História Le Beau Monde - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias The 100
Personagens Clarke Griffin, Lexa
Tags Clarke Griffin, Clexa, Clexa Amantes, Lexa Woods, Pais Abusivos, The100
Exibições 175
Palavras 6.207
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Bom gente, eu sei que eu sumi e.e
Mas em minha defesa, eu tive alguns problemas com minha internet.. Mas eu já troquei wurhiwurhiuh
E eu provavelmente só vou poder a postar com frequência na segunda semana de dezembro, trabalhos e provas finais por agora, então ... =(((

É isso, boa leitura u.u

Capítulo 6 - Capítulo 6


O jantar não ocorreu bem. Bom, pelo menos ele não terminou com ninguém fisicamente ferido e isso é sempre um bônus. Lexa e seus irmãos deixaram a mesa com seus egos e sentimentos bem machucados. Anya teve suas habilidades médicas colocadas em dúvidas por seu Pai. ( - E aquelas pessoas que morreram em suas mãos, Anya?). Lincoln foi chamado de ‘’Decepção’’ em mais de uma ocasião. ( - Eu não sei por que você acha que pode continuar exercer essas atividades uma vez que nem a faculdade você terminou, Lincoln). E Lexa teve suas escolhas de vida dilaceradas. ( - Quem vai amar você que você não tiver dinheiro, Lexa? Pense sobre isso).

Ela fez, ela pensou horas sobre isso naquela noite.

Após seis horas deitada, olhando para o teto, Lexa pegou seu celular ignorando algumas mensagens de Octavia e Jasper e foi direto para número de Clarke.

Lexa: Você tem olhos muito bonitos.

Lexa colocou seu celular em seu peito e acaricio as costas de Aurora. Ela só teve que esperar alguns minutos para Clarke responder. O que foi estranho, considerando que era quase duas horas da manhã.

Clarke: Você está bem?

Lexa: Sim, eu estou. Eu só queria que você soubesse que tem olhos bonitos.

Clarke: Bom, obrigada :) Você também tem olhos lindos ;).

Clarke: O que você está fazendo? 

Lexa: Apenas deitada na minha cama, tive um ‘’Jantar em família’’ esta noite. E você?

Clarke: Ah, ok e o que aconteceu?

Clarke: Nada, apenas assistindo TV na sala.

Lexa: Relaxa, ninguém se machucou. Ele está ai?

Clarke: Mas? ... Não, e eu não tenho ideia de onde ele está.

Lexa: Mas ele fez questão de colocar nós três para baixo. Tipo, eu não entendo o porquê dele fazer isso, sabe? Eu sei que ele não aprova o que eu e Anya queremos fazer, e como nós não queremos fazer partes dos negócios dele, mas isso não significa que ele tem que atacar a gente sempre que ele quer, não é? E até Lincoln foi chamado de decepção. Eu não entendo qual o tipo de prazer que ele tem para fazer isso.

Lexa suspirou assim que enviou a mensagem, virando para o lado e se curvando em torno de Aurora, que mal se agitou com o movimento.

Clarke: Homens como esse provavelmente foram feridos por outras pessoas enquanto cresciam e agora fazem o mesmo. Eles têm o poder que não tinham antes. Mas você tem que entender que a culpa não é sua nem de seus irmãos. E quanto ao assunto de sua decisão de não entrar nos negócios dele, ele obviamente não gosta da ideia de que você se torne independente dele. O fato que você não vai ser dependente de seu dinheiro ou seus negócios, vai significa que ele não vai ter nenhum poder sobre você.

Lexa leu essa mensagem algumas vezes antes das bolhas voltarem a aparecer.

Clarke: Eles estão em casa? Eu posso passar ai?

Lexa: Não, eles estão em casa.

Clarke: Será que eles vão continuar ai a noite toda?

Lexa: Acho que eles vão estar durante toda a semana.

Clarke: Então por que você não vem até aqui?

Lexa: Agora? É duas da manhã.

