História Last Chance. - Jikook - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Personagens Originais
Tags Jeon Jungkook, Jung Hoseok, Kim Namjoon, Kim Seokjin, Kim Taehyung, Min Yoongi, Namjin, Park Jimin Jikook, Taeyoonseok
Visualizações 175
Palavras 2.110
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Lemon, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Drogas, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


CHEGUEEEEEEI *-*
TUDO BOM?
Então, quase que não posto hoje..
Enfim, espero que gostem..

AAAAAAAAHH, 74 FAVS? ADOROO, Obrigada.

Capítulo 14 - Capítulo 13 - Universidade.


Fanfic / Fanfiction Last Chance. - Jikook - Capítulo 14 - Capítulo 13 - Universidade.

Jimin
Ia completar dois meses que JungKook havia se mudado. Era raro ele ligar para casa. Quem sempre ligava era Kim. Podia apostar que estava se esbaldando em um monte de festas cheias de mulheres que agora era sua nova ''onda''. Tentava não pensar nele, mas às vezes parecia impossível. O livro que roubei de seu quarto permanecia no mesmo lugar. Ainda não tinha tido coragem de pegar e ler. Pelo visto nunca teria. Não enquanto tinha tantas lembranças dele. 
Demorei para me dar conta de que o que eu sentia por JungKook não era saudável e só estava fazendo mal para mim. Eu depositei nele todas as esperanças da minha vida. Toda minha carência e amor. Como se ele pudesse me salvar. Mas isso era errado. Não podia ater toda minha felicidade em uma única pessoa. Ainda mais em alguém que só me machucava. Precisava pensar em mim. Na minha felicidade. No meu futuro. E era justamente isso que faria a partir de agora. JungKook era passado.
Infelizmente por causa do sobrenome Jeon, seria impossível conseguir uma bolsa de estudos nas universidades que eu queria. Nem mesmo um empréstimo estudantil poderia pedir. Decidi então, ter uma conversa séria com Kim e Jeon e pedir um empréstimo. Expliquei que começaria a pagar assim que me formasse e arrumasse um emprego. Quando terminei de falar, eles me deram um sermão. Dizendo que eu não precisava de empréstimo algum, já que tudo que era deles era meu também. 
Vi pelos olhos de Kim que ela havia ficado magoada com minha atitude, Jeon disse que ia pagar a faculdade da minha escolha com muito prazer e que já estava mais do que na hora de aceitar que eles eram meus pais. Eu não pude ir contra seu argumento e aceitei que pagasse minha faculdade. Quanto a parte de aceitar que eram meus pais, expliquei que eu sempre os vi dessa forma, mas que ainda era muito difícil chamá-los de pai e mãe. Eles entenderam e disseram que quando eu estivesse pronto, estariam ali, prontos para ouvir. Eu seria eternamente grato por ter pessoas como Kim e Jeon em minha vida. Não
podia sequer imaginar o que teria sido de mim sem os dois. Por fim os abracei e contei quais eram meu planos.

***

Após escolher as faculdades que iria mandar minha inscrição, me joguei nos livros. Passava quase todo o meu tempo livre estudando ou em atividades extracurriculares. Isso ajudava a dormir também. Estudava até cair no sono e como resultado não tinha qualquer sonho ruim. Minha vida ia voltando ao normal. Na escola nem me importava mais com os comentários ao meu respeito. Colocava meu fone de ouvido e me concentrava nos estudos. Logo que estava terminando o colégio, comecei a receber as cartas das faculdades. 
Kim estava comigo quando recebi a primeira e a que eu mais esperava, de Yale. Era um envelope grande e grosso, e eu sabia que isso era um bom sinal.
- Abra, meu bem - Kim incentivou. Abri sorrindo. Retirei a carta que estava dentro e a li em seguida. 
Cara Senhor Park Jeon Jimin (Unico nome que veio na minha cabeça, não me julguem) , Nós ficamos honrados em lhe oferecer uma vaga em nossa Universidade... 
Nem terminei de ler e comecei a pular de alegria.
- Consegui, Kim!! - gritei a abraçando. - Consegui!!
- Eu sabia que iria conseguir, meu bem - parabenizou me abraçando apertado.
- Nem posso acreditar - falei tremendo enquanto segurava o papel na minha mão. 
- Posso saber a razão dessa alegria toda? - perguntou Jeon entrando na sala.
- Jimin passou em Yale, amor - Kim lhe contou sorrindo largamente. Ele me olhou admirado. 
- Isso é incrível. Parabéns, filho!! - cumprimentou-me com um abraço.
- Estou tão feliz - olhei para Kim e ela parecia triste.
- Eu achei que tinha gostado da notícia? - questionei intrigado.
- Claro que gostei, meu bem. É só que irei sentir sua falta. 
- Foi bom você tocar nesse assunto - eles me olharam confusos.
- Por que? - Jeon me perguntou, estava sem jeito de pedir mais isso a eles.
- Eu sei que isso não é o normal e eu não quero atrapalhar, mas eu gostaria de continuar aqui com vocês - Kim me olhou espantada.
- Filho, se você estiver fazendo isso por nossa causa - Jeon começou a dizer. 
- Não - interrompi. - É por mim. Quero poder ficar mais um tempo aqui - confessei. 

