História La Familia - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Rebelde (RBD)
Tags La Família, La Família Rbd, Rbd
Visualizações 835
Palavras 6.427
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oie minhas gatas!!
Desculpa a demora mas estava muito enrolada com a escola e coisas do tipo mas aí esta um capitulo quentinho para vocês!
Espero que gostem!
Boa leitura!!

Capítulo 7 - Natal Part. 2 E Dúvida


Fanfic / Fanfiction La Familia - Capítulo 7 - Natal Part. 2 E Dúvida

Capitulo Sete

Natal Part.2 & Duvida

POV ANNIE

Depois de darmos feliz natal uns aos outros fomos em direção a arvore de natal- já havíamos posto todos os presentes ali.

-Os meus primeiro- gritou a Dul sorridente.

-O meu primeiro Dul- falou o Chris ansioso.

-Tudo bem- falou ela e deu uma caixa em tamanho médio para ele e parecia pesada, ele tirou a tampa e olhou lá dentro e deu um sorriso enorme.

-O que é Chris?- perguntei junto com o Ucker.

Ele sorriu e nos mostrou, era uma coleção de variadas coisas de desenhos animados diferentes, havia muita coisa ali dentro e era tudo tão colorido que doía de ver.

-Nossa, Dul onde você achou tudo isso?- perguntou o Chris admirado.

-O seu foi o mais complicado de escolher, por que sempre que eu via algo bom um segundo depois eu via algo bom também e ficava confusa- explicou sorrindo- aí eu resolvi montar seu presente!

-É demais, obrigado Substituta de Horácio- disse se levantando e abraçando a Dul e a levantando do chão- com cuidado para o vestido não subir- fazendo com que a mesma soltasse um gritinho.

-Bom- disse a Dul arrumando o vestido- Mayê...

-Dul?- falou a May hesitante para a Dul.

-Esse é o seu- disse abrindo a bolsa pegando um pequeno saquinho e entregou para nossa maninha mais sensata- sensata para quem não a conhece, é que esses dias ela esta meio quieta, mas espera o rabo dela pegar fogo!

-Vejamos- disse abrindo o saquinho e pegando alguma coisa pequena entre os dedos- Onwt Dul é lindo!- disse abraçando a ruiva.

-O que é?- perguntei. Admito: eu sou curiosa!

-Olha- disse a May colocando um anel prateado com alguns desenhos em preto em volta do anel todo, era lindo demais!

-Uau- falei entregando o anel a ela.

Ela rapidamente colocou no dedo.

-Ah Dul!- falou o Chris bufando.

-O que menino?- disseram a Dul e a May juntas.

-Nada- falou ainda emburrado. Ô Deus.

-Ok, Annie- disse se virando para mim com uma caixa media nas mãos. Sorri quase quicando na cadeira de tanta curiosidade, abri o embrulho com cuidado, quando terminei havia uma caixa preta, abri a tampa e dei um grito de alegria.

Coloquei a caixa de lado e pulei no colo da minha amiga que caiu no colo de alguém que eu não sabia quem era e não queria saber.

-Obrigada amiga- disse quase chorando- ele é lindo!

-Aii- disse o Ucker, ah então era ele que estava ali embaixo... Nem ligo, ele deve estar no máximo de pau duro!

Levantei-me e fui até a caixa, a Dul continuou lá no colo do Boy Magia dela recuperando o folego, quando levantou ele rapidamente colocou uma almofada no colo e ela estava muito corada. Sabia!

-Olha May- disse tirando o salto de lá, ele era azul turquesa bem alto com alguns laços na parte do salto e era flocado.

-Ok, continuando- disse indo até um embrulho que eu reconhecia muito bem: Roupa- Poncho...

-Obrigado Dul- disse a abraçando e pegando o pacote, ele abriu e estendeu a camisa em seu colo, era uma camisa polo azul escura.

-Pronto!- disse sorrindo e se sentando.

-E eu?- perguntou o Ucker.

-Você não foi um bom menino esse ano Ucker - ela respondeu sorrindo meiga.

-Ah Dul!- disse indignado.

-Ta bom- disse jogando uma caixa pequena e comprida para ele.

-Ai- disse quando a caixa se chocou com a sua testa.

-Foi sem querer- disse se levantando e indo até a cozinha.

-O que é?- perguntei novamente.

-Você é muito curiosa- disse o Ucker rindo da minha curiosidade.

Ele abriu o embrulho azul escuro metálico e tirou uma caixinha em veludo abriu e ficou segurando em frente ao seu rosto com a mão esquerda. Não me aguentei e sentei na almofada no seu colo e olhei.

Era um relógio de prata e parecia ser caríssimo! Ela tinha muito bom gosto.

-Wow- falei – sortudo- sorri beliscando a bochecha do Ucker e me levantando voltando ao meu lugar.

-E ai- disse a Dul voltando segurando em uma mão quatro taças em uma mão três na outra e no braço uma caixa de isopor médio e parecia pesado, largou tudo na mesa e olhou para o Ucker.