Clarke: Não, agora não. Amanhã, depois de suas aulas. Tenho certeza que Jeff vai estar trabalhando até tarde amanhã com seus Pais.

Lexa: Ok. Estarei ai as quatro.

Clarke: Ok. Estacione seu carro assim que virar a esquina da casa. Dessa forma, se Jeff chegar mais cedo seu carro não vai estar na garagem.

Lexa: Ah, inteligente. Talvez você devesse começar a fazer isso quando estiver aqui ;)

Clarke: Se eu fizer, vou ter que caminhar vinte minutos do meu carro para sua casa e da sua casa para meu carro.

Lexa revirou os olhos para isso.

Lexa: Nossa propriedade não é tão grande assim.

Clarke: Oh, ela é sim. Sua propriedade se estende como a metade da Califórnia.

Lexa: Tenho certeza que você está exagerando.

Clarke: Ou talvez não. Tem certeza que você está bem?

Lexa: Sim, eu estou agora.

Clarke: O que ele disse, pode não ser fácil de superar. Dói, isso tem que doer, independente do tempo que vem acontecendo.

Lexa: Você sopra para depois morder? Falar sobre a dor de antes de agora e como provavelmente vai continuar doendo. Ou como tudo que eu faço é inútil e que o medo nunca vai me deixar ficar longe dele. Qual é o ponto disso? Não ajuda em nada.

Lexa podia sentir a sensação de dolorosa e o aperto em seu peito enquanto digitava. Ela realmente não queria falar sobre isso. Nem agora, nem nunca.

Ou Clarke sentiu pânico com essa mensagem ou ela pode ter sido afetada com ela, porque agora ela estava ligando para Lexa.

- Ola?

- Hey – Clarke respirou através do celular. – Eu sinto muito.

- Por quê?

- Por ter trazido essa merda à tona. Eu sinto muito, eu só não gosto do que ele está fazendo com você. – A voz da Loira estava soando áspera e abafada, como se Lexa tivesse acabado de acordar ela. – Ele não está apenas ferindo você, Lexa, ele está mexendo com sua cabeça também.

- Está tudo bem.

- Não, não está nada bem. Você pode estar bem com ele, mas isso realmente não é bom. – Clarke disse, soando estressada. – Ele está fazendo você sentir coisas que não deveria, se sentir inútil e insegura. Com medo, quando realmente não teria nenhuma razão viável para você se sentir assim. Pelo menos não na parte insegura e inútil. Você... porra, você é tão inteligente Lex. Eu olhei algumas coisas que você estava fazendo quando te ajudei com seu relatório, você é uma estudante totalmente dedicada, você provavelmente foi assim na maior parte de sua vida.

- Como você sabe disso?

- Eu poderia ter conversando com Octavia sobre você.

- Ohh, você poderia ter? – Lexa riu baixinho. – O que mais ela te contou sobre mim?

- Nada. Mas ela fez uma menção de que você é uma grande fã da Selena Gomez, apesar de tudo.

- Você pode me culpar? Você já viu como ela está? – Lexa riu – Bom, pelo menos não foi nada embaraçoso. – Lexa suspirou – Eu te acordei?

- Sim.. Mas está tudo bem, eu não me importo.

- Eu iria mandar uma mensagem para Octavia, mas eu meio que queria falar com você. – Lexa admitiu em uma voz suave, uma voz que aparentemente fez Clarke rir de forma tímida.

- É?

- Sim, quer dizer, eu amo ela. Mas ela é muito explosiva. Se eu tivesse chamado ela para falar sobre isso, ela iria perder o controle. Eu queria calma e se eu falasse com ela, provavelmente eu iria querer brigar com alguém. – Lexa riu. – E sua voz me acalma.

- Bom, eu estou mais do que feliz para te ajudar com a minha voz. – Lexa podia ouvir o sorriso na voz da Loira enquanto ela falava, e apesar de tudo, isso só deixou Lexa com um sorriso no rosto. Mas aquele sorriso logo desapareceu com as próximas palavras da loira. – Seu Pai me ligou ontem de manhã.

