História Laços - Capítulo 2


Escrita por: ~

Exibições 2
Palavras 648
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 2 - Bela moça


Fanfic / Fanfiction Laços - Capítulo 2 - Bela moça


    -Desculpas [...], foi sem querer. 
    - Não tem o que desculpar. Qual é o seu nome?
    - Andreza! Muito Prazer! E o seu?
    - Domingos! 
    - Eu não posso falar com você, parece-me um jovem de berço! Por favor, perdoe-me. Tenho que ir. 
    Andreza parece ter desistido de apreciar a peça e desceu pelas escadas do teatro com o intuito de voltar. A moça sumiu. Domingos havia ficado surpreso com o comportamento daquela moça, e muito admirado também. A beleza dela era muito delirante, o seu falar era encantador. 
     Andreza era uma jovem que levava a vida de maneira leve, sem muito apego à vida material. Além disso, era formada em ciências biológias e já trabalhava como bióloga em uma instituição de pesquisa no interior. Todos os seus conhecidos a consideravam uma mochileira - quase nômade -  pois costumava viajar toda semana para lugares diferentes.
    Em sua casa, Andreza tinha o hábito de escrever no diário como tinha sido cada dia. Escreveu nesse dia, então, que havia conhecido um belo rapaz, e que não poderia dirigir-lhe as palavras, pois não seria bem vista pela a sociedade. Além de possuírem profissões diferentes, possuíam idades diferentes: Andreza era mais velha seis anos. 
    Domingos, mesmo depois de ter admirado-se por Andreza, não conseguia esquecer que Lorena havia feito. Foi quando decidiu ir até sua mãe contar o que estava acontecendo: revelou que tinha sido traído e não queria mais nada com ela. Lucy ouviu cautelosamente cada palavra, e logo reagiu.
    - Domingos, meu filho! É normal passarmos por momentos assim. Se Lorena fez isso é porque você não estava sendo o que ela queria. 
    Pensou um pouco, e continuou:
    - Meu filho, você é um fracote! Nunca conseguiu namorar, tudo é mistério, sempre teve que ter a minha ajuda! Dessa vez, carregue sua cruz.
    Domingos horrorizou-se com as palavras de Lucy! Não conseguia acreditar na frieza da mãe. 
    - Dessa vez será diferente, minha mãe! Surpreender-te-ei! Serei rebelde o suficiente para enfrentar-te. Deixarei Lorena, eu a desprezarei para sempre.
    Enquanto isso, Andreza havia terminado de pôr o diário sobre o pequeno criado mudo que havia perto de sua cama, despiu-se e foi tomar banho. Ao deitar-se, planejou uma viajem para Cuzco e convenceu-se de que iria fazer mais uma de suas pesquisas biológicas. No dia seguinte, foi surpreendida com uma batida em sua porta.
     Lorena, que havia sentido falta de Domingos em Portugal, estava chegando ao Brasil. A notícia veio através da mãe dela, Rima, que estava em um encontro de mulheres junto a Lucy, no mesmo bairro onde moravam. Durante o almoço do mesmo dia, Lucy noticiou a Domingos, e sua reação foi trancar-se no quarto.
    Domingos refletia sobre ser ou não ser o fracote que sua mãe o havia acusado de ser. Como ele faria para afastar Lorena dele, como arranjar outra namorada, ou até mesmo contratar alguém para finjir ser sua acompanhante por agum tempo - essas foram umas das perguntas de sua reflexão isolada. Foi quando resolveu ir atrás da moça que havia conhecido no teatro, naquela noite.
    Mas como reencontrar Andreza?
    A princípio, o desejo que Domingos tinha com Andreza, era de aproximar-se e apenas usar aquela bela moça para esquecer Lorena, e afastá-la definitivamente de sua presença. Ele a odiava, pois desde quando ativou sua vida amorosa, Domingos detestava a ideia de ser traído. Uma semana depois, Domingos foi até uma igreja, que foi onde reencontrou Andreza. 
    Um baladar de um dos sinos finalizou a rezação de Andreza, que ao sair deparou-se com algo que segurava seu braço esquerdo. Era Domingos. Andreza admirou-se e ao mesmo tempo sentiu medo, e falou:
    - Por que me seguras?
    - Eu estava à sua procura! Disse Domingos.
    - Por quê?
    - Algo pediu para que te procurasse! Fiquei curioso desde aquele vez que te vi.
    - Eu...
    - Não fale nada.
    Domingos aproximou-se de Andreza e a beijou.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...