História L Amore Improbabile - Capítulo 71


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony, One Direction, Zayn Malik
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Emma Roberts, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Personagens Originais
Tags Camren, Camren G!p, Romance
Exibições 1.068
Palavras 7.826
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oiii! Viu só? Nem demorei.
Preparados para esse capítulo?

Espero que gostem.
Boa leitura!

Capítulo 71 - LXVIX - Sposarsi?


Fanfic / Fanfiction L Amore Improbabile - Capítulo 71 - LXVIX - Sposarsi?

POV Camila

Contar para os meus pais que eu estava namorando e que aquela minha ida a Miami era para que nossas famílias se conhecessem foi à parte mais fácil. A parte mais difícil estava para acontecer agora, que estou parada em frente à casa dos Jauregui com um frio intenso na barriga e um medinho de que eles não gostem de mim. Henry estava conversando com meu pai, e uma Sofia tímida estava agarrada a minha mãe por estar em um lugar diferente.

– Tudo bem? – Zayn abraçou minha cintura com o braço me obrigando a olhar para ele com aquele típico olhar de desespero. – Ei, calma! Vai dá tudo certo. Lauren estará aqui, seus pais, seu filho, eu… Não tem porque se preocupar. Eles vão gostar de você, todos gostam. Não se desespere, tá bom? – Respirei fundo e assenti a suas palavras. Elas conseguiram de alguma forma me acalmar.

Dei o primeiro passo e logo minha família estava atrás de mim. Minha mãe tinha em mãos uma travessa enorme com a sobremesa preferida de Henry. Ela disse, com certeza absoluta, que todos iriam gostar, então aceitei que ela a trouxesse. Subi os pequenos degraus sentindo a mão de Zayn subir e descer pela linha da minha coluna como se estivesse tentando me manter calma. Confesso que estava para ter uma sincope, bem ali, na porta dos meus sogros. Quando levantei a mão para apertar a campainha, a porta se abriu dando-me a visão de um homem alto, bonito e que me lembrava um pouco minha namorada.

– Camila, finalmente estou te conhecendo. Você ainda mais linda do que nas revistas.

– Ei, ei! Pode ir parando, ela tem dona e sou eu! – Lauren apareceu ao lado do rapaz e sorriu para mim. – Meu amor. – A voz de Lauren ao mesmo tempo em que despertava coisas absurdas em mim, conseguia me acalmar como nenhuma outra coisa.

– LAULI! – Henry gritou atrás de mim, sacudindo seu corpo para descer dos braços do meu pai.

– Da Vinci! Corre aqui, pequeno artista. – Lauren abaixou-se e eu só senti um vulto passar por mim. Lauren levantou-se novamente, agora com Henry em seu colo. – E ai? Gostou de passar o dia com o vovô? – Lauren fez cócegas na barriga de Henry que se encolheu entre risadas.

– Eu gostei! Foi muito divertido. O vovô e o papai passaram a tarde jogando comigo. Só faltou você para ficar perfeito. – O olhei fingindo estar ofendida por não ter sido lembrada naquela citação.

– Hey! Você não tinha a Lauren, mas tinha a mamãe, a tia Sofia, a vovó. Se esqueceu, foi? – Henry sorriu envergonhado e negou.

– Não! Lauli, eu tomei muito, muito, muito sorvete. A tia Sofia comprou e a vovó fez uma torta de bombom maravilhosa. Você gosta de chocolate? Ela trouxe. Aliás, de quem é essa casa, Lauli? Por que estamos aqui? – Ele falava tudo tão rápido que Lauren estava custando a acompanhar. – Amber! – Henry gritou deixando-me surda por alguns segundos. Lauren o soltou e logo meu filho estava abraçando sua amiguinha e quase irmã.

– Ok! Isso foi… Interessante. – Escutei meu pai se pronunciar atrás de mim. – Boa noite, Lauren, sou Alejandro Cabello! – Papa estendeu sua mão por entre mim e Zayn cumprimentando Lauren.

– Prazer, senhor Cabello. É um prazer recebê-lo em minha casa. Por favor, entrem. – Lauren empurrou o rapaz ao seu lado que não tirava os olhos de mim. – Ah! Esse… – Ela olhou para o rapaz buscando palavras. – Imbe…

– Lauren! – Uma voz suave chamou sua atenção. – Oh, a família Cabello chegou. Entrem, entrem! Por favor, sintam-se em casa. Eu sou a mãe desses dois aqui, me chamo Clara e vocês? – A mãe de Lauren olhava para os meus pais com alegria. Fitei minha namorada que encarava o chão negando com a cabeça. O rapaz que deduzi ser irmão de Lauren sorria debochado. – Lauren, anda! Movimente-se! Faça-os entrar, menina. Não é educado conversar na porta. – Ela beliscou o braço de Lauren que resmungou massageando o local beliscado.

– Ai, mama! – Dona Clara revirou os olhos. – Por favor, senhor e senhora Cabello, entrem. – Lauren indicou a casa e logo meus pais entraram sendo recepcionados calorosamente por Clara.

– É! Sua mãe é bem receptiva. – Zayn comentou arrancando risadas dos Jauregui parados na porta.

– Ela é meio doida, mas é incrível. – O rapaz disse sorrindo. – Prazer, sou Christopher, o Jauregui mais bonito da família. – Se gabou. Lauren rolou os olhos e encarou o irmão com expressão de tédio.

– Coitado! – Uma terceira voz soou dentro da casa e logo surgiu entre Lauren e Christopher, uma jovem loira. – Oi! Sou a Taylor, a Jauregui mais bonita da família. Você deve ser a Camila e você… Zayn Malik? O cantor da One Direction? – Zayn abriu um sorriso galante e assentiu com a cabeça.

– Opa! Pode ir parando. Você! Saí fora. – Lauren empurrou Christopher. – E você, abaixa a bola. – Taylor fez uma carinha triste.

– Prazer, Zayn Malik. – Taylor suspirou com o sorriso charmoso e sexy que Zayn lançou a ela. Revirei os olhos.

 Zayn estendeu a mão para Taylor que pegou sem pestanejar. Ele, como sempre, foi muito charmoso, conseguiu encantar a pequena Jauregui com um sorriso. Lauren estapeou o braço de Zayn que sorriu divertido para ela.

– Fica longe da minha irmã, Zayn. Vai procurar a Emma. – Rosnou indicando a casa. Zayn piscou para Taylor e passou por Lauren abraçando-a rapidamente. – Ótimo! Todos foram apresentados, menos você. – Lauren puxou-me pela cintura me fazendo derreter em seus braços. Os irmãos resmungaram e logo entraram. – Oi, Camz.

