História Lady Noir - Breakdance - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Exibições 81
Palavras 3.106
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi leitores ma-la-vi-losos!
Desculpem a demora mas aqui está mais um cap para vocês 😉

PS: Eu estou doente por isso não postei esses dias 💔

❤ Boa Leitura ❤

Capítulo 3 - The Sunday


Fanfic / Fanfiction Lady Noir - Breakdance - Capítulo 3 - The Sunday

Paris - 8:00

Point Of View - Marinette

- MARINETTE LEVANTA! - Minha mãe grita do andar de baixo me fazendo acordar assustada e levantar de vez, minha cabeça dói intensamente por causa do movimento brusco e me jogo na cama de novo.

- Argh merda, O QUE É MÃE?! - Grito colocando um travesseiro na cara.

- Você vai ficar na padaria que eu preciso sair agora - Ela diz abrindo a porta do meu quarto.

- Você vai demorar muito? - Ela nega com a cabeça - Okay, daqui a pouco apareço lá - Ela assinte de novo e sai fechando a porta.

Me levanto e faço um coque no cabelo, pego minha toalha e entro no banheiro.

                 8:30

Minha mãe foi comprar algumas coisas para nossa casa, vulgo comida, depois de discutir comigo sobre comprar nutella ou não, como sempre eu consegui um pote enorme de nutella.

- Daqui a pouco nos vamos passear garota - Digo pra Tikki que está um chiclete.

Depois de alguns *intermináveis* minutos a porta da padaria é aberta revelando minha mãe com umas cinco sacolas em cada braço, corro até ela e pego algumas.

- Tudo bem querida essas aqui eu levo o menino vai me ajudar com as outras - Ela diz e pega as sacolas novamente e logo some na porta que dá nas escadas de casa.

- Onde coloco essa caixa? - Ouço uma voz que reconheço a quilometros de distância soar atrás de mim fazendo-me arrepiar, me viro e vejo o Adrian com uma caixa gigante.

- É-É aqui - Abro a porta e ele passa - Sobe as escadas lá em cima minha mãe te ajuda - Ele assinte sorrindo de lado e sobe as escadas.

Volto pra padaria e me sento em um dos banquinhos do balcão, ouço um barulho de pancadas fortes na porta, me viro e vejo um Dog Alemão preto com as patas na porta, me aproximo da porta e ele abana o rabo enquanto deixa a língua pra fora.

- Ei garotão - Vejo uma coleira preta com pedras douradas nele - Você tem dono hum - Puxo ele para dentro e me abaixo do seu lado recebendo uma lambida na bochecha.

Perto do feixo da coleira tem uma plaquinha dourada com um endereço e um número de telefone, abaixo do número tem as iniciais "A.A".

- Plagg eu disse para ficar la fora - Olho pra trás e vejo o Adrian, A.A, Adrian Agreste, claro! Nossa Marinette como você é burra.

- Ele ficou arranhando a porta querendo entrar - Digo e o Adrian me olha sorrindo enquanto se abaixa acariciando a cabeça do cachorro negro.

- Tudo bem, vamos amigão, o parque nos espera - Ele diz e pega a guia do cachorro, Tikki como boa destrambelhada que ela é vem correndo e pula no Adrian fazendo o mesmo bater de frente comigo.

- Ai! - Falamos juntos e eu levo minha mão a minha testa que se chocou com força na dele.

- Tikki para com isso, que coisa feia - Digo e ela se senta me olhando com carinha de abandonada - Seu castigo é sem filé por uma semana - Ela deita de barriga pra cima e faz gracinhas, rio e me abaixo acariciando sua barriga.

- Ela é linda - Ouço o Adrian falar atrás de mim, sorrio e me levanto.

- É mesmo, ela foi a unica da ninhada a nascer igual o pai, um Dog Alemão branco é meio que bem raro - Ele sorri e olha para Tikki, ela abana o rabo e bate a pata dianteira na calça dele.

- O que ela está fazendo? - Sua cara de desentendido é hilária, rio e ele me olha de cara fechada.

- Desculpa, ela faz isso pra pedir carinho - Ele sorri e acaricia a cabeça dela.

- Quem dera o Plagg fosse assim também - Ele diz sorrindo e eu olho pro grande cachorro negro ao seu lado, pelo brilhante e olhos verde esmeralda iguais aos do dono.

- Ele tem o olho verde - Digo me aproximando do cão e acaricio suas enormes orelhas.

- Ele é muito especial, foi regeitado pela mãe assim que nasceu, ele e mais dois filhotes foram regeitados, os outros dois estão juntos numa casa não muito longe daqui, as vezes me encontro com a dona deles e nós passeamos com os cães - Ele diz sorrindo até com os olhos e percebo o quanto ele ama esse cachorro.

