História Last Chance - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Walking Dead
Personagens Beth Greene, Daryl Dixon
Tags Bethyl
Exibições 28
Palavras 1.018
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Romance e Novela
Avisos: Linguagem Imprópria, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 12 - Capítulo 12


Fanfic / Fanfiction Last Chance - Capítulo 12 - Capítulo 12

 

Capítulo 12

Turbulência

“Feliz do homem que não espera nada, pois nunca terá desilusões.”

Alexander Pope

Enquanto todos estavam em seus lugares, Negan, um homem de quarenta e dois anos, de cabelos negros e olhos do mesmo tom, estava tentando conseguir algo. Ele fora um dos lideres da rebelião da Air, mas ele não contava com uma futura líder que se relaciona com um mediano, ele não contava com esse futuro igualitário que ela representava.

Foi, então, que ele aproxima-se dos criotanques, e a nave começa, algo que era esperado, mas que o homem não pensou que iria afetar o que ele queria. Foi, então, que ele viu uma loura caída, um anjo caído, uma garota muito parecida com a sua Lucille, a namorada que ele perdera na guerra, com a cabeça machucada.

-Oi, meu anjo. –Sussurra, alisando o rosto da jovem, passando o polegar nos lábios carnudos da moça, no segundo que ela abre os seus olhos, e ele encontra os grandes olhos azuis dela.

Bob e Tyreese, estavam na sala de oxigenação, os dois eram negros e tinham trinta e nove e quarenta e cinco anos, o mais velho, era mais forte, bem mais forte, o mais novo, tinha grandes problemas com a bebida.

Bob era marido da irmã mais nova de Tyreese, uma garota do setor de segurança, enquanto ambos eram da mecânica.

A turbulência fez com que toda a área de oxigenação dos criotanques, ele sabia que teria muitos problemas, principalmente, com Deanna, mas ele não esperava um marido enlouquecido, ou melhor, o chefe da manutenção dos criotanques, enlouquecido.

-Já concertaram? –Pergunta, irritado.

-Nós não. –Interrompe-se, ao cambalear, enquanto Daryl vasculha todos os cantos com os olhos e encontra uma garrafa de bebida.

-Você bebeu? –Pergunta, entre os dentes, pegando a garrafa e mostrando.

-Não, eu, não bebi. –Responde, emboladamente.

-O que pensa que está fazendo? –Pergunta, aproximando-se ameaçadoramente dele, fazendo-o recuar, cambalear. –Você está bêbado? –Questiona, sarcástico, quebrando a garrafa no chão.

-Não, eu não. –Começa, tonto.

-Se nós não estivéssemos já na atmosfera da porra da Terra, eu recomendaria o vácuo. –Afirma, entre os dentes, saindo de perto deles e começando a resolver o seu problema.

-Bob, você passou dos limites. –Afirma Tyreese, pegando o cunhado e o levando para o mais longe possível do Dixon. –Sabe que se ficar ali o Dixon é capaz de te matar. –Revela, arrastando-o para o mais longe possível de Daryl, quando eles encontram Sasha, esposa de Bob e irmã mais nova de Tyreese.

-Ele bebeu? –Pergunta, desesperada.

-Bebeu. –Responde, fazendo-a alisar nervosamente o rosto.

Sherry acorda com uma imensa dor de cabeça, sentindo todo o seu corpo arder, assim que ela se senta, percebe que está num lugar estranho, numa casa estranha, até que um homem aproxima-se dela.

-Calma. –Pede, analisando-a.

-Eu estou calma. –Garante, levantando as mãos em sinal de rendição. –Eu tenho que ir. –Avisa, levantando-se e ele nega com a cabeça.

-Você fica bem ai. –Avisa, sério, fazendo-a arquear a sobrancelha.

-E por que eu faria algo assim? –Pergunta, confusa.

-Porque você está sangrando e eu pretendo limpar isso. –Responde, seguro, aproximando-se dela.

-O meu pai faz isso. –Avisa, levantando e seguindo em direção a porta, abrindo-a e saindo correndo pelo corredor, sem ao menos olhar para trás.

Só havia uma grande regra na família Dixon:

Nunca fique sozinha com estranhos maiores que você!

E ela passou dezesseis anos da vida dela cumprindo essa regra, sem ao menos pensar duas vezes, não seria agora que ela quebraria, não quando o seu pai precisava dela!

Depois de consertar o cilindro de divisão de oxigênio, Daryl voltou correndo em direção ao criotanque de Beth, encontrando Noah e Deanna à frente dele.

-O que está acontecendo aqui? –Pergunta, irritado.

-Nós precisamos verificar a oxigenação dela. –Responde Deanna, nervosa.

-Ela está bem. –Revela, seguro.

-Como pode saber disso? Virou médico em todos esses anos de convivência? –Pergunta Noah, sarcástico e Daryl abre o compartimento de baixo do monitor de Beth, rosnando.

-Ela tem mais dez horas de oxigênio, caso alguma coisa aconteça. –Afirma, grosseiramente.

-Quem fez isso? –Pergunta Deanna, pasma.

-A mulher é minha, tenho que cuidar dela. –Comenta, grunhindo, enquanto fecha o compartimento.

-Vou verificar os outros criotanques. –Garante Noah, desconfortável, pegando a sua maleta e saindo da frente dos dois.

-Por que nunca contou sobre o cilindro extra? –Pergunta Deanna, desconfortável, sendo devidamente ignorada por Daryl. –Precisa treinar ser sociável quando ela acordar, lembre-se ela ainda tem dezessete anos. –Lembra, saindo da frente de Daryl, fazendo-o soltar um rosnado, aproximando-se de Beth.

-Não é com você. –Começa, alisando o criotanque. –Não se preocupe, eu ainda tenho uma parte do Daryl de dezessete aqui, ele só está aqui para você. Eu amo você. –Declara, suspirando. –Como eu sei que você me ama. –Sussurra, debruçando-se sobre o criotante e observando-a dormi. –Sei que você só encontrou algum tipo de existência, de sentido quando me conheceu, o que você não sabe que aconteceu a mesma coisa comigo. –Afirma, suspirando.

-Precisa de ajuda, pai? –Pergunta Sherry, ofegante.

-Que porra que aconteceu com o seu rosto? –Pergunta, ao observar o enorme corte na testa da menina.

Enid está preparando o jantar, logo eles iriam pousar e tudo mudaria, mas ainda seria ela e Carl contra o mundo, desde que Deanna descobriu a mentira de Rick Grimes, o menino ficou para trás.

Hoje ambos tem trinta anos e moraram sozinhos no setor da educação, até os seus quinze anos, hoje eles dividem um apartamento e uma vida, eram casados, mas não tinham filhos, ela não podia ter filhos.

-O que está fazendo? –Pergunta, confusa, quando observa Carl terminar de arrumar uma mala.

-Sabe que eu guardo tudo que eu vivi para os meus pais. –Responde, suspirando. –Eu sei acha que é bobagem, mas é a minha forma de estar conectado com eles. –Comenta, suspirando.

-Sim, eu sei. –Sussurra, cruzando os braços. –E com Sophia. –Acusa, semicerrando os olhos.

-Sophia, tem dez anos de idade, Enid. Não tem como ter ciúmes de uma menina de dez anos de idade. –Afirma, preocupado, quando começa uma nova turbulência e ela cai no chão.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...