História Laço Eterno || [LEMON] - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Hentai, Romance, Sexo, Yaoi
Visualizações 23
Palavras 704
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Fluffy, Hentai, Lemon, Orange, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Shounen, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oi 😘

Capítulo 1 - Primeiro Encontro


Parque || 00:30

Era tarde da noite, poucas almas haviam coragem de se aventurar pelas ruas à esse horário. Hyro-Kun, um escritor observava a paisagem deserta, pensando em como ele se parecia com a paisagem, vazio.

Percebendo que estava perdido em seus devaneios, se levanta e começa a caminhar para o seu apartamento. A rua escura com luzes falhas deixariam ele com medo, se ele ao menos se importace com a morte. Andando em um passo firme, com um cigarro na boca, não prestava atenção nas coisas ao seu redor.

Ouviu alguns gritinhos finos vindo da rua ao lado, tomou a decisão de seguir o som, o que fez ele dar de cara com um assalto, a vítima? Um pequeno menino. Sentido desconforto com a situação, resolveu tomar satisfação com o assaltante, que segurava seu canivete de forma ameaçadora ao pequeno menino.

-Algum problema aqui? - Hyro perguntou com uma voz grossa e rouca, dando mais uma tragada no cigarro.

O assaltante ao perceber a situação, levou um pequeno susto. Pois, com apenas seus 12 anos, jamais conseguiria enfrentar o homem à sua frente.

-N-n-nenhum! - deu a resposta, nervoso e já foi guardando o canivete.

O menino assustado com o que estava acontecendo, se afastou um pouco do pequeno marginal.

-Devolva o que roubou e vai para casa! - um tom ameaçador.

-E-eu não roubei nada, tio - disse o menino trêmulo.

O mais velho levantou uma das sombrancelhas e tirou a fumaça de si.

-Bom, se estiver mentindo... - começou divertido - Eu vou te bater tanto que você não vai conseguir se levantar. - disse com um tom ameaçador - E quem vai me contar se está, ou não, falando a verdade será ele. - disse apontando para o menino assustado que observava a cena.

O ladrãozinho olhou implorando por clemência para a vítima.

-N-não senhor, ele está falando a verdade. - a resposta foi quase imediata.

Ambos fizeram uma cara de extrema surpresa, mesmo que soubessem a verdade, poderiam jurar que ele iria mentir. O escritor se sentiu um pouco triste, gostaria de socar a cara daquele criminoso.

-Pois bem, vai para sua casa. - disse dando a sentença e fazendo o marginal correr para o escuro.

O mais velho se aproximou do pequeno. O fazendo recuar levemente.

-O-o... Obrigado!- disse o menor realmente grato.

-Unh... - o fumante o analisou pensativo - Cadê seus pais, garoto?

-Por favor... Eu não quero voltar para casa... - implorou para o mais velho - Por... Favor...

-Onde pretende dormir? - o questionou de forma opressora.

-Eu.. Eu não sei ainda... - respondeu o pequeno confuso.

-O que você estava pensando? - o escritor repreendeu.

O menor só abaixou a cabeça meio envergonhado.

-Um garoto como você andando pelas ruas, assim, sozinho... - começou ainda dando a bronca - quantos anos você tem? 12!? - se cortou tentando enfatizar ainda mais as suas palavras.

-16... - falou o menino parecendo com uma moral afetada.

-Certo, e eu tenho um pônei voador. - ironizou o adulto.

O menor abaixou a cabeça ainda mais olhando para seus pés, estava tão... Magoado.

-Eu vou te levar para a delegacia, eles vão saber o que fazer com você. - sugou a fumaça tóxica do cigarro e disse.

-N-não! - disse o suposto adolescente.

-O que eu faço com você, então? - questionou o maior.

-Deixe-me... - o jovenzinho respondeu quase em um choro.

-Hah! - ironizou o mais velho - quer ser assaltado mesmo, né, garoto?

-Acho que posso dormir aqui pelas ruas... - falou o menor coagido.

O escritor olhou para cima, o tempo ameaçava uma chuva forte. Em um piscar de olhos se pegou pensando em como resolver o caso “Garoto Perdido”.

-Eu posso te levar para minha casa... - disse franzindo o cenho ainda pensando.

O menor recuou assustado dois passos. O mais velho ao ver sua reação o perguntou:

-Acha mesmo que quero te machucar? - disse irônico - Se eu quisesse já o tinha feito. - disse quase como uma ameaça.

O menor analisou suas opções, realmente não tinha nenhuma melhor.

 -E-eu não seria um incômodo? - disse percebendo que se dormisse na rua ao invés de apanhar de um, apanharia de vários.


Notas Finais


Tchau 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...