– Oi, amor. Sua família é bem legal. – Lauren gargalhou negando.

– Eles são meio loucos, mas são legais. Como pôde ver, minha mãe é meio…

– Sua mãe é ótima. – Lauren preferiu não discutir comigo. – E meu beijo? – Lauren deu alguns passos nos levando para fora da casa e girou nossos corpos encostado-me a parede.

Eu estava louca de saudade. – Ela sussurrou aproximando nossos lábios.

Não mais do que eu. – Agarrei seus cabelos beijando-a com urgência.

Podíamos nos beijar um milhão de vezes, mas eu sempre iria querer beijá-la novamente. As mãos assanhadas desceram pela minha cintura agarrando uma de minhas coxas trazendo-a altura de seu quadril. Suspirei contra seus lábios. O beijo de Lauren era excitante até quando não queria. Fomos interrompidas por passos rápidos no assoalho. Lauren saltou para longe de mim quando viu três pequenas sombras.

– Mama, o que a senhora está fazendo aqui fora com a tia Camila?

Maya perguntou nos olhando desconfiada. Limpei o canto dos lábios e fitei Lauren que estava mais branca do que o normal. Senti pena e resolvi ajudá-la.

– Estávamos apenas conversando, meu amor. Não vai me dar um abraço? – Perguntei colocando-me de joelhos. Maya sorriu meio acanhada e me abraçou. – Amb? – A loirinha mais desinibida agarrou meu pescoço e começou a tagarelar sobre bonecas e sobre o dia na piscina. – Vamos entrar, está ficando frio aqui fora. – Girei os dois corpinhos e só então dei falta de Henry. Virei para trás e lá estava ele, agarrado a Lauren. Os dois conversavam baixinho como se contassem um segredo. – Ei vocês dois! – Os dois arregalaram os olhos e logo vi que estavam aprontando. – Vamos entrar! – Indiquei a casa com a cabeça e Lauren assentiu colocando Henry em suas costas, entrando com ele. Só espero que Lauren não esteja aprontando nada.

O jantar entre as famílias não podia ter sido mais divertido. Meus pais se deram super bem com os pais de Lauren. Sofia e Taylor se transformaram em melhores amigas, Zayn, Lauren e Chris serviram como animadores de criança. Emma e eu apenas encarávamos toda a interação com largos sorrisos e orgulhosas por estar tudo correndo bem. As crianças estavam brincando no jardim dos Jauregui, enquanto meu pai e o senhor Jauregui conversavam na sala. Minha mãe e dona Clara tricotavam sobre receitas e decorações. Estranhei o fato de Sofia e Taylor não estarem com Lauren, Chris e Zayn. Comecei a procurá-la pela casa atraindo atenção de Emma.

– Procurando Sofia? – Assenti. Emma sorriu e tomou um gole do suco de laranja em seu copo.

– Ela subiu com Taylor. Aposto que estão falando sobre… Sei lá! Sobre o que adolescentes conversam? – Dei de ombros e logo caímos na risada.

– Taylor é mais velha que Sofia, não é? – Emma desviou os olhos das gêmeas para mim.

– Sim! Taylor tem dezenove anos e está na faculdade. – A encarei surpresa. – Pois é! É um dos orgulhos da família. Ela entrou em Oxford. – Deixei o queixo cair alguns bons centímetros. – Chris é o atleta. Ele joga na Universidade de Miami. – Olhei para o irmão de Lauren que estava sendo escalado pelas crianças. Lauren gargalhava tanto que estava surpresa de ela ainda não ter reclamado de dor. – Os Jauregui se sentem muitos sozinhos aqui. – Emma voltou a falar atraindo minha atenção. – Taylor pouco vem aos EUA e Chris quase sempre está fora de Miami. Ele mora na Universidade então… – Concordei com a cabeça sem que ela precisasse falar.

– E Lauren? Não faz nada para suprir essa falta? – Emma suspirou virando-se para mim.

– Ela até tentou levá-los para Boston, mas eles não quiseram. Estão bem aqui. – Concordei virando-me para fitar dona Clara através da janela da cozinha. – Agora que ela tem sua mãe e o seu Mike tem o seu pai, eles vão ficar melhor ainda. – Sorri desejando mesmo que meus pais fizessem companhia para meus sogros.

– Hey! Posso roubá-la um pouquinho? – Lauren ajoelhou-se ao meu lado beijando minha mão.

– Claro! Vou brincar um pouco. – A encarei espantada. – O que? Eu brinco de boneca com as minhas filhas. – Emma disse nos fazendo rir. – Com licença.

Lauren acenou para Emma e sentou-se onde ela estava. Senti seu olhar intenso sobre mim. Comecei a me sentir intimidada, tamanha a intensidade de seus olhos sobre mim. Sua mão segurou a minha e a levou até os lábios em um carinho simples.

– Eu queria te perguntar uma coisa. – Senti o sangue em minhas veias congelar.

– P-perguntar…? – Lauren gargalhou e aproximou-se de mim.

– Amor, o que você acha de reunirmos todos na sala e contarmos aos nossos filhos que eu e você estamos juntas, e que Zayn e Emma estão… Sei lá… Namorando? – Não soube o que responder, a única coisa que fiz foi soltar o ar preso em meus pulmões e encarar Henry que estava passando por uma sessão de cosquinhas. – Mas é só se você topar. – Ela disse. – Eu já conversei com a Emy e com o Zayn… – Olhei para ela pedindo que ela continuasse. – Eles toparam, mas…

– Eu topo! – Aceitei de imediato.

Se Lauren queria assumir para os nossos filhos que estávamos juntas, eu também assumiria. Lauren levantou-se e beijou minha testa antes de chamar as crianças até a sala. Nossos pais estranharam quando todos nós nos reunimos ali onde eles conversavam entre si.

– O que aconteceu, crianças? – Mike perguntou olhando confuso para Lauren e os filhos.

– É que… – Lauren olhou para mim e eu assenti. – Nós precisamos conversar com os nossos filhos. – Lauren sentou-se no chão ao lado das crianças. – Eu falo ou vocês preferem…

– Você fala! –Zayn, Emma e eu falamos juntos e com urgência. Todos os Jauregui e meus pais riram.

– Ok! A bomba sempre estoura na minha mão. – Henry segurou a mão de Lauren com desespero. – O que foi? – Ela bagunçou os cabelos do meu filho me fazendo lamentar.