- Ele ligou? Por que você não me contou?

- Eu achava que você sabia. Ele ligou para perguntar se Jeff e eu, estaríamos indo para sua festa em Miami.

- Não.. ele... Ele apareceu ontem de manhã, enquanto eu estava tomando café da manhã e me perguntou sobre nós. Ele não sabia de nada, ele só citou a noite em que nos conhecemos.

- O que ele disse? – Clarke perguntou. – Ele não te machucou, não é?

- Não, eu estava apenas sentada tomando café e ele entrou perguntando se havia alguma coisa acontecendo com a gente. E quando eu disse que não, ele disse que era melhor eu me comportar. – Lexa explicou, tentando soar indiferente sobre isso, mas aparentemente ela não conseguiu fazer, porque Clarke soltou um longo suspiro.

- Você está bem?

- Sim – Lexa suspirou. – Eu só não quero mais viver assim, eu não quero ficar com medo o tempo todo.

- Por que você não me ligou depois disso?

- Eu realmente não achei que fosse algo importante.

- Você certamente devia querer alguém para conversar sobre isso.

- Talvez. Mas eu estou acostumada a não ter ninguém assim para isso então meu primeiro instinto foi não falar sobre. – Lexa explicou, girando seu corpo e apertando o rosto contra seu travesseiro. – Quer dizer... Eu poderia falar com Octavia, mas como eu disse, ela é explosiva.

- Bom, agora você tem a mim. – A voz de Clarke soou tímida.

- Sim – Lexa suspirou melancolicamente. – Você pode me contar uma história?

- Uma história? Sobre o quê?

- Qualquer coisa. Colégio, sua infância... Eu realmente não me importo

- Ok – Clarke cantarolou pensativamente. Logo em seguida, ela mergulhou em uma história sobre suas férias de primavera, no seu segundo ano de faculdade. Antes de conhecer Jeff. Quando ela e Raven tinham bebido muito e se juntaram a uma competição sobre quem ficava melhor em uma camisa molhada. Raven ficou em primeiro lugar e Clarke em segundo. ( - Eu realmente não estava surpresa, Raven tinha um corpo muito melhor que o meu.) Clarke tinha dito e Lexa bufou em resposta.

Clarke falou sobre como aquela semana foi a melhor de sua vida e Lexa observou um pouco antes de dormir, como Clarke parecia muito mais feliz naquela época.

Ela acordou com um susto na manhã seguinte. O despertado estridente do seu celular tocando contra sua bochecha. Gemendo, Lexa se sentou na cama, passando a mão pelo cabelo antes de mudar para seu rosto.

A morena ficou na beira da cama e pegou seu celular, ela rolou através de algumas redes sociais até ver uma bolha verde de notificação escrita como ‘’Griff’’ Ao lado. Um pequeno sorriso apareceu instantaneamente enquanto ela abria a mensagem.

Clarke: É bom saber que eu sou interessante :P Estou feliz em poder ter te ajudado. Me manda uma mensagem quando acordar, ok? Durma bem. Beijos. 

Lexa: Desculpa. Sua voz é tão angelical que me colocou para dormir ;)

Lexa jogou seu celular em cima da cama, ela não esperava uma resposta da loira naquela hora da manhã, então ela foi para sua rotina matinal. Assim que a morena estava completamente vestida e com sua escova de dentes pendurada em sua boca, o celular tocou.

Dessa vez foi um Snapchat da Loira deitada em sua cama, as cobertas estavam sendo puxadas até seu queixo e ela parecia um animalzinho fofo mal-humorada com um brilho no rosto. A legenda dizia: - Obrigada por me acordar... Mais uma vez.

Lexa sorriu e clicou duas vezes no nome de Clarke, tirando uma foto de si mesma fazendo beicinho. Seus lábios estavam cobertos de espuma da pasta de dente e sua escova ainda estava presa em sua boca. – Desculpa :(

 Lexa voltou para o banheiro para terminar de escovar os dentes e lavar o rosto. Ela pegou sua jaqueta e colocou seus óculos de sol, deixando ele apoiado em seu nariz e jogou sua bolsa em seu ombro. Seguindo para seu carro, com duas pílulas no bolso de sua jaqueta para tomar quando ela estivesse lá. Antes disso, ele olhou seu celular novamente e Clarke tinha respondido.

