História Ladrien - o plano B - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alya, Chloé Bourgeois, Gabriel Agreste, Hawk Moth, Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Nathalie Sancoeur, Nino, Personagens Originais, Plagg, Sabine Cheng, Sabrina, Tikki, Tom Dupain
Tags Ladrien, Miraculous, Romance
Exibições 71
Palavras 1.328
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Fantasia, Ficção, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Heterossexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi! Como eu falei, quarta. Pois é, se não era o que vcs estavam esperando foi mal. É que essa ideia era boa demais para jogar fora.

Capítulo 4 - Sequestrada?


 

Ladybug estava pulando sobre as casas e prédios de Paris, procurando uma em especial. A mansão Agreste, casa de seu amado, Adrien. Ele estava machucado por sua causa, ela tinha falhado como Ladybug. Mas ainda havia um jeito de reparar seu erro. E ela repararia.

Seu coração entrou em disparada. Ela não pôde acreditar no que via. Se ela descobrisse que Adrien gostava da Chloé seria menos doloroso. (estão curiosos para saber o q é q deu? Só mais algumas frases e vocês saberão) Ela tentou se acalmar nada de ruim devia ter acontecido. Havia muitas possibilidades, ele podia ter ido ao banheiro, talvez tivesse ido beber água, quem sabe não foi jantar. A quem ela queria enganar? Adrien não estava na cama onde ela havia posto ele. Pior, não estava em lugar algum do quarto. Ele podia ter sido sequestrado uma segunda vez pela Lila! E se ela já tiver acordado?

Não, Adrien sabia se cuidar. Talvez o pai dele tivesse aparecido e tratado dos ferimentos, ou levado ele à um hospital. Isso, ele só está se cuidando. Talvez nem precisasse da ajuda dela. Isso era bom, não é?

Mais aliviada, corrigindo, se convencendo a não se preocupar, saiu pela janela e foi pulando por cima dos prédios para chegar em casa. Como era alguns minutos de salto, ela aproveitou para pensar em uma desculpa para seu sumiço diário.

Aos poucos Marinette foi se acalmando. Nada de ruim podia ter acontecido com Adrien. Era só o pai dele querendo passar um tempo com o filho ou sei lá, pais geralmente curtem a companhia dos filhos. Nada a se preocupar. Mas, o que Marinette não sabia é que não era isso que tinha acontecido. O pai de Adrien, Gabriel Agreste, era frio demais para isso. (Eu sei que disse que ia ter ladrien nesse cap, mas eu estava zoando, sqn. Só esperem um pouco, o cap ainda não acabou) 

Marinette chegou em casa mais ou menos às 19 horas. 

Chegou em um momento que Ladybug resolveu parar de pular de prédio em prédio e desceu de onde estava. Procurou um beco escuro e se transformou em Marinette. Ela foi andando para a casa calmamente enquanto aperfeiçoava a sua desculpa. “Pai, mãe, eu fui percebida pela Lila. Ela queria me usar de refém também. Não só o Adrien. Foi horrível! Eu não podia sair do meu esconderijo, e se ela me achasse. Só saí quando tive certeza de que a barra estava limpa, sabe, quando Ladybug e Chat Noir já tinham purificado o akuma. E isso demorou um tempão.” “Não, eles não cairiam nessa. Talvez se eu dissesse que me perdi? Ou talvez se...” Seus pensamentos foram interrompidos ao ver um cartaz. Dizia desaparecida e tinha uma foto de seu rosto. Aparecia o número de seus pais. 

Ela resolveu sair correndo para a casa, não sabia que essas poucas horas causariam tanto caos. Alya devia estar desesperada, e sua mãe e seu pai deviam estar bem mal. Por um momento aquela situação a fez sorrir. Será que Adrien tinha ficado sabendo? Se sim, será que estava preocupado? A hipótese de Adrien se importar com ela a fez tão feliz.

Mas quando passou pela porta e chegou na padaria seu sorriso se desfez. Ela via seus pais preoculpados, e mais dois rostos que não reconheceu. Mas não foi isso que a chocou. Além dos seus pais e dos dois policiais, ela conhecia alguns por ser a Ladybug mas aqueles dois em especial não. Não que isso fosse relevante. Além deles ela viu três rostos que ela reconheceu, Alya, Nino e, isso que a chocou, Adrien. 

Então é por isso que ele não estava no quarto.

