História Laços Eternos - Capítulo 32


Escrita por: ~

Postado
Categorias Saint Seiya
Tags Drama, Romance, Saint Seiya, Yaoi
Exibições 49
Palavras 1.829
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


amoreeeeesss!!!!
Por favor não me abandonem!!
Momento frase de mulher traindo: não é nada disso que vcs estão pensando!!!
Sério, eu vou explicar o pq da minha ausência!!! Então, essa fic eu escrevo sozinha, diferente de outras duas que eu também escrevo, logo é mais difícil pegar para escrever do nada, ainda mais que eu estava agarrada na faculdade e para concursos (Inclusive eu passei, tanto no concurso quanto na faculdade! Sétimo período, lá vou eu !! <3)
Enfim, peço imensa e novamente desculpas e aviso que estou e de férias e agora atualizar pelo menos dois caps por semana !!!
Espero que gostem desse cap!!! Obrigada por não me abandonar e boa leitura !!!

Capítulo 32 - Novidades


Fanfic / Fanfiction Laços Eternos - Capítulo 32 - Novidades

Shun e Hyoga retornaram ao seu quarto após verem o nascer do sol. Viam os demais hóspedes se levantando, enquanto estavam indo dormir. Entraram no quarto e fecharam a porta. Shun foi procurar um pijama dentro do armário.

_Shunny – o abraçou pelas costas e beijou seu pescoço – Acho que vamos precisar de um banho.... Ainda estou cheio de areia!

_Também acho! – se virou para o loiro e sorriu. Estava tão feliz que não havia palavras que descrevessem tal felicidade – Você vai primeiro?

_Não, meu neném – o puxou para perto pela cintura – Você vai comigo! - disse ao pé do ouvido de seu amado, vendo o rubor tomar conta daquele rostinho – O que foi? – retirava sua camisa, expondo o abdômen definido, que reconquistou após alguns treinos após sua doença – Não quer?

_Eu... É que... Eu... – estava com vergonha. Mesmo depois do que passaram, ainda era tímido e recluso.

Hyoga o beijou com calma, o abraçando de maneira doce.

_Shunny, você me ganhou, agora vai ter que me aturar! Não pretendo ficar longe você nem por um minuto – beijou a bochecha rosada – Não precisamos fazer nada, se não quiser... Só quero sentir você, te abraçar... Vamos?

_Tudo bem... Pode ir, eu já vou... – o viu terminar de tirar as roupas e ficar nu. Mas como ele era lindo! Como ainda podia ter tanta vergonha assim? Era seu namorado! Tinha acabado de fazer amor com ele! Decidiu ser mais corajoso. Retirou suas roupas e andou até o banheiro. Viu que Hyoga estava completamente relaxado dentro da banheira. Acariciou os fios loiros e se sentou na borda.

_Vem! – o loiro abriu as pernas para que o outro se sentasse entre elas. Shun obedeceu e entrou, se acomodando entre as pernas alvas, recostando a cabeça sobre o peito de Hyoga – Você me fez muito feliz hoje, amor – beijou os cabelos de Shun.

_Só hoje? – sorriu e brincou.

_Claro que não, neném... Todos os dias... Disse especialmente sobre hoje pois me deu uma prova, mais uma prova de amor... Eu nunca pensei que ainda era digno de ser amado, ainda mais por você...

_Vai voltar a falar de passado? Esta história está morta para todos nós... Eu te amo e você me ama, e o nosso agora é o que importa... O passado não fez de você uma pessoa má... Apenas alguém que deixou o desejo falar mais alto, pagou por isso e se arrependeu... Agora está acabado! – se virou para ele – Eu te amo – deu um beijo na ponta do nariz do outro – Me ajuda com o sabonete nas costas? – sorriu inocentemente, sendo acariciado pelo amado em suas costas, recebendo uma massagem lenta e prazerosa nos ombros e pescoço – Hm – suspirou.

Hyoga permaneceu o tocando naquela área ao ver que Shun sentia prazer com ela. Substituiu suas mãos por sua boca, distribuindo beijos lentos e leves chupões. Acariciava o abdômen do mais novo com a mão, mais precisamente com as unhas, o arranhando de leve, logo pôde sentir a ereção do outro roçar em sua mão direita, sendo prontamente massageada.