– Bomba? Joga fora, joga! – Henry pedia desesperado. Lauren gargalhou e o pegou no colo colocando entre suas pernas.

– Da Vinci, meninas… – As gêmeas sentaram-se de frente para Lauren cruzando as pernas em índio. – O que eu tenho para falar para vocês é muito importante e eu quero que saiba que independente de qualquer coisa, vocês são mais importantes, ok? – As crianças franziram o cenho e deram de ombros.

– Mama, a senhora está me assustando. – Maya resmungou abraçando sua irmã. Lauren sorriu tentando tranquilizá-la.

– Desculpa, filha. – Maya fez um biquinho choroso que eu quis desfazer enchendo-a de beijos e carinhos. – Eu vou contar uma historinha para vocês e qualquer coisa que vocês não entenderem, eu quero me perguntei, tá bom? – Ela olhou alternadamente entre as filhas e Henry.

– Tá bom! – Os três concordaram.

Lauren começou a falar sobre como nos conhecemos. Nossa história estava sendo contada para as crianças como se fosse uma história de princesas. Henry ora ou outra fazia careta, mas ele prestava atenção em tudo que Lauren falava. Eu não soube distinguir se aquilo era interesse na história ou se era só porque Lauren a estava contando. Lauren chegou à parte mais critica e eu comecei a roer as unhas pensando que eles finalmente fossem ligar uma coisa a outra.

– E então, essas duas princesas reuniram as famílias e as crianças que elas tinham e contaram que estavam juntas e…

– Lauren, acho que você já pode parar com esse conto de fadas. – Mike disse olhando para filha com cara de tédio.

– Mas… Mas… – Lauren olhou do pai para as crianças e das crianças para o pai, armando um gigantesco bico.

– Filha, por favor, eles já… Eles entendem a realidade, não precisa disso. – Clara soltou uma risadinha que foi mal vista por Lauren. – Crianças, prestem atenção no vovô. – Mike pediu e os três pares de olhos focaram em sua imagem rechonchuda. – Tá vendo a Lauren ai? – As crianças olharam para Lauren e assentiram em harmonia. – E a Camila ali? – Os olhos vieram até mim e novamente eles concordaram em coro. – Então, elas agora são… – Ele buscou palavras e sorriu quando finalmente as encontrou. – Elas são um casal. – Lauren soltou uma lufada de ar, impaciente.

– Igual ao vovô e a vovó? – Henry perguntou e Mike assentiu. – Mas… Mas a mamãe tem o papai. – Apontou Zayn que sorriu.

– Filho, a mamãe e o papai conversaram com você sobre isso. Nós não estamos mais juntos, filho. – Henry abaixou a cabeça. Vi nos olhos verdes de Lauren um desespero e medo. Ela encarava Henry com preocupação e medo de ser rejeitada. – A tia Lauren e a mamãe estão juntas agora. Ou seja, você tem duas mamães e… – As gêmeas abraçaram Henry que parecia um pouco chateado. Me comovi com a cena. – E você tem agora dois vovôs, duas vovós e mais dois novos tios. Isso é ruim, Henry? – Zayn perguntou indo até as crianças.

Não, mas é que…

– Não está feliz por eu ser sua… – Lauren começou, mas logo foi interrompida.

– Não é isso. – Henry levantou a cabeça e encarou Lauren. – Eu estou feliz que você é minha… – Ele olhou para Mike e depois para Zayn. – Mama, mas… Eu… A mamãe também é mamãe das meninas? – Ele perguntou com uma voz tristonha.

– Err… Mais ou menos. – Zayn disse olhando para as gêmeas que sorriram.

– Isso é legal demais! – Amber comemorou, levantando-se em um pulo correndo até mim. Ela agarrou minha perna me deixando contente por ser bem recebida, mas Henry não parecia tão feliz assim.

– O que foi, da Vinci? Não está feliz em ganhar uma nova família? Novas irmãs? – Lauren perguntou acalentando meu príncipe.

– Eu não quero dividir a mamãe, nem mesmo com as meninas. – Ele murmurou enciumado fazendo a sala inteira explodir em risadas.

– Príncipe, você não vai ter que dividir a mamãe. Tem Camila para todo mundo, meu amor. – Entreguei Amber para Emma que beijou a bochecha da filha. – A mamãe agora é namorada da Lauren, mas eu ainda sou sua mãe e ninguém vai mudar isso. – Henry fungou e Lauren o abraçou. – Agora, você vai poder ver Lauren todos os dias, todas as horas e poder…

– É como se você fosse ter duas mães, só que uma é mais divertida que a outra. Sabe de quem eu estou falando, não é? – Chris se intrometeu arrancando um sorriso de Henry. Meu filho arrastou-se para perto de Zayn e puxou Lauren pela mão.

– Agora eu tenho uma mãe divertida e um pai divertido. – Zayn e Lauren concordaram. Me senti excluída ali.

– Hey! E a mamãe? – Henry sorriu sapeca.

– E tenho a mamãe que dá carinho e ordens. – Ele disse divertido.

Eu sorri e logo todos estavam agarrando as crianças. Maya ainda não havia se pronunciado e aquilo me preocupou. Todos mimavam Amber e Henry, enquanto Maya estava sentada no tapete encarando as mãos. Me sentei ao seu lado atraindo não só sua atenção, como de todos ali.

– O que foi, princesa? Não gostou de saber que…

– Você vai ser uma madrasta má como no filme da Cinderela? – Arregalei os olhos e tratei de negar.

– Não! De maneira nenhuma. Eu vou ser a melhor madrasta do mundo. Eu vou ser a sua…

– FADA MADRINHA! – Amber gritou e veio correndo até mim. Fitei Maya e pisquei como se concordasse com o que Amber havia falado.

– Então tudo bem. Mama, excelente escolha. – Maya disse levantando o dedinho para Lauren que sorriu.

– Obrigada, filha! – Agarrei as gêmeas que subiam em cima de mim me fazendo rir. – Crianças, nós ainda não terminamos. – As gêmeas sentaram-se ao meu lado e Henry entre Zayn e Lauren que estavam no sofá. – O Zayn… – Lauren deu alguns tapinhas sobre os ombros do meu ex que sorriu. – E a mamãe, meninas. – Olhei para Emma que estava completamente vermelha. – Eles também são como…

– Lauren. – Mike chamou sua atenção e ela resmungou.

