História La Vida Es Un Sueño - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Sou Luna
Personagens Amanda, Ámbar Benson, Cato, Delfina, Gaston, Jazmin, Jim, Luna Valente, Matteo, Miguel, Monica, Nico, Nina, Pedro, Personagens Originais, Ramiro, Rey, Sharon, Simón, Tino, Yam
Tags Ámbar Smith, Amizade, Drama, Gastina, La Vida Es Un Sueño, Luna Valente, Lutteo, Matteo Balsano, Romance, Segredos, Simbar, Simón Álvarez, Sol Benson, Soltteo, Sou Luna, Soy Luna
Visualizações 158
Palavras 2.177
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Ficção, Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Sei que já leram esse capítulo mas peço que releiam pq mudei alguns detalhes..

Capítulo 3 - Eu Sou Sol Benson - Parte 2


Fanfic / Fanfiction La Vida Es Un Sueño - Capítulo 3 - Eu Sou Sol Benson - Parte 2

Antes que Alfredo possa abrir a boca para falar Luna entra num rompante, com Matteo logo atrás e encara todos ali até que toma uma decisão.

- Eu Sou Sol Benson. - Luna exclama, na frente de todos ali que se encaram abismados e confusos, sem entender nada enquanto Sharon Benson fica pálida e cai ao chão, desmaiada.

(....)

- Como assim você é a Sol, garota? - Âmbar esbraveja furiosamente. A loira olhava Luna de uma forma tão intensa que se olhares matassem Valente já não estaria mais neste mundo. - Você é uma impostora ridícula. Chegou aqui em Buenos Aires do nada estragando minha vida por completo. Invadiu meu colégio, minha pista. Roubou o MEU namorado. - Aponta para Matteo que apenas assiste tudo calado. - E agora quer roubar meu passado também? Ah, mas isso eu não vou permitir. - A loira avança em Luna para lhe agredir, lágrimas de raiva caíndo por seus olhos. Miguel a segura enquanto ela se debate sem sucesso. - ME SOLTA, EMPREGADINHO DESGRAÇADO! Tenho que dar a essa tonta o que merece..

Luna também sente lágrimas caíndo de seus olhos vendo o sofrimento de Âmbar. Agora a morena conseguia entender porquê sua "rival" era assim amargurada e egoísta. Âmbar não era má. Ela só havia sido criada daquela forma por Sharon. Tinha aprendido a viver sem amor nem carinho. Âmbar era mais uma vítima daquilo tudo, assim como ela era. Mais lembranças de sua infância vêm à tona com força total.

Sol está brincando com sua boneca no jardim quando sua mãe LilI chega com uma garotinha loira um pouco mais alta que ela usando tranças e também um vestido branco florido.

- Sol. Essa é Âmbar. Uma nova amiguinha que veio brincar com você. - Lili se ajoelha na grama e apresenta as duas garotinhas uma para a outra com seu habitual sorriso iluminado no rosto. 

Oi. - Sol fala, meio envergonhada. - Quer brincar comigo?

Âmbar apenas a encara seriamente por alguns segundos, chegando a deixar a pequena Benson com um pouco de medo, contudo a loirinha logo abre um sorriso. - Claro. Vamos. - Morena e loira começam a brincar. Poderia ser o início de uma grande e forte amizade. 

Luna enxuga as lágrimas. Parece que agora que ela descobriu a verdade as lembranças de seu passado vinham umas atrás das outras, e com força total. Luna ainda não sabe ao certo o que pensar, ou o que sentir. Está tudo uma completa confusão na cabeça da morena. Quem iria imaginar que ela já havia conhecido Âmbar, e que elas já haviam sido amigas? Só não compreendia porquê Sharon insistia em dizer que a loira era Sol quando estava muito claro que isso é uma completa mentira. Precisa de explicações. Precisa ouvir a verdade da boca de sua tia.

Âmbar a encara fixamente por alguns segundos, e então vai até ela em passos largos. Todos na sala prendem a respiração, apreensivos pelo que a maior poderá fazer.

- Sol? - Âmbar sussurra, ainda atónita. - Nos conhecemos, até brincamos. Mas, não entendo. Se você é a Sol quem sou eu?

- Você também lembrou? - Luna indaga, mesmo que não seja preciso fazer essa pergunta pois a resposta está mais que clara.

Smith assente afirmativamente com a cabeça, e surpreendendo a todos, a recém descoberta filha de Lili e de Bernie Benson a puxa para um abraço caloroso. Âmbar corresponde e todos observam a cena, ainda sem entender ao certo o que se passa ali. 

- Não tô entendendo mais nada. - Solta Cato, recebendo em seguida um beliscão por parte de Amanda. - Ai, doeu. - Reclama.

- Eu posso explicar. - Sharon diz, voltando à sala de estar acompanhada por Rey. Depois que a matriarca desmaiou o braço direito da loira a havia levado para a cozinha, e lá haviam tido uma conversa muito importante, mas que não foi ouvida por mais ninguém.