_Hyoga...- Shun gemeu ao ser tocado daquela maneira – Assim...- sua voz saía tímida, mas ainda assim, dava prazer ao loiro ver que seu pequeno se rendia a ele. Permaneceu numa masturbação lenta, porém prazerosa, até ver que o outro se virara para si – Hyoga... Sente-se na borda – o viu se ajoelhar na banheira. Se sentou sobre a borda fina e sentiu suas pernas serem separadas pelo menor, que se colocou entre elas – Eu quero... Tentar... – Shun apertou o membro rosado entre os dedos e o introduziu em sua boca pequena, arrancando um gemido prazeroso do loiro. O chupou rapidamente, o introduzindo mais e mais em sua boca, ora o chupava, ora o lambia, vendo o namorado delirar com a felação.

_Shun... Gostoso – não se conteve e enrolou os fios esverdeados entre seus dedos e passou a se movimentar para dentro daquela boca quente – Me... Chupa – ao ouvir o prazer que Hyoga sentia, sentiu mais confiança e passou a chupá-lo com vigor, sendo repreendido quando sentia que ele estava quase gozando – Não... Quero te dar prazer também...

_Hyoga... – Shun enrubesceu e abaixou a cabeça – Sabe o que fez com a língua... Lá na praia...

_Sim... Gostou, foi? – sorriu com malícia.

_Sim... Eu...

_Então vira pra mim... Vira que eu dou o que você quer – pediu de forma sensual e o viu se apoiar nas bordas da banheira e ficar de quatro para si, levemente empinado – Lindo... – apertou a nádega direita de Shun antes de lamber com gosto aquele buraquinho rosado.

_AHHH! – Shun involuntariamente passou a rebolar na língua de Hyoga, que aumentava o ritmo das lambidas, separando suas nádegas cada vez mais, e cada vez mais enfiando sua língua nele – Hyoga... AH...- apertava as bordas da banheira com força, deixando seus dedos marcados. Sentiu o loiro lhe dar dois tapas de leve em sua bunda e se colocar atrás de si.

_Você é delicioso, amor – iniciou a penetração, introduzindo a glande de leve, sentindo Shun ceder ao seu membro, logo em seguida entrando mais e mais dentro dele. Em poucos minutos, suas estocadas estavam firmes e profundas, levando o menor ao delírio, fazendo-o gemer e gritar palavras desconexas – SHUN...AI... VOCÊ ME MATA ASSIM – o outro rebolava sem pudor em seu membro, lhe causando uma sensação de prazer incrível. Segurou sua cintura firmemente e lhe estocou com mais força, entrando e saindo com velocidade.

_Hyogaa... Eu vou... Continua – se movia em círculos o ajudando com as estocadas, e em pouco tempo se permitiu gozar com prazer, sendo seguido pelo loiro. Terminaram o banho e se trocaram. Estavam deitados de frente um para o outro. Não se cansavam de se olharem nos olhos. Acariciou a face alva de Shun.

_Te amo – ouviu e o respondeu no mesmo tom. Amava Shun e estava certo disso. Certo como nunca antes. Estava finalmente convencido de que estas pessoas de fato o amavam incondicionalmente. Seu pai o perdoou, depois de tanta sujeira, ele o perdoou. Shun, aquele anjo, estava ao seu lado em todos os momentos. Seus amigos eram os mais fiéis do mundo. Era mesmo uma pessoa de sorte. Sorriu e prosseguiu com as carícias em Shun. O céu já estava em pleno dia quando pegaram no sono.

_____xx_____

Queriam que a viagem tivesse passado mais lentamente. Já se despediam daquele lugar maravilhoso, aquele paraíso que foi o lar de muitos momentos lindos. Jacob de longe era quem mais estava triste. Nunca saíra da Rússia durante toda a vida. Só conhecia a aparência cinzenta e o frio. Nada mais. Mas tudo bem, provavelmente teria mais chances de viajar. Seu “novo” pai era tudo o que sempre quis. Lhe dava carinho, atenção e amor. Tudo o que não tivera de seus pais antes. Olhava distantemente as nuvens escuras da janela do avião. Logo estavam na Grécia. No fim das contas, estavam com saudades de “casa”. Shun foi deixado na mansão Kido. Saga os ajudou com as malas e retornou ao seu templo.