- Pena que foi regeitado - Olho pro cão negro que está me olhando com a língua pra fora.

- Ele não foi o único - Adrian murmura mas eu consigo escutar.

- Como assim? - Ele suspira e nega com a cabeça.

- Não quero falar sobre isso agora - Ele diz e segura mais firme a guia do Plagg, perai, agora, então em algum momento ele vai querer me contar?

- Okay - Sorrio fraco e vejo ele me olhar como se tivesse tido uma ideia magnifica - Ai socorro - Digo brincando e ele revira os olhos rindo.

- Que tal sair com a gente? Eu vou andar pelo parque com o Plagg, venha com a Tikki também - Um passeio no parque com o Adrian Agreste? A Manón vai surtar quando descobrir.

- Não sei o que você acha garota? - Olho pra Tikki que está tentando ignorar o Plagg, ela late e abana o rabo - Foi o que eu pensei, nós vamos - Sorrio para o Adrian que sorri de volta.

- Vamos amigão - Ele puxa um pouco a coleira do Plagg e sai pela porta.

- MÃE JÁ TÔ INDO - Grito para que ela escute, provavelmente está lá em casa arru...

- Eu tô aqui não precisa gritar - Ela fala atrás de mim me fazendo dar um pinote.

- Ai mãe quer me fazer ter um infarte? - Ela sorri.

- Obrigada querido e pode vir quando quiser, estaremos de portas abertas para você e para sua família-  Minha mãe diz e abraça o Adrian.

- Que nada Sra. Chang, qualquer coisa é só chamar - Ele diz e sorri.

Saimos de frente da padaria e rumamos ao parque, em poucos minutos chegamos e logo dois caras de preto aparecem ao lado do Adrian me afastando dele.

-Êi parem com isso! Vem Marinette - Ele me puxa pela mão.

- Por que eles sempre estão no seu pé? - Pergunto assim que paramos em um banco próximo a uma fonte enorme.

- Meu pai sempre manda eles atrás de mim toda vez que saio de casa - Ele diz bufando e eu rio.

- Deve ser dificil - Digo observando os cachorros brincarem na grama.

- Se é - Ele solta um sorriso nalsado e abaixa a cabeça - Sempre tem alguém no meu pé.

Assinto com a cabeça, do nada uma garota loira chega.

- Adrien tira uma foto comigo! Por favor! - Ela diz eufórica e ele ri baixinho.

- Tudo bem, qual seu nome? - Ele pergunta a garota que está com cara de boba observando ele.

- É Mikaella - Ele sorri e se aproxima dela.

Eles tiram a tal foto e ela entrega uma foto dele pedindo autógrafo, gente, o cara é mó gostoso mas não é pra tanto ok!

- Aaaaaah obrigada! - Ela pula no pescoço dele que a afasta sorrindo para não parecer rude, a garota vai em bora e ele se vira para mim com cara de tédio.

- É assim todo dia - Ele revira os olhos.

- Mas você até que gosta de toda essa atenção - Digo e o empurro com o ombro fazendo-o sorrir.

- Até que é legal, mas minha fama não é pelas coisas que faço é pelas coisas que meu pai faz - Ele diz desanimado, que chato ter que ser assim, ele é um ótimo modelo, é lindo e tem um ótimo carisma, é humilde apesar de ser pooooodre de rico, todas as garotas suspiram por ele mas aposto que é só porque ele é popular e incrivelmente lindo, palavras delas.

- Que tal um sorvete? - Ele sugere olhando por cima do meu ombro, me viro e vejo um carrinho de sorvete, até que cai bem.

- Tudo bem, tá meio frio mas sorvete é bom a qualquer hora - Brinco sorrindo e ele ri baixinho, abro minha bolsinha e tiro minha carteira mas sua mão me impede de abri-la.

- Eu pago - Ele diz se levantando.

- Não Adrian já basta ter que me aturar, deixa que eu pago - Me levanto e fico na sua frente.

- Que isso eu insisto - Ele diz saindo sem me deixar falar nada.

Enquanto ele compra os sorvetes eu chamo os cachorros, eles me olham atentos e logo correm até mim pulando e me sujando de lama.

- Argh Tikki essa blusa é branca assim fica dificil né - Ela abaixa a cabeça e eu sorrio - Tudo bem garota, eu lavo depois - Ela se anima e eu fico fazendo carinho na cabeça dos dois até que o Adrian chega com dois potes de sorvete.

- Nossa vai alimentar Paris inteira com esse sorvete? - Brinco e ele ri baixinho.

- Não sabia qual seu sabor favorito então peguei de chocolate pra nos dois - Ele me entrega um dos potes.

- Hummmm ótima escolha, amo chocolate - Sorrio e começo a comer sendo seguida dele.