Rey senta Sharon ainda desacordada numa das cadeiras que há ali envolta da mesa de refeições e vai rapidamente pegar um pano molhado com água para ver se consegue acordar sua patroa, mas uma voz o faz parar.

- Não precisa, Rey. Já estou desperta. - Sharon diz e o homem olha para ela confuso. - Sim. Eu não desmaiei de verdade. Apenas fingi para ganhar algum tempo. - A mulher responde, como se lendo os pensamentos de seu empregado pessoal. Sharon então abre um sorriso frio. - Quer dizer que a tonta da minha sobrinha descobriu tudo? Você é um incompetente, Reynaldo! - Ralha ela, sua expressão agora mais séria. - Era seu dever ficar de olho nos Valente para que a verdade não viesse à tona.

Rey fica rígido, sua expressão tensa. O moreno está cansado de ter que aguentar os chiliques de Sharon e ela sempre o culpando por coisas que a própria nem sabe fazer direito. Mas, Rey tem consciência que falar o que pensa pode lhe custar o emprego. Do qual ele precisa muito.

- Perdoe-me, Senhora Benson. Eu fiz tudo que estava ao meu alcance para proteger o segredo. - Fala ele, de forma calma.

- Pois deveria ter feito mais, Rey! - Continua esbravejando, nada contente. - Eu não suporto gente incapaz de fazer o que mando. Poderia demiti-lo nesse instante. Mas não o farei. Já que o segredo vazou não há nada a ser feito. A não ser uma coisa. - Um sorriso maldoso aparece na face da megera. Sorriso esse que chega a assustar o homem a seu lado. - Sei de uma coisa que pode reverter esta situação a meu favor. 

- O que fará, Senhora Benson? - Pergunta ele, curioso e de certa forma com medo da resposta que iria ouvir.

- Você verá, Rey. Você verá.

- Eu devo muitas explicações a todos vocês. Eu sei disso. - Sharon diz em tom melancólico. Falsas lágrimas começam a cair.

- Então comece a explicar porquê eu não estou entendendo absolutamente nada. - Âmbar exige, furiosa. Ainda abraçada de lado com Luna, que também está tensa a seu lado. - Madrinha. Tia. Nem sei mais como chama-la. - Acrescenta a loira, extremamente ressentida com as recentes descobertas.

Outro que estava se cansando é Alfredo. Ele se vira na direção da filha, possesso. - Fale de uma vez, Sharon. Quem é realmente minha neta? Luna ou Âmbar? Sem mais mentiras, por favor!

- Acalme-se, meu pai. Aliás, acalmem-se todos. - Pede. - Eu sei que é muito duro assimilar tudo isso assim de repente. Até mesmo pra mim está sendo difícil. Parece surreal. Eu sei que eu errei mas tudo tem uma explicação.

- Senhora Sharon, peço que me perdoe, mas chega de enrolar. Todos aqui queremos saber o que de fato está acontecendo aqui. - Miguel rebate, sério.

- Entendo perfeitamente sua posição, Miguel. Também estaria aflita se fosse com minha filha. - Suspira. - Enfim. Sol Benson é sim a Luna. E eu sempre soube disso. - Revela. - Inclusive fui eu mesma que pedi para o finado Roberto sumir com ela do país,  afinal ele era um dos únicos empregados em que eu podia confiar plenamente. Então ele foi embora com minha sobrinha para o México, depois fiquei sempre de olho nela. Me deixou muito feliz e aliviada saber que ela foi adotada por pais amorosos como os Valente. Anos depois ela voltou a ficar perto de mim. E custou muito para mim estar do lado dela e não poder dizer a verdade. Mas doeu muito mesmo. - Sharon enxuga mais uma lágrima falsa, eufórica por todos parecerem estar acreditando em sua mentira.

- Mas, porquê? Se sabia que Luna era Sol porquê mentiu que era eu? Não consigo compreender. - Âmbar se expressa, genuinamente confusa com tudo aquilo. Sem saber o que pensar.

- Eu menti para proteger tanto você quanto Luna, meu amor. Menti para proteger minhas duas preciosidades. - Faz uma pausa para sentar-se no sofá e enxugar suas "lagrimas" e então continua. - Eu estava protegando-as do homem que destruiu nossa família. Do desalmado que causou o incêndio na mansão. Ele esteve sempre aqui por perto, me chantageando. Ele disse que se eu contasse a alguém o que ele fez e a verdade sobre a Sol, ele ia causar outro incêndio. Dessa vez sem deixar sobreviviventes.

- E quem é esse homem? - Luna pergunta, aflita.

- Esse homem é o Rey! - Sharon exclama, enquanto o moreno arregala os olhos, sem acreditar na capacidade que sua patroa tem de mentir. - Esse desgraçado é o causador de toda a desgraça de nossa família.

(....) 

