História Kyaria - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Armas, Assassinato, Avião, Escuro, Grifo, Guerra, Ivestigação, Jogos, Lobisomem, Lua, Luta, Monstro, Noite, Sangue, Terror, Vampiro
Visualizações 15
Palavras 5.391
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Mistério, Policial, Saga, Terror e Horror, Violência
Avisos: Bissexualidade, Canibalismo, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Aqui esta o primeiro capitulo de Kyaria espero que gostem.

Capítulo 1 - Abrindo asas para um novo mundo


Fanfic / Fanfiction Kyaria - Capítulo 1 - Abrindo asas para um novo mundo

Uma produção única de: BlackSkull
 

Capítulo 1: Abrindo as asas para uma vida nova.

[ 11:00 / Manhã / Local: Avião / Japão ] - [2019 - 14/07]
 

Era cedo de manhã, o céu estava limpo e o clima agradável, e uma enorme aeronave passava por cima da cidade de Tóquio, enquanto o som dos autos falantes do avião informava que a chegada ao aeroporto estava próxima, um jovem sentado na primeira cadeira do lado esquerdo da aeronave, abria uma revista sobre biologia, e sobre o colo do mesmo estava uma pequena mochila com seu nome estampado nela "Tsukune Urahara".
 

Tsukune é um jovem de 16 anos que esteve 4 anos estudando na América do Norte como estudante de intercâmbio, de cabelos negros e os olhos num tom de castanho escuro, sua pele era exageradamente clara e seu corpo muito magro. O garoto colocava a revista de volta em sua mochila e começava a olhar pela janela da aeronave onde, com muita dificuldade, avistava sua cidade natal, mal conseguia conter o ânimo de voltar a ver os velhos amigos e a família, e enquanto sonhava acordado algo lhe chamou atenção pela janela, parecia um pássaro porém sua aparência era estranha e não muito clara, quando a posição da criatura misteriosa foi se aproximando do avião Tsukune notou que não se tratava de uma ave e sim de um quadrúpede com...
 

- Asas?! - Exclamou o garoto, que se perguntava se estava realmente vendo uma criatura tão extraordinária - mas o que?
 

O avião sofria uma pequena turbulência ao aterrissar e por um segundo Tsukune piscava, desesperado tentava encaixar seu ângulo de visão na janela de maneira com que conseguisse enxergar o céu, infelizmente mesmo depois de procurar o seja lá o que que havia visto, já tinha desaparecido, agora perguntava-se se havia visto realmente algo anormal ou se era apenas sua mente lhe pregando uma peça, pensava que talvez fosse pela tensão causada pela turbulência. Bom, de qualquer forma o mesmo insistia em procurar algo no céu sem perceber que o avião finalmente havia chegado no aeroporto, e o rapaz insistiu tanto que tomou um susto ao sentir uma mão encostando em seu ombro, que ao olhar para o lado percebeu que era apenas a aeromoça que aparentava estar um pouco confusa com o rapaz que era o único que não havia se levantado para se retirar do avião.

 

- Com licença, o senhor está bem? Parece que viu um fantasma - Perguntava a mulher com um sorriso leve no rosto.

 

- N-não está tudo bem... - Dizia o garoto com uma certa timidez no olhar enquanto virava seus olhos para janela e logo em seguida para a mulher- Acho que tive um pesadelo e acordei assustado.

 

- Bom, já chegamos, vou ter que pedir para... sabe... o senhor se retirar da aeronave.

 

- Ah, sim me desculpe -dizia o rapaz enquanto pegava suas coisas e esperava a mulher dar-lhe licença.

 

[12:00 / Manhã / Local: Aeroporto / Japão ] - [2019 - 14/07]

 

Depois de desembarcar do avião Tsukune teve que esperar alguns momentos para pegar sua bagagem, uma enorme mala de couro com um fecho de prata, que agora carregava pelo aeroporto enquanto verificava as horas em seu celular, e enquanto andava distraído com o celular tropeçou em um homem que também aparentava estar distraído, logo os dois se levantaram ao simultaneamente.

