História Know Yourself - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Hailey Rhode Baldwin, Justin Bieber
Personagens Chaz Somers, Christian Beadles, Hailey Baldwin, Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Kendall Jenner, Kylie Jenner, Ryan Butler, Selena Gomez, Tyga
Tags Contrato, Hailey Baldwin, Hailey Rhode Baldwin, Justin Bieber, Know Yourself, Marketing, Modelo
Visualizações 934
Palavras 3.012
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


CHEGUEI MEUS AMORES
Eu to postando muito, SO CO RRO
Minhas férias estão chegando (se eu não ficar de recuperação) então vai ter bastante capítulo.
Eu fiquei MUITO feliz com os comentários de vocês, e isso só me incentiva mais e mais á escrever KY.
Enfim, boa leitura.
E PIREM MUITO.

Capítulo 10 - Chapter Ten


                                                                            Justin Bieber

 

O meu objetivo naquela noite não era beijá-la, muito menos ver ela ficar envergonhada e se afastar um pouco de mim. Hailey me atraía, isso eu não podia negar de jeito nenhum, e por um mísero segundo, do qual eu iria brincar que iria beijá-la, ela conseguiu me hipnotizar, e eu não consegui me conter. Por um momento encarando seus olhos castanhos-avelã não consegui não me sentir atraído mais ainda por ela, e estava claro em sua feição que ela queria o mesmo que eu.

E desde que eu ganhei o seu perdão de uma das melhores formas que eu poderia fazer para tê-lo de volta, eu não paro de pensar nisso. Não paro de pensar em seus lábios colados nos meus e a forma que ela me puxava para ela como se me quisesse só para ela. E isso está me deixando louco, me deixando paranoico, ainda mais quando ela não me responde na maioria das vezes.

Me levantei da poltrona preta de couro entediado, estava esperando Scooter terminar de resolver os toques finais do Purpose que vai sair daqui á duas semanas. Eu confesso que estou ansioso demais, e minhas doses de Adderall foram dobradas, o que me faz ficar mais lesado que eu ficava.

Já estava ficando tarde e eu estava me estressando até com os barulhos do ponteiro do relógio na parede da sala de reunião. Bufei frustrado e me joguei na cadeira novamente, vendo Scooter adentrar a sala com uns papéis na mão. 

— Como anda com a Hailey? — Ele perguntou me olhando, fazendo-me encarar seu rosto, franzi o cenho e ele continuou me encarando. 

— Estamos bem — Menti, sabendo que minha relação com Hailey estava mais estranha do que nunca.

— Não a acho tão boa assim — Scooter murmurou e eu o encarei franzindo a minha testa. 

— Eu me sinto bem com ela, eu tenho que a achar boa ou não, e se tem uma coisa que Hailey é, é ser boa, em todos os sentidos — Me levantei pegando os papéis da sua mão, assinando em todos os lugares que tinha que assinar. — Não implique com ela — O olhei e ele levantou suas mãos em forma de rendimento.

Saí do estúdio com sendo perseguido por um grupo de paparazzis, Hugo me acompanhava, pedindo para os homens com as câmeras se afastarem e me respeitarem. 

Se tinha uma coisa que eu odiava era quando falavam de alguém que eu amo, eu sinceramente não gosto dessa implicância toda de Scooter com Hailey, e eu ficava puto com o jeito que ele falava dela sem ao menos conhecer a mesma. 

Hailey não tinha respondido nenhuma mensagem minha, e isso me deixava frustrado.

Entrei no carro preto com Hugo e o mesmo tomou o lugar do motorista, me encostei na janela do carro e suspirei inquieto, vendo ele me olhar. 

— Tem uns dias que eu não te vejo com a loirinha — Ele falou voltando seu olhar para as ruas. 

— Prefiro não falar sobre isso — Falei sério e ele assentiu com a cabeça. 

Hugo me levou diretamente para o hotel onde eu estava morando esses últimos tempos. É exaustivo ficar trocando de hotel toda hora, não ter minha própria casa por eu estar quase entrando em turnê, ainda mais quando tenho que deixar Esther com Lil Za na casa dele. 

