História Lamp - (Mileven) - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Stranger Things
Personagens Chefe Hopper, Dustin, Eleven (Onze), Jonathan Byers, Joyce Byers, Karen Wheeler, Lucas, Mike Wheeler, Nancy Wheeler, Will Byers
Tags Câncer, Eleven, Mike, Mileven, Onze, Stranger Things, Superação
Exibições 92
Palavras 2.560
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Visual Novel

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Poxa, eu realmente demorei desta vez ;-;
Entretanto não fiz por querer, juro! Tive algo importante essa semana para resolver então acabei deixando as fanfics de lado :x
Vou tentar recuperar o tempo perdido essa semana! Acho que sairão duas ones novas! 💗
Enfim, leiam este capítulo ouvindo a música The Unwinding Cable Cars do Anberlin. Se possível, ouçam a tradução também *-* (é muito boa, sério)
Boa leitura!

Capítulo 6 - Capítulo 06


- Bom dia! - Mike sorriu se colocando ao lado de Eleven. 

Trazia alguns livros enlaçados em seus braços. Seus olhos estavam um pouco inchados, provavelmente não dormira bem na noite anterior.

- Oi.

- Está desanimada?

-Eu não diria desanimada, cansada talvez.

- Oh, eu entendo - Seus olhos foram de encontro ao chão. Estava ligeiramente distraído.

- E você?

- Eu estou bem.

- Certo - Ela o encarou de soslaio por alguns instantes. Pensou em algo realmente interessante para lhe perguntar, porém como não encontrara nada, resolveu ir para a primeira coisa que lhe veio a mente; - O que fez durante a madrugada?

- Un? Como assim?

- Seus olhos o denunciam, estão inchados e sua respiração está desacelerada, o que me leva a crer que está exausto. Passou a noite em claro.

- Estive resolvendo alguns problemas - Mike sorriu suavemente.

- Entendi.

- Você passou bem sua noite?

- Quer saber se passei mal de novo? Vomitei uma ou duas vezes mas agora me sinto melhor.

- Vomitou?

- Sim, sabe quando você põe restos de comida para fora e vem tudo envolto ao ácido de nosso estômago...

- Certo, certo - Ele balançou a cabeça várias vezes, se negando a ouvir mais daquilo - Ah, antes que eu me esqueça, irei te levar para casa hoje.

- Como assim?

- Sua mãe me deu o número de telefone dela, disse que eu seria seu guardião quando ela não estivesse  por perto. Hoje ela terá de sair então...

- Minha mãe te deu nosso número? - Eleven sorriu em descrença. Sua mãe poderia ao menos tentar ser sutil? Poderia mas parecia que exatamente esta palavra não existia no extenso vocabulário de Terry.

- Estou de bike, não será tão ruim, além disso posso lhe pagar um sorvete também.

- Veremos isto depois.

- Eleven? - Os dois viraram-se para trás, buscando localizar quem os abordara. Era Max.

Seus cabelos estavam presos num coque envolto a uma trança. Usava um macacão com rendas brancas com uma camiseta vermelha de cor viva. Assim como Mike, carregava livros nos braços.

- Oi, Max - Ela correu até a amiga deixando acidentalmente seus livros caírem.

- Eu senti tanto medo! Está melhor? Vi as ambulâncias saindo daqui ontem porém apenas hoje me disseram o que havia acontecido.

- Hey - Eleven lhe deu um tapa suave em seu ombro - Estas coisas costumam acontecer algumas vezes. Não precisa ficar tão tensa.

- Aqui - Mike lhe entregou de volta os livros que deixara cair a pouco, sorrindo gentilmente.

- Eu sei - Max tentou sorrir, pegando os livros das mãos do garoto - Muito obrigada, Mike.

- Eleven tem algo para lhe comunicar, certo El?

- Tem? - Max a questionou.

- Eu tenho? - El arqueou uma de suas sobrancelhas, o encarando.

- Sim, você tem. Prometeu isto à mim ontem.

Algo pareceu clarear dentro da mente de El. Agora sim, pode entender a quê o garoto se tratava.

Num sorriso tímido, ela levou uma das pontass de seu turbantante o ajeitando para trás de sua orelha, lambendo seus lábios a pouco secos.

- Resolvi tentar viver um pouco mais suavemente, sabe, tentar não reclamar tanto e quem sabe ver um lado bom da vida que sempre ignorei - Max sorriu abertamente, estava claro o quão feliz aquilo havia soado para ela.