 

- Maldita cidade, ninguém tem cuidado enquanto anda. -Dizia o homem em um tom sério e meio enfurecido encarando.

 

- Pois é acabei de perceber isso - Dizia Tsukune agora se levantando e encarando o homem com o mesmo tom de seriedade, agora observava o homem melhor e ele era alto e usava um terno preto, era careca e seu tom de pele era escuro, seus olhos estavam escondidos por um óculo meio escuro que escondia a coloração de seus olhos, ao julgar pelo rosto parecia estrangeiro, estava mais para um Norte Americano. Tsukune então, pegou a sua mala, logo após o outro homem também pegar e sair dali eles foram para direções opostas e Tsukune seguiu em direção a entrada do aeroporto.

Tsukune tentava procurar sinais de sua mãe e sua irmã mais nova, quando avistou com muita dificuldade uma garota pequena e logo conseguiu identificar a sua irmã. A garota tinha um cabelo longo, mais precisamente castanho escuro. E então ao perceber, começou a acenar e a gritar:

 

- Yuni! Yuni!

 

A garota ao ouvir a voz de seu irmão o achou em meio à multidão e puxou a mão de uma mulher ao seu lado apontando para o garoto, que ao ser vista por Tsukune ele logo reconheceu que era sua mãe; ela era uma mulher de cabelo curto escuro e olhos castanhos, os mesmos aspectos de seus filhos a mulher corria segurando a mão de sua filha em direção ao garoto.

 

- Tsukune, como você está? Como foi a viagem? Teve algum problema? - Perguntava a mulher passando a mão no rosto e logo se acalmava um pouco enquanto o rapaz abaixava suas mãos.

 

- É, bem, boa e não nenhum um problema - O garoto sorria para sua mãe enquanto sua última pergunta ecoava constante em sua mente, realmente havia visto uma criatura gigante voando nos céus? E ainda topou com um homem estranho... não havia nenhum problema.

- Ah! E como a senhora está?

 

- Aff! Chega gente, estamos no meio de uma multidão, eu estou com fome e vocês estão me fazendo passar vergonha...

-Dizia a garotinha com um tom irritante a qual era a única coisa que Tsukune não sentia falta - Fora isso até parece que aconteceu algo importante.

 

- Bom, não sei quanto a parte de importante, mas algo bem ruim aconteceu, voltei a encontrar com o estresse em pessoa - Dizia Tsukune encarando sua irmã com os braços cruzados.

 

- Não idiota, se algo de ruim realmente aconteceu foi eu voltar a olhar essa sua cara de "aborrecente" idiota -Dizia Yuni enquanto mostrava a língua para seu irmão.

 

Enquanto Tsukune estava prestes a estrangular sua irmã sua mãe entrou no meio e deu um sorriso de canto tentando acalmar os dois.

 

- Calma vocês dois, o que dizem de ir para casa e comemorar a volta do Tsukune com uma lasanha? - Dizia a mulher "jogando" sua "cartada" de mestre.

 

- Lasanha?! - Diziam os dois irmãos juntos e ao mesmo tempo, realmente a única coisa que dois tinham em comum, além de detestar um ao outro, era o amor por lasanha que era a comida favorita de ambos.

 

Finalmente a família voltava para o carro e saiam do aeroporto enquanto Tsukune comentava com sua mãe as aventuras que tinha tido nos estados unidos.

 

[ 20:30 / Noite / Local: Casa de Tsukune / Japão ] - [2019 - 14/07]

 

Finalmente Tsukune estava em casa, o garoto arrumava as coisas que trouxera da América do Norte em suas estantes e armários, basicamente livros escolares e alguns HQs (termo usado para histórias em quadrinhos de personagens como super heróis, em forma ocidental) e alguns Mangás (termo usado para designar História em quadrinho japonesa) após organizar tudo o mesmo se deitava em sua cama, finalmente podia descansar, ou foi o que pensou quando seu celular começou a tocar, Tsukune pegou o celular e o encarou bem percebendo que quem estava ligando era um de seus melhores amigos, Haru Staz, um garoto que assim como Tsukune era magrelo e adorava tecnologia, Tsukune simplesmente suspirou fundo e desligou a chamada.