– Ok! Eles também estão namorando, ou seja, agora Henry… – Lauren ajeitou os cabelos do meu filho arrepiando o topete. – Tem três mamães. – Ela levantou a mão mostrando três dedos. Henry gritou comemorando, agarrando Emma pelo pescoço. – E vocês, meninas, tem duas mamães, uma madrasta e um novo tio. – Zayn olhou estranho para Lauren. – Não vou deixar minhas filhas te chamarem de pai. – Ela resmungou me fazendo rir. Ciumenta.

– Mama, não é madrasta, é fada madrinha. – Amber corrigiu Lauren cruzando os braços e fazendo bico.

Lauren levantou as mãos em rendição, Zayn levantou as sobrancelhas e as balançou divertidamente. Amber e Maya gargalharam e por fim, todos nós estávamos mimando as crianças. Agradeci aos deuses por nossos filhos terem recebido a notícia de que seus pais estavam namorando uns aos outros. Confesso que de inicio achei que era muito complexo para eles, mas logo lembrei que tanto Henry, quanto as gêmeas eram crianças espertas e que entendiam tudo de forma rápida.

Já era tarde quando meus pais e Sofia foram embora. Clara e Mike desejaram boa noite e recolheram-se em seu quarto para uma boa noite de sono depois de tantas emoções. Henry adormeceu nos braços de Taylor e as gêmeas nos braços de Chris e Lauren. Depois de acomodar as crianças, Taylor nos desejou boa noite e recolheu-se em seu quarto. Chris também alegou estar cansado e retirou-se deixando apenas Zayn, Emma, Lauren e eu.

– É, até que correu tudo bem. – Emma comentou sentando-se ao lado de Zayn. Estávamos todos na varanda bebendo e conversando.

– Ainda bem! Meu medo era que minhas filhas rejeitassem Camila e que Henry me rejeitasse. – Lauren confessou passando seu nariz em meu pescoço, causando-me arrepios.

– É, eu também estava com esse medo. Meu filho é incrível, mas agradar duas garotinhas com os gênios de Lauren e Emma… – Zayn balançou a cabeça nos fazendo rir.

– Ainda bem que tudo deu certo, que nossos filhos nos amam e nos aceitam. – Levantei minha cerveja para eles que brindaram.

Passamos mais uma hora sentados ali para logo reclamarmos de cansaço. Lauren mostrou o quarto que Emma poderia dividir com Zayn e desceu ao meu encontro. Ela havia cedido seu quarto para os nossos ex’s e nós havíamos ficado sem.

– Amor, se você quiser dormir com a Taylor, eu posso…

– Eu vou dormir com você. – Eu disse levantando-me. Tirei os saltos perdendo alguns centímetros de altura.

– Mas… Eu pretendo dormir ali. – Ela apontou o sofá e eu dei de ombros.

– Contando que eu durma agarradinha a você, não me importo de dormir no sofá da sala dos meus sogros. – Lauren gargalhou puxando-me pela cintura.

– Obrigada por essa noite. Eu não sei o que seria de mim…

– Shii! Não fala nada. Eu estou muito feliz que tudo deu certo. Estou feliz por nossos pais terem se dado bem, por nossos irmãos terem se divertido juntos, por nossos filhos terem nos aceitado e feliz por estar aqui com você. – Segurei seus cabelos e forcei meus lábios contra os seus em um beijo furioso.

Eu estava louca de vontade de beijá-la. Por causa as crianças, Lauren e eu não trocamos nenhum tipo de carinho e aquilo já começava a despertar em mim um sentimento de abstinência, de abandono. Lauren agarrou minha cintura, me tirando do chão caminhando comigo até o sofá. Sua boca desceu beijos pelo meu queixo até chegar em meu pescoço, onde ela beijou, mordiscou e lambeu. Eu já começava a me sentir excitada e Lauren não estava facilitando para mim, pois pressionou seu quadril contra o meu me fazendo gemer baixo.

– Amor, s-seus pais… Eles…

– Eles não vão acordar. Relaxa!

Lauren voltou a me beijar daquele jeito gostoso e eu me entreguei. Transamos louca e apaixonadamente naquele sofá. Não sei como, mas depois de gozar e estar extremamente sonolenta, Lauren ainda conseguiu nos levar até o banheiro que ficava no segundo andar da casa e nos dar um banho. Descemos entre beijos e risadas. Nos jogamos no sofá e logo senti meu corpo ser agarrado e acariciado por ela. Antes que eu apagasse totalmente, escutei sua voz rouca sussurrar.

Você aceitaria morar comigo quando voltarmos a Boston? – Confesso que sua pergunta me despertou, mas com o carinho gostoso que ela fazia em minhas costas, eu logo adormeci, mas tendo a certeza de que a resposta seria sim.

Meses depois

Cheguei em casa por volta das cinco da tarde. Não me surpreendi quando vi Lauren e Zayn brincando com Henry e as gêmeas no jardim. As gêmeas usavam um maiô, cada um de uma cor, enquanto Zayn, Lauren e Henry usavam shorts de basquete. Lauren usava um top preto que deixava sua barriga amostra. Eles jogavam a bola de um lado para o outro do jardim, enquanto gritavam correndo desesperados atrás dela. Sorri alegremente escutando a alta gargalhada de Henry quando Lauren o pegou pela cintura tirando-o do chão e o colocando atrás dela para que ela saísse na frente para pegar a bola. Adorava ver meu bebê feliz, alegre, sorridente. Henry era a coisa mais importante da minha vida e eu faria tudo para vê-lo sempre sorrindo. Lauren e Zayn partilhavam do meu pensamento e tentavam agradar meu filho e as gêmeas de todas as formas.

– MAMÃE! – Henry finalmente notou que eu havia chegado e correu até mim. Abri um sorriso ainda mais do que já sustava e me ajoelhei na grama para abraçá-lo.

– Meu amor! – O abracei com força. Henry enterrou seu rostinho suado em meu pescoço, enquanto eu me levantava com ele nos braços. Por pouco não cai quando meu salto prendeu em uma parte da grama. Agradeci a Fred por estar ao meu lado e me amparar. – Que saudade, bolinho. – Henry gargalhou. – Você está… – Coloquei meu nariz em seu pescoço sentindo o cheiro gostoso que ele tinha misturado ao suor. – Você está cheirando a porquinho. – Mordisquei sua bochecha escutando sua gargalhada, sentindo meu coração se aquecer.