- Isto é incrível El! Está dando uma chance para si mesma.

- É, acho que estou.

- Obrigada por isto Mike - Max sorriu virando-se para abraçá-lo.

- Oh, não há o que agradecer. Fiz isso por ela, não por mim, quem deu este grande passo foi Eleven, ela que merece seu agradecimento, apenas dei a El um pequeno impulso.

Eleven o encarava disfarçadamente. Mike era perturbadoramente peculiar. Não conseguia entendê-lo ou encontrar uma explicação para o seu comportamento. Desde o inicio fora gentil e amável com ela, apesar dela ter sido rude e hostil para com ele, sempre olhou-a como uma pessoa normal, diferente do restante do pessoal daquela escola.

 Ao notar que ela o observava, Mike sorriu para ela, Eleven fizera o mesmo. 













- Se quer minha opinião, acho que gosta dele - Max deu uma mordida forte arrancando um pedaço de sua maçã emitindo um ruído.

Já era intervalo. Felizmente o dia estava calmo, sem nenhuma algazarra maior ou algo do tipo. Eleven tinha sua face sobre os cotovelos apoiados contra seus joelhos. Já Max, estava deitada de barriga para cima, observando o céu.

- Ele quem?

- O Wheeler.

- O garoto dos lápis de cor? Oh, creio que esteja enganada.

- Ora, Por que? 

- Eu saberia se gostasse dele. 

- E se estiver negando para si mesma? 

- Tenho coisas mais importantes para me preocupar do que negar um interesse amoroso para mim mesma. Além do mais, seria cansativo e eu evito este tipo de coisa. 

- Você não tomaria a iniciativa de mudar seu comportamento por qualquer um, nem por mim fez isto. 

- Não encaixe desta forma, soa como se eu estivesse lhe trocando. 

- O que? Não! Eu não quis que soasse assim - Max gargalhou - Sei que são coisas diferentes. 

- Coisas diferentes? 

- Sim, amor de amiga e amor de namorado. 

Eleven revirou seus olhos suavemente. 

- Não seja ridícula - El lhe mostrou a língua - Não tenho tempo para essa baboseria. 

- Mnha opinião é que ele também gosta de você - Sibilou entre um assovio travesso. 

- Acho que quem precisa de medicamentos é você, está ficando louca. 

- Hey, não fuja do assunto, eu estou falando realmente sério. 

- Não estou fugindo, você está viajando, isso é completamente fora da realidade. 

- Hã-hmm - Max deu uma nova mordida em sua maçã, fechando seus olhos de forma suave. 

Eleven se viu observando o garoto na parte interior do pátio da escola. Estava sentado com seus vizinhos de sala, jogava algo em seu vídeo-game portátil, parecia realmente entretido. 

Seus cabelos voavam no mesmo ritmo da brisa do vento, os finos fios negros pareciam emitir um brilho suave quando entrava em contato com algum dos pontos de luz do sol. Ele tinha seus lábios entreabertos, assim como a gola de sua camiseta listrada. 

- Está olhando para ele... - Max cantarolou

- Sim. 

- O legal é que você admite - A ruiva gargalhou alto. 

- Não é como se fosse algo maior, só estou o observando. 

- Por que? 

- Se disse que gosto dele deve haver um motivo para isso e quero encontrá-lo. 

- Você chega a soar tosca, Eleven.

- Tosca? Eu? 

- Sim. 

- Por que? 

- Quando gostamos de alguém não há uma explicação, você sente aqui - Max usou seu dedo indicador para tocar no lado esquerdo do peito da amiga. 

- Isso é brega. 

- Como assim brega? - A face de Max se fechou em uma carranca amarga. 

- Sim, está sendo antiquada. Isso de gostar ou não gostar, não envolve apenas "o que sentimos aqui dentro" envolve algo maior do que tudo isso, o nosso intelectual.

 - Não vou mais contra argumentar com você. 

- Mas estou falando a verdade, Max. O coração não tem uma maneira de pensar, apenas o cérebro. Se nosso intelecto decide que vamos odiar alguém, iremos odiar e pronto. 

- Detesto sua incapacidade em entender metáforas 

Eleven gargalhou. 

- Sei disto - Max revirou seus olhos num suspiro de reprovação, voltando a fechar a fechá-los enquanto mastigava com voracidade a fruta em sua mão.













