História Lágrimas - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Romance
Visualizações 5
Palavras 2.731
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Romance e Novela

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oi babys!!!
Tá aí mas um capitulo, amo vcs.
Leiam e se quiserem comeentem.

Capítulo 11 - Uma vida pela outra


Fanfic / Fanfiction Lágrimas - Capítulo 11 - Uma vida pela outra

NARRADOR On

Estavam todos na sala de espera do hospital, Paloma e familia, Gabriel e Ashley. Evelyn foi levada para delegacia para fazer queixa. Enquanto isso Rafael estava em umas das salas de cerurgia. Retirando a bala.

Evelyn entrou pela porta do salgão de cabeça abaixada, ela mesmo sabia q não devia está chorando, chamariam ela de idiota por chorar por Rafael, mas ela não fazia por mal. Ela foi em direção a amiga, q começou a chorar em seus braços.

– Evelyn, como pode acontecer, eu sei q ele é um idiota mas ele não merecia. Falou Paloma chorando.

– Calma,Palô ele vai sobreviver lembra do q eu o médico falou. Falou Evelyn preocupada com a amiga.

Elas se sentaram e Evelyn viu como tava o pai de Rafael, ele não chorava mas demostrava preocupação. A mãe de Paloma havia parado de chorar e estava nesse momento dormindo ao lado de seu marido.

– Família de Rafael Luigi Duarte. Falou o doutor.

– Sim. Falou pai de Rafael q se levantou em um pulo, acordando sua esposa q se pôs de pé.

– A operação teve sucesso. Falou e todos gritaram felizes. – Entretanto, ele perdeu muito sangue e ele precisa de um doador.

– Não tem sangue doutor?. Perguntou a mãe de Paloma.

– É um sangue raro. Falou.

– Qual?. Perguntou o pai.

– hh, é um tipo sanguíneo raro é poucas famílias q tem. Falou médico e tds abaixaram as cabeças, Evelyn tava tendo uma briga em sua mente, razãoxsubconciente.

A razão dizia para ajuda-ló e subconciente dizia para não ajuda-ló, já q Rafael fazia bullying com Evelyn.

Evelyn se levantou da cadeira e falou:

– Doutor, eu posso doar pois meu sangue também é hh.

– Q bom, menina só preciso de alguém de maior da sua família assine o certificado. Falou o doutor.

– Doutor o problema q minha mãe não tem como assinar. Falou Evelyn suspirando.

– Deixa cmg. Falou Ashley se levantado.– Doutor sou a irmã mais velha dela, tenho 18 será q eu posso assinar?

– Não poderia, mas tudo bem pode assinar. Falou o médico e anotou algo na cardeneta.– As senhoritas podem me acompanhar.

Então Evelyn e Ashley foram atrás do doutor.

★ ★ ★

Se passou três dias e tds ainda continuavam lá, menos Evelyn e Ashley.

– Responsavéis de Rafael Luigi Duarte.

– Aqui. Gritou pai de Rafael.

– Já podem visitar ele acordou agora perguntado do senhor. Falou médico.

Augusto e sua mulher foram, quando Augusto viu o filho acordado correu e o abraçou com cuidado, dizendo q amava seu filho. Sua mulher chorou de emoção pela declaração q seu marido fez ao filho. Rafael ficou supreso ao ver a esposa do seu pai presente.

– Noemi, vc está preocupada cmg?. Perguntou Rafael com a voz falhar.

– Sim, Rafael eu me importo com vc, como eu te falei se precisasse de mim estaria aqui. Falou Noemi chorando.

Enquanto isso na sala de espera, Paloma havia ligado para amiga avisando q Rafael havia acordado.

Evelyn após desligar a ligação vai correndo falar com Ash, as duas sai em disparada pro hospital.

Enquanto isso no quarto de hospital a visita de Rafael agora é Gabriel, q dizia senti falta de seu amigo.

Evelyn e Ash, chegam e vão até Paloma q ainda está na sala de espera.

– Olha, eu vou primeiro e depois vão as duas. Falou Paloma e o médico logo em seguida a chamar, Gabriel vai até elas e as cumprimentar.

No quarto de hospital de Rafael, Paloma entrar e desembuchar.

– Rafa, vc tá bem. Ela perguntou e ele assenti, ela o abraça e depois solta.– Rafael sabe de tudo.

– Hunhum.

– Sabe quem doou sangue?

– Não, Noemi e meu pai falaram q vc ia falar.

– Então, Rafael quem te doou sangue foi Evelyn. Ela falou e ele ficou supreso, mas sabendo o q viria em seguida. Paloma deu um sermão nele e falou pra tratar Evelyn bem de agora em diante. Ela saiu do quarto e avisou as meninas.