– Mamãe, eu estava brincando, é claro que eu vou estar suado. – Cerrei os olhos. – Vem brincar com a gente, mama. Vem! – Ele se balançou em meus braços pedindo para descer. Eu o mantive onde estava desfrutando de seu calorzinho. – Mãe, me põe no chão. Vem brincar comigo, com a Lauli e com o papi. – Ele apontou Zayn e Lauren que aos poucos se aproximavam de nós. Ambos secavam o suor de sua nuca com uma toalha de rosto preta. As gêmeas ainda brincavam com a bola, ignorando minha presença ali.

– Boa tarde, meu amor. – Lauren selou nossos lábios rapidamente antes de fazer cócegas na barriga de Henry que se contorceu em meus braços gargalhando e tentando fugir dos dedos brincalhões dela.

– Mamãe, m-me proteja. – Pediu entre gargalhadas. – PAPAI! – Henry gritou pedindo, em vão, que Zayn o ajudasse, mas ele juntou-se a Lauren nas cosquinhas para o desespero de Henry. Eu sorri, virando-me de costas para Zayn e Lauren evitando que eles continuassem a provocar risadas em meu filho. – Hahaha! A mamãe me protege. – Henry zombou de Lauren e Zayn que riram.

– Você é um espertalhão. – Lauren rebateu, encarando Zayn. – Você viu que estava perdendo para nós e revolveu fugir usando a desculpa da chegada da sua mãe. Eu te manjo, rapazinho. – Lauren continuou e Zayn prontamente concordou querendo implicar com nosso filho. Henry que cruzou os bracinhos armando uma cara zangada.

– Isso não é verdade. Fala para eles, mamãe. Fala que eu estava com saudade e que…

– Nem vem! Você está persuadindo sua mãe a te acobertar. – Henry franziu o cenho diante as palavras diferentes.  Gargalhei negando com a cabeça. Meus três amores adoravam se provocar.

– Mamãe, a Lauli e o papai estão mentindo. Eles estão falando que eu fugi, mas eu não fugi. Fala para eles. Eu não fugi, eu só estava com saudade e queria te abraçar. Fala para eles, mãe. Fala! – Ele pediu chacoalhando meus ombros.

– Henry! – O chamei fazendo-o parar. – Você não fugiu, filho. Você só estava com saudade da mamãe. Seu pai e Lauren sabem. Eles só estão falando isso para te encher. – Zayn negou fazendo Henry ficar emburrado. – Zayn! – O repreendi. Ele revirou os olhos bagunçando os cabelos de nosso filho.

– É brincadeira, campeão. Papai sabe que você não fez de propósito. – Henry assentiu. – Agora que sua mãe chegou, papai vai embora e você vai subir e tomar seu banho. – Henry fez bico fazendo Zayn rir. – Ela já, já vai subir para te ajudar, não é? – O olhei confusa, mas assenti. Lauren recolheu a bola e aproximou-se de nós com duas macaquinhas penduradas em suas costas.

– Ei, tia Mila. – As gêmeas me cumprimentaram ofegantes.

– Oi, amores. Como vocês estão? – Elas deram de ombros, agarrando-se mais a Lauren.

– Hey, da Vinci? – Meu filho se virou para Lauren que estendeu os braços. – Vamos tomar um suco e depois um banho? – Henry comemorou, descendo do meu colo correndo em direção a Lauren. – Amores, que tal ir com o tio Zayn? Mamãe deve estar desesperada de saudade. – Amber e Maya suspiraram antes de beijarem a bochecha de Lauren.

– Vamos, meninas. – Zayn as pegou no colo.

– Tchau, tia Mila. – Maya acenou para mim e Amber piscou, agarrando-se a Zayn como estava agarrada a Lauren, segundos atrás.

– Tchau, meus amores. – Elas acenaram.

–Tchau, Zayn! Nos vemos no sábado. – Meu ex assentiu e logo Lauren entrou com Henry em seus braços.

– Errr… Aonde vocês vão sábado? – Perguntei tentando não parecer muito curiosa, mas não adiantou muito. Zayn soltou uma risadinha segurando a perna de Amber que estava escorregando.

– Jogo de basquete. Troy quem está organizando. – Mesmo estando surpresa, eu concordei. – Mila, o papo está bom, mas eu tenho que ir. Emma deve estar arrancando os cabelos pela minha demora. Tenho que pegá-la no ateliê e levar as meninas para a natação. – Soltei uma risadinha adorando vê-lo todo bobo daquele jeito. – Não me zoa, ou eu conto para Lauren que você e a Emma estavam conversando sobre bumbuns masculinos naquele jantar lá em casa. – O olhei horrorizada.

– Você não seria capaz. – Zayn piscou para mim, pegando as chaves de seu carro.

– Beijo! – Ele deixou um beijo estalado em minha bochecha e correu até seu carro equilibrando as meninas em suas costas.

– Maldito! – Ele acenou para mim e em pouco tempo, seu carro sumiu pelos portões da casa que agora eu dividia com Lauren.

Notei que estava sozinha no jardim e suspirei girando os calcanhares para me encaminhar para dentro. Seis meses se passaram desde que estivemos em Miami e Lauren me convidou para morar com ela. Confesso que pela manhã eu não me lembrava do pedido, mas quando pousamos em Boston novamente e Lauren refez o convite, eu tive que aceitar. Claro que pedi alguns meses para me organizar e me acostumar com o nosso namoro. Há aproximadamente um mês Lauren apareceu em meu apartamento com as chaves da casa que estamos morando e disse que o tempo que eu pedi já havia se esgotado e que ela não aceitaria um “não” como resposta. Estávamos completando uma semana naquela casa. Morávamos há quatro quarteirões da casa de Emma e agora, Lauren era a van escolar de nossos filhos. Henry não poderia estar mais feliz. Ele acordava e encontrava Lauren na piscina para que os dois nadassem. Depois Lauren o dava banho e em seguida eles tomavam café da manhã juntos. Lauren passava na casa de Emma e levava as três crianças para a escola. Sempre que Zayn podia, ele buscava as crianças e passava algumas horas com elas. Emma estava em pleno vapor com sua coleção primavera-verão. Eu não tinha um só tempo livre na agenda e Lauren, pelo que percebi, com as constantes visitas de Verônica, Keana e Alycia, estava planejando levar sua exposição para Londres e parecia planejar uma nova.

Aquele começo estava sendo melhor do que eu poderia pedir. Eu tinha minha namorada ao meu lado todos os dias, tinha meu filho sorrindo tanto que suas bochechas chegavam a doer, morava novamente em uma casa grande e espaçosa do jeitinho que eu queria. Juan e Fred haviam voltado a trabalhar comigo, graças a Lauren que os chamou assim que nos mudamos. Estava tudo perfeito.