-É muito lindo obrigado Dul- disse abraçando-a e a levantando do chão rodando-a, o que fez com que o vestido subisse.

POV DUL

-Ucker meu vestido seu idiota- falei, mas não estava nem um pouco afim que ele me largasse.

-Não seja por isso- falou e deu um impulso e em vez de me segurar pela cintura como estava antes, ele me segurava pela bunda fazendo com que eu enlaçasse minhas pernas em sua cintura.

-Ei vocês dois- falou o Chris, me afastei minimamente do Ucker para olhá-lo- vão para um quarto poxa.

-Seria uma boa ideia né- falou o Ucker sorrindo malicioso.

-Nem vem- falei descendo do seu colo.

POV ANNIE

Onwt tão bonitinhos! Mas eles precisam se dar conta do que sentem, ela me disse que gostava dele e eu vejo que é bem mais que isso, mas minha amiga foi muito ferida na ultima vez que confiou em alguém, e ele é um tapado, desde sempre ele olhava de um jeito estranho para a Dul, desde a época da novela, eu sabia que quando a gente namorou não iria dar  certo por muito tempo pois não se engana o amor, foi bom enquanto durou, eu não a culpo ou o culpo por isso... A Dul sempre disse que nunca viu ele mais que um cunhado na época mas eu via os olhos dela, e também eu não olhava de um jeito muito melhor para o Poncho!

Eles tem que parar de ser tão orgulhosos, mas enfim!

A Dul saiu de perto do Ucker e foi até o isopor abriu e tirou uma garrafa de vinho e serviu em todas as sete taças nos entregando.

-Agora eu- gritou a May se levantando- ok, Dul...

A Dul se levantou e foi até ela que entregou um embrulho vermelho vibrante para ela.

-O que será?- disse a Dul abrindo o embrulho e tirou de lá uma bolsa vermelha sangue com uma parte xadrez em preto e branco- Onnw May é muito linda, obrigada!- falou abraçando a May.

-Annie- disse cantarolando.

-Essa é a minha deixa!- levantei-me e fui até minha amiga mais supersticiosa!

-Aqui Annie- disse pegando um embrulho rosa pink que denunciava: Roupa.

Abri e peguei o pano leve e macio no vestido cor de lavanda justo no busto com uma faixa mais escuro um pouco mais abaixo dos seios e depois se estendiam em uma saia solta e fofa.

-AMEI- disse me jogando em cima dela, mas ela já estava preparada e não caiu como minha amiguinha mais louquinha. Ela riu até ficar vermelha.

-Uckeer- falou com a voz arrastada- esse é o seu- disse entregando uma caixa branca para o menino que estava com o relógio na mão e com a almofada ainda no seu colo. Vish, esse é o poder que a Dul tem sobre ele.

-Obrigado- disse levantando, mas continuou segurando a almofada. Ele abriu e ficou muito corado e fechou a caixa apoiando os braços nela.

-O que é?- perguntei para ele que negou com a cabeça- O que é?- falei olhando para a May.

-Nada demais- falou com aquele sorriso de quem aprontou.

-Tudo bem- falei olhando para ela- mas depois você vai me contar o que é!

-Ok, Poncho- disse ela olhando para o Poncho que estava com cara de mongol- PONCHO!

-Hã? Oi?- falou confuso olhando para os lados- quem me chamou?

-Eu criança- falou a May entregando uma caixa media para ele.

-Ah, desculpa May!- falou levantando e a abraçando.

-Abre- falou ela, ele tirou a tampa e sorriu tirando um All Star vermelho.

-Obrigado May- falou a abraçando outra vez.

-Agora eu!- disse o Chris. Ei o Chris sempre pede o presente dele primeiro e dessa vez ele nem abriu a boca, vi a May corar e pegar uma caixinha fininha quadrada e entregar para ele.

-Aí esta- disse e ele por sua fez tirou o papel de presente exibindo uma caixinha vermelha sangue.

-Ei Chris- disse a Dul- me deixa ficar com a caixinha?

-Claro maníaca por vermelho- falou sorrindo grande e abriu a caixinha e seus olhos brilharam.

-Eu quero ver!- falei manhosa e o Poncho riu. Já o Chris ele virou a caixinha para mim e eu vi uma correntinha simples de ouro com um pingente que parecia ser um “C”.

-Obrigado May- falou abraçando ela pelos ombros e ela enlaçou os braços em sua cintura, ele a apertou com bastante força e ela nem reclamou apenas retribuiu o abraço.

-Annie- disse a Dul se sentando em um espaço entre mim e o braço da poltrona- o que você acha que vai rolar com esses dois?

-Não sei, mas acho, acho não... Tenho é certeza de que vai rolar alguma coisa, ou eu não me chamo Anahí- falei com convicção e ela riu me abraçando. Nós ficamos abraçadas um tempo e nos soltamos e a May e o Chris continuavam abraçados, sorri grande.