Desta vez, uma sobrancelha da loira estava dobrada e embora seu rosto estivesse escondido sob o edredom, Lexa poderia dizer que ela estava sorrindo. – Você não pode fazer esse beicinho para mim.

Lexa riu e tirou uma foto de si mesma, dessa vez seus cabelos estavam jogados desordenadamente sobre o ombro e os óculos estavam cobrindo seus olhos sonolentos. – Você está certa, Doutora Griffin.

Clarke respondeu logo em seguida, mas Lexa só abriu quando ela estava perto do seu carro.

Ambas sobrancelhas da Loira estavam levantadas neste momento. – Como você consegue ir de super fofa em um momento para uma super modelo sexy em outro, em um curto espaço de tempo?

Lexa revirou os olhos, tirando uma foto de seu rosto com uma expressão ‘’tanto faz’’. – Vou dirigir pra aula agora.

 O celular dela tocou antes da morena estar completamente fora da garagem. Ela clicou no botão de responder na tela no painel. – Sim, Griffin? – Ela perguntou, se sentando de forma mais reta para poder olhar por cima do capô. Se certificando de que ela não atingiu nenhuma das plantas de sua mãe ( Já tinha acontecido uma vez e ela tem uma cicatriz na sua terceira costela por causa disso ).

- Como você consegue ficar tão linda a essa hora da manhã? – Clarke disse com uma voz séria, uma voz que Lexa nunca tinha escutado e ela riu de forma tímida.

- A iluminação da minha garagem é boa.

Clarke fez um barulho de zombaria. – Ok, pirralha. Continue dizendo isso para si mesma. – Ela bufou. – Quais são as aulas que você tem hoje?

- Fisologia, adaptação e evolução e algumas palestras. Eu deveria ter um laboratório, mas eu já terminei. – Lexa explicou. – Além disso, eu vou ter alguns trabalhos para fazer esta noite.

- Oh – Clarke parecia decepcionada com as palavras da morena. – Então você não vai vim?

- Não, eu vou. Eu posso fazer quando voltar pra casa.

- Ok. Sim.. isso é bom. – Clarke cantarolava. – Então, me diga sobre o que suas aulas são.

- Você realmente quer saber? – Porque Lexa conhecia algumas pessoas que só perguntavam isso por educação.

- Sim. Eu realmente quero saber. – Clarke assegurou a morena. – Me diz, por favorzinho?

Lexa sorriu e começou a explicar sobre o que se tratava suas aulas, dando sua própria opinião aqui e ali, Clarke não interrompeu a morena em momento algum. Ela apenas cantarolava e concordava, as vezes ela iria rir sempre que Lexa fazia um comentário engraçado. Lexa amava seus irmãos, mas ela não podia falar com eles. Eles estavam sempre ocupados ou Lincoln estava bêbado e Anya não era uma ouvinte muito boa. E ela tinha que ser cuidadosa com o que ela dizia para Octavia, assim ela evitava alguns certos comentários. Se sua amiga estivesse bêbada em primeiro lugar, seria uma conversa mais fácil.

- Eu tenho que ir, estou quase na sala já. – Lexa disse, tirando seu celular do painel do carro e colocando em sua orelha, enquanto caminhava para a sala.

- Ok, te vejo em poucas horas.

- Você vai querer algo para comer? – Lexa perguntou, abrindo a porta do edifício e indo em direção a sua classe. – Eu posso pegar quando estiver indo ai.

- Naah, eu estou fazendo dieta.

Lexa franziu a testa para si mesma por duas razões. Um: Porque? E Dois: O subway é quase saudável. 