– Agora é a vez de vcs.

P.O.V EVELYN

Entramos no quarto de Rafael e vimos vários aparelhos ligados nele, ele estava sentado meio deitado, ele estava meio abatido mas sua beleza não te abandonava.

– RAFAEL!. Gritou Ash o abraçando com cuidado, ela levantou a cabeça cheia de lágrimas. – Amor fique com tanto medo de te perder. Falou ela e depois o beijou.

Fiquei descofortavél, ele a correspondia fazendo carinho em seus cabelos enquanto a beijava, eles não paravam, e eu me perguntava:

" O que é que eu tô fazendo aqui"

Fiz um som com a garganta e eles pararam.

– Desculpe, Evelyn eu esqueci q tava aí. Falou Ash.

– Não magina. Falei sarcástica. Rafael me olhou sem dizer nada e eu o encarei.

– Ash, poderia dar liçença para eu conversar a sós com a Evelyn. Falou Rafael e ela assentiu saindo. – Quer algo em troca pelo sangue dinheiro? Algo? Nada?

– Rafael, eu doei por boa ação, não por dinheiro. Falei.

– Evelyn cai entre nós, sabemos q vc me odeia então pq doou?

– Pq eu quis, Rafael. Falei e bufei.– Eu não sou fria como vc, tenho um coração, se vc não tem o problema não é meu.

– Claro, q eu tenho um só q ele é congelado.

– Então peça a alguém q o descongeler. Falei e ele me olhou por um tempo, e depois abaixou a cabeça.

– Evelyn, quero te agradecer por ter me doado sangue, muito obg sinceramente. Falou e eu assenti. Fiquei um tempinho o olhando e vi q seu cabelo havia crescido um pouco. Ele me olhou e suspirei.

– Rafael, eu também te agradeço por vc ter me salvado. Falei e ele me olhou.

– Tudo bem, estamos kites. Falou ele.– Uma vida pela outra.

Dei um meio sorriso.

– Já vou, Rafael. Falei e ele acenou.

– Posso tentar ser legal com vc.

– Tomará. Falei saindo do quarto de hospital, não aguentei e lágrimas romperam.

" Eu sei muito bem q eu queria está no lugar de Ash, eu o abraça-ló e beija-ló."

Sim estou assumindo q ainda gosto dele. Sinto falta dele há anos, do sorriso q ele dava pra mim, das risadas e manias.

Tds olharam pra mim não entendendo minhas lágrimas, Paloma veio até mim e me abraçou.

– Eu sei amiga é muito coisa. Falou ela me consolando. Depois do choro falei q eu ia voltar pra casa.

Ash me acompanhou, chamei um táxi e fomos pra casa.

Chegando lá fui pro meu quarto e tomei banho. Terminei e coloquei uma roupa leve, me joguei na cama realmente cansada.

Me lembrei de Diogo, não falei com ele nesses dias, Ash falou q ele veio aqui em casa, mais eu não estava pois eu estava no hospital com Rafael. Estou sem celular pois aquele velho q me assaltou me roubou e eu estava com nojo de pedir a policia o meu celular, aquele velho é nojento e imundou meu celular.

Eu sei, q devia falar com Diogo de algum jeito já q ele é meu namorado. Então me lembrei q eu tinha o numero da casa dele. Peguei o celular de Ash emprestado e liguei.

LIGAÇÃO On

– Alô, é da casa de Diogo Ferreira?

– Sim, quem fala?

– Evelyn, a namorada dele, ele está?

– Sim, mas está numa reunião.

– Hum. Suspirei.– Poderia me dá o endereço?

– Sim , senhorita é na rua nova alvarega, apartamento numero 5170, ok?

– Sim, obg. E desliguei.

LIGAÇÃO Off

Levantei da cama com uma tamanha preguiça, são 18:30 da tarde, fui no guarda-roupa e olhei o meu armário.

" Precisava urgentemente fazer compras" Pensei.

Decidi ir na casa de Paloma ver se ela tá lá, bati na porta e ela abriu.

– Palô, ajude- me. Falei entrando em sua casa.

– O que aconteceu, miga. Falou ela, q parecia está melhor.

– Preciso de uma roupa emprestada, pois vou na casa de Diogo. Falei.– E eu preciso fazer compras urgentemente.

– Resolveu ouvi meus conselhos, né?. Perguntou ela vencedora e eu assenti.– Ok, vamos marcar um dia para fazer esquadrão da moda. Falou e nos duas rimos, subindo para seu quarto.– Agora me conta vai até lá, pq?

– Fique 5 dias sem falar ou ver ele, Palô ele é meu namorado eu tenho q dá pelo menos uma explicação.

