História Laura e a última canção de amor - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias Austin & Ally, Laura Marano, R5
Personagens Laura Marano, Personagens Originais, Ross Lynch, Rydel Lynch
Tags Laura Marano, Raura, Ross Lynch
Exibições 62
Palavras 1.156
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Vamos todos desejar um feliz aniversário para a Laura!!! E morrer de amores com o Ross fazendo surpresa para ela... vocês viram? minha alma shipper morre <3
Espero que gostem do capítulo!

Capítulo 20 - Capítulo 20


Fanfic / Fanfiction Laura e a última canção de amor - Capítulo 20 - Capítulo 20

A relação entre mim e Ross não estava conturbada. Mas nós sabíamos que estava errada. Nos tratamos como amigos, porém o tipo de amizade que nunca tivemos. Percebo agora, que nós nunca fomos apenas amigos. Desde o dia que confidenciamos um ao outro nossa paixão pela música e que o curso escolhido não foi desejo de nossos corações e sim uma alternativa para se adequar às condições propostas, uma conexão entre nós surgiu que mudou toda a nossa visão um do outro. E dessa conexão nasce um sentimento, que nós dois não enxergávamos, mas que esteve lá o tempo todo. E agora ambos estamos negando esse sentimento com uma relação superficial.

Estamos no refeitório. Romeu está com o olhar vidrado na porta e o pensamento longe. Amaya está lendo um mangá, que é a única coisa que ela realmente consegue ler, diz que qualquer outra forma literária a cansa, já que ela nunca tem paciência para chegar até o final. Ross está com fones de ouvido batucando um lápis na mesa. Rydel e eu estamos conversando quando Burks aparece ao meu lado.

- Oi. - Ele sorri. Eu converso mais com ele agora.

- Ei, Burks. - Ele se agacha para ficar com o rosto pouco abaixo do meu.

- Eu estava pensando… - Vejo pelo pelo canto dos olhos que Ross subitamente para de bater na mesa. - O que você acha de aceitar meu convite hoje?

Eu não sinto nada por ele. Ainda. Eu estou disposta a esquecer Ross. Burks pode não ser o alvo dos meus sentimentos ou em quem eu penso várias vezes ao dia, mas ele era divertido, bonitinho e o principal: estava disponível.

- O que é?

- Vai ter um show da banda The Garrys na praia hoje. O que você me diz?

     Eu penso em negar, mas então um segundo pensamento passa pela minha cabeça. Eu deveria me divertir, me distrair, se não fosse eu ficaria no quarto imaginando se o Ross já tinha saído para a casa da Courtney como ele vinha fazendo todas as noites.

- Eu vou Burks. - Digo por fim.

- Só mais uma coisa. - Ele diz. - Você pode de me chamar de Kyle. - Ele dá um beijo na minha mão e sai.

- Uhhhh. - Amaya diz. Ross levanta num rompante e sai bruscamente. Eu fico irritada. Como ele pode ter coragem de demonstrar irritação por eu sair com outra pessoa enquanto ele não se decide? Apesar disso, mesmo eu não querendo admitir, uma partezinha de mim fica feliz.

 

    Estou esperando Kyle na sala de estar. Ele aparece usando bermuda branca e uma camiseta rosa. Seu cabelo está molhado e ele passa a mão na franja colocando os fios para o lado.

- Você é pontual.

- Mais do que você pelo jeito.

    Ele ri.

    Nós vamos com o carro dele até o local. E eu vou olhando pela janela a Miami toda iluminada e imaginando a vida das pessoas que vivem naquelas luzinhas de casas e prédios.

Kyle estaciona o carro numa vaga em frente à orla, consigo ver o palco montado, as pessoas espalhadas por toda a areia, conversando e bebendo drinks com guarda-chuvinhas espalhafatosos. Seguro meu chinelo e afundo os pés na areia. Gosto dessa sensação. A areia está gelada e fofa, mexo meus dedos para cima e para baixo para sentir os grãozinhos entre eles.

Kyle coloca a mão nas minhas costas me guiando até a lateral esquerda, próxima ao mar. Não consigo deixar de olhar aquela imensidão azul e lembrar do momento que Ross e eu passamos na água. Não era nessa praia, mas o mar é o mesmo não é? Meu coração aperta um pouquinho mais.

Escolhemos um lugar bom para ver o show e próximo a um quiosque. Burks perguntou se eu queria beber algo e eu pedi um suco de de frutas vermelhas. Não estava nem um pouco interessada em colocar álcool no meu corpo tão cedo. Mesmo que fosse apenas um pouco. Ele voltou com dois copos coloridos com luzes neon embaixo. Os copos piscavam e brilhavam. A música que antecipava ao show parou e o organizador do evento chamou a banda. O público deu gritos de entusiasmo e êxtase. Quatro homens entraram correndo e de mãos dadas.

- BOOOA NOITE MIAMII! - o do meio gritou. O público respondeu com berros. Ele tem o cabelo raspado e os braços tatuados.

Eles logo emendaram as músicas e eu gostei do som. Um estilo pop rock misturado com jazz. Apesar da minha bebida ser sem álcool, eu estava contagiada pelo estado de espírito das pessoas a minha volta e dançava desinibida.

- Está gostando? - Kyle gritou ao meu ouvido.

- Estou sim! - Grito de volta.

Quando os cantores param entre uma música e outra ele se vira para mim.

- Você dança bem. - Diz.

- Obrigada, você também. - Falo, mas na verdade eu não reparei em seus movimentos.

- Impossível. Você está dizendo isso porque não me viu.

- É… para dizer a verdade eu não vi mesmo.

Rimos.

Ele aproxima o corpo do meu e eu sei o que ele vai fazer. O rosto dele está perto do meu e sinto o cheiro de shampoo de colônia masculina. Ele me beija. E mesmo que eu estivesse gostando da nossa noite, sinto uma sensação ruim. De que aquilo está errado. Ele não é o Ross. Eu não posso beijá-lo. Não posso enganá-lo. Eu não posso usá-lo como um curativo para tapar o buraco da ausência de outra pessoa. Eu não posso deixar que ele me toque enquanto penso em outras mãos, desejo outro beijo. Eu me afasto dele.

- Sinto muito Kyle. - Falo. - Mas não posso fazer isso.

Ele dá um sorriso fraco, mas vejo a mágoa em seus olhos.

- Está tudo bem. Vamos aproveitar o show.

 

A volta para é um pouco constrangedora e silenciosa. Sei que ele deve estar perguntando porque aceitei sair com ele se não estava interessada nele. Porém eu gostei da companhia dele, só não poderia mentir para mim mesma e nem para ele. Apenas traria mais problemas. Ele caminha ao meu lado até meu prédio.

- Eu quero que saiba que eu gosto da sua companhia e que quero ser sua amiga.

Ele me olha. E dá de ombros.

- Tudo bem. Eu aceito ser apenas seu amigo, isso já é bastante.

 

Estou na porta do meu quarto quando escuto Ross por trás da porta da frente.

- Justo agora que você e ela terminaram?

- EU TENHO QUE TOMAR UMA ATITUDE RYDEL!

- E você pretende fazer isso quando?

- Logo.

Eu abro a porta e Ross sai do quarto num romante. Ele me olha e acena com a cabeça, eu levanto a minha mão quarto sem fôlego. Eles terminaram. Ele vai tomar uma atitude.

AI MEU DEUS! Meu coração está aos pulos. Ele vem falar comigo.





 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...