História Laços de Amor - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bleach
Personagens Byakuya Kuchiki, Gin Ichimaru, Hisana Kuchiki, Orihime Inoue, Personagens Originais, Rangiku Matsumoto, Shihouin Yoruichi
Exibições 15
Palavras 2.109
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Postando dnv o capítulo pois o outro estava com alguns erros
Boa leitura !

Capítulo 9 - Margueritas e Byakuya gentil?


Fanfic / Fanfiction Laços de Amor - Capítulo 9 - Margueritas e Byakuya gentil?

  Orihime abaixou a cabeça e empurrou-lhe a mão, mesmo que aquele contato lhe causasse uma sensação deliciosa.

   Byakuya deu um passo para trás e se afastou, o que, naquela cabine, significava que estava praticamente contra a porta de saída. Então, concluindo que poderia olhá-la sem querer entrelaçar as mãos naqueles cabelos e tomar-lhe a boca na sua, voltou a encara-la.

- Eu não tenho tempo para resolver isso agora.

     Orihime cruzou os braços sobre o peito numa clássica postura defensiva.

- Oh, claro, mundos para conquistar, mulheres para seduzir. Ocupado, Ocupado.

- Inteligente como sempre, posso ver. - Byakuya não queria admitir nem para si mesmo o quanto sentira falta daquela língua afiada de Orihime. Sempre retrucando, colocando-o em seu devido lugar, diminuindo-lhe o ego antes que este tivesse a chance de se expandir.

      Não havia muitas pessoas como ela em sua vida. A maioria das pessoas que ele conhecia estavam muito ocupadas em bajula-lo para discutir com ele. Todos, exceto Yoruichi, é claro. E Orihime.  Contudo, ela não fazia mais parte de sua vida.

- Nós jantaremos está noite. Na minha suíte.

- Acho que não.

- Você veio aqui para conversar comigo, certo?

- Sim, mas...

- Então iremos conversar.  Às 7h.

      Antes que ela pudesse discutir, Byakuya abriu a porta e saiu da cabine. Respirou profundamente no corredor escuro, então se dirigiu ao elevador que o tiraria das entranhas do navio e o levaria de volta para luz.
     
    Por volta das 5h da tarde, Orihime estava mais do que pronta para tomar algumas margueritas com Rangiku.

     Ela deixará sua cabine
abafada e sufocante apenas minutos depois que Byakuya tinha saído. Francamente, a presença dele fora praticamente imprimida no minúsculo espaço, fazendo a cabine parecer ainda menor do que era. O que não havia parecido possível, em sua opinião.

       Mas Byakuya a abalará mais do que Orihime pensará que aconteceria. Apenas a proximidade dele lhe despertará sentimentos e emoções que ela teimara em ignorar mais de um ano atrás. Agora tais emoções estavam de volta, e Orihime não sabia como lidar com elas. Afinal de contas, não tivera muita experiência com esse tipo de coisa. Antes de Byakuya, só tivera outro homem em sua vida, que não a afetará nem de perto da maneira que Byakuya a afetará. É claro,desde Byakuya os únicos homens de sua vida preferiam babar no seu ombro a dançar românticamente no escuro.

       Só o fato de pensar em seus garotinhos causou um aperto no coração de Orihime. Ela nunca os deixará antes, e, apesar de saber que os gêmeos estavam em boas mãos, detestava não estar com eles.

- Mas eu estou neste navio para o bem dos meninos - Relembrou-se com firmeza.

       Com tal pensamento em mente, olhou para o interior do Captain Jack's Bar and Lounge. Como em todos os outros lugares daquele navio, Byakuya não tinha sido mesquinho. As paredes de madeira clara brilhavam na luz que vinha de candelabros altos em formato de lemes. O bar era uma curva elegante de madeira clara, com o topo de granito da cor de mel derretido.

       Conversas fluíam num murmurinho constante, pontudas pelo ocasional tinir de cristais ou por risadas suaves. Primeiro dia no mar, e a festa já havia começado.

     Bem, para todos, exceto Orihime. Ela não estava exatamente no humor de comemorar, depois que Byakuya sairá de sua cabine.

     Na verdade havia passado a maior parte do dia deitada numa espreguiçadeira no Verandah deck, tentando se perder no livro que escolherá na loja de presentes. Mas não conseguia se concentrar nas palavras tempo bastante para fazer progresso. De tempos em tempos, seus pensamentos tinham retornado para Byakuya.  O rosto dele. Os olhos. O semblante de rejeição no primeiro momento que olhará para as fotos dos filhos.