Assim que ponho a primeira colher na boca sinto gosto de morango com chocolate, olho pra ele sem entender nada.

- Esse tem pedaços de morango - Ele diz rindo, faço uma cara de "nem percebi" e ele ri mais ainda.

Só agora percebi, sua risada é tão gostosa de ouvir, não que eu esteja me derretendo por ele, mas realmente ainda não encontrei nenhum defeito nele, mas estou disposta a encontrar.

- O meu tem pequenas gominhas de menta - Ele diz olhando pro sorvere e eu o olho rapidamente.

- Eu quero! - Que porra foi essa que eu disse? - Q-Quer dizer... Se puder me dar um pouco pra experimentar - Digo rapido e abaixo a cabeça sentindo minhas bochechas esquentarem.

- Tudo bem - Ele diz rindo.

Olho pra ele que pega um pouco do sorvete e leva em direção a minha boca, assim que abro a boca e me aproximo ele puxa a colher, fecho a cara e ele ri, aproxima de novo e desta vez eu seguro seu punho e abocanho o sorvete da colher de uma vez vendo ele me olhar intrigado.

- Achei que fosse comer minha mão - Ele brinca e eu reviro os olhos rindo.

- Se brincar assim comigo de novo vou tomar seu sorvete todo - Ameaço e ele levanta as mão em sinal de rendição.

O resto da tarde foi tranquila, conversamos bastante sobre chocolate e o que gostamos ou não de comer, conversamos sobre os cachorros e um pouco da nossa familia, ele me contou sobre a mãe dele, fiquei com dó e surpresa por ele disfarçar tão bem os sentimentos, se fosse eu estaria na depressão.

- Estão entregues - Ele diz sorrindo assim que paramos na frente da minha casa, já escureceu e daqui a pouco vou sair com a Alya e a Manón.

- Obrigada por me acompanhar, poderia ser assim na escola também não acha? - Levanto uma sombrancelha e ele sorri abaixando a cabeça mas logo a levanta e me olha.

- Vou pensar no seu caso - Ele sorri de lado e eu também.

-  Até amanhã?

- Até amanhã.

Nos abraçamos e ele sai com o Plagg em direção a casa deles, entro em casa e subo as escadas correndo com a Tikki na minha frente, olho no relógio do celular, 18:35, putz tenho que ir para a praça ás 19:00, corro escada acima e chego na cozinha vendo minha mãe cozinhando e meu pai assistindo ao noticiario.

Subo a escada do meu quarto mas a pressa é tão grande que esqueço de abrir a porta, resultado; nariz e testa vermelhos, abro a porta e corro pro banheiro, tiro minha roupa e entro no box, tomo um banho rápido e lavo o cabelo, termino o banho e enxugo o cabelo com o secador, saio enrrolada na toalha e pego uma lingerie vermelha nas gavetas do guarda-roupa, visto e jogo a toalha de lado, procuro uma roupa simples e confortavel mas está dificil, pego uma blusa de manga comprida na cor azul bebê e uma saia rodada de cintura alta na cor preta que vai até metade das minhas coxas, uma sapatilha preta de camurça, visto a roupa e calço a sapatilha.

Olho no relógio de novo, 18:48, escovo meus dentes e deixo ração para Tikki, pego minha bolsinha de lado preta e coloco meu celular e uma quantia em dinheiro caso queira comprar algo, desço a escada depois de me despedir da Tikki, vejo meus pais assistindo um filme na tv abraçados de lado, vou até eles e deposito um beijo na bochecha de cada um.

- Já vai? - Meu pai pergunta olhando minha roupa - Marinette cadê o resto da sua roupa?

- Pai por favor ninguém vai me estuprar tá, e eu já vou já tô até atrasada beijos fui! - Saio sem deixar eles dizerem mais nada.

Saio de casa e corro em direção a praça, não vou chegar a tempo então mando uma mensagem pra Alya dizendo que vou me atrasar um pouco mais, ela me responde um breve ok e diz que vai estar no banco mais afastado, guardo o celular na bolsinha a tempo de ver uma Bugatti Veyron 16.4 Super Sport parando aos poucos do meu lado, quê?! Meu pai me ensinou muito sobre carros apesar de não termos mais nenhum, ele já teve uma Ferrari, mas vendeu pois nos mudamos e nossa casa não tem garagem.

Apresso o passo mas o carro me acompanha, gelo e sinto meu coração duplicar a velocidade, paro de andar e olho pro motorista tentando reconhecer o rosto, a janela é abaixada revelando um loiro com olhos verdes penetrantes e sorriso torto no rosto.

- Deixe-me te apresentar meu bebê - Ele diz alizando o painel do carro, reviro os olhos e ele ri.

- Eu te mato! Pensei que fosse um...

