre, mas eu não havia te prendido ainda, você estava apenas deitada, parada por uma ordem minha. Então eu comecei a tirar sua roupa devagar... –Ele então deu uma risada meio tímida.

-O que foi? –Perguntei por que dele rir.

-É que eu queria prestar atenção em cada parte do seu corpo. Serio, Cherry, dava para fazer uma musica vendo como as roupas deslizavam pelas suas curvas. –Ele falou enquanto começava a passar a mão meu quadril, subindo para a minha cintura e quase chegando aos meus seios, que ainda estavam nus. Eu adorava qualquer momento que eu tinha com o ruivo, mas não era hora para isso.

-Axl! Foco! –Falei séria.

-Tá, lembro que assim que eu tive seu corpo livre apenas para mim, comecei a usar as algemas. E como eu estava de roupa ainda, coloquei dentro do bolso da minha calça... –Ele falou pulando para fora da cama e indo atrás da chave.

O problema era que eu pensei que ele iria buscar a chave na calça que eu havia deixado no quarto, mas não. Axl saiu do quarto, ainda apenas de toalha, e o pior: Deixou a porta aberta. Eu estava nua e amarrada na cama. Nosso caso era segredo e parecia que Axl queria deixa-lo público. Não que não quisesse que ele me apresentasse como namorada dele, mas o problema era que não era daquele jeito que eu queria que os outros soubessem. Eu não poderia gritar, afinal, isso só iria chamar o povo.

E não sabia que horas eram. Então poderia aparecer alguém a qualquer momento. O lençol que me cobria, estava no canto da cama. Eu estava bolando meu plano para tentar pegar. Me esticava para tentar pegar com meus pés, mas não alcançava. Quando finalmente consegui encostar no tecido ouvi uma voz que me fez tremer.

-Cherry? –Era o Izzy. Que me olhava da porta do quarto. –Por favor, não me diga que... De novo?

Depois da Gaby, só havia mais uma pessoa que eu tinha um medo eterno de descobrir do meu caso com o Axl: O Izzy. Por quê? Por que eu não sei o que o Izzy tem, acho que é Karma. Sempre que ele aparece quando está só eu e o Axl, o ruivo fica estranho e acaba me trocando pela Erin.  Eu não aguentaria ser trocada agora, não depois de ter chegado tão longe.

-Fecha essa porta e sai daqui! –Falei entre dentes com fúria no meu olhar. Eu tenho arrepiada só de pensar em como estava minha expressão naquele momento. O albino apenas fechou rápido e acho que se mandou dali. Não sou muito hostil, mas pensar em ficar sem o Axl me deixava assim. Eu não iria perde-lo.

Depois de poucos minutos, Axl voltou. Ele tinha uma expressão confusa quando entrou que me fez gelar. Será que o Izzy falou alguma coisa?

-Por que a porta está fechada? Se não me engano eu deixei aberta.  –Axl falou confuso.

-Er... Foi o vento. –Menti descaradamente.

-Mas, as janelas estão fechadas.

-O vento do corredor, Axl! Agora chega de perguntas, me tira daqui! –Falei mudando de assunto. Ele pareceu esquecer também.

O ruivo me soltou logo. Então eu me sentei na cama, passando minha mão pelos meus pulsos, não acreditando que enfim estava livre. Axl se sentou na minha frente e então pegou minha mão e a acariciou.

-Desculpe por isso. –Ele falou de maneira doce. 

-Está tudo bem, Axl. Eu estou solta agora, isso que importa –Falei rindo.

POV-Hayle

-Eu preciso mesmo? –Eu perguntava manhosa para o Duff.

-Claro! Ele merece uma resposta. –Ele me respondia sério.

-Ah, vocês nem são tão amigos assim!

-O que? Mas ele virou meu semelhante ao ser enganado do mesmo jeito que eu!

-Isso tudo é para me fazer sentir mal? Por que se for, tá funcionando!

Eu estava na sala da Hell House junto com Duff. Ele havia ligado para o Tommy vir, pois iria ter que conversar com os dois. Duff disse que era para eu agir como uma mulher decente e consertar as coisas que eu fiz. Ou seja, deveria pedir desculpas para o Tommy.

-Duff, isso é tão vergonhoso. O que eu vou falar? –Eu me levantei frustrada –“ Olha, me desculpa se eu estava com os dois ao mesmo tempo. É que eu gosto de várias opções.”

-Foi por isso que ficou com os dois ao mesmo tempo? –Ele perguntou confuso.

-NÃO! –Falei com raiva. –Não gosto de ficar me explicando. Merda!

Eu estava tão frustrada que chutei a perna da mesinha que ficava no canto da sala. Na mesinha tinha algumas coisas quebráveis que acabaram caindo e quebrando. Arregalei meus olhos assim que vi aqueles cacos no chão. Não era para aquelas coisas caírem.