 Quando voltou a sala de aula, Eleven se deparou com um grande enunciado escrito em giz rosa no centro do quadro negro. 

"Trabalho de geografia: Fotografia" 

- O que é isto? 

- É para a festa das nações. Querem fotografias de paisagens como parques, árvores, entre outros - Respondeu o garoto de olhos verdes, o que dissera anteriormente se chamar Will. 

- O que parques tem em comum com a França? - Eleven perguntou, deslizando seus livros pela mesa. 

- Uma coisa crucial que deve aprender sobre a vida estudantil - Começou Dustin - É que você não precisa entender qual o sentido ou motivo daquilo, se eles dizem que a rabanada foi criada pelos africanos então sim, rabanada é uma comida inventada na África. 

- Isto é... 

- Injusto? Sim, é sim - Lucas complementou. 

- Como vai funcionar? 

- Geralmente os parceiros são escolhidos por sorteios - Mike explicou, dando atenção para eles - O prazo para a entrega é de uma semana. 

- O mínimo para o grupo são 10 fotos - Disse Will. -

 E o máximo? 

- Não há um máximo - Disse Dustin abrindo seu caderno pronto para anotar algumas coisas. 

- Todos já estão aqui? - A professora perguntou, sentando-se sobre o centro de sua mesa, encarando a todos. 

 Um sim em uníssono foi dito por todos, o que a fez prosseguir. 

- Creio que a maioria aqui saiba como funcionam os nossos trabalhos em equipe. Eu tomei a liberdade de escrever o sobrenome da metade de vocês em papéis e colocá-los em urnas. Vou começar com os alunos das primeiras carteiras. 

Bright caminhou de um em um até ver que havia entregado o papel para todos. 

 - Michael? 

 - Un, sim? 

- Abra o seu. 

- Okay - Ele assentiu. Estava concentrado. Quando conseguiu visualizar o nome na folha, esboçou uma feição não muito agradável - Ives? Quem é Ives? 

- Ora, sua colega de trás - Respondeu Bre. 

- Eleven - Ele virou-se para a amiga. 

- Sim? 

- Seu sobrenome é Ives? 

- Pois é. 

- Eleven Ives... soa legal.

- Jane, na verdade. Porém o proíbo que me chame pelo meu nome. 

- E por que Eleven? 

- É como meu pai comstumava me chamar. Era seu número favorito. 

- Jane é um nome legal. 

- Eleven é mais. 

- Tudo bem - Ele sorriu - Hmm, estou feliz por sermos parceiros. 

- Sim, não é tão estranho. 

- Não é tão estranho? - Ele gargalhou. 

- Exatamente. 

 - Okay - Mike ainda sorriu abertamente, todos seus bonitos dentes estavam à mostra - Que tal irmos hoje à tarde? 

- Como assim irmos

- Tirar as fotos. 

- Pensei que tivéssemos uma semana. 

 - Oh, nunca pensei que fosse o tipo de pessoa que deixasse tudo para última hora, estou decepcionado. 

- Não foi o que disse. 

- Foi o que pareceu. 

- Eu não ligo, por mim tanto faz quando começamos. 

- Ótimo, irei lhe buscar hoje à tarde. 

- Assim do nada? 

- Sou seu guardião agora, não me importo se estará ocupada ou não - O sorriso estampado em seus lábios se alargaram. 

- Isto de guardião novamente, Mike? 

- Sim, de novo, Eleven.

Ela suspirou voltando sua atenção para seu caderno, sorrindo sorrateiramente. 








Eleven jogou sua mochila contra as costas seguindo para a entrada da escola. Ligara para sua mãe a pouco para que fosse a buscar porém Terry havia simplesmente confirmado a história sem pé nem cabeça de que o garoto dos cabelos negros agora era realmente seu guardião e que a levaria para casa. Não era tão animador quando soava. 

Agora havia paro para observar a si mesma um pouco. Usava uma camiseta negra com uma bonita estampa em inglês. "Bad Day" a frase acompanhava uma figura de um guarda-chuva virado de cabeça para baixo, onde gotas caiam para dentro dele. Tinha um turbante da mesma cor que sua camiseta em sua cabeça, para terminar, vestia uma calça jeans branca e um sapato all-star negro também. Não estava lá essas coisas porém era  exatamente daquele jeito se sentia bem. 

- Hey, hora de irmos - Mike estacionou sua bike logo um pouco à sua frente. Parecia estar se divertindo. 

