História Konoha: O Recomeço - Capítulo 49


Escrita por: ~

Visualizações 11
Palavras 1.749
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Saga, Violência
Avisos: Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Prometo que esta nova temporada será diferente da anterior. Agora que aprendi algumas coisas novas, isto vai me ajudar a me concentrar e a escrever ainda melhor :D

Boa leitura.

Capítulo 49 - Retorno - 2Temp


Fanfic / Fanfiction Konoha: O Recomeço - Capítulo 49 - Retorno - 2Temp

Que sua fé seja maior que seu medo.

 

 

Narrador.

 

 

 

Antigamente em todas as vilas ninjas o principal motivo de treinamento intenso eram as guerras. Mas como sabemos, mudar é inevitável. O novo pode ser perigoso, mas lembre-se, é terrível generalizar algo.

O clã Uchiha, o clã Uzumaki. Os dois clãs mais poderosos de toda Konohagakure. A morte de Naruto Uzumaki foi um desastre para os dois clãs. Quem o matou? Vocês sabem muito bem. Mas o restante não. Rody Uchiha, filho de Sakura e Sasuke Uchiha. Ele é o assassino. Ele se arrepende? Talvez. Mas se  ele tivesse a oportunidade de voltar no tempo para reverter toda a situação, ele faria isso? Não sei. Talvez nem ele saiba.

Considerado o herói da vila, mas também, ele é o principal desastre da vila. Causador de muitas guerras e destruição de muitos vilarejos e vilas.

O homem deve criar suas próprias oportunidades, não depender dos outros. Mas... e se a oportunidade caísse em na sua frente e você não reconhecesse isso, o que você faria?

 

 

Rody:

 

 

- O sol já está sumindo, temos que ser rápidos. Eu ainda quero ver meus filhos.

- Você querendo ver seus filhos? Impressionante como as coisas podem mudar. 

Sim. As coisas mudam, as pessoas mudam, tudo muda. Mas minha personalidade fria... isso não pode mudar. Um homem voraz quando mostra sua fraqueza, é facilmente violável.

- Por aqui, Boruto-kun. - apontei para uma caverna que continha uma pedra gigante em sua entrada. 

Eu e ele fomos até lá concentrados somente naquela entrada. Tolice a nossa.

Escutei o barulho das folhas secas sendo pisadas por alguém. Mantive meu olhar na caverna, mas também fiquei atento. 

O Uzumaki olhou para mim e balançou a cabeça positivamente. Ele foi na frente. Tirou aquela rocha do lugar e entrou calmamente. 

Depois de sua ida eu fiquei parado. A rocha voltou para seu lugar de origem sem ninguém se quer encostar. 

Eu abaixei minha cabeça e fiquei olhando para os lados, procurando alguma sombra. De repente, dois renegados viriam em minha direção.

A brisa do vento batia em minha capa. O pôr do sol estava próximo. Eu não queria perder isto. Prometi a meu filho, pelo menos uma vez, ver o pôr do sol. Aqueles idiotas iriam me interromper.

Assim que eles chegaram em uma distância razoável, saltei e desferi um chute na mandíbula de um o levando ao solo. Girei 360° ainda no salto e atingi uma shuriken no tórax do outro comparsa. Avancei contra ele e o soquei no rosto, jogando-o contra a árvore próxima.

- Rody! Rody! Me ajude! Estou preso, aqui! - pude ouvir os gritos de Boruto.

- Estou indo. - disse para ele calmamente. Estiquei meu palmo e utilizei o estilo terra para mover aquela pedra. 

Ele saiu de lá com uma expressão facial estranha. Olhou para o chão e viu dois ninjas caídos.

- Você fez isso enquanto eu estava preso?

- Sim.

- Fascinante. - ele sorriu e começou a andar na minha frente.

- Achou algo? - caminhei logo atrás dele depois de perguntar.

- Não. Este pergaminho foi bem escondido.

- Sim... - continuei caminhando, só que de cabeça baixa.

- Algum problema? 

- Sim. O Yoshi me preocupa.

- Eu achei que você tinha falado com ele sobre sua missão.

- Eu falei. Mas ele achou que era brincadeira quando eu disse que era uma missão de paz de sete anos.

- Eu também sinto saudade de minha filha e minha mulher. 

- Você parece guardar suas emoções melhor que eu.

- Aprendemos com a perda. - levantei minha cabeça e comecei a encará-lo. - Um dia irei encontrar o assassino do meu pai, e eu prometo, que eu vou vingá-lo!

- Tomará...

Eu deveria ter contado para Boruto que foi eu... eu que matei seu pai. Mas... não neste momento.

- Você não está ansioso para voltar para Konoha? - ele me perguntou.

- Estou. Prefiro caminhar do que gastar meu chakra facilmente. - sorri - Quero ver como meus filhos podem ter evoluído.

 

 

 

 Uchiha Yoshio

 

 

 

- Ele já deveria ter chegado... - minha mãe sussurrava para minha vó.

- Quando ele disse que chegaria, mamãe? - Taro perguntou.

- Ele não foi exato. Apenas disse que seria ao pôr do sol.

Finalmente chegou o dia do retorno do meu pai para Konoha. Eu achei que eu nunca mais o veria. Não que eu me importe com isso, só é menos tempo tendo que aguentar meu irmão. 

Levantei minha cabeça e vi que o céu estava nublado. Comecei a rir.

- Do que está rindo, filho? 

- Meu pai disse que chegaria ao pôr do sol. Parece que hoje não. - respondi para ela e voltei a olher para o alto dando a referência.

- Sim. Esse seu pai de fato é um otário. - escutei uma voz conhecida surgir atrás de mim. Me virei lentamente e vi a figura de meu pai.

