História Laços de Sangue - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Drama, Incesto, Romance
Visualizações 3
Palavras 675
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Este é o primeiro capítulo, espero que gostem do capítulo.
Boa leitura pinkies

Capítulo 1 - Primeiro sorriso


França, Paris

Era um dia chovoso, terrível para ser sincera. Lá fora ouvia-se os trovões, a chuva a cair e o vento a soprar com tanta força, que se faziam ouvir batidos nas portas e janelas. Era um péssimo dia para viajar de avião, ou de qualquer outro meio de transporte. 

Hoje, seria o primeiro voo de Hanna. Ela estava insegura da viagem mesmo antes de embracar, porém com aquela chuva, trovoada, ela ficava ainda mais insegura. O medo invadiu o seu corpo. O grande medo de entrar num avião e senti-lo a descolar, a voar e a aterrar era enorme.

-Eu não vou andar de avião! Não com este tempo! - resmungou Hanna, sentada num sofá com as pernas apoiadas na mala.

Do nada, um clarão de luz abriu-se no céu, e o que de antes era escuridão e um "filme de terror" agora tinha-se tornado num paraíso. O sol ficou abrasador, os passaros cantavam e a viagem iria começar. 

-Obrigada sol! - diz irônica. Hanna levantou-se e caminhou pela sala.

Naquele momento, a horrível voz eletrônica começou a falar. Estava na hora dela embarcar, acabar com o medo de voar.

Hanna respirou fundo, e caminhou por aquele longo corredor sem fim. Quando chegou lá fora, encontrou um avião enorme, aquilo era mesmo enorme. Hanna olhou o avião de todas as maneiras, subiu as escadas com a mala ao colo, quando entrou dentro do avião procurou o seu lugar e sentou-se logo. 

Ainda o avião não tinha descolado, os motores não estavam ligados, mas Hanna já chorava, de medo, de pânico, de todos os sentimentos. 

Horas depois, em Massachusetts

Finalmente, o avião tinha aterrado. Mal sentiu o grande "animal", o apelido que ela lhe dera, a parar sentiu um grande alívio no coração. 

Em poucou minutos Hanna e a sua família chegaram à nova casa. Era uma casa rústica, de pedra. Tinha aqueles toques modernos e um jardim de tirar o fôlego. 

O primeiro impulso dela foi abrir a porta e entrar para casa. Ela queria ver cada canto, cada cor e cada maravilha daquela casa. Hanna abriu a porta e encontrou tudo como imaginava: uma cozinha moderna, uma sala encantadora, e o seu quarto... um lindo quarto. Era roxo, com lindos toques de branco, era encantador, um quarto digno de uma menina simpática e romântica.

Depois de arrumar as malas, e colocar tudo à sua maneira, Hanna saiu de casa e caminhou pelas longas ruas. 

Aquela cidade era linda, nada comparada a Paris mas apesar disso era encantadora. Depois de andar por uns longos minutos, Hanna decidiu parar para comer qualquer coisa. Parou num café da Starbucks e aproveitou para beber um cappuccino delicioso. Hanna se levantou para pagar, mas deixou cair a carteira. 

Um rapaz que passou por ela, pegou na carteira que estava no chão e entregou-lha. Hanna sorriu envergonhada.

-Obrigada! 

Ele retribuiu o sorriso e entregou-lhe a carteira, mas antes de ir embora ele olhou para Hanna e disse:

-Eu pago!

Hanna tentou ainda impedi-lo, mas o rapaz foi mais rápido que ela e quando ela reparou, o seu cappuccino já estava pago. O rapaz tinha sido muito atencioso para ela, até demais. "Como é que oum mero desconhecido, paga um café a uma pessoa desconhecida?" Essa era a pergunta que estava na cabeça dela.

Hanna queria agradecer, mas o rapaz já tinha desaparecido. Um sorriso maravilhoso... é a única coisa que ela sabe dele. 

Hanna chegou a casa a sorrir. Ela sentia-se idiota por sorrir enquanto pensava no sorriso lindo e encantador do rapaz que lhe havia pago um capuccino! 

-Estás a sorrir muito! - disse a sua mãe 

-Eu estou sempre a sorrir mãe! - Hanna disse e subiu as escadas em direção ao seu quarto.

Quando chegou ao quarto, pegou no telemóvel e foi dar uma vista de olhos no Onstagram, Snapchat, Twitter e por fim no Facebook. Ela estava agoniada, era sempre a mesma coisa, as mesmas notícias, as mesmas pessoas a postar fotos. Parecia já tudo uma rotina. No momento em que ela ia sair, encontrou o rapaz do lindo sorriso.

-Mike Stewart. - ela disse e sorriu



Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...