História Krlighed Og Had - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Emma Swan, Ingrid / Rainha da Neve / Sarah Fisher, Personagens Originais, Regina Mills (Rainha Malvada)
Tags Dark Swan, Emma Swan, Regina Mills, Swan Queen, Swanqueen, Swen, Young Regina
Visualizações 372
Palavras 1.051
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, FemmeSlash, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Middag: expressão que significa 'jantar' em dinamarquês.

Lamento não manter as atualizações constantes como no início, mas minha vida está meio tumultuada.

Agradeço mais uma vez a todxs que comentam e já favoritaram a fic, e a quem também acompanha em silêncio.

Divirtam-se!

Capítulo 18 - Middag


Regina saiu do banheiro, onde acabara de tomar um banho relaxante e prolongado. Logo, viu que sua bagagem já havia sido deixada no quarto. Retirou um conjunto de calcinha e sutiã lilás, escolhendo também um vestido confortável para usar naquela noite.

Instantes depois, uma empregada veio lhe avisar que o jantar seria servido em poucos minutos. Antes que a mulher saísse, Regina usou seu francês rudimentar para perguntar onde ficava o quarto do bebê.

Com a informação, não foi difícil para ela encontrar o dormitório do sobrinho. A Srta. Blue já o havia alimentado e dado banho na criança que agora ressonava calmamente, acomodado num grande berço de bronze. Odin parecia exausto por causa da viagem e da mudança de rotina.

— Acho que ele vai dormir a noite toda. — A babá comentou, enquanto Regina acariciava carinhosamente a cabeça da criança.

— Parece que sim. — Murmurou sem desviar os olhos do menino. — Mas se ele acordar durante a madrugada pode me chamar para alimentá-lo. — Regina ofereceu sem hesitar.

— De jeito nenhum, senhora. — A Srta. Blue estranhou a oferta.

'Hoje não é a noite de núpcias dela?', Pensou, intrigada. 

 — Eu mesma o alimentarei, e amanhã haverá uma jovem para alimentá-lo durante a noite e ficar ao lado do bebê em minhas horas de folga. — A babá acrescentou. 

— Tudo bem! — Regina suspirou, dando-se por vencida.

 Depois, beijou suavemente o rosto do sobrinho e se lembrou que precisava ir para o jantar. Emma já devia estar esperando-a.

Andou apressada, descendo os degraus de mármore da elegante escada em formato de caracol.

Quando entrou na sala de jantar, viu Emma com um braço apoiado na lareira, saboreando um drinque e fitando as chamas trêmulas do fogo aceso.

Regina a considerou muito atraente, trajando aquele vestido com um detalhe transpassado na altura do abdômen, que deixava as laterais de seu torso expostas, por causa da fenda que começava nas costas.

Com os nervos agitados, sentou-se rapidamente na ponta da enorme mesa iluminada por candelabros.

— Sua madrasta é muito gentil — Comentou, atraindo os olhos verdes que antes permaneciam alheios a presença da morena ali — Ingrid me fez sentir em casa.

Emma sorriu, fazendo um sinal para que o criado acendesse as luzes da sala, indo se sentar na outra extremidade do móvel.

— Os empregados acreditam que temos algo a celebrar — A loira falou pela primeira vez, apontando para a entrada de ostras que acabara de ser servida.

Regina já ouvira falar sobre a propriedade afrodisíaca do prato, mas não estava preocupada. Era alérgica a frutos do mar e não pretendia sequer aproximar-se das ostras.

— E então, como é ser minha esposa? — Emma perguntou, estirando o guardanapo no colo.

— Não me sinto sua esposa, o que significa que não deve preocupar-se com isso. Só desejo ser uma excelente mãe para Odin. Não pretendo interferir em sua vida.

— Palavras amenas. Parece ter acalmado desde que colocou essa aliança no dedo.

— Não sei de onde tirou essa impressão.

— Eu pensei que você fosse fazer da minha vida um inferno e querer brigar comigo constantemente... Mas, agora, parece estar mudando seu plano de ação representando a mãe dedicada, apesar de sua limitada habilidade artística.

— Não estou representando... Eu amo Odin!

— Ele foi seu passaporte para uma vida melhor. Você o usou para conseguir o que neguei à sua irmã.

— Isso não é verdade! — Regina refutou veementemente. — Tudo bem, reconheço que queria vingança, mas nunca imaginei que fosse concordar. Depois, quando aceitou a ideia, percebi que esse casamento era a melhor solução para as necessidades de Odin.

— Você me obrigou a aceitá-la. Nunca pensei que fosse tão oportunista. Trocou seu sobrinho por riqueza e status.

— Como se atreve a me falar essas coisas?

— Não devia esperar nada melhor da mulher que invadiu meu escritório há cinco meses.

— Eu não invadi seu escritório! — A morena já se exaltava. E não era para menos, parecia que Emma estava disposta a provocá-la a todo custo. —  Marquei hora com sua secretária, lembra-se? Foi você quem agiu como uma selvagem.

— Você e sua irmã nunca se preocuparam com Freya. Que tipo de recepção esperava? Loki já tinha uma esposa e uma família, e você sempre soube disso... Desde o início daquele caso sórdido!

— O que está dizendo? — Regina sussurrou, o rosto subitamente pálido. — Quer que eu acredite que há cinco meses Loki já era casado há tempo suficiente para ter um filho? Isso é absurdo!

— Fingir ignorância não vai ajudá-la em nada. Sua irmã conheceu Freya e minhas sobrinhas quando já estava tendo um caso com o meu irmão. Durante um tempo ela foi até a babá das crianças.

— Isso é mentira! Está inventando essa história para profanar a memória de Selena. — Regina alterou o tom de voz — Minha irmã não pode ter conhecido sua cunhada... Não sabíamos que Loki era casado.

— É claro que sabiam. — O rosto de Emma estava transtornado pela raiva.

— Loki a pediu em casamento... Ele até comprou um anel de noivado! — Regina rebateu, igualmente transtornada.

Emma pronunciou um impropério, antes de esvaziar o conteúdo em seu copo, batendo-o sobre a mesa num gesto brusco.

— Não sei onde está querendo chegar com todas essas mentiras. —  A morena prosseguiu. Não ia permitir que Emma continuasse com aquelas acusações levianas. —  Minha irmã jamais teria se envolvido com um homem casado, a menos que ignorasse seu estado civil.

Swan sorriu cinicamente, antes de fuzilá-la com o olhar.

— Sua irmã conheceu Freya antes mesmo de me conhecer.

— Selena não pode ter conhecido a esposa de Loki. Ela jamais esteve na Dinamarca! — Regina replicou, os lábios tremiam traindo suas emoções.

Loki havia jogado toda a culpa sobre as costas de Selena para redimir-se aos olhos da irmã.

— Eu tenho provas! — Emma garantiu.

— Que provas?

Swan levantou-se, jogando o guardanapo sobre a mesa e andou até a outra ponta do móvel.

Nem ela, nem Regina haviam tocado na comida.

— Me siga! — Ordenou, de pé ao lado da cadeira da morena — Ou tem medo de não conseguir sustentar a farsa diante das evidências?

Regina se levantou, encarando-a de queixo erguido.

— Não tenho medo de nenhuma evidência que possa ter produzido. — Murmurou entredentes.

Por um instante, Emma sustentou o olhar da esposa, antes de girar o corpo e sair em direção a uma porta lateral, sendo seguida por uma morena que, mesmo não admitindo, sentia-se insegura, com medo do que estava por vir.


Notas Finais


Talvez no próximo, vcs finalmente saibam o que vai acontecer na noite de núpcias.

Tchau!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...