Adrien correu para chegar em seu quarto antes que alguém chegasse no quarto. Ele não conseguiu ir muito rápido por causa da perna machucada que ainda doía, e muito. A vantagem que ele tinha é que ninguém nunca ligava para ele, ou seja, não estariam preocupados em olhar onde ele estava mesmo não tendo voltado com o motorista dele. O que isso quer dizer? Quer dizer que ele não estava preocupado caso entrassem e não o vissem. Ele tinha certeza que não entrariam. Mesmo assim, depois de muito mancar, Chat Noir chegou em sua casa e resolveu entrar pela porta da frente. Ele não achava que seria estranho ele estar fora da casa se antes estava dentro porque sabia que Ladybug não tinha falado nada para o pai dele ou Nathalie, então ele só tinha que falar porque demorou para voltar da escola. Ele poderia falar a verdade e isso era o melhor de tudo.

Ele tocou a campainha e Nathalie apareceu com aquela câmera. 

-Oi, Nathalie.

-Onde você estava? Ele está furioso! E o que houve com sua perna?

-Pode abrir a porta?

-Ah, sim, claro.

Logo ao chegar, Adrien levou uma bronca de seu pai.

-Onde você estava?

-Um akumatizado me pegou.

-E o que houve com sua perna? – perguntou ele sem o menor resquisito de preocupação 

-É só um corte com faca, não foi nada pai, sério.

-Está vendo, é por isso que eu não queria que você fosse a escola. Nathalie, consiga um par de muletas para ele.

-Sim, senhor Agreste. – disse Nathalie, que até o momento tinha ficado quieta

-E você, - falou para Adrien – vá para o quarto.

Adrien tinha acabado de receber as muletas de Nathalie. Ele estava em seu quarto, sentado na cama tentando andar com elas. Era difícil, mas aliviava muito a dor. Talvez com um pouco de prática conseguisse alguma velocidade. 

É claro que Chat Noir não poderia usar muletas, mas depois de ter que se virar quase o dia todo sem as muletas ele já nem precisava de algum apoio. Então isso não era um problema. 

-O jantar será servido ás 23.

-Obrigado, Nathalie.

Logo que ela se foi, Adrien olhou as horas. 18:30. Logo em seguida seu celular tocou. Era Alya.

-Alô? Alya?

O outro lado respondeu com voz de choro:

-Adrien, eu tenho uma má notícia para dar. Eu achei que você ia querer saber. A Marinette está desaparecida. 

Nesse momento algo se quebrou em Adrien. Ele pôde ouvir Alya desligar e fungar e ele ficou ali sentado na cama absorvendo a notícia que com certeza o chocou e abalou.

Ele saiu do quarto, ele precisava falar com seu pai. Não podia ficar ali, sentado sem fazer nada. Marinette era uma de suas amigas mais antigas. Ele realmente gostava muito dela. Ele iria ajudar a acha-la.

Adrien foi hesitante até o escritório do seu pai.

-Pai...

-Adrien, não me interrompa enquanto eu estiver trabalhando.

-Mas pai...

-Sem mais.

Adrien saiu do escritório do pai e voltou ao quarto.

-Plagg, o que eu faço?

-Queijo por opinião. 

Adrien suspirou e deu queijo ao Plagg.

-Peça para Nathalie para sair. Ela avisa seu pai depois.

Adrien fez exatamente isso.

Ele estava preocupado com Marinette. O que poderia ter acontecido com ela? Será que estava em perigo.

Quando chegou na casa de Marinette, encontrou Alya, Sabine e Tom, os pais de Marinette. Logo após veio Nino.

Sabine chorava nos ombros de Tom.

-Agora chegou todo mundo. Comece a falar, depois chamamos a polícia. – falou Tom

-A gente estava na sala, aí a Lila chegou e atacou o Adrien com uma faca e...

Só nessa hora todos pareceram notar que Adrien estava de muletas.

Depois dessa súbita pausa Alya continuou.

-...e aí apareceu a Ladybug e expulsou a Lila aí as aulas voltaram e ninguém mais viu a Marinette.– Alya começou a chorar

-Tudo bem, nós vamos acha-la. – Nino a cosolou

Tom já estava chamando a polícia. Eles espalharam cartazes por toda a cidade. Quando acabaram era quase 19 horas, a polícia chegou logo após. Adrien conhecia alguns policiais por ser o Chat Noir e quando viu quais foram designados para achar a Marinette ele ficou bem feliz. Ele conhecia aqueles dois era bons policiais. Acabariam achando a Marinette. 

Alguns minutos depois a porta se abriu.
 


Notas Finais


Pois é, eu ia por ladrien nesse cap mais aí ia ficar muito longo. Vão ter que esperar o próximo. Espero q tenham gostado. Comentem o q acharam e até o próximo. E caso estejam na dúvida, só passou um dia na história.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...