 

- Não, sinto muito Haru, mas agora não... - porem quando tentava voltar a dormir o celular tocava novamente - Não eu não vou te atender!

 

Ao desligar o celular novamente persistia em concentrar-se mais uma vez para dormir quando seu celular vibrava notificando uma mensagem, "mano preciso falar com você me liga quando puder", após ler a mensagem Tsukune já sabia que enquanto não falasse com Haru não teria sequer um pingo de paz, rapidamente digitou os números na tela do celular e ligou para Haru, já podia escutar a voz do amigo.

 

- Tsukune? É tu mano? - Questionava o garoto que parecia ofegante.

 

- Não é o Papai Noel! Feliz Natal... - respondia Tsukune em um tom sério - O que que está rolando? Parece cansado.

 

- Nossa é assim que me responde depois de ficar um tempão sem me ver? E sim estou cansado, você não viu o noticiário de hoje? - Questionava o garoto ainda com a voz ofegante e sons de passos apressados ao fundo indicando que estava correndo.

 

- Não, porque?

 

- Cara! Viram uma ave gigante sobrevoando Tóquio, ela pegou um cara e levou para cima do mar, a queda deve ter deixado o cara maluco, ele jura que foi pego por um leão acredita?

 

Neste momento Tsukune gelou e não conseguia nem mesmo responder ao colega, uma ave gigante? Uma ave que capturou um homem e que alegou que tal criatura parecia um leão voador? Será que teria alguma relação com a criatura que havia visto no avião? Porém logo voltou ao normal ao ouvir...

 

- Cara? Cara se está ai?!

 

- Sim, estou, e onde você está?! Para onde está indo?

 

- Estou com uns amigos, estamos indo para aquele campo perto do aeroporto, algumas pessoas dizem que viram a ave voando para lá, ia pergunta se estava afim de encontrar com a gente aqui e ver se acha algo.

 

- No aeroporto? Já estou indo! - O mesmo desliga o celular e pega um agasalho saindo logo em seguida de seu quarto.

 

Ao descer as escadas correndo se depara com seu pai conversando com sua mãe, o pai de Tsukune trabalhava em um pequeno salão de beleza, suas roupas eram no entanto um pouco formais e arrumadas, uma blusa branca, e uma calça jeans, seu cabelo era meio grisalho aos lados e o resto era escuro, o garoto acena para seu pai que o retribuí.

 

- Ahm mãe vou encontrar com alguns amigos tudo bem? - Questionava o rapaz empolgado.

 

- Essa hora? Não sei não, está meio tarde não acha? - Respondia a mulher com um tom de dúvida.

 

- A vamos ele finalmente saiu daquele quarto, deixe o ir se enturmar com seus colegas um pouco - Dizia o pai de Tsukune com um sorriso leve - pode ir filho mais volte logo.

 

O garoto corria em direção à porta e começava a correr pelas calçadas do bairro tendo como destino o aeroporto, estava muito entusiasmado, seja o que fosse a criatura misteriosa, com certeza era a mesma que havia aparecido na janela do avião, o mesmo conseguia se lembrar com clareza da criatura, um quadrúpede com asas, não deveria ser outra coisa, principalmente pelo fato de estar perto do aeroporto.

 

[ 21:00 / Noite / Local: Campo das Árvores próximo ao aeroporto / Japão ] - [2019 - 14/07]

 

Finalmente Tsukune chegava no local onde iria encontrar seus colegas, o garoto estava ofegante, havia corrido muito e pelo visto atoa, ao olhar para os lados não havia sinal de nenhum deles, até que duas mãos gélidas cobriam seu rosto dizendo em tom de frieza.

 

- Eu vou sugar seu sangue e devorar seus órgãos - Era uma voz feminina.

 

- Haha! Oi Emi - Dizia tirando as mãos gélidas de seu rosto e virando para trás notando uma pequena garota - Como vai sua maluquinha?