- Oh... Ok – Ela disse, se sentando em sua sala. – Mas você tem um corpo incrível, sério, quando eu te vi naquele dia na festa da piscina, eu senti minha cabeça girar como se eu estivesse bêbada ou como se tivesse acabado de tomar minhas pílulas. E você viu minha reação quando você ficou sem blusa... Sem mencionar sua bunda.. É fantástica também.

Clarke riu, riu muito e Lexa sorriu sentindo suas bochechas ficarem vermelhas, enfiando a mão no bolso para pegar os dois comprimidos. – Obrigada, Lexa. Não é por isso que eu estou fazendo dieta, mas obrigada.

- Eu só achei que você deveria saber... – Lexa suspirou e fez a sua melhor voz de ‘’Garoto de fraternidade cheio de tesão’’ – Você tem que deixar uma garota saber quando ela tem um corpo incrível, se ligou?

Clarke riu de novo e Deus sabia que Lexa poderia passar séculos ouvindo apenas esse som. 

- Ok, pirralha. Se você diz...

Lexa riu baixinho, apoiando seu cotovelo em sua mesa. – Eu realmente tenho que ir agora, já estou na sala de aula.

- Ok, se divirta.

- Até mais.

Lexa finalizou a chamada e colocou seu celular em cima da mesa, discretamente ela engoliu as duas pílulas que estavam em sua mão. Pela primeira vez na vida, Lexa se sentiu bem antes de tomar suas pílulas e o sentimento confuso que vinha depois, foi mais leve dessa vez.

A aula foi interessante. Sempre era, Lexa amava cada uma de suas aulas, mas nessa ela foi incapaz de se manter concentrada. Ela tinha o queixo repousado sobre a mão do braço que tinha o cotovelo apoiado na mesa e ela estava olhando fixamente para o professor, ela concordava com a cabeça de vez em quando mas ela não estava retendo nenhuma informação, tudo era inteiramente culpa de Clarke.

Bom, talvez não inteiramente culpa dela, Lexa não podia afirmar que estava fazendo muita força para parar de pensar sobre a loira, mas ainda assim, a culpa era dela.

Um pouco antes das quatro, ela estacionou seu carro no local que Clarke tinha instruído e se dirigiu até a casa. Não era tão grande como a casa de seus Pais. Uma das empregadas deixou ela entrar e deu as instruções para Lexa subir as escadas e ir para o segundo quarto a sua direita. Assim que chegou lá, a morena bateu na porta e esperou Clarke dar algum sinal de que ela podia entrar.

Clarke estava sentada em sua cama, as costas estavam pressionadas contra a cabeceira e um livro apoiado contra seus joelhos dobrados. Ela estava mastigando distraidamente a unha do polegar enquanto lia, seus óculos estavam apoiados na ponta do seu nariz. Ela estava com um Short de algum pijama e uma camisa velha. Seu cabelo foi preso na parte de cima em um coque e seu rosto estava completamente livre de maquiagem. Lexa sentiu uma pequena inveja de acordar e parecer como Clarke parece agora. Levou apenas alguns segundos para Clarke tirar os olhos do livro e ver quem estava na porta.

- Ohh, ei – O sorriso se estendeu nos lábios de Clarke com a visão de Lexa, isso causou um mergulho de montanha russa no estômago da morena. – Eu pensei que você só ia chegar depois das quatro.

- Sim, mas minha classe liberou um pouco mais cedo hoje. Honestamente? Eu sou muito grata por isso, eu não conseguia me concentrar.

- Por que? Você está bem?

- Sim, eu estou bem. Só... meus comprimidos às vezes me deixam um pouco aérea, não é grande coisa. – Bom, em defesa de Lexa, isso não era inteiramente uma mentira.

- Você fala como se isso não fosse grande coisa, mas não conseguir se concentrar na aula é uma grande coisa. – Clarke franziu a testa, se arrastando para a borda da cama, fazendo sinal para Lexa se aproximar. E a morena fez, ela deixou sua bolsa cair no chão e caminhou até Clarke.

Clarke enfiou os dedos em torno da calça jeans da morena e puxou ela para mais perto, deixando Lexa entre suas pernas. A loira inclinou sua cabeça para poder olhar a morena.