- Um estuprador? Não sou não, mas posso ser o que quiser essa noite - Gelo mais ainda com suas palavras, o que aconteceu com o Adrian fofo de hoje a tarde?

- Não, tô de boa - Dou de ombros.

- Entra - Ele passa a macha e olha pra frente.

- O quê? - Ele me olha divertido.

- Entra, te levo até a praça - Como ele sabe?

- Como você sabe? - Olho pra ele pasma e ele sorri travesso.

- Vi sua mensagem com a Alya hoje a tarde quando saiu pra ir atrás da Tikki e do Plagg para voltarmos para casa - Ele diz simples.

- Você ficou bisbilhotando kinhas conversas? - Olho pra ele incrédula e com raiva.

- Foi sem querer - Ele diz e levanta as mãos em sinal de rendição - Entra ai.

- Não - Volto a andar ignorando seus chamados e ameaças que não serão cumpridas, sinto alguém segurar minha cintura e me jogar nos ombros - Mais que... AH - Paro de falar quando um vento bate levantando minha saia.

- Êita visão dos Deuses - Ele diz e eu reviro os olhos batendo nas suas costas.

- Me põe no chão - Ele me ignora e me coloca *joga* dentro do carro, me ajeito no banco sendo vencida pela incrivel persistencia dele.

- Se fosse boazinha já estaria lá - Ele diz assim que entra no carro, logo dá partida e dirije rumo a praça.

Em poucos minutos avisto a praça, varro o local com os olhos até encontrar Alya e Manón mais afastadas num banco.

- Para ali - Aponto pro outro lado da praça, não quero arriscar ser vista chegando com o Adrian em lugar nenhum.

- Não - Ele vai até as meninas atraindo os olhares delas e de todos na praça, também com um carro desse é dificil não chamar atenção.

- Teimoso - Digo abrindo a porta do carro.

- Por isso você me ama - Ele diz convencido e pisca para mim.

- Vai sonhando - Estiro a língua para ele e saio do carro fechando a porta, logo o ronco do motor soa me fazendo tremer toda e Adrian arranca com o carro indo para o outro lado da praça onde vejo um grupinho com os garotos da escola.

Olho para as meninas que estão me olhando com um misto de surpresa e malicia, digo porque a Manón ta surpresa e a Alya maliciosa (PS: Aqui na fic a Manón tem a mesma idade da Alya e da Marinette, e as idades não serão iguais as da série aqui eles estão mais velhos).

- Miga sua loca que foi isso ? - Alya diz ainda maliciosa.

- Isso o que ? - Me sento entre as duas.

- Você chegou ostentando com o Agreste e ta ai na maior calma - Manón diz me olhando encabulada (espantada).

- Só porque você quer dá uns cata no Adrian não quer dizer que ela não possa também - Alya diz e a Manón a responde com o ato mais maduro da história da humanidade: estirando a língua.

- Gente chega, eu não catei ninguém, e parem de falar catei é peguei, amassei, troquei saliva - Digo me levantando e andando pelo calçamento.

- A onde vai ? - Manón diz se levantando e vindo atrás de mim.

- Caçar algo para comer - Digo simples e continuo andando.

As duas me acompanham por todas as ruas dos arredodes da praça, até finalmente encontrar uma pequena lanchonete, pesso um café expresso e um pão com queijo, meu favorito, Alya e Manón ficam só no capuccino.

- Marinette você viu as novas fotos da coleção do Gabriel Agreste ? - Manón diz animada olhando o visor do celular, olho para Alya que está tentando conter o sorriso.

- Vi sim, e soube que a próxima coleção vai ser roupas de banho, já imaginou o Adrian só de sunga ? - Digo figindo interesse e ela solta um gritinho agudo.

- Mal posso esperar - Ela diz animada e eu e Alya rimos da sua paixão platonica pelo Adrian.

Passamos boa parte da noite conversando coisas aleatorias, em alguns momentos a Manón citava alguma coisa sobre o Adrian, como de costume, então a mãe da Alya ligou pra ela e pediu pra levar a Manón pois os pais dela estavam indo para casa, elas se despediram e foram para casa, fiquei mais um tempo ali na lanchonete pensando em alguns passos para minha próxima aparição.

Volto para casa não muito tarde, assim que chego vejo que ainda são 21:00, subo para o meu quarto e tomo um banho rápido, coloco meu pijama de gatinho e me enrrolo no edredom, em poucos minutos o sono me vence e eu acabo dormindo com a Tikki com a cabeça nas minhas costas, como sempre gosta de fazer.


Notas Finais


Me desculpem o cap pequeno amanhã com certeza vou postar outro para compensar ❤😊
Leitores fantasmas podem comentar gostaria de saber o que estão achando 😉
Até amanhã minhas pedras preciosas 💕🙇


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...