-Amiga- sussurrou a Dul sem olhar para mim mal movendo os lábios- não olha agora, mas o Poncho esta te olhando. 

Fiquei um tempo olhando para a May e o Chris e depois dei uma olhada no Poncho, não era que ele tava olhando mesmo? Quando ele me pegou olhando deu um meio sorriso e do nada as velinhas da mesa pareciam muito interessantes.

-Ok né- falei para a Dul- bom, agora é a sua vez de olhar para o Ucker!

POV DUL

-Annie você sempre para eu olhar para ele meu Deus- falei, mas olhei para o Ucker que sorriu malicioso me olhando dos pés a cabeça se demorando no busto e nas coxas, depois olhou diretamente nos meus olhos e levantou sua taça.

Já que quem ta na chuva é para se molhar levantei a minha também fazendo com que seu sorriso aumentasse.

Ui, algo me diz que essa noite vai acontecer MUITAS coisas.

POV ANNIE

Credo esses dois só faltam se comer com os olhos!

-Ei- cutuquei a Dul que me olhou meio tonta- vão para um motel!- falei e ela corou e o Ucker riu muito, acho que ele ouviu.

E a May e o Chis nada de se desgrudarem... Vish, do jeito que eles estão se apertando o fruto Chaverroni já foi gerado, por que eu nunca achei que fosse possível duas pessoas ficarem tão coladas com um abraço.

Depois de uns minutos eles se desgrudaram e sorriram um para o outro.

-Agora eu!- falei me levantando de uma vez, fazendo com que a Dul quase caísse.

-Maluca- praguejou baixinho. Ri e peguei o primeiro presente dos que eu comprei, acredite ou não, mas era para a rabugenta, vulgo Dul!

-Dul, linda do meu coração- falei sorrindo e ela me olhou brava- esse é o seu!

-Dá logo isso aqui- falou pegando a caixa da minha mão me fazendo rir ainda mais.

Ela abriu o embrulho e havia uma caixa preta e não havia nenhum nome de loja em nada do tipo, tirou a tampa e seus olhos brilharam e ela sorriu grande. Pegou um dos lados do salto preto bem alto com uma correntinha dourada folhada a ouro.

-Ah Annie!- falou quase jogando a caixa no colo da May que estava na poltrona ao lado quase no colo do Chris- é tão lindo- falou me abraçando pela cintura, até de salto é baixinha.

-De nada- falei a abraçando de volta.

-Que marca é?- perguntou voltando para a poltrona pegando a caixa que a May devolveu a ela.

-Fui eu quem desenhou- falei e todos me olhando de boca aberta- ele chegou um pouco antes da viagem e ai esta!

-É realmente lindo- falou admirada.

-Que bom- falei, peguei outra caixa sorrindo- May esse é o seu.

-Ah obrigada Anniezinha- falou se levantando quase caindo, mas o Chris segurou sua cintura a equilibrando- Obrigada- falou para o Chris corando.

Ela pegou a caixa e assim como a outra não tinha nome de loja.

-É divino- falou pegando o salto rosa pink flocado nas mãos

-Veja se ficou bom- falei e ela se sentou ao lado do Chris, quando ela aproximou o sapato do seu pé o Chris a interrompeu. Olhamos confusas para ele que se apressou em dizer:

-Eu faço isso- disse pegando o sapato e colocando com toda a delicadeza em seu pé.

-Onwt eu também quero alguém que um dia me trate assim- falei olhando para os dois de repente o Poncho se engasgou com sei lá o que, acho que foi com o vento já que ele havia esvaziado sua taça assim que levantei.

-Poncho, você esta bem?- perguntei olhando, ele estava roxo.

A Fabíola só piorava batendo com muita força nas costas dele.

-Ei- falei tirando as mãos dela de perto dele me ajoelhando em sua frente- Poncho- segurei seu rosto roxo com as mãos, ele estava sem ar- olha dentro dos meus olhos e respira fundo.

Ele fez o que eu pedi com a respiração falhando muito.

-Respira- falei com respirando e ele me acompanhou- inspira- falei inspirando e ele repetiu.

Fizemos isso mais algumas vezes até que ele conseguiu respirar por si só.

-Obrigado- falou tomando um copo de agua que a Dul trouxe.

-O que houve? Você engasgou do nada- falei me distanciando um pouco daqueles olhos verdes tão lindos.

-Engasguei com a saliva, foi só isso- falou meio sem graça.

-Ok então, mas toma cuidado hein- falei e me endireitei indo até a pilha de presentes.

-Ucker- falei colocando uma caixa em cima da almofada- que ainda estava em seu colo- sorrindo.

-Obrigado Annie- falou me abraçando sem jeito- mais uma caixa- disse suspirando.

Abriu-a e sorriu.

-O que é?- perguntou a May. Ele mostrou para todos, era uma caixa forrada em um pano levinho marrom com uma garrafa de vinho que me custou quase meus dois rins, duas taças também caríssimas e uma caixa em formato de coração contendo os melhores e mais saborosos bombons que eu encontrei. Ai como foi terrível provar tantos chocolates. Sentiu o sarcasmo?

