História LaBumba - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 2
Palavras 1.594
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Romance e Novela
Avisos: Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 14 - Cap. 13


Seu apartamento era bem aconchegante, era mobiliado e decorado em tons de marrom, não era enorme e nem pequeno, era um tamanho bom

   - Você quer alguma coisa?

   - Não – Disse e desabei sentada no sofá.

   - Então eu vou tomar um banho, sinta-se na sua casa.

   - Assim? – deitei no sofá e liguei a televisão. Jack saiu e depois de alguns minutos escutei o barulho do chuveiro ligando. Fechei meus olhos e tirei um pequeno cochilo.

    Um tempo depois, ele sai do quarto com uma camisa xadrez, uma calça jeans e tênis e secando os cabelos na toalha.

   - Huumm, aonde vai esse moço todo arrumado?

   - Luke me mandou uma mensagem dizendo para a gente encontrar eles naquele restaurante perto da torre do relógio, sabe?

   - Aquele que nunca conseguimos lembrar a droga do nome?

   - Esse mesmo.

   - Fechado – Levantei do sofá e fui até o banheiro e prendi meu cabelo em um rabo de cavalo, Jack já estava com o casaco e as chaves nas mãos.

   - Vamos?

   - Claro – Peguei minhas coisas e saímos em direção ao elevador. Quando a porta se abriu no saguão, Jack começou a apertar várias vezes o botão que dá o comando de fechar as portas.

   - Merda, merda, merda.

   - O que está acontecendo? – Quando o elevador voltou a subir ele se encostou na parede de metal.

   - Minha ex namorada está aqui – Ele suspirou e continuou – Ela é simplesmente louca, me persegue e eu não sei mais o que fazer.

   As portas se abriram no andar de seu apartamento e ele me puxou para dentro novamente.

   - Se livra dela! – Ele falou

   - O QUE?

   - Se livra dela, bate nela, sei lá qualquer coisa só some com ela.

   Ele implorou com as duas mãos juntas e os olhos suplicantes. Mas eu não tinha nada a ver com isso.

   - Eu não.

   - Você perdeu a aposta e esse é o favor que eu estou te pedindo.

   Merda! Eu tinha apostado e tinha que cumprir. Mas como eu iria me livrar dessa mulher. Então umas batidas frenéticas na porta me assustaram. 

   - Jack amor, eu sei que você está ai!

   Uma luz acendeu na minha cabeça fui até ele e cochichei.

   - Me dá a sua camisa – Soltei o cabelo e joguei ela pra frente e para trás, para que ele ficasse armado.

   - Como assim? – Ele cochichou também, mas as batidas não paravam.

   - Vamos rápido – Jack tirou o casaco depois começou a desabotoar a camisa. Levei um choque. Na adolescência ele nunca teve muito músculo, sempre foi um garoto meio magrelo, mas agora ele era forte e tinha físico MUITO bom, não de um jeito exageradamente forte, só muito bonito mesmo. Por alguns míseros segundos me perguntei aonde ele arranjava um tempo disponível para malhar, jogar bola ou sei lá o que ele faz para deixar seu físico assim. Ainda em choque perguntei:

   - Você tomou aquele mesmo soro do Capitão América? – Ele jogou a camisa em mim e eu sai correndo até o quarto e me troquei colocando só a roupa dele que ia até minhas coxas exceto minhas roupas íntimas. Quando voltei não havia mais sinal de Jack. Tomei coragem e abria a porta.

   A mulher meio ruiva meio loira tomou um susto com a minha presença.

   - Posso ajudar? – Perguntei enquanto ela me olhava de cima a baixo.

   - Eu queria falar com Jack, essa daí não é a camisa dele? – Ela apontou para a peça de roupa em meu corpo.

   - Desculpe...

   - Rebecca – Ela falou.

   - Então Rebecca ele está dormindo. A sim, essa é a blusa dele – Encostei no batente da porta.

   - Eu preciso falar com ele. Afinal quem é você?

   Nossa minha filha, está demorando para ligar os pontos hein?

   - Sou a namorada dele.

   - Não, impossível ele é meu namorado – Ela fez uma cara de inconformada. Essa mulher é uma boa atriz ou ela é doida de pedra, eu particularmente prefiro a primeira opção.

   - Olha Renata...

   - Rebecca – Ela revirou os olhos e cruzou os braços.

   - Que seja. Olha querida Jack é MEU namorado – Dei uma boa ênfase no “meu” – E eu sugiro que você não apreça mais aqui, entendido Roberta?

   - É Rebe...

   Fechei a porta, estava quase cantando vitória quando escutei um berro e novamente as batidas frenéticas.

   - JACK AMOR!

   Ela agora me tirou do sério, abri a porta e nem esperei ela começar a falar.

   - Escuta aqui Rachel, Jack é meu namorado e eu espero que você o deixe em paz por livre e espontânea vontade ou se não a coisa vai ficar muito feia para seu lado. Eu sou uma pessoa muito perigosa e se eu sonhar que você veio incomoda-lo eu caço você até as profundezas do Tártaro – Ela tinha uma cara de assustada e seus olhos estavam esbugalhados – Você entendeu Rochelli?