 

Emi Yagame era uma garota baixinha de cabelo castanho, Emi era uma das garotas mais hiperativas e energéticas que Tsukune conhecia, adorava se divertir e ler mangás, e ao olhar atrás de Emi o mesmo notava seus outros amigos, Mia Tanaka, uma garota linda que Tsukune julgava ser bipolar, para o mesmo as vezes a garota está feliz e energética e outras vezes séria e deprimente, porém era uma da amigas que Tsukune mais considerava pelo fato de ter uma certa queda pela garota, Mia era realmente bela e tinha um cabelo loiro e lindos olhos azuis, outro que estava no local era um de seus dois melhores amigos Akira Takahashi, basicamente o cara que Tsukune sempre teve uma certa inveja pela suas habilidades e charme com as garotas, além de ter a fama de pegador Akira era um garoto super inteligente em matérias escolares e muito bobo e brincalhão, sua pele era morena e o cabelo escuro, seus olhos acompanhavam a cor de seu cabelo, por último o outro melhor amigo de Tsukune, Haru Staz, um rapaz alto de cabelos pretos e brilhosos e pele branca pálida, seus olhos também eram escuros assim como o cabelo, Haru era do tipo que adorava tecnologia, computadores e etc, fora isso era um grande Otaku.

 

- E aí cara como foi a viagem? - Questionava Akira indo em direção ao amigo e estendendo a mão.

 

- Tranquilo, excerto pelo fato de ver o seja lá o que for que a gente esteja procurando, ao lado da asa do avião. - Respondia Tsukune com um sorriso sarcástico no rosto e apertando a mão de Akira.

 

- Tá de brincadeira?! - Haru ia em sua direção e começava a balançar Tsukune pelos ombros - Você viu a ave gigante? Como ela é?

 

- Para cara vai me deixar tonto - Dizia Tsukune tirando as mãos de Haru de seus ombros - Era exatamente como o cara que foi jogado na água disse, um quadrúpede gigantesco e alado! Só não reparei se parecia um leão.

 

- Ainda acho que isso é uma má ideia - Dizia Mia em um tom sério e com os braços cruzados, não parecia demonstrar medo, mas com certeza não queria continuar com aquela "Aventura" por alguma razão - acho que vou embora alguém vem comigo?

 

- Não, namoral fica! - Disse Haru, e logo todos ficaram encarando o rapaz, Tsukune e Akira o encaravam com um sorriso torto já que os dois sabiam que o rapaz era loucamente apaixonado pela garota.

- D-Digo se você ficar andando por aí sozinha com essa coisa à solta, vai ser perigoso não vai?

 

Tsukune revirava os olhos e logo todos incluindo Mia, que parecia ter mudado de ideia, entravam entre as árvores à procura de algo, ficaram meia hora no mesmo local e não acharam nada até que decidiram se separar, Mia foi junto com Haru, já Emi foi com Akira, Tsukune decidiu ir sozinho, ele estava com uma lanterna que havia pego com os amigos, apontando-a para o chão, e depois de alguns minutos de caminhada o mesmo notava uma pena gigante, a pena era maior até que sua perna, continuou a andar então com a pena na mão até que começou a ver um pequeno brilho em uma parte da floresta, eram um grupo de homens com vestes vermelho e preto e estavam em volta de uma fogueira que emitia a luz que Tsukune havia visto, ele foi chegando mais perto dos homens e se escondeu em um arbusto, os homens carregavam armamentos pesados como lança granadas, AK-47 e até mesmo lança chamas, Tsukune se questionava o que os mesmo faziam naquele local até que. Notou uma conversa entre dois homens, um usava um boné camuflado e o outro uma bandana vermelha na boca. Tsukune se escondeu atrás de uma árvore e começou a ouvir a conversa dos dois.

 

- Malditos Grifo, arrancou o braço do Rank ontem, quando tentamos o capturar - Dizia o homem de bandana no rosto em um tom de raiva - E pensar que temos 3 horas para pegar essa coisa!

 

- É isso que eu não entendo, por que só 3 horas? Estou com sono e não é lua cheia pra eu ficar aqui acordado! Por que temos que ficar aqui essa hora? Não podemos voltar amanhã? - Questionava o homem com chapéu camuflado.