-Uau- disse ele- é incrível Annie!

-Pois é isso é para você compartilhar com alguém especial!

-Você e a May combinaram nesse negocio de pessoa especial foi?- falou nos olhando desconfiado e a May desatou a rir.

-May, agora mais do que nunca eu quero saber o que é- falei a olhando.

-Depois eu conto- falou com um sorriso safado que me dá até medo, ela tem toda a pose de santa, santa sou eu perto dessa maluca!

A Dul por sua vez se manteve calada e encheu sua taça pela quarta vez.

-Dul- falei e ela me olhou com o que eu achei ser tédio- vai ficar bêbada.

-Quem ta na chuva é para se molhar!- falou e bebeu metade da taça, ok né!

-Bom, continuando- falei- Chris- falei sorrindo matreira e entregando a ele uma caixa comprida e um pouco pesada, depositei em cima das pernas da May que havia se encostado ao braço da poltrona com as pernas por cima das do Chris.

-Virei mesa- falou emburrada nos fazendo rir.

Ele rasgou o papel presente e sorriu vendo a embalagem da arma de brinquedo que eu comprei para ele.

-Uau Annie- falou sorrindo- Obrigado- falou se inclinando sobre a perna da May fazendo eu me abaixar para abraça-lo.

-Nem se compara a minha de Paintboll- disse a Dul sorrindo.

-Você tem uma arma de Paintboll?- perguntou o Ucker e ela simplesmente assentiu- nossa ta ai uma coisa que eu não imaginava. Quem diria a Dul, minh... Nossa Dul tem uma arma letal!

-Morre Uckermann- disse ela seria- Morre!

-Ok, chega de brigar!- falei- gritei- para os dois- parecem duas crianças!

-Foi ele quem começou- falou a Dul fazendo bico.

-Não- falou o Ucker negando com o dedo- foi ela!

-Foi você.

-Não, foi você.

-Foi você.

-Foi você.

-Você.

-Você!

-CALADOS- gritei e eles se calaram rapidinho- Esso!

Eles ficaram um tempo se encarado até que a Dul resolveu encher sua taça mais uma vez e o Ucker fez o mesmo.

-Poncho- falei pegando caixa fina, mas bem comprida com dificuldade entreguei ao Poncho que ficou sentado- só me agradeça depois de abrir, falei quando ele ia me abraçar.

Ele deu de ombros e rasgou o embrulho mostrando uma embalagem de papelão, eu sei que é uó, mas o que eu posso fazer?

Ele rasgou a caixa também sem nenhum esforço.

-Uau- falou olhando para a Fender vermelha que eu comprei em uma loja de música para ele- é perfeita- falou.

-Eu seu que é linda, mas perfeita já é demais- falei e ele apoiou-a na mesa e me abraçou me levantando do chão.

-Eu não falei da guitarra- sussurrou no meu ouvido fazendo eu me arrepiar. Ficamos mais alguns segundo assim até que ele me soltou, arrisquei olhar para a velha bandida que estava com uma cara que só vendo. Fiquei mega feliz, primeiro por que abraçar o Poncho é céu e segundo por ter deixado a vaca com raiva.

Sentei-me no chão ao lado do Ucker que anteriormente estava encostado no braço do sofá.

-Eu agora- disse o Chris se levantando.

-Dul- falou pegando uma caixa quadrada preta com uma fita vermelha- espero que goste baixinha.

-Eu só vou deixar o baixinha passar por que é natal!- falou pegando a caixa o abraçando.

Ela abriu a caixa e tirou uma tiara que era tipo uma coroa preta com pontinhas. Linda.

-Onwt Chris- falou o abraçando de novo- obrigada sua criança crescida.

-Eu estou maduro ta legal- falou falsamente bravo.

-E eu até sei por que- falou com o sorriso cheio de malicia.

-Ok né, Ucker- falou entregando um embrulho duro meio deformado.

-Valeu cara- falou e eles se abraçaram, o Ucker abriu o pacote e revelou um ursinho bege com os olhos castanhos enormes com um coração na mão com espaço para uma foto e em um dos pés estava escrito “te” e no outro “amo”.

-É pra colocar a foto de alguém especial- falou sorrindo.

-Esse negócio de alguém especial ta ficando serio!- falou bravo.

-Para de manha- falei rindo da sua cara.

-É para de manha cara- falou o Chris chutando seu pé- Poncho- falou entregando um embrulho mole: roupa. E pela grossura era uma camisa.

Dito e feito. Era uma camisa azul escura com verde de manga com gola V, bonita.

-Valeu ai cara- falou e eles deram aquele aperto de mão quebra osso e se abraçaram.

-Annie- falou e eu sorri. Ele me entregou uma caixinha pequenininha. O abracei murmurando um “obrigada” e abri a caixinha que continha uma pulseira dourada com varias pedrinhas rosa bebe.

-Ah, é tão linda Chris- falei beijando sua bochecha.