Entrei em casa notando o quão quieta estava. Meus olhos seguiram para a escada e um sorriso bobo nasceu em meus lábios imaginando o que Lauren e Henry estavam aprontando.

– Mademoiselle? – Soltei um gritinho assustado com a voz de Juan atrás de mim. Por pouco não perdi o equilíbrio e rolei escada abaixo. – Dona Lauren convidou à senhorita Iglesias, Vives e Hansen para jantar aqui. – Concordei, pois já sabia daquele jantar. – O que devo preparar? – Pensei por alguns segundos e sorri.

– Nada, Ju! – Ele me olhou espantado. – Aliás, você está liberado por hoje.

– Mas senhora, o jantar, ele…

– Dinah irá prepará-lo, não se preocupe. – Juan pareceu desgostoso, mas assentiu. – Obrigada, Juan! Tenha um bom descanso. – Ele agradeceu fazendo uma pequena reverencia antes de sair. Rolei os olhos para sua formalidade e voltei a subir as escadas.

A porta do quarto de Henry estava encostada e vozes animadas saiam lá de dentro. Resolvi dar privacidade a eles para se banharem e segui para o quarto que dividia com Lauren. Era um quarto grande demais para nós duas, mas Lauren alegou que gostava de espaço, por isso tínhamos um quarto daquele tamanho. Me livrei dos meus saltos e me joguei na cama sentindo meus músculos relaxarem aos poucos. Fechei brevemente os olhos e agradeci por minha vida ter entrado nos eixos e por eu estar vivendo um conto de fadas. Senti um cheiro gostoso de sabonete infantil e logo mãos quentes passearam pelo meu corpo.

Oi! – A voz rouca e sussurrada de Lauren arrepiou-me por inteiro. Enfiei minhas mãos por entre seus cabelos molhados e rodeei sua cintura com as pernas. – Estava com saudade de você. – Lauren apoiou os cotovelos ao lado da minha cabeça e selou nossos lábios em um beijo carinhoso.

– Eu também estava. – Murmurei soltando um suspiro ao sentir Lauren beijar e lamber toda a extensão do meu pescoço. – Cadê o… – Mordi o lábio inferior para calar um gemido.

Ele está vendo TV. – Lauren sussurrou contra meu pescoço. Ela forçou seu quadril contra o meu e rebolou. – Estou com saudade, amor. – Lauren murmurou descendo sua boca para o meu colo.

Por conta da mudança, fazia alguns dias que não transávamos. Lauren nunca foi de pedir sexo, mas tanto eu quanto, ela estávamos subindo pelas paredes. Nossos trabalhos, as crianças, o restante da mudança, tudo estava nos consumindo e nos deixando exaustas, impedindo que tivéssemos um momento só nosso. Girei nossos corpos sentando-me sobre seu quadril. Pude sentir que ela não precisava de nenhum estimulo para ficar pronta para mim e sorri. Lauren parecia uma adolescente desesperada. Suas mãos agarravam minha cintura com firmeza forçando meu quadril contra o seu.

– LAULI, MAMÃE. – Escutamos Henry gritar de seu quarto e Lauren bufou. Joguei meu corpo para o lado e logo Lauren levantou-se. – LAULI! – A voz de Henry ficou mais próxima e logo ele apareceu na porta. – Estou com fome. – Fez um biquinho choroso. Lauren sorriu, o pegando no colo.

– Vamos descer e fazer um sanduiche então. Quer um, amor? – Lauren virou-se para mim com um sorriso. Eu os encarava com tanta admiração que nem ao menos havia prestado atenção no que Lauren falou em seguida. – Amor?

– Hum… O que? – Os dois gargalharam e bateram a mão em um toque esquisito.

– Quer descer com a gente para preparar um sanduiche ou podemos nos entupir de sorvete até a Dinah chegar para preparar a comida? – Cerrei os olhos em direção a eles que sorriam travessos.

– Sanduiche e natural, Lauren. – Ordenei firme. Ela revirou os olhos e Henry bufou.

– Não foi dessa vez que conseguimos passá-la para trás, pequeno artista. – Henry assentiu tristonho.

– Haha! Muito engraçado vocês dois. – Lauren sorriu e apontou a porta. – Vou tomar um banho. – Anunciei levantando-me preguiçosamente.

Depois de longos minutos embaixo do chuveiro, saí sentindo meus músculos completamente moles. A água quente pareceu fazer uma massagem nas regiões tensas. Entrei no quarto olhando para a porta buscando ouvir vozes, mas tudo parecia quieto, ou seja, Lauren e Henry ainda estavam na cozinha. Troquei-me rapidamente e desci, passando a mão pelo cabelo desembolando alguns fios. Assim que entrei na cozinha, senti meu coração parar. Henry estava em pé sobre o balcão da cozinha, enquanto Lauren parecia brincar com as fatias de pão.

– Lauren Michelle! – Chamei sua atenção. Lauren tomou um susto e deixou cair às fatias de pão. Sua expressão era de criança assustada. – Henry, vem aqui! – Tirei Henry de cima do balcão e olhei furiosamente para Lauren. – Você pode me explicar o que estava acontecendo aqui? Que ideia é essa de colocá-lo em cima do balcão? Imagina se ele cai, Lauren?

– Mas, Camz… Eu estava de olho nele. Ele não ia cair. – Bufei contando até dez para não estrangulá-la.

– Não me interessa, Lauren. Não quero ver isso novamente. – Olhei para Henry que encarava o chão como uma expressão arrependida. – Ouviu bem, Henry? Suba nesse balcão novamente e você ficará de castigo por um mês. – Disse firme, ele assentiu. – Você também, Lauren! – Minha namorada arregalou os olhos. – Já preparou o sanduiche ou estava muito ocupada brincando? – Perguntei puta da vida. Lauren engoliu a seco, pegando uma bandeja com quatro sanduiches e três copos de suco.

– Aqui. Preparei um para você também. Henry, o seu. – Lauren entregou ao meu filho seu prato do homem aranha e o copo de suco. – Err… Eu vou…

Lauren pegou seu sanduiche abocanhando um grande pedaço antes de começar a limpar a bagunça que havia feito no chão e sobre o balcão. Henry fungou atraindo minha atenção. Ele, ainda de cabeça baixa, seguiu para a sala de jantar com seu sanduiche em mãos. Quis me estapear por assustar minha namorada e por repreender meu filho. Não gostava de ser chata com eles, mas ao ver Henry sobre o balcão, meu coração parou e minha mente gritou para que eu fizesse alguma coisa. Acabei explodindo com eles. Eu sabia que Lauren nunca deixaria Henry cair, mas eu sou mãe, tenho direito de surtar vendo uma cena como aquela. Esperei até que Lauren terminasse de arrumar a cozinha e me aproximei dela.