Scooter disse que a equipe está procurando um lugar seguro, uma casa um pouco mais distante, mas não tão distante do estúdio.

Entrei no elevador sozinho e subi para o meu quarto, adentrei o mesmo tirando o meu tênis, me jogando na minha cama. Não tinha sinal de vida de Hailey, e muito menos de Kendall e Kylie que sempre me informavam sobre ela. 

Decidi descer para beber um pouco, afinal, eu estava estressado e precisava relaxar. Troquei de roupa rapidamente e desci novamente, indo direto para o restaurante. 

Tinha um grupo de quatro mulheres, e todas sussurravam me olhando, resolvi fazer o que sempre fazia quando o assunto era mulher. Me aproximei delas com um sorriso largo no rosto e as mesmas me olharam sorrindo. 

— Olá meninas — Pisquei para uma das mulheres, uma loira, vendo ela morder seu lábio inferior bem de leve. 

— Justin — Cumprimentaram um uníssono, e eu sabia que elas já estavam se atirando só pelo jeito que inclinavam o seu tronco para expor mais ainda os seus decotes. 

 

 

                                                                          Hailey Baldwin

 

 

Kendall me encarava como se estivesse mais brava do que nunca, e eu já até sabia o porquê. 

— Responde ele! — Ela me entregou meu celular e eu neguei com a cabeça. 

Depois da mesma ter nos encontrado no meu quarto enquanto trocávamos carícias, tudo mudou. Eu estava com vergonha do Justin, de encarar seus olhos como se nada tivesse acontecido. 

Eu estava vacilando, por ele precisar de mim e ser o meu melhor amigo, mas a minha vergonha ultrapassava todos os meus conceitos. E ele vem me mandando mensagem, tentando, talvez, entender porque eu sumi, já que ele me manda uma mensagem todos os dias. 

— Hailey não vai adiantar nada ficar esperando sua vergonha passar, porque ela não vai, então pega essa merda de celular e manda mensagem para o seu melhor amigo — Kenny puxou a minha mão e colocou meu celular na mesma.

Suspirei abaixando a minha cabeça. 

— Pode me deixar sozinha? — Perguntei a olhando, Kendall se sentou na minha cama e me encarou confusa. 

— Por que está tão frustrada assim? — Ela perguntou baixo e eu encarei as minhas mãos. 

— Não é nada, posso? — Falei me referindo á ficar sozinha, ela assentiu com a cabeça e se levantou, me dando um beijo na testa antes de sair do meu quarto. 

Eu sentia que estava errada por mandar Kendall embora, mas eu precisava pensar, precisava de um tempo sozinha. 

Tinham mais de vinte e cinco mensagens do Justin, bloqueei a tela do meu celular e suspirei, deitando-me na cama. 

Rolei meus olhos por o quarto, tentando achar alguma solução para fazer tudo voltar ao normal, mas não conseguia pensar em nada, eu só pensava em Justin em cima de mim prestes a me beijar, e eu me render toda á ele. 

 

                                                                                     [...]

 

Escutei meu celular tocar freneticamente, me enrolei na toalha de banho e corri para pegar o mesmo rapidamente. Era Hugo, atendi na mesma hora. 

 

— Hugo? — Perguntei franzindo o cenho, enquanto ia para o closet. 

— Hailey? Você precisa vir para o hotel de Justin — Hugo falava rápido. 

— O que aconteceu, Hugo?— Perguntei com os olhos arregalados. 

— Justin misturou bebida alcoólica com o remédio controlado dele, ele desmaiou e os médicos acabaram de chegar aqui — Ele falou em um tom de desespero, e tudo pareceu parar. 

— Eu... Eu estou indo — Falei com dificuldade. 

 

Finalizei a ligação e peguei um short jeans, pegando um cropped da Tommy Hilfiger. Coloquei o meu tênis rapidamente e desci as escadas correndo, pegando a minha bolsa e minha chave do carro em cima da mesinha de centro. 