– Hunhum, vdd. Falou mexendo no guarda- roupa.– E comprou já um celular novo?

– Ainda, não. Falei.

– Aha! Achei. Falou me dando um vestido vermelho de renda acima do joelho. – Aqui, vou te emprestar meu salto e prontinho. Pegou um salto vermelho, de 19 centimentros. Peguei e agradeci, dizendo q devolveria pra ela amanhã.

Fui para casa, vendo minha mãe no sofá vendo novela.

– Mãe?

– Sim. Falou olhando pra mim.

– Posso ir na casa do meu namorado, é pq já faz 5 dias q não fale e nem vi ele, posso?

– Claro, minha filha, só não façam besteira. Falou ela meio brincalhona

– Mãe, ele e eu somos responsavéis, eu já falei q ele tem 22 anos e é presidente da empresa adidas do Rio de Janeiro.

– Já, mas sério tomem cuidado. Falou e eu assenti, já subindo as escadas. – LYN, LEMBRAR DE FALAR Q EU QUERO CONHECE- LÓ. Gritou.

Entrei no quarto, me despindo e fiquei só com peças íntimas, vesti o vestido e o salto. Pentei meu cabelo deixando na pontas ondulados, passei batom vermelha, sombra, delineador, lápis de olho ,máscara de cílios e blush. Passei hidratante e borrifei perfume. Coloquei o anel de namoro que o Diogo me deu( A/ U me desculpe gente esqueci de mencionar).

O anel é de ouro branco e uma pedra de esmeralda no meio.

Peguei minha bolsa com o dinheiro do táxi e sai de casa. Chamei um táxi e entrei indo para casa de Diogo, dando o endereço pro motorista.

★ ★ ★

Sai do táxi, vendo de frente um edifício enorme e luxuoso, entrei e fui até recepcionista.

– No q eu posso ajudar?

– Apartamento 5170. Falei e ela pesquisou.

– Sr. Diogo Ferreira?

– É.

– Vou avisa-ló.

– Não, precisa vou fazer uma supresa pra ele. Falei e ela sorriu.

– É namorada dele, né?

– Sim.

– Tem muita sorte. Falou ela e sorri corada.– É no 24° andar. Falou.

– No caso o último, aquele q tem o terraço?

– Isso. Falou e eu fui, entrei no elevador e apertei o botão. Reparei no elevador de grande espaço.

Passou vários numeros até chegar no meu. Sai do elevador e fui até a porta. Bati nela e uma empregada abri pra mim, ela é de meia idade, deve ter uns 30 anos.

– Sim?

– Eu sou Evelyn. Falei.

– A moça q falava cmg . Falou e sorriu. – Pode entrar.

Ela me deu espaço e eu entrei, vendo q tudo do apartamento por parte de dentro também é luxuoso.

– Pode sentar. Falou ela e eu me sentei naquele sofá enorme.– Vai querer alguma coisa?

– Não, obg. Falei e foi para um cômodo, no q eu percebi ser a cozinha.

Olhou para todo canto e depois paro na escada, vendo Diogo descendo por elas, ele estava com seus cabelos molhados e com uma calça moleton.

" Sim, ele tava SEM CAMISA, dá pra imaginar".

Quando seus olhos verdes se encontraram com os meus castanhos, um choque elétrico passou pelo meu corpo.

– Evelyn. Falou ele descendo mais rápido as escadas e acabou tropeçando no caminho, me arracando um risinho.

Quando ele chegou me pegou do sofá e me jogou no alto, e eu ri. Ele me abraçou e ficou cheirando meu cabelo afetuosamente.

– Senti tanta sua falta. Falou ele me enchendo de beijos e eu fiquei rindo.

– Eu acho q era pra eu tá fazendo isso mas...

– Faz, os seus são gostosos. Falou.

– Não, são os seus. Falei e ele me abraçou.

– Ficar pra jantar, amor. Falou e eu assenti.– Veio toda produzida, isso tudo é pra mim?

– Talvez seja. Falei o provocando.

– Talvez?. Falou ele brincalhão. – E quem o desgraçado q achar q tem direito com sua tamanha beleza.

– Falou o Romeu. Falei brincando. – Eu também senti saudades sua.

" Isso, é vdd eu senti falta de Diogo, eu me sentia num triângulo amoroso entre mim, Rafael e Diogo."

– Vem, vamos para meu quarto. Falou Diogo e eu o segui.

Subimos a escada e fomos em direção a um corredor com 5 portas.

– Essas três portas são suites, umas das suites é meu quarto e as outras são de hospédes, as outras duas são banheiro e meu escritório.

– Ata. Falei.