Eu não queria ir para um alojamento e ficar com um monte de gente estranha. Precisava me adaptar antes. Além disso, queria aproveitar o máximo que podia da companhia dos dois. Depois que saísse de casa sabia que seria difícil vê-los com frequência.

- Se não se importarem, é claro - completei sem graça.
- É claro que não nos importamos, Jimin! Ah, meu amor. Não sabe como me sinto feliz em saber que continuará morando conosco - Kim declarou me abraçando.
- Vou adorar, principalmente se puder me mostrar seus truques de decoração - Kim, como uma excelente decoradora, tinha muito a me ensinar para complementar minha profissão.
- Com certeza, meu bem. Quando se formar seremos uma dupla imbatível.
 - Poxa! E eu? - Jeon perguntou se fazendo de ofendido. Eu e Kim o abraçamos ao mesmo tempo.
- Seremos um trio imbatível, amor. Jimin desenha, você constrói e eu decoro - essas palavras trouxeram uma lembrança amarga. 
“Você desenha e eu construo.” 
Meu peito se apertou ao recordar o que JungKook havia me dito certa noite. 
- Tudo bem, Jimin? - Kim perguntou percebendo que eu estava aéreo. 
- Tudo ótimo - respondi sorrindo, tentando disfarçar. - Eu amei a ideia do trio - falei empolgado mudando de assunto.
- Iremos arrasar! - Jeon exclamou animado e decidimos sair para jantar para comemorar. Fazendo com que esquecesse qualquer coisa que não fosse meu presente.
***
Eu fiquei exultante quando terminei o colégio. Odiei cada momento que passei naquele lugar. Só esperava que na faculdade fosse diferente. Kim e Jeon me deram um carro como presente de formatura. Antes que me negasse a aceitar, eles disseram que era um presente e que presente não se recusa, ainda mais de pai e mãe. Eu não pude ir contra o raciocínio deles. 
O que mais amei é que não era um carro chamativo e nem caro. Era praticamente minha versão em quatro rodas. Kim disse que conhecia meu gosto e sabia como me agradar. Ela tinha razão. Eu me apaixonei pelo meu Ford azul escuro. Foi com ele que enfrentei minha primeira semana na faculdade, que felizmente, era o oposto do colégio. Ainda não tinha feito nenhuma amizade, mas me dava muito melhor com as pessoas ali do que na escola. 
Passava o dia na faculdade e à noite acompanhava Kim em seus projetos de decoração. Eu aprendia muito com ela. Decidi até fazer uma extensão universitária na área de decoração e também edificação para complementar meu currículo.
Finalmente as coisas estavam dando certo para mim. 
A única coisa que precisava melhorar e muito era o meu senso de direção. Já estava na faculdade há uma semana e ainda não havia decorado o raio do mapa. Olhei em volta tentando localizar algum ponto de referência quando trombei com alguém. 
- Nossa, me desculpa - pedi ajudando o garoto a pegar os papéis que haviam caído de seu caderno. Eram lindos modelos de roupas.
- Tudo bem, não se preocupe - respondeu sorrindo. O tal garoto era uma graça. Tinha o rosto delicado, alto, olhos cor de mel e o cabelo preto.
- Meu nome é Jung Hoseok, e o seu? - ajeitei minhas coisas em um dos braços e estendi a mão.
- Park Jimin, mas eu prefiro só Jimin.
- Prazer, Jimin. Pode me chamar de J-Hope- disse me cumprimentando. - Que curso você faz? 
- Arquitetura e você? 
- Moda - sorri lhe entregando algumas folhas de seu caderno que ainda estavam comigo. 
- São lindos - elogiei os desenhos. -Você que fez? 
- Sim, são minhas roupas da próxima estação - explicou sorrindo largamente. Aproveitei o papo e pedi instruções.
- Você por acaso sabe onde fica o prédio de artes? Tenho uma aula agora e me perdi - disse sem graça.
 Relaxa, isso é normal. Vem, eu te ajudo - ele passou o braço no meu e fomos juntos procurar o local da minha aula. 
Jung Hoseok era extremamente sociável e não parava de falar. Contou que estava no segundo ano e que namorava um rapaz chamado Jay Park, que fazia mestrado em filosofia e história. Eu somente contei que era adotado e falei o básico sobre minha vida sem entrar em muitos detalhes. 
Toda animado ele me intimou a conhecer seus amigos. Min Yoongi, que era irmão de Jay Park, estudava economia e namorava Kim TaeHyung, que estava terminando o curso de engenharia mecânica. Jung Hoseok disse que eu ia me adaptar super bem ao grupo e que tinha percebido assim que me conheceu que iríamos nos tornar grandes amigos. A cada momento que passava com ele eu também tinha essa sensação.
 Enfim, minha vida parecia estar caminhando para algum lugar. 