- Quando você tem que começar a sua lição de casa? – Clarke perguntou, deslizando sua mão pelo braço da morena até que seus dedos se enroscaram em torno do pescoço dela. Gentilmente, Clarke guiou sua cabeça para baixo.

- Provavelmente, eu deveria começar agora – Lexa sussurrou, sem mostrar nenhum tipo de aborrecimento ou resistência quando Clarke puxou ela para um Beijo.

Clarke cantarola contra os lábios de Lexa, sorrindo quando a morena deixou escapar um pequeno sopro de ar. – Eu posso encontrar alguma coisa mais divertida para você fazer.

- Acredite em mim, eu realmente iria querer isso... Mas eu tenho muita lição e já está começando a se acumular. – Lexa suspirou, cada célula racional do seu corpo lutando para esquecer os trabalhos de casa atrasados porque ela tinha uma bela loira pedindo para ir para cama com ela.

- Eu poderia fazer você começar a gostar de lições de casa. De uma forma lenta e bem na minha mesa.

Um barulho de gemido deixou os lábios de Lexa antes dessas palavras, ela pressionou a testa contra a de Clarke e lutou contra o desejo de beijar a loira. – Você está me desconcentrando, Griffin.

- Vamos lá, me diga que você não passou a maior parte desses últimos dias pensando na gente, ou no que aconteceu domingo.

Ohh, Lexa pensou. Ela não tinha parado de pensar nos olhos ardentes de Clarke ou nos pequenos ruídos que deixavam os lábios da loira, na forma como o corpo dela respondia aos toques de Lexa. Sem mencionar as marcas de arranhões que serviram como um orgulhoso lembrete.

- Essa lição de casa é muito importante.

Clarke, quase de forma dramática, liberou Lexa de seu domínio e voltou para a borda da cama, pressionando suas costas contra a cabeceira. – Tudo bem, você pode fazer sua lição de cada. Jovens e sua sede por conhecimento... - A loira revirou os olhos.

Lexa sorriu e estendeu sua mão para pegar sua bolsa, antes de jogar ela no chão, ao lado do pé da cama e se inclinando para beija Clarke. – Você está linda como sempre.

- Aham, claro – Clarke solta uma leve risada quando sente o estômago de Lexa sendo pressionado contra o seu e quando sente ambas as pernas da morena uma em cada lado de sua cintura. – Eu não tomei banho e nem penteei meu cabelo hoje.

- Talvez seja isso que faça você ficar tão linda assim, chega a ser até injusto.

- Se você continuar dizendo essas coisas eu vou tentar levar você para cama e depois ainda vou sair como ‘’O cara mau’’. – Clarke fez aspas com a mão nas últimas palavras.

Lexa riu baixinho e saiu de cima da loira. Se sentando ao lado dela e fazendo sua lição de casa, dez minutos depois a loira pegou novamente seu livro e moveu sua cabeça que agora estava descansado no ombro da morena.

Lexa olhou por cima do ombro para Carke, mas a loira nem sequer fez menção de reconhecer o olhar da morena. Ela sorriu para si mesma e voltou para seus livros.

- Isso é estranhamente doméstico, você não acha? – Clarke perguntou depois de uma hora ou mais de puro silêncio.

Lexa tirou seus olhos do Laptop e olhou fixamente para a loira.

- Isso deixa você nervosa? – Ela perguntou, tirando da tampa do seu marcador com os dentes e destacando um texto em sua folha.

- Não – Clarke se virou e apertou o rosto contra as costas da morena. – Na verdade, é muito bom.

- Sim, eu estou quase certa que ficar sentada enquanto eu faço algumas lições de casa é o auge da sua semana. – Lexa sussurrou sarcasticamente, tendo sua atenção completa as folhas em cima da cama.

- Bom, eu não sei você, mas ser capaz de relaxar e ficar em silêncio com outra pessoa, enquanto ela fez suas próprias coisas. Mostra o quão confortável eu estou com alguém.