– Amor…

– Tudo bem, Camila. Eu não farei mais isso. – Ela disse em um tom sério que fez meu coração se apertar.

– Amor, não fica com raiva de mim. Por favor, tenta me entender. Eu cheguei aqui e vi o Henry em cima do balcão, logo me bateu um desespero.

– Eu não ia deixá-lo cair, Camila. Eu estava de olho nele.

– Lauren, você estava brincando com as fatias de pão.

– Mas ainda estava prestando atenção nele. – Ela rebateu irritada.

Era a nossa primeira briga como casal e por um motivo tão bobo, que eu não estava conseguindo acreditar. Lauren respirou fundo, virando as costas para mim. Olhei para cima buscando forças para evitar que aquela briguinha continuasse.

– Amor, desculpa explodir com você. Eu tenho direito de surtar quando vejo algo tão perigoso, mesmo sabendo que você não o deixaria cair. – Parei atrás dela encostando meu peito em suas costas. – Me desculpa, meu amor. – Lauren respirou fundo se virando para mim.

– Eu não gosto de brigar com você. – Assenti, fazendo um bico. Lauren rolou os olhos, pegando-me pela cintura me tirando do chão. Quando dei por mim, Lauren já estava sem blusa.

– A-amor… Henry, ele está l-logo ali. – Lauren assentiu completamente concentrada em beijar meu pescoço. – Amor. – Agarrei os cabelos de Lauren puxando sua boca para longe de mim. – Podemos fazer isso depois? Henry esta logo ali. – Lauren bufou e assentiu colocando-me no chão novamente. Ela limpou o canto dos lábios, abocanhando o restante de seu sanduiche.

– Vou chamar o pequeno para assistirmos filme, enquanto as meninas não chegam. – Concordei acompanhando Lauren rebolar para fora da cozinha me fazendo morder o lábio admirando aquele rebolado gostoso.

Fiz meu lanche e me aconcheguei no sofá da sala para ler meu livro. Não sei quanto tempo passei sentada ali, mas quando dei por mim, minhas convidadas já estavam entrando pela porta da frente com Lauren rindo atrás delas. Fechei o livro e me virei para trás encontrando Vero, Lucy e Dinah lado a lado. As três pararam de falar e me encararam.

– Por que é que você está vestindo pijama sendo que sabia que teria convidadas para o jantar? – Dinah perguntou sem nem ao menos me cumprimentar.

– Bom, eu estou na minha casa e eu posso usar o que eu bem entender. – Disse fazendo as meninas rirem, menos Dinah que me encarava com uma expressão fechada.

– Ótimo! Fale assim comigo de novo que você passa a noite com fome. – Ela veio até mim e me abraçou. – Saudades, Walz.

– Saudade, China. – Nós nos abraçamos e ficamos em nossa bolha até Vero nos interromper pedindo a Dinah que preparasse petiscos. – Vou me trocar enquanto vocês se viram ai. – Segui para as escadas.

– Amor, traz aquela blusa preta para mim?

Lauren pediu quando eu já estava no alto da escada. Concordei e terminei meu caminho. Me troquei rapidamente colocando uma roupa apropriada para aquela ocasião. Peguei a blusa que Lauren havia pedido e antes de descer novamente, chamei Henry para cumprimentar as meninas. Lauren havia colocado uma maratona de desenhos para que ele assistisse. Henry desceu rapidamente para cumprimentar sua madrinha e as amigas de Lauren antes de voltar para o seu quarto nos deixando a sós novamente.

Enquanto Dinah preparava o jantar, Lauren, Vero, Lucy e eu conversávamos sobre assuntos triviais. Era tão bom tê-las ali. Era animador ver as constantes discussões entre Lauren e Vero por qualquer coisa que fosse. Soube por Lucy, que ela e Vero estavam tentando recomeçar e fiquei feliz por elas. Nós começamos a conversar sobre a relação dela, enquanto Lauren e Vero se provocavam. Mani não pôde estar conosco já que estava em turnê com sua companhia de dança, mas sabia que se ela estivesse ali, o jantar seria ainda melhor. O jantar foi servido e Dinah fez questão de preparar o prato favorito de Henry levando para ele no quarto. As provocações entre Lauren e Vero deram uma trégua enquanto comíamos. Dinah perguntou a Lauren sobre seus novos projetos e a questionou sobre o que ela achava de eu passar uma semana em Londres.

– Eu não gosto muito, mas é o trabalho dela. – Lauren respondeu com uma voz triste me derretendo por inteira. Segurei seu queixo selendo nossos lábios.

– Eu volto, amor. – Lauren deu de ombros e nós voltamos a comer.

Depois de jantarmos, nos reunimos na sala para beber e conversar. Relembramos algumas histórias engraçadas do passado. Lauren e Vero começaram a discutir sobre a época de faculdade nos rendendo boas risadas. Em um dado momento da conversa, Lauren encarou Dinah que a encarava com seriedade. Parecia que Dinah estava induzindo Lauren a fazer alguma coisa. Minha namorada pediu licença e demorou cerca de meia hora para voltar. Quando ela voltou, sua pele estava mais pálida do que o normal. Lauren ofegava, suava e até mesmo tremia. Comecei a me desesperar.

– Amor, o que aconteceu? Você está passando bem? O que está sentindo? – Lauren, ainda ofegante, olhou para mim me deixando confusa. Suas mãos suadas e tremulas acariciaram as minhas com delicadeza.

– A-amor… Err…

– Lauren. – Dinah chamou com uma voz séria. Minha namorada engoliu a seco e assentiu.

Franzi o cenho e voltei a fitar Lauren com preocupação. O que está acontecendo aqui? Vero e Lucy começaram a rir da situação de Lauren me deixando ainda mais confusa. Quis perguntar o que Lauren estava fazendo, mas me calei quando ela se ajoelhou aos meus pés. Meu coração se acelerou e eu senti minhas pernas tremerem.

– E-eu… Eu nunca soube fazer um discurso na vida, mas… – Ela balançou a cabeça negativamente xingando-se baixinho. – Ok! Vamos lá. – Lauren respirou fundo e voltou a me encarar. – Eu queria fazer isso com toda a nossa família reunida, mas já que não podemos, resolvi chamar as pessoas mais importantes em nossa vida para testemunhar esse momento tão especial para nós. – Arregalei os olhos quando vi Lauren levantar uma caixinha preta. Ela, com dificuldade, conseguiu segurar a caixinha em frente ao meu rosto. – Camila, eu queria que você soubesse que eu te amo e sempre vou te amar. Eu quero que saiba que independente da sua resposta, nós continuaremos juntas e seremos felizes assim.