Sol dormia tranquilamente em seu quarto. Parecia um anjinho. A pequena estava tão absorta em seu sono que não percebe passos entrarem em seu aposento e se aproximar de sua cama. Era Rey. Ele segurava um isqueiro aceso e tinha um sorriso sádico e maquiavélico no rosto.

- Adeus, Solzinha. - Fala, prestes a pousar o objeto na cama dele e causar um grande estrago.

Então Sharon chega ao quarto mesmo a tempo e salva a sobrinha.

- PARE COM ISSO JÁ REY! - Grita a mulher.

Era tudo um plano. Para que Sharon saísse como heroína e ninguém desconfiasse de suas intenções. E parecia estar dando certo.

- Eu lembrei, Matteo. - Luna soluça no peito do moreno enquanto ele a consola. - O Rey. Ele tentou me queimar com um isqueiro e a minha tia chegou e me salvou desse monstro. Deve ser por isso que ele provocou o incêndio. Ele queria me matar. E ainda pode querer. Eu to com medo.

- Calma, meu amor. - Matteo sussurra, acariciando suavemente o rosto de sua amada. - Estou aqui. Vou te proteger e não vou deixar esse canalha encostar um dedo sequer em você.

Luna sorri fraco. - Do que me chamou?

Matteo sorri. - De meu amor. Te amo, Luna. Como nunca amei ninguém. E aquilo que eu disse na RodaFest é tudo verdade. Eu quero estar ao seu lado. Para sempre. Não me importa meu pai. Nem ninguém. Apenas você.

- Também te amo, Mauricinho. Muito. E não quero te soltar nunca mais. - Luna se declara.

Ambos então se beijam apaixonadamente.

(....)

- Porquê fez isso, Sharon? - Rey pergunta, enquanto é colocado dentro do carro da policia. - Você sabe muito bem que eu não fiz nada sozinho. - Esbraveja. - Você vai pagar. Todos saberão a verdade um dia.

A porta do carro é fechada e Sharon sorri malignamente, satisfeita por tudo estar dando certo.

- Adeus, Rey. Luna pode ter descoberto a verdade, mas a herança ainda será minha.

(...)

- Calma, Juliana. Luna e Matteo já devem estar chegando. - Simón diz, mas nem ele mesmo acredita nisso.

- CALMA? - A treinadora explode. - NÃO ME PEÇA CALMA. A equipe está terminando a apresentação e os próximos somos nós. Se Luna e Matteo não chegarem em cinco minutos estamos fora. 

Todos se encaram apreensivos.

..........

No centro de Buenos Aires, mais precisamente dentro de um táxi, estava um jovem casal juntamente com seu filho de sete anos, Vítor. Esse casal estava apreensivo. Até agora ninguém havia reconhecido seus disfarces desde que chegaram à cidade, mas tinham muito medo que logo isso viesse a acontecer.

- E se nos descobrirem? Eu não quero nem ver. - A mulher expressa toda sua preocupação com aquela situação e o seu marido acaricia sua mão de leve.

- Calma, Lili. - Bernie sorri, tentando passar confiança para sua esposa e a mulher de sua vida que sempre amou. - Tudo dará certo. Temos que fazer a Sharon pagar caro por tudo que nos fez, mas faremos isso no tempo certo. Ela não vai nos descobrir antes disso, prometo.

Lili e Bernie afinal estavam vivos depois de tantos anos. Rey sabendo que Sharon era perigosa forjou a morte do casal, os transferiu para uma clínica particular e quase inhabitada nas Ilhas Maldivas. O empregado continuava a trabalhar com Sharon para não levantar suspeitas e porquê necessitava do emprego, mas nunca concordou com as atitudes da mulher. Lá ficaram em coma por cerca de quatro anos, depois continuando a viver lá sob identidades falsas para se proteger. Foram felizes com essa nova vida, mas ainda havia algo inacabado do passado. E tinham voltado ao seu país para resolver essa pendência de uma vez por todas.

- E Sol? Será que nossa filha está viva, Bernie? - Lili indaga, com imensas saudades de sua pequena.

Bernie suspira. Aquele assunto era sempre muito delicado para ambos. - Não sei, querida. Mas espero que esteja. - O homem confidencia. 

De repente o táxi dá uma freada brusca pois uma jovem garota havia sido atingida de raspão. Preocupado com o estado da moça, Bernie sai do carro para ajuda-la. 

.........

Luna está tão distraída e querendo chegar logo na RodaFest a tempo que ao atravessar a rua não percebe o táxi vindo e é atingida de raspão, caindo em seguida.

- LUNA!! - Matteo berra, desesperado pelo que aconteceu com a garota que ama.

- Você está bem? - Um homem com uma voz familiar para Luna se ajoelha a seu lado, parecendo preocupado. O homem e a garota então se olham. Seus corações batem acelerados sem que eles entendam o motivo disso.

Pai e filha estão frente a frente sem fazer a menor ideia disso.



Notas Finais


Um turbilhão de emoções está inundando a vida de Luna Valente.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...