 

- Simples, estão na época de acasalamento, e o chefe tem uma fêmea em algum local aqui em Tóquio, se tivermos filhotes sabe por quanto podemos vender? E se não capturarmos essa coisa em 3 horas ele vai voar para outro local a procura de outra garota para - O homem de bandana faz um gesto obsceno com as mãos e volta a encarar o colega seriamente - se não levarmos essa coisa para o chefe ele vai enfiar uma bala de prata em mim e depois outra em você! ... espera, sentiu isso? - O homem começava a fungar como se sentisse cheiro de algo - Não estamos sozinhos...

 

Tsukune arregalava os olhos, Grifos?! Lua cheia?! Do que esses homens estavam falando e será que o homem de bandana teria notado a presença do rapaz ao sentir o seu cheiro?! Quanto mais o homem de bandana se aproximava da árvore, mais Tskune suava frio, quando o homem de bandana estava quase de encontro com o garoto, ambos ouviram um som assustador, parecia um tipo de rugido agudo perturbador, o homem de bandana saia de perto da árvore e começava a correr em direção ao som juntos com todos os outros homens que estavam em volta da fogueira, Tsukune não perdeu tempo e começou a correr pelas árvores até que escutou um grito, reconheceu a voz na hora, era a voz de Haru e assim foi apertando o passo até correr para a direção do som, chegou então em uma área sem árvores e ali viu de longe Mia e Haru que pareciam assustados com algo, e sem saber o que fazer começou a gritar para os dois:

 

Mia! Haru vocês estão bem?! - Tsukune gritava em desesperado, já que pela intensidade dos gritos poderiam estar machucados.

 

Tsukune se abaixa ele está atrás de você! - Gritou Mia apontando para trás de Tsukune de forma estranha - O Grifo!

 

Tsukune olha para trás e ao ver uma garra gigante vindo em sua direção se joga e por pouco não é decapitado, quando olhou para frente ainda no chão viu uma criatura gigantesca com uma mistura em seu corpo de ave e leão, a criatura tinha a cabeça e as patas dianteiras de águia, porém sua parte traseira era semelhante à de um leão, suas asas eram brilhantes. Tsukune levanta, porém, ao ver, a criatura se ergue com as patas traseiras e bate as asas violentamente para ataca-lo, anda rapidamente de costas e cai no chão novamente. Mas Tsukune começa a se arrastar para trás enquanto o grifo se aproxima, a criatura então levantava uma da garra e já prestes a atracar uma voz chama a atenção da criatura.

 

- Ei deixa ele em paz! - Gritava Haru de longe chamando a atenção do grifo para ele mesmo - Sua galinha superdesenvolvida!

 

O grifo continuava no mesmo local até que Haru teve a "brilhante" ideia de tacar uma pedra na criatura que ignorava Tsukune e ia em direção de Haru, ela passa por cima de Tsukune e o mesmo tenta segurar sua cauda porém em vão já que só de a criatura balançar a cauda Tsukune foi jogado longe, quando a fera se aproximava de Haru e erguia a pata no ar prestes a atacar, antes que a criatura pudesse fincar as garras de Haru, Mia se colocou na frente e algo bizarro ocorreu, asas negras cresceram das costas de mia e sua pele aparentava ficar mais clara, um tipo de escudo transparente surgiu em frente a garota e quando o grifo acertou a pata no escudo suas garras viraram pó fazendo com que a criatura sentisse uma forte dor, quando Mia olhou para trás Haru havia desmaiado, aparentemente o susto de ser atacado pela criatura havia dado um choque no rapaz e acabando assim por desmaiar, enquanto a criatura saia de perto da barreira que Mia havia criado, Tsukune aproveitava para correr até a garota e passava em volta do escudo e muito assustado questionava a garota.

 

- M-Mia oque você? Como você?

 

- Perguntas depois agora cala a boca e tira o Haru logo daqui - Respondia a garota que agora parecia estar extremamente raivosa - vou manter a barreira em volta da gente mais não sei por quanto tempo consigo fazer isso.

 

- C-certo!

 

Mia parecia estar espantada com os homens, algo estava errado com a garota que por alguma razão desfazia a barreira.