-E May- falou- depois eu te entrego o seu.

-Uhul May- falou a Dul rindo- se deu bem hein!

-Pois é né- falei rindo também, mais da risada da Dul do que qualquer outra coisa, mas nem ligo.

-Parem vocês duas- falou escondendo o rosto nas mãos fazendo a gente rir mais ainda. A Dul veio meio cambaleante- não sei se da bebida ou do riso- e sentou ao meu lado e o cheiro de vinho era forte. Ela riu muito e eu rindo mais ainda da risada dela. Rimos tanto que eu devo estar roxa e do nada a Dul caiu no meu colo ainda rindo.

Empurrei-a até ela sentar fui para frente e empurrei a Dul para o lugar onde eu estava e ela acabou por cair no colo do Ucker que se assustou.

-Maluca- falou começando a rir aos poucos, mas logo se controlou.

-Bom, já que o Chris já foi e o Ucker está ocupado- falou o Poncho olhando para o Chris que havia se sentado novamente e a May já colocou as pernas em cima das dele e o Ucker que tirou- finalmente- a almofada do colo e sentou a Dul entre as suas pernas com as costas em seu peito e manteve os braços ao seu redor- eu distribuo os meus presentes.

Ele se levantou com toda sua glória e fui até a arvore.

-May- falou entregando a ela uma caixinha de veludo lacrada. Ui joia!

-Obrigada Poncho- falou o abraçando de lado ainda sentada. Ela tirou o lacre e abriu. O Chris olhou o que quer que seja e sorriu.

-O que é?- perguntou o Ucker.

-Depois eu sou curiosa- falei para ele.

A May nos mostrou um colar lindo que eu tinha certeza que era feito com a prata mais pura que se encontra por aí, sabe daquelas que não enferruja.

-É lindo Poncho- falou a May e pegou a mão do Poncho dando um beijo na palma, ela tinha essa mania de beijar a palma na nossa mão.

-Tudo bem- foi até lá e pegou uma caixinha media branca com uma fita vermelha que a mantinha fechada-Dul- falou se ajoelhando ao lado dela que já havia parado de rir a alguns tempos, mas algo me dizia que ela estava bêbada já que nem reclamou de estar nos braços do Ucker, ao concluir esse pensamento- como se lesse minha mente- ela me olhou de relance sorrindo. Mas como é esperta essa menina.

-Obrigada Poncho- falou beijando sua bochecha perto da orelha sussurrando algo o deixando corado. Ah merda de curiosidade, queria poder ouvir a longa distancia!

Ela puxou a fita e destampou a caixa sorrindo e pegou a mão do Ucker e mantendo aberta com a palma para cima.

-O que?- falou ele meio confuso.

-Sua mão vai me servir de apoio- disse sorrindo e nos aproximamos para ver o que ela iria por ali, primeiro ela colocou um par de brincos em forma de coração com a imagem da bandeira dos estados unidos bem pequeno, depois ela colocou outro par em forma de boca vermelha, depois- novamente- um par de brincos com uma pedrinha vermelha e ao redor prateado pequeno também, depois... Se você pensou em um par de brincos... ACERTOU! Eram duas bolinhas vermelhas, depois- ah isso já ta ficando chato- outro par de brincos em formato de rosa e por ultimo- finalmente- um par de brincos em forma de botão- acreditem ou não- em vermelho.

Ela sorriu analisando cada um deles.

-São lindos Poncho!- falou beijando sua bochecha de novo- Obrigada.

-De nada ruiva- ela riu do apelido e pegou os brincos e os devolveu a caixa- Chris!

-Eu!- falou o Chris alerta.

-Aqui- falou e deu uma caixa para ele, reconheceria em qualquer lugar! Sapatos!

-Obrigado irmão- falou e eles apertaram as mãos.

Ele abriu a caixa- que estava apenas com um tipo de adesivo mantendo a tampa no lugar- revelando um par de sapatênis branquíssimos.

-Valeu- agradeceu novamente.

-De nada- foi até a pilha- hum vamos ver... Ah! Ucker.

-Fala- disse o Ucker.

-Ai- disse entregando uma caixa para ele.

-Ah cara mais caixas não- disse o Ucker passando a mão no rosto.

-Há, o que quer que seja desta vez eu vou ver- disse a Dul rindo descontroladamente.

-Poncho- falou o Ucker em tom de advertência.

-Não é nada demais, pode abrir- falou o encorajando.

Ele desfez o laço e eu me inclinei para olhar assim como os outros. Era uma câmera profissional preta, um álbum de fotos grande e preto com detalhes em vermelho, azul e prateado e um negocinho que revelava as fotos instantaneamente.

-Obrigado cara- eles apertaram as mãos. Uhul, agora o meu.

-Annie- falou pegando um embrulho fino e duro- levanta- disse e esticou a mão para me ajudar a levantar, depois disso ele me virou de costas e eu ouvi o embrulho sendo rasgado.

-Não era para eu abrir?