        Ela não sabia o que aconteceria a seguir, e a preocupação sobre isso a consumirá o dia inteiro. Motivo pelo qual decidiu não desmarcar as margueritas com Rangiku.  Orihime tinha passado muitas horas sozinhas naquele dia, com tempo demais para pensar. O que precisava agora era de alguma distração. Um drinque à base de tequila para relaxar parecia perfeito. Especialmente considerando sua ansiedade em relação ao jantar com Byakuya mais tarde.

- Oh, Kami - Sussurrou ao sentir uma angústia no peito novamente.

- Orihime!

    A voz de uma mulher a chamou, e Orihime virou-se naquela direção. Viu Rangiku parada perto de uma das mesas ao longo da parede, acenando e sorrindo. Grata, Orihime trilhou seu caminho entre as mesas repletas de gente. Quando chegou a mesa, sentou-se numa cadeira e sorriu para a marguerita que já a aguardava.

- Espero que não se importe. Pedi o drinque para você assim que cheguei aqui - Disse Rangiku, dando um gole no seu próprio drinque tamanho gigante.

- Importar-me?  - Murmurou orihime. Pegando o copo gelado. - Esta brincando? Isto é fabuloso. - Após tomar um longo gole de seu drinque, ela recostou-se e olhou para sua nova amiga.

    Rangiku estava praticamente saltando da cadeira, os olhos brilhando com excitação. Seus cabelos loiros pareciam desalinhados pelo vento, e a pele estava rosada, como se tivesse tomado muito sol por hoje.

- Procurei você pelo navio inteiro - Disse Rangiku, Sorrindo como uma tola. - Eu precisava vê-la. Descobrir onde eles a colocaram.

  Orihime Piscou e balançou a cabeça.

- Como assim me colocaram? Quem me colocou onde?

   Rangiku estendeu um braço  e pegou a mão de Inoue para um rápido aperto.

- Oh, meu Kami. Você não voltou para o buraco o dia inteiro, Voltou?

- De jeito nenhum - Replicou Orihime com um suspiro. - Depois de meu encontro, subi e permaneci no Verandah deck, adiando o momento de voltar para lá

- Então você não sabe.

- Sei o que? - Orihime estava começando a pensar que talvez Rangiku tivesse tomado margueritas demais. - Sobre o que você está falando?

- Da coisa mais incrível. Mal posso acreditar, e eu vi. - Ela bateu uma das mãos sobre sua blusa azul e gemeu como se estivesse no meio de um orgasmo.

- Rangiku... o que está acontecendo?

- Certo, certo. - A loira pegou seu drinque, deu um grande gole, e disse: - Aconteceu logo no começo desta tarde. Gin e eu estávamos no promenade deck, olhando todas as lojas. Bem, eu estava olhando, Gin sendo arrastado por mim com relutância - Admitiu ela. - É quando nos saímos de Crystal Candle... uma loja que você deveria ver, eles têm coisas fantásticas lá...

    Orihime imaginou se havia
alguma maneira que fazer Rangiku seguir um único raciocínio tempo bastante para lhe contar o que estava acontecendo.  Mas provavelmente não, então ela deu um gole no seu drinque e se preparou para esperar. Não precisou esperar muito.

- Quando saímos - Mary estava dizendo -, Havia um comissário de bordo esperando por nós. Ele falou: " Sr. E Sra. Ichimaru? " de um jeito tão oficial que por um momento me perguntei o que tínhamos feito de errado, mas então Gin indagou: "Do que se trata?" , e o comissário  pediu que nós o seguíssemos.

- Rangiku...

   Sua nova amiga sorriu.

- Eu estou chegando lá. Sério. É porque isso tudo é tão incrível... certo. - Ela acenou a mão no ar para informar Orihime que iria continuar a história, então Murmurou: - O Comissário nos levou para a suite do dono... Você sabe, Byakuya Kuchiki.

- Sim - Respondeu Orihime - Eu sei quem ele é

- Quem não conhece, pelo menos nos países onde se fala Japonês - Disse Rangiku com uma risada, então continuou:

- Estávamos lá parados, no meio de uma suíte que parece um palácio, e Byakuya Kuchiki em pessoa chega para se apresentar a nós,e pede desculpas sobre a cabine buraco.

- O que? - Orihime apenas olhou para a outra mulher, incerta do que fazer com aquela informação.

- Eu sei! Eu fiquei completamente pasma. Fiquei quase sem fala, e Gin pode lhe dizer que isso quase nunca acontece. - Rangiku parou para dar mais um gole no drinque e quando terminou, ergueu uma mão para a garçonete, indicando que queria outro. - Então, lá estávamos nós e Sr. Kuchiki sendo tão gentil e tão sincero sobre como se sente mal sobre as cabines do Riviera Deck... e insistindo em nós transferir para uma acomodação melhor.