Minha mãe e meu irmão nem falaram nada, foram logo abraçando ele. Depois de um tempo eles se soltaram, e minha vó veio e lhe abraçou.

- Eu senti tanto a sua falta, filho. - minha vó foi simpático e lhe deu um beijo na bochecha. Depois se separou.

Ele olhou para todos no local, e sorriu.

- Vão para casa. Eu vou logo depois. - eles apenas assentiram com a cabeça.

Meu pai me olhou de cima para baixo com um sorriso no rosto. 

- Eu senti a sua falta, Yoshi.

- Não me chame assim... isso é apenas um apelido bobo!

- Talvez seja. - ele continuo sorrindo e passou a mão na minha cabeça. - Está cansado da sua missão de hoje?

- Como você sabe? - estranhei, afinal, a última missão com minha equipe era secreta. Porém chata.

- Apenas boatos. Mas, eu sei um local perfeito para você relaxar.

- Onde?

- Lá. - ele apontou para o monumento dos hokages.

- Mas pai, aquilo está fechado, o vovô... quero dizer, o Hokage-sama estabeleceu um horário devido algumas gangues noturnas terem passado por lá.

- Meu pai é tão chato.. - ele revirou os olhos. - Vamos logo. - estendeu sua mão para mim e botou sua corpo para a frente, preparado para me levar até lá.

Eu recusei. Meu pai apenas me encarou, e arqueou as sobrancelhas estranhando a situação. Balancei minha cabeça negativamente, e ele sorriu.

- Vamos fazer isso do jeito ninja, Rody-sama. - soquei seu estomago e corri em disparada na sua frente. Saltei entre as casas para chegar primeiro naquele monumento.

No meio daquela maratona, olhei para trás para ter certeza de que eu estava ganhando dele. Nenhum sinal. Apenas virei minha cabeça para frente e sorri.

Chegando no monumento, escalei tudo calmamente para não chamar a atenção dos vigilantes.

Passado alguns minutos, me posicionei na estátua do meu avô. Eu devia esperar pelo meu pai, então dei um sorriso leve por ganhar dele.

- Parabéns, vitorioso.

- Ahn? - assustei - Como chegou ai tão rápido?

- Segredo Uchiha.

Revirei meus olhos e comecei a encarar a paisagem. Olhei para ele. Estava retirando sua capa e jogando ela lá embaixo. Seu pé estava em cima de uma das rochas do monumento do Nanadaime Hokage. Meu pai estava sorrindo. Estranho.

- O que foi? - perguntei para ele.

- Nada. - ele começou a rir. - Eu te disse uma vez que eu iria ver o pôr do sol e.. aqui estou.

Esse velhote lembrou mesmo da promessa. Isso foi a tanto tempo. No tempo que eu era ingenuo...

- Ei, Yoshio. Você nunca se imaginou andando sozinho na noite, olhando para as estrelas procurando alguém?

- Como assim pai? Que papo é esse?

- Sim ou não?

- Talvez. - ele começou a me encarar com uma expressão estranha. Então decidi contar a verdade. - Sim, eu já me imaginei, no meio de alguma floresta junto com... - ele me interrompeu.

- Junto com as estrelas e o brilho da lua. 

Ele sabia exatamente o que eu iria falar! Esse velhote as vezes consegue me impressionar.

- Com alguma música de preferência? 

- Acho que não.

- Entendo. - ele parou de me olhar e voltou a olhar para toda a Konoha. - O destino pode ser mudado, talvez.

 

 

 

Narrador

 

 

 

Boruto Uzumaki tinha acabado de chegar no escritório do Hokage. Bateu na porta, porém não escutou nenhum convite para entrar, então entrou de uma vez. 

Viu a cadeira do Hokage vazia e alguns papéis em cima de sua mesa. Se sentou na cadeira mais próxima e começou a olhar para o teto, esperando o tempo passar.

- Pensei que nunca mais veria você. - Sasuke Uchiha, agora hokage, apareceu ao lado de um armário.

- Tio Sasuke! - o garoto loiro se levantou da cadeira rapidamente, feliz por ver alguém que ele considera como pai. Mas logo mudou seu jeito de falar, queria parecer sério, como se tivesse mudado a personalidade. - Digo... senhor Hokage-sama...

- É bom te ver também. - O Uchiha sorriu e sentou em sua cadeira de hokage. Começou a mexer em alguns papéis, depois parou e olhou para Boruto. - Encontrou alguma coisa durante esses sete anos?

- Além da companhia de seu filho, não.

- Entendo. Boatos correm de que este pergaminho está mais perto do que imaginamos. - Sasuke Uchiha o encarou de um jeito peculiar, como se ele soubesse de algo e não queria falar.

O Uzumaki permaneceu sem entender. 

- Tem ideia do que o pergaminho pode nos causar de ruim?

- Acho que não. Vai depender do garoto. Assim que eu encontrar este pergaminho, meus instintos vão nos dizer o que fazer.

- Não acha que devemos contar para ele? Afinal, ele é seu...

- Não! - Sasuke se levanta da cadeira e bate contra a mesa. - Isso deve permanecer em segredo. Eu confio em você! Não me desaponte.

- Ok..- o Uzumaki respondeu de cabeça baixa e foi caminhando até a porta. - E se o garoto souber da história de vida da nova fase de seu clã, ele poderá tentar salvar todos e isso pode causar um distúrbio na linha de tempo. Apenas pense sobre isto, tio Sasuke.

Após ter dito as tais frases, Boruto saiu da sala do Hokage.

Sasuke ficou pensativo depois de Boruto ter dito aquelas coisas. O garoto poderia ter mesmo razão. E se todos voltassem a vida? Sim amigos... a oportunidade surge junto com a fé.


Notas Finais


Obrigado por lerem! Voltem sempre!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...