​             - Mia? Mia?! Oque está acontecendo, quem são aqueles caras? - Questionava o garoto tentando conversar com a garota que parecia está em estado de transe - Droga Mia!


             - Ham, não sei, mas não pare de carregar o Haru! - Respondia a garota com o mesmo tom de agressividade voltando a criar a barreira - E não me faça mais perguntas!


              Enquanto os três voltavam para as sombras no meio das árvores e longe do Grifo, Tsukune coloca Haru em uma árvore tentando e tenta acordar o amigo, as asas nas costas de Mia desapareciam e seu tom de pele voltava ao normal, Tsukune olhava para Mia com um tom assustado, o que ela era? A quanto tempo vinha guardado aquele segredo, Mia se aproximava de Tsukune e olhava para Haru colocando a mão levemente no rosto do rapaz.


​            - O que está fazendo com ele? Algum tipo de poder de cura? - Questionava Tsukune imaginando que poderes Mia teria além de criar asas e uma barreira.


​             - Quem dera eu ter isso, estou checando para ver se teve algum efeito colateral o susto que ele levou. 


              - O que como febre ou algo do tipo? - Questionava Tsukune com uma voz trêmula esperando que o amigo se levanta logo.


​              - Exato e por favor, nada de comentar que a colega de escola dele é uma Híbrida ok?


​               - Uma oque?! Enquanto Tsukune se perguntava o que era uma Hibrida a mesma fazia um sinal para ele se calar, no mesmo instante Haru começou a abrir os olhos lentamente, o rapaz parecia dolorido enquanto começava a recuperar a consciência, ao sentir a mão de Mia em seu rosto Haru ficava meio vermelho, logo após Mia tirar a mão do rosto do rapaz ele virava para Tsukune e recuperava seus sentidos.



               - O grifo! O que aconteceu ele?


​               - Está tudo bem cara, estamos longe dele - Respondia Tsukune com um sorriso calmo.

              
​                - Ok acho melhor irmos andando, não sei bem o que eu vi mais eu quero esquecer que vi - Dizia Haru ofegante e tentando se levantar - o que aconteceu enquanto eu estava desmaiado?


​          Tsukune olhava para Mia que o encarava com um olhar de censura, Tsukune não sabia se contava a verdade ou mentira para o melhor amigo preservando assim o segredo de Mia.


​                - Hum, nada a gente pegou você e corremos para longe dele, parece que alguma coisa atraiu ele... eu... eu não sei.


​           Depois de um longo tempo caminhando para fora do campo os três finalmente se encontravam com Emi e Akira, foi difícil convencer aos amigos que o que eles tinham visto era um grifo mais no final acreditaram, os cinco concordaram em não contar para ninguém e assim todos foram para casa, aproveitando que Mia e Tsukune moravam perto um do outro ambos foram juntos.

[ 23:30 / Noite / Local: Casa de Tsukune / Japão ] - [2019 - 14/07]

          Enquanto caminhava Tsukune encarava Mia se perguntando o que ela era, ao chegarem em casa o mesmo estava preste a abrir a porta quando ouviu a voz de Mia.


​               - Tsukune, obrigada por não contar. 


               - É tudo bem só me responde uma coisa, devo me preocupar com aquelas cópias de MIB indo atrás de você?


​           Mia dava um leve sorriso ao notar a comparação entre os homens que haviam visto e o filme, logo balançando a cabeça negativamente.


​              - Não, eles não vão me achar, e mesmo se acharem eu sei me virar.


​              - Hum, sabe se isso rola de novo Haru e os outros podem acabar descobrindo sobre, seja lá o que você for. -Dizia Tsukune tentando se lembra do que a garota tinha se chamado - Hirbride, hirbrit...


               - Híbrida - Respondia a garota com uma expressão triste, porém com um sorriso no rosto claramente falso tentando esconder a tristeza - Significa junção de duas raças...


​              - E que raças seriam essas? - Tsukune pensava um pouco e quando a mesma estava prestes a responder, e a interrompeu - Não, que saber, eu não quero saber, esquece que eu perguntei... já foi esquisitice suficiente por um dia.