Apertei o botão do elevador diversas vezes, agoniada por estar demorando tanto para subir. Eu tinha deixado a minha vergonha de lado, colocando todo o amor que eu sinto por o Justin no lugar da mesma. Ele era o meu melhor amigo, e me preocupar por qualquer coisinha era a primeira coisa da minha lista com ele. 

Finalmente o elevador chegou, entrei no mesmo e desci rapidamente por o mesmo. Saí do meu prédio com alguns paparazzis me seguindo e entrei no meu carro, cantando pneu.

Dirigia rapidamente para o hotel Montage onde Justin estava, e não me importaria se levasse alguma multa por estar correndo ou não, eu só queria ver como ele estava. 

Depois de alguns minutos finalmente cheguei ao hotel, saí do carro com alguns flashes e perguntas desnecessárias vindo dos paparazzis. Entrei rapidamente no local, recebendo alguns olhares em cima de mim, fui direto para o elevador e suspirei, arrumando os meus cabelos bagunçados. 

Saí do elevador dando de cara com Hugo, o mesmo me olhou e suspirou. 

— Como ele está? — Perguntei entrelaçando meus dedos uns nos outros, vendo um pequeno sorriso no rosto de Hugo. 

Precisando de você — Ele falou me olhando nos olhos, assenti com a cabeça e ele me deu passagem pra continuar á andar. 

Parei na frente da porta do seu quarto suspirando bem de leve, abri a mesma, tendo a visão do meu melhor amigo deitado na cama, coberto, com um médico ao seu lado.  

Quando fechei a porta, tive a atenção dos dois em cima de mim, e quando percebi que Justin me olhava com um sorriso fraco, senti minhas bochechas queimarem.

— Bom, eu acho que vou indo — O médico alto falou pegando sua maleta, vindo na direção da porta atrás de mim, cheguei para o lado e o mesmo deu um sorriso gentil, saindo do quarto. 

O silêncio pairou no quarto e eu cruzei meus braços, envergonhada. 

Caminhei lentamente para o seu lado da cama, me sentando no pequeno espaço que tinha ali. 

Justin estava com os cabelos bagunçados, as bochechas coradas e os olhos caídos. Mas ainda sim ele me olhava sereno, eu não sabia o que ele estava pensando de mim, por ter o ignorado esse tempo todo.

— O que deu em você? Misturar seu remédio controlado com bebida? Ficou louco?— Perguntei o encarando, Justin suspirou e abaixou sua cabeça. 

— Eu não pensei direito — Justin falou baixo, com a voz mais rouca que o normal.

— Você poderia ter tido um ataque! — Passei minhas mãos por o meu cabelo, nervosa. — Eu nem sei o que faria se tivesse acontecido algo pior — O olhei nos olhos e o mesmo lambeu seus lábios, os umedecendo. 

— Só algo sério para finalmente te trazer até a mim — Ele falou me encarando, neguei com a cabeça. 

— Eu precisava de um tempo para pensar — Encarei minhas mãos, desviando meu olhar do seu.

— Poderíamos ter conversado juntos, não acha? Somos melhores amigos— Justin parecia estar chateado — Eu preciso de você, o tanto quanto você precisa de mim, lembra? — Ele me olhou nos olhos e eu assenti com a cabeça. 

Ficamos em silêncio por um bom tempo, a respiração de Justin estava acelerada, voltei a encará-lo, enquanto ele me olhava.

— Eu estava envergonhada — Falei baixo, voltando a encarar as minhas mãos. 

Não conseguia o olhar, não falando sobre esse assunto. 

Hailey, ambos somos mais velhos, sabemos o que queremos, não sabia que você iria agir desse jeito — Senti ele puxar a minha mão, o que fez com que eu o olhasse. — Não quero que um beijo estrague tudo o que a gente tem, não é como se você estivesse beijando aquele seu namoradinho do oitavo ano, somos melhores amigos, isso não altera em muita coisa — Ele sorriu fraco, me fazendo assentir com a cabeça.

— Você me conhece tão bem — Revirei os olhos e ele assentiu com a cabeça. 