-Vai quebrar a casa mesmo? –Duff perguntou.

-Isso é culpa sua. –Falei e sai da sala. Indo para a cozinha para pensar um pouco sobre o que eu iria fazer. Eu acho que não aguentaria ver a carinha do Tommy. Ele deve estar decepcionado comigo. Muito decepcionado.

Ouvi a campainha tocar. Eu tinha que pensar logo. Bem, indo me encontrar com Tommy e resolver rápido seria uma opção bem mais fácil. Mas não, não para mim. Passar por cima do meu orgulho é meio complicado, Duff havia conseguido isso na noite passada. Mas agora, ele estava querendo demais.

-Hayle! Vem aqui! –Ouvi Duff chamar.

Ah, mas eu não ia mesmo. Olhei para os lados. Vi a porta da dispensa e vi uma janela. Corri até a janela e a abri. Mas não pulei, aquilo era apenas para despistar. Eu sabia enganar muito bem, era anos e anos de prática. Assim que abri, corri para a despensa e me tranquei lá. Assim que me virei, vi a cena mais linda do mundo. Estava cheia de bebidas. Eu ficaria ali por um booom tempo.

POV-Duff

A Hayle foi até a cozinha. Acho que foi para ficar um pouco sozinha. Eu sabia que para ela era meio complicado, uma vez que ela era muito orgulhosa... Mas não a culpo. Enquanto ela estava lá, a campainha tocou. Eu já havia chamado a Hayle e fui atender enquanto ela não vinha.

-Oi man. –Falei abrindo a porta.

-Hey! A Hay está mesmo disposta a conversar? –Ele perguntou ainda estranhando.

Bem, digamos que eu menti um pouco quando eu fui chamar o Lee. Eu falei que a Hayle queria conversar com nós dois para resolver as coisas e ela estava muito decidida com isso. Pois ela queria mesmo resolver. Tá, tudo isso é mentira. Mas eu queria pelo menos fazer ela encarar os problemas de frente.

-Claro! Vamos lá para o estúdio para podermos conversar melhor. –Falei acompanhando ele até o estúdio. Mas não sem antes gritar para a Hayle que estávamos lá.

Chegando lá, ele ficou dando uma olhada no estúdio e conversamos sobre musica e variados assuntos. Lee era um cara muito legal e divertido. Eu entendo o porquê da Hayle não querer magoa-lo. Enfim, passou-se muito tempo e nada da Hayle chegar.

-Man, tem certeza que ela ouviu você chamando ela? Melhor você ir busca-la. –Tommy falou.

-Tá bom, eu vou lá. Já volto.

Desci as escadas pensando o que ela ainda estaria fazendo na cozinha. Mas quando eu entrei no cômodo, vi que não tinha nenhuma Hayle lá. A janela estava meio aberta, mas tentei não pensar de primeiro que ela havia escapado. Subi para meu quarto, vi os outros quartos e nada. Pelo visto, ela havia mesmo escapado.

Respirei fundo e comecei a pensar sobre os lugares que ela pode ter ido. Por um momento, até me preocupei, mas sei bem que ela sabe se virar. Ela sempre mostrou ser muito independente e inteligente para lidar com qualquer situação. Ela iria voltar, e quando voltasse, iriamos bater um papo. Mas agora o que me preocupava era Lee. O cara havia ficado sozinho de novo, e isso não era legal.

Subi para o estúdio sem a Hayle. Ela havia deixado para eu dispensar o cara.

-Man, eu preciso te contar uma coisa... –Comecei entrando no estúdio.

-Ela aprontou alguma coisa, não é? –Ele perguntou rindo.

-É.

-Cara, tudo bem. Ela deve estar se sentindo pressionada. –Ele falou dando de ombros com um sorriso. –Apenas fala para ela que eu não tenho ressentimentos, ela é uma garota legal e como não deu certo, bola para frente. Se ela quiser escolher você, tudo bem. Se me quiser, tudo bem! Se quiser outro além de nós, tudo bem! Fale para ela que somos amigos agora.

-Pode deixar. –Falei meio estranho com as palavras que Tommy disse. Ele é um cara maneiro.

-Enfim, agora eu já vou. Eu não quero saber, mas tomara que ela não tenha aprontando muito com você. –Ele disse enquanto saíamos do estúdio.

-Ah, acho que eu tenho que começar a me acostumar. –Falei bufando pensando no lugar aonde ela poderia estar.

 

POV-Cherry

Era quase de noite. Axl tinha saído para visitar a Erin. Já Gaby e Slash eram uns que eu não vi até agora, provavelmente eles estavam na casa dos seus respectivos namorados. Steven estava sumido desde o show, coisa que eu fiquei muito preocupada. Mas quando eu comentei isso com o Axl, ele me mandou para de me preocupar tanto com os meninos.