-Nesse caso não- falou e pude ouvir um fecho abrindo e a Dul e a May- que haviam se levantado para olhar- soltarem um som que eu identifiquei como surpresa.

Ele afastou meus cabelos da nuca e meu colar caiu dentro do meu decote.

-Desculpe- falou e eu senti algo gelado contra a minha pele e suas mãos quentes em minha nuca. Depois ele me virou de frente a ele e sorriu. Respirei fundo e olhei para baixo e fiquei sem fala.

Era um colar prateado com dourado com uma pedra vermelha no centro. Meus olhos se encheram de lagrimas e eu o abracei com todas as minhas forças.

-Tomara que tenha gostado!- falou me abraçando com uma força moderada- por que se ele colocasse força eu saía toda quebrada.

-Eu amei Poncho- falei e abri um dos olhos e pude ver a Fabíola que estava irritantemente calada e com cara de poucos amigos.

-Que bom, não é todo dia que a gente tem dinheiro para comprar um colar de ouro e ouro branco e um rubi todo dia- falou como se não fosse nada.

-O que?- falei me afastando dele- você não deveria ter gasto tanto Poncho!

-Você merece Barbie- falou sorrindo e passando o dedo secando minha lágrima.

-Fabíola- disse e esse nome desencadeou um estalo em todos nós.

-Ih é mesmo a Fabíola- dissemos todos juntos, menos ou que ao invés de dizer Fabíola eu deixei escapar um “vaca velha”, mas acho que ninguém notou.

Todos corremos para a arvore e cada um pegou um embrulho e deixamos com ela.

Ela abriu primeiro o meu, era um vestido que eu achei que iria ficar bonito nela, ele era preto até um pouco acima dos joelhos de alças grossas e um decote em forma de coração ele veio com um cinto dourado não muito grosso.

-De quem é esse- perguntou e eu levantei a mão- obrigada é muito bonito- disse e sorriu e diferente das outras vezes, eu senti que esse sorriso era sincero eu retribuí e não disse nada.

O outro era uma correntinha de ouro fininha com um “F” de pingente, o Ucker logo falou que era dele.

O próximo era um salto nude com a meia pata dourada assim como o salto, era da May.

O outro era da Dul, ela já foi logo falando que era dela, era um conjunto de blusa e saia, a blusa era listrada na horizontal azul e branca com manga três quartos e a saia rodada de pregas vermelha no meio das coxas.

O outro era da May, pois tinha etiqueta, era uma tiara prateada com uma flor muito bem feita em preto com algumas pedrinhas em verde claro.

O do Chris que era o único que estava em seu colo- já que o do Poncho estava nas mãos do mesmo- era um perfume que parecia ser muito bom.

O Poncho entregou o seu a ela lhe dando um selinho. Por mais casto que fosse o beijo e que eu ficasse com uma expressão neutra aquilo inflamou mais um pouquinho a ferida no meu coração. O dele era uma pulseira cheia de pingentes que eu não soube identificar de longe.

Ela agradeceu todos educadamente. O Chris foi para a poltrona e puxou a May para o seu colo. O Ucker sentou no chão e a Dul sentou entre suas pernas e eu me sentei ao seu lado e o Poncho no braço da poltrona da Fabíola.

-Eu agora- disse o Ucker se levantando deixando a Dul sentada onde ele estava antes.

Ela soltou um muxoxo que ela soltava toda vez que ficava incomodada com algo.

-Primeiro os pombinhos- disse o Ucker pegando uma caixa bem fina e não muito grande e um embrulho mole. Bom vocês sabem o que esse embrulho significa- May e Chris.

-Obrigada- disse a May beijando sua bochecha.

-Valeu- disse o Chris apertando a mão do Ucker.

A May abriu primeiro, ela tirou o embrulho e abriu uma caixa pela lateral e puxou um vestido azul escuro com preto com a cintura bem marcada. Ela agradeceu novamente e o Chris começou a abrir o dele. Era um kit de DVDs de desenho animado. Nem preciso dizer que ele amou né?

-Poncho- disse dando ao amigo uma caixa que claramente era de sapato. O Poncho não disse nada e abriu. Era um tênis da Nike azul e branco.

-Obrigado mano- disse e eles se abraçaram.

-Annie- falou e me entregou um embrulho meio duro. Abri rapidamente e vi uma bolsa lindíssima rosa pink com a alça também rosa com uma correntinha dourada ao redor.

-Obrigada lindo- disse beijando sua bochecha que eu amo apertar- é maravilhosa.

-De nada- ele respirou fundo e tirou uma caixinha do bolso e se sentou ao lado da Dul- feche os olhos.

-Ok- ela disse e fechou os olhos. Ele abriu a caixinha e eu tampei a boca e fiquei paralisada- não me mate- disse ele tirando o anel que ela sempre usa de seu dedo o substituindo por um prateado com uma pedrinha- que com certeza era um diamante- lilás e mais das pedrinhas uma de cada lado do coração- pode abrir.