- Então você não está entediada? – Lexa perguntou, olhando Clarke por cima do seu ombro.

- Com você aqui? É claro que não. – Clarke assegurou a morena, se movendo e se inclinando para beijar Lexa.

Lexa sorriu contra os lábios da Loira e começou a fechar seus livros, jogando eles no chão antes de se virar completamente para Clarke.

- Você terminou sua lição de casa? – Clarke perguntou, empurrando Lexa pelo ombro até a morena estar deitada na cama e subiu em cima dela, pressionando seus cotovelos um em cada lado da cabeça de Lexa e enroscando suas mãos nos cachos da morena.

- Bom, eu terminei a maior parte, então eu posso acabar de fazer o resto hoje à noite. – Lexa garantiu a loira, bicando Clarke em seus lábios e deixando sua cabeça cair totalmente contra o colchão. Suas mãos corriam pelas costas da loira até chegar no short da loira, onde seus dedos começam a brincar com ele.

- Eu não consegui tirar você da minha mente ontem – Clarke cantarolou, pressionando seu nariz contra a mandíbula da morena. – Eu até estava indo mandar uma mensagem para você, mas não tinha certeza se você iria querer isso.

- Porque você achou que eu não iria querer?

- Eu não sei.

- O que você quer dizer com você não sabe? – Lexa franziu a testa, cutucando com seu nariz a têmpora da loira, sinalizando para a mulher olhar para ela. – Eu já te dei alguma razão para achar que eu não gostaria de falar com você?

- Não. Claro que não, muito pelo contrário, na verdade. – Clarke disse, beijando a mandíbula de Lexa. – Eu só não queria correr o risco de te mandar uma mensagem e sua mãe ou Pai, ver.

- Eles não vão ver. Eu nunca deixo meu celular onde eles tenham acesso. Além disso, seu nome nos meus contatos é ‘’Griff’’. Eu posso dizer que é um cara da minha Classe. – Lexa explicou, enquanto Clarke fazia um caminho de beijos ao longo de sua mandíbula até os seus lábios. – Eu não conseguia parar de pensar em você também.

Clarke sorriu, de uma forma que todo o seu rosto sorria também. Seus olhos, bochechas, lábios e a única coisa que Lexa podia pensar é ‘’Zeus, você é tão linda’’

- Isso é algo que nunca me disseram. – Clarke riu e Lexa corou percebendo que disse isso em voz alta. – Gostosa, sexy, bonita com certeza, mas tão linda? Nunca.

- Eu não consigo imaginar o porquê. – Lexa sussurrou. – Você é todas essas coisas e muito mais.

- Você quer assistir TV? Tem algumas séries que eu sempre tive vontade de ver, mas nunca realmente comecei.

- Agora que você me tem a sua disposição na cama, você quer ver TV?

- Tem algumas mulheres muito bonitas nessa série. – Clarke disse com a voz divertida, sorrindo quando notou que Lexa parecia estar pensando sobre isso.

- Ok, pode colocar.

Elas acabaram abraçadas no topo da cama de Clarke, a cabeça de Lexa descansava sobre o peito da Loira enquanto ambas assistiam a Reigh em um silêncio total e Clarke tinha razão, essa era uma série cheia de belas garotas.

- Você é a única que me vê – As palavras da loira veem em três episódio depois e é tão silêncio que Lexa quase não ouviu.

- O que você quer dizer? – Lexa sussurrou para a Loira, seus olhos continuavam seguindo os movimentos da TV enquanto seus dedos acariciavam o osso da cintura de Clarke.

- Eu estava tão acostumada a ser ignorada e ai você chegou...

- Isso é brincadeira, né? – Lexa riu, inclinando a cabeça para trás para poder olhar a loira. – Você sabe que, literalmente qualquer pessoa de uma sala que você estiver, vai virar para poder olhar você entrar? Ninguém nunca te ignora.

Clarke apenas cantarolava, dando a Lexa a ideia de que ela não estava falando sobre ignorar ela fisicamente. Seus olhos voltaram para a TV. – É, você tem razão.