Já o Duff estava rodando a casa toda atrás de alguma coisa. Não entendi qual é a dele. Talvez ele e a Hay estivessem brincando de pique-esconde! Por que também não vi muito ela hoje. Mas uma pessoa que eu necessitava ver era aquele albino! E seria agora.

Achei Izzy no estúdio, acho que ele estava fazendo a mixagem de alguma musica. Mas mesmo assim eu iria atrapalhar ele, o que eu iria falar era mais importante.

-Ei! Larga isso agora. Eu preciso falar com você. –Fui entrando assim.

-Boa noite para você também, Cherry. –Ele falou revirando os olhos.

-Que seja, eu preciso falar mesmo com você, agora presta atenção!

Ele então parou me mexer nos aparelhos e olhou para mim dando uma tragada no cigarro que ele tinha na boca.

-O que o brinquedinho novo do Axl quer falar comigo? –Ele perguntou.

-Não sou o brinquedinho novo do Axl!

-Ah não? Eu já percebi, Cherry. Ele manda, você obedece. Parece um robozinho sexual.

Okay, ele estava pegando pesado. Mas eu também sabia brincar.

-Não é assim. Ele me ama!

-Ele que te disse isso? –Ele perguntou dando uma risada logo em seguida. –Você é tão iludida, Sweet Cherry. Tanto que das ultimas vezes não deu certo. Ele dorme com você e te larga.

-Não deu certo por sua culpa! –Falei apontando para ele.

-Minha culpa?

-Claro! Você sempre entrava no quarto fazendo algum comentário sobre a Erin ou algo do tipo! Além disso, acho que ele deve ter vergonha de demonstrar os sentimentos na frente de vocês.

-Cherry, Axl não tem sentimentos. Se ele tem, são os mínimos possíveis.

-É, igual a você! –Praticamente cuspi as palavras.

-Olha aqui, garota! Eu estou tentando te ajudar, tá legal?

-Eu estou apenas defendendo quem eu amo! –Falei dando de ombros.

-Como você pode amar alguém que nem te ama! Além do mais, o que você sabe de amor?! Nada.

-Eu sei muita coisa! E quanto ao Axl, estamos quase oficialmente juntos, se quer saber!

-Ah é? E onde ele está? Quero ouvir isso da boca do ruivo. –Ele perguntou com um sorriso nos lábios.

-Ele está na casa da Erin, mas... –Eu acabei me atrapalhando com as palavras. –Tá, ele ainda está com a Erin, mas ele mesmo falou que não consegue decidir, mas tem fortes sentimentos por mim. Somos tipo amantes agora.

Fiquei esperando algum comentário engraçadinho vindo do Izzy. Mas não veio nenhum. Ele simplesmente arqueou a sobrancelha junto com um movimento com a mão para eu continuar falando.

-Tá. E isso é segredo. Ou seja, o que você viu no quarto dele hoje de manhã... Não comente nem para ele que você viu. Eu estou te pedindo. –Falei com calma. Ser hostil não iria funcionar, tive que apelar para ser doce.

-Olha, Cherry. Não sou tão mal assim, não vou contar para ninguém. Afinal, não é da minha conta, apenas acho que você muito melhor que isso, garota. Eu conheço o Axl a muito tempo e ele não é santo. Ouça, ele é perigoso, de todas as formas possíveis. Sei que você é fã dele, então você sabe bem como ele é e o que ele é.

Izzy estava se referindo aos transtornos do Axl. Eu sabia que ele tinha isso, mas não acho que ele faria mal a mim. Ele me ama, ele mesmo falou isso! Eu confio no Axl.

-Obrigada pelo alerta, Iz. Eu sei de tudo isso que você falou. Mas, Axl não é perigoso. –Falei sorrindo.

-Se você diz...

 

POV-Duff

Eu ainda procurava a Hayle por vários lugares. Já havia escurecido e ela não havia chegado. Voltei para cozinha, onde eu tenho quase certeza que foi por onde ela escapou. Fiquei sentado na mesa pensando nas possibilidades. Foi então que eu ouvi uns barulhos de vidro batendo vindo da dispensa. Aquilo era estranho. Será que alguma bebida caiu sozinha?

Na minha mente passava várias coisas, incluindo o pensamento de que a casa era mal assombrada. Enfim, mas recolhi a coragem que eu tenho e fui até a dispensa, para abrir e ver o que havia lá.

Segurei a maçaneta e respirei fundo. Contei até três e então abri rápido. O que eu vi lá era quase tão pior que uma assombração. Hayle estava lá dentro cercada de algumas garrafas de bebidas.

-Heheheey, Duff! –Ela falou com a voz meio grogue. 


Notas Finais


Heheheey o que acharam ~Eu não vou mentir, não revisei o cap não. prevejo umas possíveis broncas, mas to louca mesmo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...