Camus organizava as malas, as desfazia com a ajuda dos filhos, separando as roupas para serem lavadas.

_Então, gostaram? – disse ele aos filhos.

_Com toda a certeza! – Jacob estava definitivamente animado – Por mim, voltaria para lá hoje mesmo! – sorriu, mostrando sua “janela” nos dentes da frente. Os outros dois gargalharam.

_Voltaremos um dia, meu filho... – afagou os cabelos escuros do menino e levou um cesto de plástico para a área de serviço – Hyoga me ajuda aqui!

O loiro foi até a área ajudar o pai a separar as roupas em cores. Jacob foi até a cozinha e serviu uma taça de sorvete, se sentou no sofá e ligou a TV. Viu no raque um papel com letras douradas.

_Convite... Oba, festa!

_O que é isso, Jacob? – pegou o papel da mão do filho e leu as letras douradas “Aiolia e Marin”. Sorriu – Hyoga, olha, eles vão se casar no mês que vem! – entregou o convite nas mãos do filho mais velho, que se felicitou pelos dois. Daqui a algum tempo seria sua vez e de Shun – Milo será o padrinho, pelo que me disse...

_Ele te contou isso? – arqueou uma sobrancelha.

_Sim, antes de viajarmos, eu o encontrei sem querer no estacionamento... Parece que ele e a namorada serão os padrinhos do Aiolia... – mexia numa gaveta de forma sem importância.

_Pai, você ainda...

_Não, Hyoga... Eu e Milo – olhou para Jacob – Nada, continua sendo um bom amigo, sabe disso!

_Papai, se o Milo é um amigo agora, o tio Saga é meu terceiro pai?

Camus e Hyoga ficaram sem reação diante da pergunta do mais novo. Não entenderam de imediato o que ele queria dizer com aquilo. Será que ele... Entendia?

_Jacob – se sentou ao lado do caçula – O que está querendo dizer?

_Estou perguntando se vocês estão namorando... Vocês estão, eu sei! – sorriu. Camus foi completamente surpreendido pelo comportamento do filho.

_Jacob, eu... Como sabe sobre essas coisas?

_Ah, papai, pode me dizer a verdade... Eu gosto do tio Saga!

_Você...- uma das poucas vezes que ficara sem palavras na vida. Uma delas era exatamente agora. De onde havia saído tanto entendimento e compreensão? Não podia negar que estava feliz, muito feliz, aliás. Mas ao mesmo tempo intrigado. Abraçou o filho e sorriu. Não era hora para questionar seus pensamentos. Talvez fosse ingenuidade e pureza do filho em relação à palavra "namoro". Não sabia o que Jacob pensava sobre isso, mas se estava feliz, ele estava o dobro!

_____xx_____

Shina marcou um encontro com Seiya na praça em que costumavam passear juntos. Ela estava muito nervosa com a notícia que tinha de dar a ele. Estava nervosa com o que aconteceria dali para frente. Eles eram jovens e isso era algo difícil de lidar nessa idade. Mas não tinha volta. Estava feito e agora só restava cumprir com sua obrigação.

_Oi meu amor!– a puxou pela cintura e deu um beijo, que não foi correspondido na mesma intensidade que ele esperava – O que foi? – se preocupou. Viu um papel, mais precisamente um envelope nas mãos da namorada, que ela entregou em sua direção – Shina, está me deixando nervoso...

_Pega esse envelope, Seiya... – respirou fundo ao vê-lo abrindo o papel. Sua expressão era indecifrável. Não sabia dizer se era de perplexidade, felicidade ou ódio.

_Shina... Isso...

_Sim, Seiya... Estou grávida...

O moreno realmente não sabia o que estava sentindo. Nunca fora responsável nem por si mesmo, e agora teria um filho para cuidar!? Não tinha um trabalho, nem mesmo concluíra o ensino médio ainda. Respirou fundo. Tinha de fazer algo que não lhe era muito recorrente: pensar. Precisava pensar. Pensar muito!

Continua


Notas Finais


Então amores, espero que tenham gostado!!!
Não me deixem, falem comigo please <3
Beijíneos queridos ;*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...