​              - É com certeza - Respondia a garota com um sorriso no rosto e logo se virando e indo em bora


​             - Boa noite Tsukune.

​             - Boa noite Mia.

​          Tsukune entrava em casa e ia direto para seu quarto, estava com sono, porém antes que tivesse a oportunidade de abrir a porta ouvia a voz irritante de sua irmã do outro lado do corredor.

 

- Ei idiota! Quero te mostra uma coisa.

 

- Yuni, foi um dia tão estressante que nada que você tente vai estragar mais ainda... Porém quando Tsukune virava para sua irmã parecia que o mesmo estava errado quanto ao propósito de sua irmã, a mesma estava com um presente nas mãos, uma pequena caixa bem embrulhada, depois de pegar a caixa Tsukune teve outra surpresa, Yuni dava um abraço no mesmo dando um sorriso fofo. - Senti sua falta, idiota, nunca mais nos deixe.


           
​          Tsukune retribuía o abraço de sua irmã dando um sorriso de canto e enquanto acariciava a cabeça da garota respondia com um sorriso



              - Relaxa tontinha, eu não vou a lugar nenhum...


​         Após isso Yuni voltava a seu quarto e Tsukune entrava no seu, ao sentar na cama o mesmo desembrulhava o presente, dentro da caixa sobre uma grande quantidade de isopor estava uma carta "sei o quanto você gosta dessas paradas de RPG então..." o mesmo tirava o isopor de dentro da caixa e veria uma pequena estatueta de um Grifo, o mesmo dava uma leve risada e analisava a estatueta.

 

- Você não é tão assustador agora né? - O garoto ria e colocava a estatueta em cima de uma prateleira logo em seguida pulando na cama deitado - Foi um longo e doloroso dia.



​        O mesmo dormia se perguntando três coisas, a primeira era quais raças pertenciam a Mia? Por mais que ele dissesse que não queria saber, bem no fundo da curiosidade o consumia, segundo, quem eram os homens de terno preto? E terceiro, quem eram aqueles que vestiam vermelho e preto? Só havia os visto uma vez porém pareciam ser um tipo de gangue ou sei lá, uma máfia talvez? Com certeza não pareciam estar com os homens de terno, sem nem perceber Tsukune adormecia ainda com as curiosidades em sua mente.

[ 00:30 / Noite / Local: Campo das Árvores / Japão ] - [2019 - 15/07] 

        O homem de terno preto estava andando ao redor do Grifo agora morto, o homem levantava pegava um cigarro do bolço e o acendia, enquanto encarava a criatura, logo ouvia outro homem se aproximando e chamando seu nome, o outro homem também usava terno e óculos o que dava a entender que ambos trabalhavam em algo juntos.



                - Capitão, descobrimos porque a agente Raiden e Miler não apareceram. - O homem retirava um gravador do bolso e entregava ao homem que fumava - É melhor escutar atentamente senhor... 


        O homem que fumava ligava o gravador e ouvia a voz de um dos agentes

Gravador: " Aqui é Raidem estamos indo em direção ao campo do grifo mais, eu não sei o Miler sumiu, eu não sei o que está acontecendo mais encontramos um acampamento... merda, eu vi o símbolo dos Kyaria! Droga se alguém tiver ouvindo os Kyaria estão aqui, espera, não! Não! Por favor sai de perto de mim!"

      Ao fundo os sons eram de gritos e o que pareciam cães atacando e matando alguém, o Homem que fumava apertava o aparelho com força.

- Malditos lobos! Encontraram os acampamentos deles?

 
            - Sim senhor, deserto e nem com o corpo de Midler ou Raiden.



            - Bom, vamos evacuar a área, retirem o corpo do Grifo daqui.

​    O homem que fumava caminhava em direção as ásrvores e desaparecia da vista.

[ ??? / Noite / Local: ??? / Japão ] - [2019 - 14/07]


Um homem acordava amarrado em uma cadeira, sua visão estava turva, porém ao seu redor só haviam paredes de concreto, e uma porta, o homem estava com um terno já todo amarrotado com um distintivo escrito Miler, a porta que estava em sua frente se abria lentamente e um tipo de humano coberto por pelo cinza e curtos entrava no local, o homem tinha orelhas pontudas além de um olhar e sorriso perturbadores e psicóticos o mesmo dizia suavemente indo de encontro com o homem amarrado.