— E sei que gostou do meu beijo — Justin piscou, senti minhas bochechas pegando fogo e ele me puxou com um pouco de dificuldade para os seus braços, risonho.

— Você é tão convencido que até me assusta — Falei com o rosto enterrado no seu ombro, sentindo suas mãos me envolverem. 

— Então quer dizer que eu estou certo? — Ele perguntou risonho. 

— Eu nunca falei isso — O olhei me fazendo de desentendida, vendo um sorriso nos seus lábios. 

— Justin, Scooter está ligan... — A voz feminina invadiu o quarto e eu me separei do corpo de Justin rapidamente, olhando para a porta. 

— Allison — Justin sorriu largamente, logo me olhando.

— Eu estou interrompendo alguma coisa? Eu posso falar com Scooter depois — Ela apontou para a porta e eu neguei arregalando os meus olhos, vendo um sorriso enorme no rosto de Justin. 

— Essa é Hailey, minha melhor amiga, e Hails, essa é a Allison, da Team Bieber — Justin nos apresentou e eu abri um sorriso largo a cumprimentando com a cabeça.

— Scooter está louco perguntando se você está bem — Ela balançou seu celular e eu me levantei para pegar a receita que o médico tinha deixado com alguns remédios ali do lado da cama de Justin. 

— Fale que eu estou bem, e que Hailey vai passar a noite comigo — Justin falou e eu me virei para o olhar na hora, vendo seus olhos me encararem esperançosos, revirei os meus e vi um sorrisinho nos seus lábios. 

— Bom, vou deixar vocês á sós — Ela falou sorrindo, saindo do quarto. 

— Ela fala como se fossemos um casal — Me joguei ao seu lado e ele assentiu com a cabeça. 

— Todos nos vêem como um casal — Justin deu de ombros e eu liguei a televisão, colocando em um desenho qualquer. 

Senti Justin me puxar para mais perto dele, encostei minha cabeça no seu ombro desnudo e suspirei, sentindo o seu cheiro forte entrar por as minhas narinas. Seu cheiro estava impregnado no cobertor, me fazendo suspirar enquanto sentia o mesmo.

— Por que bebeu tanto? — Perguntei o olhando, Justin me olhou por um tempo. 

— Estou sob pressão, o lançamento do álbum está me deixando louco e sinto como se todos esperassem o meu melhor — Justin suspirou, e eu continuava o encarando. — Scooter só sabe me dar ordens, eu sei que é o trabalho dele, mas perguntar como eu estou me sentindo ás vezes é bom — Ele me olhou nos olhos e eu assenti com a cabeça. 

— A questão é que lá fora, uma multidão quer ver você cair, e uma recaída dessas é o gostinho que eles querem para falar mal de você — Falei com os meus olhos nos seus, e ele continuava me olhando calado.

— Como eu sempre te disse, eu não posso fazer o que quero, tenho que viver como um fantoche, e eu odeio isso — Justin falou bufando em seguida. 

— E eu já te disse que podemos fazer tudo o que você quer escondidos — Pisquei e ele sorriu largamente — Escondido é sempre melhor, Justin — Passei meu braço por os seus ombros, o abraçando.

— Eu nunca vou poder ser eu mesmo — Suspirou e recostou mais ainda seu corpo no travesseiro branco. 

— Você é o Justin, certo? — Perguntei sorrindo e ele me olhou franzindo o cenho, logo assentindo. 

— Devo ser — Revirou seus olhos cor de mel, me fazendo revirar os meus olhos. 

— Então apenas faça acontecer, ser um bad boy não é ser você mesmo, todos sabemos que você tem suas vontades, mas pense antes de fazer qualquer coisa — Expliquei o encarando.

Ele assentiu com a cabeça lentamente e ficou me olhando por um tempo, me fazendo abaixar a minha cabeça por sentir-me envergonhada com o seu olhar em cima de mim.

Ficamos em silêncio por alguns minutos, me deixando um pouco desconfortável. 