-Onw Ucker- disse olhando o anel derramando uma lágrima- é perfeito.

Dizendo isso ela o beijou. E nossa que beijo hein. Preferi nem olhar, se não iria entrar em coma diabético só de olhar.

-Uhul- gritaram os meninos e a May também não queria olhar e a Fabíola olhava algo no celular.

O Ucker puxou a Dul para o seu colo e ficou alisando seus cabelos.

Depois abrimos os presentes do povo da família.

Eu ganhei três capinhas de celular pretas, uma delas tinha uma cruz em pedrinhas verdes, a outra o símbolo do infinito e a outra uma ancora. A Dul ganhou um vestido vermelho curto com a cintura e uma parte do busto com pedrinhas brilhantes. A May ganhou dois perfumes muito bons. E o Ucker, o Poncho e o Chris ganharam um pijama de moletom azul escuro, uma camisa rosa e um tabuleiro de xadrez nessa ordem. Foi engraçado ver a cara deles de assustados.

- Olha- disse Fabíola um pouco sem graça- eu não sabia o que comprar então...

-Como você saiu?- perguntou o Poncho.

-Vocês acham que eu sou idiota? Eu sei falar um italiano perfeito graças a minha família, então eu peguei um taxi e fui às compras! Quando voltei vocês ainda não haviam chegado já que eu fui em umas lojas aqui perto, vocês nem notaram- explicou calmamente. Gente corram para as montanhas! A bruxa está calma!

Ficamos de boca aberta, mas ela foi até a arvore e pegou suas sacolas com os presentes.

-Meninas, vocês primeiro!- disse se livrando das sacolas após pegar algo dentro delas- Aqui...

Falou dando a mim e as meninas uma caixinha a cada uma. O meu era uma pulseira simples rosa e lilás, a da Dul era uma pulseira igual só que vermelha e branca e da May era azul turquesa e preta.

-Obrigada- falamos juntas.

-Que isso- falou e entregou a cada um dos meninos um embrulho mole- nem vou falar o que era.

 O do Ucker era uma bermuda caramelo, ele sorriu e murmurou um “obrigado”, do Chris era uma camisa de mangas branca e amarela e do Poncho era uma camisa listrada roxa e preta com alguns desenhos prateados na frente (N/A: Tipo aquela que a Annie usa no La Família).

-Obrigado- disseram e ela sorriu em resposta.

Depois de muito conversar fomos para nossos quartos, estava morrendo de sono. O Ucker levou a Dul para o quarto já que ela dormiu assim que os presentes já haviam sido todos entregados. O Poncho foi com a vaca velha e o Chris foi com a May até o quarto dela.

Tirei o vestido, coloquei o pijama e desmaiei na cama.

POV DUL

Nossa foi horrível ter que fingir estar bêbada para ficar com o Ucker, mas na verdade foi ótimo, mas eu bebi mais de dez taças de vinho, depois de entregar o presente do Ucker eu fui até a cozinha e tomeis umas quatro taças e voltei para a sala com as coisas para o povo beber também, eu nunca fui fraca para a bebida, mas eu já estava meio zonza agora piorou.

Depois de um tempo eu fiquei mole, mas não dormi, eu pretendia levantar e ir para o quarto, mas desisti assim que o Ucker me pegou no colo, ele foi até o meu quarto, me colocou deitada na cama tirou meus sapatos e selou seus lábios nos meus e por pouco não retribuí. Fiquei parada com os lábios formigando até eu ouvir a porta ser fechada, esperei mais um tempo e fui até o closet trocando de roupa e tranquei a porta, olhei para os lados vendo se não esqueci de nada, é não esqueci deitei na cama e apaguei.

POV MAY

Fui com o Chris até a porta do meu quarto, ele estava sendo super fofo.

-Bom, eu vou indo- disse olhando para nossas mão enlaçadas- amanha eu venho te entregar seu presente, agora é muito tarde e nós precisamos dormir.

-Certo- falei com um meio sorriso.

-Boa noite May- disse sorrindo olhando no fundo dos meus olhos.

-Boa noite- retribuí o sorriso e abri a porta do quarto a fechando em seguida. Depois de um minuto contado ouvi alguém bater na porta atrás de mim. A abri era o Chris, ele simplesmente entrou parcialmente em meu quarto me deu um beijo demorado e saiu sem dizer nada.

Fechei a porta com o coração aos trancos e barrancos. Fui até o closet no modo automático troquei de roupa fui no banheiro ver meu estado e estava toda corada, tirei a maquiagem e fui deitar, assim que meu corpo ficou entre o colchão e o edredom e eu me deixei levar pelo sono.

POV ANNIE

Acordei me sentindo renovada, assim que me mexi na cama afim de me virar e voltar a dormi senti algo pesado sobre as minhas pernas, sentei-me ainda muito sonolenta, mas fiquei em alerta quando vi um embrulho rosa pink com brilho plano quadrado meio grosso e uma caixinha de joia em rosa claro flocado.