– Lauren… O q-que você e-esta…

– Por favor, me deixe falar o pouco que tenho a dizer. – Ela calou-me com seu indicador. Assenti, engolido a saliva como se fossem pedras. – Assim que coloquei meus olhos em você, soube que você seria minha. Podia demorar o tempo que fosse, mas eu sabia que um dia iria te conquistar e que um dia iria fazer o que estou para fazer agora.

Eu não sabia o que fazer ou o que falar, só sabia sentir. Meu coração estava disparado, minhas mãos tremiam e lágrimas começavam a brotar em meus olhos. Lauren tinha seus olhos fixos no meu dedo anelar onde por muitos anos carreguei uma aliança.

– Sei que nossa relação começou da forma errada, mas graças a uma segunda chance do destino, nós estamos tendo a chance de consertar e eu estou tão feliz com isso. – Sorri concordando em meio às lágrimas. – Eu estou tão feliz em finalmente tê-la para mim, em poder dizer a todos que você é minha namorada. – Lauren sorriu, beijando minha mão. – Ainda assim, eu ficaria mais feliz se pudesse te chamar de senhora Jauregui. – Meus olhos praticamente saltaram para fora quando ela disse aquilo. – É. Camila, eu queria ter feito um discurso bonito onde eu me declarasse para você e finalmente fizesse o pedido, mas eu nunca fui muito boa com as palavras. – Todas que estavam a nossa volta riram e concordaram. Lauren girou os olhos e se concentrou apenas em mim. – Eu pensei muito sobre o que estou prestes a fazer e em momento algum tive dúvidas de que era isso mesmo que eu queria. Espero que seja o que você queira também. – Ela murmurou mais para ela do que para mim. Segurei seu rosto fazendo seus olhos encontrarem os meus.

– Você está divagando, amor. – Lauren suspirou, engolindo a seco. Ela passou a mão sobre a testa limpando o suor.

– Certo! Camila Cabello, você… – E ali Lauren travou. Depositei um beijo sobre seus lábios e sobre sua testa mostrando a ela que eu estava ali e que não sairia do seu lado em momento algum da vida. – Você… Merda! Eu não sei fazer isso.

– Vai logo, Lauren! É só perguntar. – Vero disse irritando Lauren.

– Porra, Verônica! Me dá um tempo! Eu nunca pensei que fosse tão difícil pedir alguém em casamento. Com Emma foi fácil, pois estávamos em uma viagem romântica, mas agora… Com você no meu cangote enchendo o meu saco… Tudo fica mais difícil. – Sorri segurando o rosto de Lauren. Ela olhou para mim como quem olha para um tesouro.

– Meu amor, é só falar, ok? Esqueça que tem mais pessoas aqui. Pense apenas em mim e fale. – Acariciei seu rosto, disfarçando muito bem meu nervosismo. Lauren sorriu e retomou sua confiança.

– Camila, eu poderia te fazer esse pedido falando um monte de coisas bonitas que com certeza fariam seu coração disparar, seus olhos transbordarem em lágrimas e você ficar sem resposta, mas eu não sou boa em inventar discursos bonitos. – Rimos juntas. – Então vou ser direta. – Lauren pegou a cerveja que estava em minha mão e bebeu um grande gole. – Camila Cabello, você aceita ser uma Jauregui? Você aceita ficar comigo hoje, amanhã e até o fim de nossas vidas? Eu te amo o suficiente para mim e para você. Quero e preciso passar o resto da minha vida ao seu lado porque é você quem eu amo, é você quem eu quero, é você que me inspira a fazer arte, é você quem me faz sorrir todos os dias, é você quem transforma as minhas manhãs, é você quem me faz dormir e acordar com um sorriso. Meu coração bate por você, eu respiro você, eu sou Lauren por você. – Escutei um coro falando “awn” e sorri deixando que minhas lágrimas caíssem. – Camila, você aceita se casar comigo?

Meus olhos estavam presos em Lauren. Ela parecia ansiosa para ouvir minha resposta, mas as palavras, por mais que estivessem circulando em minha cabeça, elas não conseguiam sair. Eu estava paralisada, admirando sua beleza e tentando processar aquele pedido. Eu soube assim que Lauren se ajoelhou aos pés o que ela faria, mas meu cérebro parecia estar fazendo um jogo comigo. Ele me impedia de falar, de respondê-la. Lauren parecia se desesperar aos poucos pela minha falta de reação. Mas eu simplesmente não conseguia falar nada. Meu coração acelerado no peito por tê-la tão perto de mim. As palavras de seu discurso repassando em minha cabeça fazendo com que as borboletas que abrigavam meu estômago começassem a voar desembestadas. Eu sabia o que significava tudo aquilo que estava sentindo, mas não conseguia colocar para fora.

– Sabe, Camila… Lauren ficaria um pouco menos desesperada se você dissesse alguma coisa. – Vero disse trazendo-me de volta a realidade.

 – Amor… E-eu…

– Você pode pensar se quiser…

– Eu não preciso pensar, pois eu já tenho minha resposta. – Lauren levantou as sobrancelhas, ansiosa para ouvir o que eu tinha para dizer.

– Que seria? – Lauren me olhava com tanta expectativa. Segurei seu rosto em minhas mãos e a beijei com amor.

– É claro que eu aceito me casar com você. Eu seria louca se não aceitasse. Eu amo você, Lauren. Amo você com todas as minhas forças. – Lauren fungou e jogou-se sobre mim.

– Eu te amo, eu te amo, eu te amo. Nós vamos ser tão felizes juntas. – Lauren voltou a se ajoelhar e colocou a aliança em meu dedo anelar levando minha mão até seus lábios beijando com carinho. – Eu te amo e prometo te fazer muito feliz. – Sorri, puxando-a para um abraço. Ficamos em nossa bolha por alguns minutos até sermos interrompidas por Vero e Dinah gritando.

– UHUUL! TEMOS UM CASAMENTO PARA ORGANIZAR. – Lauren e eu a olhamos sorrindo. É! Elas tinham um casamento para organizar, o meu casamento com Lauren.


Notas Finais


Tcharaaaam!
Espero que tenham gostado do capítulo. Nós nos vemos em breve.
Beijos <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...