– Nos cômodos debaixo é a cozinha, a sala, os quarto das empregadas e o plorão.

– Aqui é quantas empregadas?

– 4 , a camareira, cozinheira, auxiliar de cozinheira, empregada q arrumar casa . Falou e abriu a porta do centro. – E esse o meu lugar favorito, meu quarto. Eu pensava ser um quarto bagunçado, mas quando eu vi é todo arrumadinho, livros em forma alfabetica, televisão de tela plana na parede, ar condicionado ligado, caixa de som e na parede um quadro de uma foto minha e dele no parque de diversões, estamos fazendo careta sorri ao ver a foto.

– Lindo, né?. Perguntou ele sobre o quadro e eu assenti.– Agora, meu amor explicar pq desapareceu esses dias, não atendeu minhas chamadas fui na sua casa e não estava.

– É longa. Falei e ele me mandou sentar na cama, eu sentei e ele sentou ao meu lado. – Primeiro o pq de eu ter desaparecido, na sexta- feira eu estava voltado do mercado quando um velho bebâdo me assaltou e tentou me estrupar.

– QUE!. Gritou ele vermelho de raiva.– QUEM É ESSE CRETINO?

– Calma, amor ele já foi preso. Falei e ele acalmou um pouco.– Aí um colega meu da escola, estava passando por lá e viu, ele me salvou batendo no velho, mas quando estavamos indo embora, o velho dá um tiro no meu colega q desmaiou e perdeu muito sangue, nesse mesmo dia o levaram pra fazer cirurgia e como eu não estava me sentido bem, só fui depor no outro dia, então nesse dia q eu fui depor fui a hospital ver ele, ele é irmão da minha amiga Paloma.

– Q pena, como ela está?

– Bem. Falei.– Ele havia perdido muito sangue e não tinha o tipo sanguíneo dele, já q é raro é hh.

– Caramba.

– Então eu doei pra ele o meu q é o único compatível . Falei.– Era uma vida pela outra, então passou três dias de coma, eu tava dormindo mais no hospital do q em casa, ele acordou hj, então decidi vim hj te ver agora q não tem mais problemas.

– Q bom. Falou ele.– Q vc e esse menino está bem, lembre de mim agradece-ló.

– Nesse negócio de lembrar, minha mãe quer te conhecer pessoalmente.

– Ixi, logo a sogrinha.

– Melhor do q sogro.

– Vdd.

– Sobre vc ter ido lá em casa e não me encontrar, é pr causa q eu dormi no hospital. Falei.– Sobre ligações , o velho nojento roubou, e não quero pedi a polícia pois eu estou com nojo.

– Ah, então td bem. Falou.– Tem seguro?

– Vão me dar outro celular na semana q vem.

– Ufa. Falou e depois me olhou , e me beijou.

É um beijo calmo, cheio de saudades sua língua sugava a minha suavemente. Terminamos com três selinhos. Sorri pra ele e ele me deu mais um selinho só q dessa vez mordendo meu lábio.

– Evelyn, tenho algo dizer.

– O que?. Perguntei.

– Eu vou fazer algo, mas se vc achar q é rápido demais, pede pra mim parar. Falou e eu assenti, verdadeiramente ansiosa.

Ele levantou da cama e trancou a porta do quarto, senti borboletas dançando em meu ventre. Ele veio até mim e me beijou novamente. Só q dessa vez o beijo foi feroz, ele sugava com força minha língua travando uma batalha de língua, eu segurava sua nuca e ele minha cintura. Seu beijo é quente e gostoso.

Nessa emoção toda ele me faz deitar na cama e ficar por cima de mim, agarrando minha cintura. Descolamos nossos lábios por falta de ar, mas ele não cansou foi descendo os beijos. Quando chegou no pé, ele tirou meus saltos e subiu voltando beijar minha boca. Minha língua lambia a sua, senti suas mãos e atrás da minha costas, puxando o zíper do meu vestido, foi nessa a hora q eu acordei e dei um pulo.

– Diogo, não estou pronta. Falei com o resto de folêgo. Vi ele se afastar. – Não tã com raiva?

– Não, tudo bem eu mesmo disse q se vc achasse podia parar. Falou se sentado e colocando uma almofada em seu colo. " Reparei o estado q ele estava".

– Desculpa, sério. Falei quase rindo por causa da almofada.

– Sem problemas, eu respeito seu espaço. Falou e nessa a hora a empregada veio nos chamar pra jantar, descemos e fomos comer.

“ Só espero q nesse triângulo amoroso, eu saia ganhando Diogo".


Notas Finais


Eae, gostaram🙌???
Se gostaram comeenteem.
Obg, meus amores, e peço q vcs vejam minha outra história.
Bjss😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...