Fiquei apreensiva, peguei os dois procurando o nome de quem deixou aquilo ali e não encontrei nada, abri a caixinha menor e mais clara e era um colar lindo em forma de flores rosa clarinhas com alguns detalhes e a correntinha em prata. Wow, peraí essas flores são diamantes!

Abri o embrulho maior e fiquei mais assustada que me lembro de ficar. Era um álbum e a capa era branca com preta, mas o pior não era isso! O pior é que havia dois corações com a minha foto em um e o outro... Estava com a foto do Poncho! E ainda tinha escrito Ponny em letras de carta.

Gente eu já estou ficando assustada! Abri e me assustei mais- se é que isso é possível- havia fotos minhas e do Poncho, juntos e separados, havia muitas fotos ali, as primeiras eram da novela, também havia de entrevistas, sessões de fotos, shows, clipes, em coletivas e até umas que a gente tira no dia-a-dia, de vários jeitos, nos beijando, mandando beijo, nos beijando, quase nos beijando, cantando, fazendo graça e no final havia fotos nossas separados e terminava com as duas fotos da capa.

Quem me mandou isso?

POV DUL

Acordei com muito sono ainda e minha cabeça martelava, não era possível que algumas taças de vinho tenham de deixado assim, mas eu não conseguia me lembrar de quase nada da noite anterior, só alguns flashes de leve, lembro-me de todos os presentes e lembro também de beijar alguém... Que não tenha sido o Poncho! Bom, isso não importa muito agora, depois eu pergunto para as meninas.

Me mexi afim de ir no banheiro pegar um analgésico quando meu pé chutou algo no chão fazendo um barulho muito alto e minha cabeça parecia ter levado uma marretada.

-Ai- falei me levantando e indo até o banheiro, depois eu via o que era. Tomei os benditos analgésicos e o efeito foi quase imediato.

Voltei ao quarto vendo dois embrulhos jogados no chão, peguei os dois e os examinei para ver de quem eram, mas havia só um bilhete em letras de computador que estava escrito:

“Tomara que goste Dulce Maria”

Sentei-me no chão pensando em quem havia deixado aquilo ali.

Confusa e olhei os dois presentes e abri o menor. Tirei o papel de presente vermelho sangue e dentro havia uma caixinha de veludo vermelha.

Abri e meus olhos se arregalaram. Era o colar mais lindo que eu já havia visto em toda minha vida, ele era todo de prata com pedrinhas vermelhas incrustadas, a parte prateada era da mais pura prata e as pedrinhas vermelhas eram rubis, tenho certeza, reconheço diamante quando vejo um.

Fiquei admirando o colar ali mesmo no chão e deixei-o de lado e peguei o embrulho maior em vermelho vinho. O abri apressadamente e congelei, todos os pelos do meu corpo se arrepiaram e minhas mãos começaram a suar.

Era um álbum e na capa havia dois corações na capa em um deles uma foto minha e no outro do Ucker... O fundo era preto e cinza e estava escrito em letras vermelhas “Vondy”.

Abri com cautela e soltei o ar pesadamente e ficava cada vez mais confusa a cada foto que passava. Haviam tantas fotos de nós dois que eu nem me lembrava de metade delas, havia até fotos da novela...

No momento só havia uma coisa se passando pela minha mente:

Quem havia deixado isso ali?

POV MAY

Acordei de súbito assustada com nada em especifico. Minha pulsação estava celerada e minha respiração pesada. Aos poucos fui me acalmando e soltei o ar com força... Não conseguiria voltar a dormir tão cedo.

Fiquei assim sentada até que ao mover minha mão meus dedos passaram por algo liso fazendo um barulho metálico. Olhei para o lado e vi um embrulho grande dourado brilhante e uma cor de ouro velho. Sorri e abri o maior com cuidado.

Ainda sorrindo tirei todo o papel de presente e era um álbum, mas estava de cabeça para baixo, virei-o para mim e meu sorriso morreu na hora.

A única coisa que eu conseguia ver as letras pretas e grandes escrito “Chaverroni” depois de me destravar delas vi os dois corações e minha atenção vidrada ao que tinha uma foto do Chris. Ele fica tão bonito de cabelo natural! Depois olhei a minha, era uma foto muito bonita, abri o álbum e fui folheando, rindo em algumas fotos, ficando tensa em outras e confusa na maioria... Não me lembrava de ter tirado a maioria delas.

Quando terminei uma coisa me ocorreu:

Quem havia deixado aquilo ali?


Notas Finais


Presentes da May:
http://www.polyvore.com/cgi/set?id=110197383&.locale=pt-br
Presentes da Dul:
http://www.polyvore.com/dul_presents/set?id=110202693
Presentes da Annie:
http://www.polyvore.com/annie_presents/set?id=110200374
Joias dos álbuns:
http://www.polyvore.com/%C3%A1lbum/set?id=110383099
Querem ver os álbuns que as nossas divas ganharam?? Mandem-me mensagens com os seus e-mails pra mim que eu mando os 3 álbuns!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...