- Tenho medo do que pode me acontecer caso aceite montar ai. 

- Serei cuidadoso, lhe juro - Sorriu suavemente - Venha, suba. 

Receosamente, Eleven montou no bagageiro envolvendo segurando-o pela mochila. O melhor era que não enrolasse tanto, assim aquilo acabaria o quanto antes. Ele levantou aos poucos seus pés do chão, pedalando devagar para fora da escola. 

Agora mais próxima, podia ver os fios de seu cabelo novamente chicotearem contra o ar, como numa dança. Ele cheirava a bala de morango. 

- Estava pensando... o que acha de revelarmos e editarmos as fotos em minha casa? - Mike disse um pouco alto demais, para que o vento não atrapalhasse tanto o entendimento de El. 

- Minha mãe é super protetora, acho que ela não deixaria - Ela mordeu seu lábio com mais força do que desejara. 

- Não seja mentirosa. 

- Não estou sendo. 

- O que sua mãe mais quer, é lhe ver rodeada de amigos. Ela não se negaria a isso. 

 Eleven revirou seus olhos, mesmo sabendo que ele não veria. 

- Se não quer ir, é só dizer não. 

- Não disse que não quero ir. 

- Então? 

- Não sei... Eu acho que tenho um certo medo em relação à essas coisas. 

- Como assim? 

- Pais são influentes de certa forma, eles poderiam não gostar muito em saber que o filho deles está andando com uma sobrevivente do câncer. 

- É... acho que os meus não se importariam mesmo com isto. 

- Alguns pais se importam. Agem como se fosse... Contagioso. 

- Eu adoraria pegar alguma doença de você. 

- Não seja estúpido. 

Ela pôde sentir o corpo de Mike tremer, ele estava rindo. 

- Prepare-se para a curva! - Ele anunciou. Um buraco atrapalhou à Mike, fazendo com que perdesse o equilíbrio e tremesse a bike, no susto, Eleven o agarrou em sua cintura, apoiando sua face contra costas. 

- Não tenha medo, já passou. 

- Não estou com medo. 

- Ainda está agarrada à mim - Sua voz saíra num tom mais baixo, tanto que ela quase não conseguira ouvir. 

- É confortável. 

- Ah, tudo bem então.








- Mãe, cheguei. 

Eleven gritou abrindo a porta dando passagem para que Mike entrasse. 

- Oh, olá - Terry sorriu para eles, segurava uma xícara em suas mãos. Provavelmente era chá. 

- Sã e salva - Mike disse sorrindo. 

- Muito obrigada, querido - Ela também sorriu para ele - Quer um pouco? 

 - De chá? 

- Exato. 

- Oh, infelizmente não posso. Eleven pode enjoar da minha cara. 

- Uh? - Terry disse confusa. 

- Mike e eu iremos sair para fazermos um trabalho durante essa semana, creio que fora isso que ele quis dizer. 

Um sorriso de satisfação brotou instantaneamente nos lábios de Terry. 

- Um trabalho? Sobre o que? -

- Fotografia. 

- Pode usar minha câmera se quiser. 

- Sim, mãe. Obrigada. 

- O melhor é eu ir, tenho de organizar algumas coisas. Até mais tarde, El. 

 - Até - Ela sorriu. 

- Até mais tarde, Terry. 

- Até depois, querido. Tome cuidado na volta para casa. Novamente, obrigada. 

- Não há de quê - Mike sorriu dando um ultimo aceno para as duas.

 Eleven fechou a porta atrás de si, num suspiro demorado. 

- Este garoto é tão adorável - Terry sorriu, Eleven por outro lado, esboçou uma careta azeda para a mãe. 

- Pode parar, sei o que está tentando fazer. 

- Não estou fazendo nada - Ela gargalhou - Você que está na defensiva, como sempre. 

- Pedir para ele me trazer para casa, sério? 

- Eu tive de sair. 

- Hã-hmm. 

- Estou falando a verdade. 

- Sendo assim, para onde foi? 

- Consultório médico, abrir um exame. 

- Exame? Está doente? 

- Muito longe disto. 

- Então... O que foi fazer lá? 

- Aparentemente, sua mãe está grávida. 

- O que?


Notas Finais


Dedicando esse capítulo as BAM's, grupo mantra, vocês leitores, à Lu e Alice 💗

Espero que tenham gostado!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...