​                - Eai Hermano, como está? E já peço desculpas pela forma em que meus amigos te trouxeram para mim, e pelo o que aconteceu com o seu parceiro... – Dizia em um tom tenebroso e ensurdecedor.


                 - Raiden? Oque fizeram com eles seus pulguentos desgraçados!

                Antes que Miller terminasse de xingar o homem o mesmo dava um tapa forte no rosto de Miller que o jogava no chão junto com a cadeira e fazia o homem cuspir sangue, o "Homem Fera" que aparenta estar calmo agora parecia estar completamente agressivo.


​               - Não fala comigo assim seu babaca ingrato! Eu te trago para minha casa! Te arranjo um quarto especial só para você, dou meus pêsames pelo seu amigo e você me insulta assim?! Com quem pensa que está falando seu merda! - O homem parecia começar a se acalmar e de repente começava a rir - Desculpe! Desculpe eu sei o que está faltando, que idiotice a minha, eu nem te ofereci nada para comer.

​             O homem iria para fora da sala mais mantinha a porta aberta voltando com um corpo morto o qual o agente amarrado reconhecia na hora. 


​            - Raiden?! Desgraçados o que vocês fizeram com ele?! - Gritava Miller enquanto chorava vendo o corpo do amigo todo retalhado por garras -

            - Sabe, meu compadre tem educação diferente de você, guardaram até um pouco para você e você ainda nos xinga?! Merda!


   O homem peludo pegava Miler caído no chão e o levantava, logo em seguida retirou um pedaço da carne do cadáver.
 

- Sabe, dizem que a gente só conhece alguém realmente quando se conecta a elas, vamos nos conectar ao Raiden ok? – Sorria psicótico.


            - Não, não por favor eu imploro!! - Choramingava Miler enquanto o homem peludo aproximava suas mãos sangrentas e cheias de carne de seu antigo companheiro perto de seu rosto - Não faça isso. O homem peludo dava um soco na barriga de Miler e o fazia comer a carne, empurrava as mãos na boca de Miler forçando-o ao engolir.
 

- Ótimo comeu tudinho, eu devia até te dar uma sobremesa sabia?


​           - Seu... seu desgraçado! - Respondia Miler sentindo-se muito mal quase vomitando.


O homem peludo ficava enfurecido mais uma vez e dava outro tapa em Miler jogando-o no chão, porém desta vez não parava por aí, o homem subia em cima de Miler e começava a socar o seu rosto violentamente.


- O que eu disse sobre esses modos seu arrogante babaca! Eu te reconciliei a amizade entre você e seu melhor amigo de uma maneira única e você continua me xingando?! Oque você quer de mim?! 


  Quando Miler já estava morto, o homem peludo continuava a o socar. Entrou uma mulher pela porta, uma bela mulher de cabelos castanhos e olhos azuis que segurava uma prancheta.

 

- Senhor? Infelizmente o Grifo foi morto pela agencia. - Informava a mulher olhando sério enquanto o homem ainda socava o cadáver no chão porém o rosto da mulher era calmo como se visse isso todos os dias.
 

Finalmente o homem para de socar aos poucos o corpo do cadáver e imediatamente levanta ainda enfurecido.


- Merda! Mais alguma coisa?


- Sim senhor, aparentemente uma Híbrida estava no local, não sabemos de que raça, mas...


- Entendo... pode gerar muito dinheiro, muito bem ache-a e me traga ela viva!

A mulher acenava com a cabeça positivamente e deixava o homem sozinho enquanto o mesmo devorava o cadáver do homem que acabara de matar.

-------------------------------- Fim do Capítulo 1 --------------------------------


Notas Finais


Bom pessoal espero que tenham gostado, créditos especiais minha grande amiga Nao-chi, que fez o favor de corrigir certos pontos e fazer certas adaptações.

P.S.: desculpa por qualquer erro, e minha primeira obra (^^') ainda sim espero que gostem da leitura!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...