Girl, I'm ready, if you're ready, now, ooh, is it ever gonna be? — A voz rouca e melodiosa de Justin soou ao meu lado, me fazendo fechar os olhos e deixar um sorriso fraco dançar em meus lábios. 

Eu amava quando ele cantava, a voz dele me confortava e me deixava mais calma, era gostosa de se ouvir, ainda mais quando quebrava todo o silêncio do ambiente entre nós dois.

If you're with it, then I'm with it, now, to accept all responsability, I'd go out of my way — O olhei nos olhos e ele encarou os meus, e estava ainda mais irresistível daquele jeito, com o seu peitoral todo exposto, as tatuagens visivelmente expostas para mim, os cabelos bagunçados e o rosto corado. 

E quando ele cantava parecia tudo parar, e ele conseguia ficar mais irresistível ainda, mais sexy. 

To live by the words that you say, I don't wanna be the same — Fechei os meus olhos no momento em que sua mão tocou o meu rosto, neguei com a cabeça, umedecendo os meus lábios com a minha língua. 

Maybe you could, change me — Sua voz soou baixinha e rouca, me deixando totalmente arrepiada. 

Maybe you could be the light that opens up my eyes, make all my wrongs right... Change me, change me — Abri os meus olhos, encarando a imensidão dos seus olhos cor de mel. Mordi meu lábio inferior, controlando-me para não o beijar, ali, agora. 

— Eu posso mudar você, se você quiser mesmo mudar — Falei baixo o olhando. 

— Eu quero mudar Hailey, eu quero ser alguém melhor — Ele continuou me encarando, assenti com a cabeça e levei minha mão ao seu rosto, acariciando o mesmo.

— Podemos mudar, juntos — Sorri fraco encarando seus olhos, que agora estavam marejados. 

Justin é muito emotivo, e quando se trata dos seus erros e da pressão enorme sobre ele, ninguém o segura, ele sempre desaba, sempre chora e desabafa até não poder mais. Isso é bom, é bom ver ele tirar toda a armadura e a deixar de lado por um momento, mostrando quem ele é verdadeiramente. 

Me ajoelhei na cama e o puxei ao meu encontro, o envolvendo nos meus braços, os seus braços tatuados rodearam a minha cintura, e eu beijei o topo da sua cabeça, deitando a minha por cima da mesma. 

Ficamos abraçados assim por um tempinho, até eu me soltar para voltar á encará-lo. 

— Sabe aquela filme? Marley e eu? — Justin perguntou encarando o meu rosto, limpando os vestígios de suas lágrimas. 

Assenti fraco com a cabeça e voltei a me sentar na cama, com as pernas cruzadas. 

— O dono dele, faz uma pergunta que eu sempre lembro — Ele encara suas mãos e eu continuo o olhando — Quantas pessoas fazem você se sentir raro, puro e especial? — Justin me olhou na hora e eu fiquei sem falar nada. 

— A questão é que milhares de pessoas apareceram na minha vida, e nenhuma delas fez-me sentir raro, puro e especial — Continuou falando e eu suspirei, encarando seus olhos — Mas você chegou e tudo mudou, e até agora, é a única pessoa que faz com que eu me sinta assim — Sorriu fraco, passando o peito da mão por sua bochecha rosada. 

Eu não sabia o que fazer no momento, optei por o puxar pela nuca e encarar seus olhos por um longo tempo, antes de colar nossos lábios rapidamente em um beijo calmo. Eu não sabia o que diabos estava fazendo, mas eu gostava daquilo

Talvez fazê-lo se sentir raro, puro e especial fosse a minha função na vida dele, como é a mesma função que ele exerce na minha. 


Notas Finais


Justin cantando Change Me é a melhor coisa.
Pedir á ela para a mesma mudar ele foi a coisa mais linda do mundo, chorosa estou.
E o outro beijo? HAILEY SAFADA PARTIU PRA CIMA.
AAAAAAAAAAAH COMO EU AMO MEU CASAL.
Comentem o que acharam, estou amando responder vocês!!
Boa sexta-feira, babys.
Amo todos vocês.
Beijos da Baby Girl <333


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...