- Transferir?

- Sim, Transferir - Confirmou Rangiku enquanto agradecia à garçonete pela nova marguerita. Esperou até que a moça desaparecesse com o copo vazio, antes de continuar. - Então, eu estava feliz, porque aquela cabine minúscula é tão ridícula. Esperei uma cabine de tamanho médio, talvez com uma janela, o que seria ótimo. Mas não foi isso que recebemos.

- Não foi? - Orihime pôs seu copo sobre a mesa e observou os olhos de Rangiku brilhando ainda mais.

- Oh,não. O Sr. Kuchiki disse que a maioria das cabines estavam ocupadas, motivo pelo qual fomos parar naquelas minúsculas, para começar. Então ele nos mudou para um suíte de Luxo!

- Verdade?

- Ela fica no Splendor deck. O mesmo piso que o próprio Sr. Kuchiki mora. E Orihime, nossa suíte é incrível! É maior do que minha casa. Além disso, nosso cruzeiro inteiro será por conta dele, que quer nos reembolsar o valor que pagamos por aquela cabine ridícula, e insiste que não paguemos nada nesta viagem.

- Uau - Byakuya sempre tivera muito orgulho de manter seus passageiros felizes, mas aquilo era... bem, para usar a palavra de Rangiku, incrível. Passageiros geralmente esperavam por uma conta que podia chegar a diversas centenas de yens no final de um cruzeiro. Oh, comida e acomodação estavam inclusas quando você alugava a cabine. Mas despesas extras podiam ser muito altas se você não prestasse atenção.

   Fazendo aquilo, Byakuya tinha dado a Rangiku e ao marido uma experiência num cruzeiro que a maioria das pessoas nunca teria. Talvez ele tivesse mais coração do que ela um dia acreditaria.

- Ele é tão gentil - Rangiku estava dizendo enquanto mexia o gelo de seu drinque com o canudo - De alguma maneira, pensei que um homem tão rico e famoso fosse... Não sei, esnobe. Mas ele não é. Tem muita consideração e gentileza, e não posso acreditar que isso está realmente acontecendo.

   - Isso é maravilhoso, Rangiku - Disse Orihime com sinceridade. Mesmo tendo ela e Byakuya seus problemas, ela podia admirá-lo e respeitá-lo pelo que ele havia feito por aquelas pessoas.

- Espero muito que sua nova cabine seja em algum lugar perto da nossa, Ori. Talvez você deva procurar um comissário de bordo, descobrir para onde eles irão mudá - lá.

    - Oh - Orihime maneou a cabeça -, eu não acho que vou mudar de cabine.
    Não podia imaginar Byakuya lhe fazendo nenhum favor. Não depois da hostilidade que acontecerá entre os dois apenas algumas horas antes. E embora estivesse feliz por Rangiku e seu marido, não gostará de ser a única residente do deck mais baixo do navio. Agora o lugar não seria apenas pequeno e escuro, mas também solitário e assustador.

- É claro que vai. - Discordou Rangiku - Eles não nos mudariam sem mudar você, isso não faria o menor sentido.

   Orihime apenas sorriu. Não ia contar a Rangiku  sobre sua História com Byakuya naquele momento. Então, não havia nada que pudesse dizer para sua nova amiga, além de:

    - Descobrirei quando eu descer para trocar de roupa. Tenho um jantar com alguém - Olhou o relógio - Aproximadamente uma hora e meia. Então vamos tomar nossos drinques, e você pode me contar sobre sua nova suíte antes que eu tenha que ir embora.

Rangiku franziu o cenho e então deu de ombros.

- Certo, mas se você não for transferida, vou ficar realmente chateada.

- Não fique - Orihime sorriu e, para distrai-la, perguntou: Vocês têm um terraço?

- Dois! - Rangiku Sorriu como uma criança na manhã de natal e disse: - Gin e eu vamos jantar em um deles está noite. Ao ar livre, sobre as estrelas..hm hora de um pouco de romance já que saímos daquele buraco!

Romance.

Enquanto Rangiku falava sobre os planos que tinha feito com o marido para uma noite de sedução, Orihime sorria. Desejava o melhor para sua amiga, contudo, sua experiência ao tentar romance lhe trouxe consequências amargas. Não, não queria saber de romance.  Tudo que queria agora era a promessa de que Byakuya faria a coisa certa, e que lhe permitiria criar seus filhos da maneira que ela quisesse.


Notas Finais


Vou demorar para postar o próximo pois estou escrevendo mais três fanfics para postar para vcs :') but elas só vão ser postadas quando essa acabar, mas já quero ter alguns capítulos escritos
Kissus e até o próximo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...