JungKook
Abri os olhos lentamente. Acostumando aos poucos com a claridade que entrava pelas janelas. Tentei mover meu braço, mas ele estava imobilizado por uma ruiva. No meu peito, estava deitada uma loira. Minha mente ia gradativamente reconstruindo as cenas da noite passada. Festa. Bebida. Duas gatas. Sexo. Muito sexo. Puxei meu braço debaixo da garota ruiva e esfreguei o rosto. Olhei ao meu redor e percebi que mais uma vez não tinha passado a noite no meu apartamento. No chão várias embalagens de camisinhas usadas. Felizmente, isso era algo que eu nunca esquecia. Tentei tirar a loira com cuidado do meu peito, mas ela acabou acordando.

- Bom dia - saudou com um sorriso preguiçoso, sentando na cama e espreguiçando.
- Bom dia - respondi levantando e pegando minhas roupas no chão. 
- Já vai? - perguntou ajeitando o longo cabelo loiro com os dedos. Observei seu belo corpo nu. Era provocante, confesso. Assim como o da ruiva que ainda dormia. Só que não o suficiente para me excitar. Não quando estava lúcido.
-  Já - terminei de colocar a calça e me aproximei dando um beijo rápido nela. - Talvez possamos repetir outro dia. O que acha? - ofereci piscando. Ela sorriu.
- Pode apostar! - concordou alegre. Vesti minha camiseta, peguei meu casaco e saí do apartamento. Desci as escadas ao invés de esperar pelo elevador. 
A noite havia sido uma boa distração. Era sempre assim. Mulheres. Sexo. Bebida. Não era isso o que ele esperava de mim? Que eu fosse fútil e egoísta? Então esta seria minha vida.
 Deixei o prédio que estava e fiz sinal para um táxi que, por sorte, estava passando pela rua. No caminho para meu apartamento, fui refletindo em como meu ano tinha sido chato e sem graça. E o único culpado era ele, Park Jimin. 
Minha mãe cobrava explicações do porquê eu não ligava para eles e da minha decisão de não ir para a casa nas férias. Sempre inventava qualquer desculpa para fugir de seus interrogatórios. Quando ia tocar no nome dele, eu mudava de assunto e falava sobre a faculdade. 
O curso estava bem tranquilo. Fazia o número máximo de matérias e claro, ia bem em todas. No meu tempo livre, saía com meus colegas para beber e foder com quantas mulheres eu quisesse. Assim como havia sido na noite passada. Bebia até ser capaz de olhar uma mulher e não ver ela na minha frente. 
Achei que com a distância seria mais fácil esquecer tudo o que passei com ele. Não podia estar mais errado. Todas as lembranças pareciam ainda mais vivas, mais presentes.
Maldita hora que eu fui me envolver com Park Jimin!
Praguejei mentalmente passando as mãos pelo cabelo sem conseguir esconder minha irritação. Lutei com todas as minhas forças contra esse sentimento. Tentei negar para mim mesmo o que sentia naquela época. Só que fracassei. 
Encostei a testa na janela do carro enquanto o passado voltava a me atormentar. Lembrando de tudo o que queria fugir. E daqueles breves momentos em que me senti realmente feliz.
Eu me odiava e odiava ainda mais o fato de sentir tanto a sua falta. Saudade de sua risada. Seu sorriso. Seu carinho. Seus beijos. Seu corpo. Fechei os olhos com raiva de mim mesmo. Essa paixonite ridícula precisava passar! Eu queria minha vida de volta e faria tudo o que estivesse ao meu alcance para tirá-lo da minha mente.

 

 


Notas Finais


Amo vcs..
Comentem..
Quando chegar a 80 Favs, faço 25 fatos sobre mim, oque acham?

Carro do jimin: http://media.caranddriver.com/images/media/638444/ford-focus-photo-640598-s-original.jpg


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...