   Sou mais como uma afirmação do que uma pergunta.

   - Meu nome é Rebecca.

   - Adeus Raissa – Fiz um tchauzinho com a mão e bati a porta na cara dela, prendi meu cabelo novamente e deixei a adrenalina baixar. Alguns segundos depois Jack apareceu.

   - O que foi aquilo?

   -  Você pediu para eu me livrar dela. Me livrei.

   Ele ainda estava sem camisa o que dificultou na hora de me acalmar.

  Quando levantei meu olhar para seu rosto, que estava com um leve sorriso malicioso e então me toquei que eu ainda estava usando só a sua camisa que mal dava um vestido.

   - Que cara é essa?

   - Nada – Ele deu de ombros ainda sorrindo fui até o sofá peguei uma almofada e joguei nele, depois fui até o quarto em que deixei minhas roupas e escutei da sala um assovio. Foi impossível esconder o sorriso enquanto me vestia.

   - Aqui sua camisa – Jack pegou e começou a se vestir.

   - Pode ficar com ela, fica melhor em você mesmo – Ele deu de ombros e saímos da sua casa em direção ao elevador, joguei a bolsa nele.

   - Pare com isso – Senti meu rosto esquentar de vergonha. E maldito percebeu e foi ai que ele começou a provocar ainda mais, até chegarmos no restaurante. No fundo do lugar avistei duas pessoas sentadas juntas, Morgana e Luke. Ela estava com o rosto vermelho de raiva, provavelmente tinha acabado de discutir com ele, enquanto ele sorria travesso. Depois de alguns segundos depois Luke segura o queixo dela, fazendo-a olhar para ele. Morg não resiste e sorri também.

   Eu olhava para aquela cena com uma cara de: Ai que lindo! Enquanto Jack fingia vomitar.

   Joguei pela segunda vez naquela noite a bolsa nele.

   - Insensível – Ele riu e nós dois nos aproximamos da mesa em que eles estavam.

   - Oi nojentos – Jack saudou, mas aparentemente o novo casal nem ligou. Me sentei no banco estofado e deslizei meu corpo até a parede ficando de frente para Morgana.

   - O que houve? – Perguntei.

   - Helena e Emma estavam vasculhando as câmeras perto da LaBumba, mas por algum motivo estranho, quando aconteceu o vandalismo todas estavam desligadas exceto uma – Luke cruzou os braços na mesa chegando mais perto – As câmeras daquela rua são todas comandadas pela Berlitz. De novo exceto uma.

   Berlitz é o nome de uma agencia de segurança muita boa e famosa aqui em Londres, as câmeras podem ser ligadas e desligadas na hora que bem entendessem na central. É só um simples comando e elas desligam.

   - A loja do Sr. Vincent – Falei, e Morgana concordou com a cabeça. Vincent é um senhor muito simpático que nasceu no Japão mas teve que vir para cá por causa de seus pais. Apaixonado pela cultura do seu país de origem ele vende diversas antiguidades japonesas. Quando a Berlitz foi até o estabelecimento promover as tecnologias das câmeras acabou dando com a cara na porta da lojinha.

   Estava tão concentrada nos pensamento que nem vi quando Emma e Helena chegaram e se sentaram junto com a gente na mesa, os seis ficaram espremidos.

   - Vocês precisam ver isso – Helena disse enquanto tirava um papel da sua bolsa, foi passando um por um até chegar em mim e meu rosto se contorceu em uma expressão de medo e choque.

   No papel havia uma fotografia de um homem que saia da LaBumba, ele usava somente preto e sorria, eu nunca mais vou esquecer aquele sorriso amarelo.

   Era o mesmo cara que quase havia me sequestrado e me abusado só que dessa vez ele usava um tapa olho, provavelmente aquele pano está no seu rosto por causa do tiro de Morgana. Ver o rosto dele fez todas aquelas lembranças voltarem, minha garganta secou e uma gota de suor escorreu pelas minhas costas, apesar de fazer muito frio em Londres.

   Esse cara com toda certeza tem alguma ligação com o os crimes e o sequestro de Gerad Roger.  

   - Ele está atrás de mim – Minha voz saiu quase como um murmúrio – Ele vem me pegar. Eu sou a próxima.

   Todas sabiam que sim, que era verdade, mas ninguém ousou falar nada, meu coração estava acelerado e eu podia jurar que os outros eram capazes de escutar o martelar da minha pulsação. Pela primeira vez senti medo do que estava prestes a acontecer.

   Depois de um minuto inteiro escuto a voz de Jack quebrar o silencio da mesa.

   - Ninguém vai encostar em nenhum de nós, ninguém vai encostar em você. Nós não vamos deixar – Olhei para todos na mesa, que concordavam com as palavras dele, então meus olhos pararam nos de Jack – Eu não vou deixar.   

     



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...