- Mas não é disso que você está falando, não é? – Lexa franziu a testa. – Como... As pessoas olham para você, mas você realmente não tem ninguém lá para você. Raven está sempre longe e você disse que você e sua mãe não se falam mais... Além do seu marido ser um idiota.

Clarke tirou seus olhos da TV e fixou na morena, ela arqueou sua sobrancelha e um pequeno sorriso triste apareceu em seus lábios. – Você faz a minha vida soar como um filme de drama entediante.

- Foi isso que você quis dizer antes, não é?

Clarke encolheu os ombros. – Eu sou sozinha.

Um olhar simpático apareceu no rosto da morena e Clarke estava prestes a dizer a Lexa que ela não queria a piedade da morena e que ela estava muito bem sozinha, mas antes que ela pudesse falar, Lexa deslizou sua mão até o pescoço dela, enrolando seus dedos em volta dele.

- Bom, agora você tem a mim, ok? Isso já ajuda, não é?

Clarke sorriu e soltou um suspiro enquanto dava um beijo na testa de Lexa. – Você nunca deve duvidar de si mesma, pirralha.

- Eu não estou. Eu só quero que você saiba que eu estou aqui para você, não só fisicamente, mas como uma conexão... ou não.

- Você não acha que temos uma conexão? – Clarke questionou com a cabeça inclinada para a esquerda, enquanto sua mão esfregava as costas da morena.

- Bom, sim... eu sinto que temos uma conexão... mas eu não sei se você se sente da mesma forma.

- Eu acho que nós temos uma grande conexão. – Clarke cantarolou. – Eu nunca me conectei com alguém dessa forma antes.

- Então... eu te ajudo? – Lexa perguntou um pouco incerta, sua cabeça estava caindo no ombro de Clarke quando ela olhou para loira através do seus cílios.

- Você ajuda sim.

- Isso bom. Você merece ser feliz.

Clarke sorriu, descansando a testa contra o topo da cabeça de Lexa. – E isso é algo que eu não era antes de te conhecer.

- Quem diria que passar uma tarde assistindo a Reign iria resultar em uma conversa ‘’Coração pra coração’’ – Lexa brincou, se aconchegando mais perto de Clarke e enrolando suas mãos em torno da cintura da Loira enquanto olhava para a TV.

- Na verdade eu estou surpresa por você ter conseguindo tirar os olhos da Atriz principal e notar que eu ainda estou aqui. – Clarke brincou.

- Ela tem belos lábios, ok? – Lexa argumentou sem entusiasmo.

- Você sabe quem mais tem belos lábios? – Clarke perguntou, ouvindo um ‘’hum’’ em forma de questionamento de Lexa. – Você!

- Bela cantada, Loira – Lexa sussurrou de forma desinteressada.

- Zeus, eu vou mesmo ter que competir por sua atenção com essa menina dos ‘’Belos’’ lábios – Clarke fez aspas no ‘’Belos’’ e uma careta, antes de acrescentar – Em uma TV por sua atenção?

- Você diz isso como se eu nunca fosse capaz de encontrar ela pessoalmente. – Lexa riu.

- Você pode? ... você quer? – Clarke em um sussurro, quase parecendo insegura.

Uma risada explodiu no peito de Lexa, a morena inclinou sua cabeça para trás, seus olhos estavam brilhando com malícia. – Eu nunca imaginei que você fosse do tipo ciumenta, Doutora Griffin. – Ela brincou, sorrindo quando os olhos de Clarke escureceram como eles sempre faziam quando Lexa chamava ela de ‘’Doutora’’.

- Eu não sou ciumenta – Clarke respondeu de forma ríspida, seus olhos saltaram para baixo quando a mão de Lexa foi para no seu Peito.

- Não – Lexa sussurrou, tomando atenção dos olhos de Clarke de volta para ela. – Você não tem que se preocupar. Nem com ela ou qualquer outra.

- Bom – Clarke sussurrou um pouco antes de Lexa Beijar ela, abocanhando o lábio inferior da morena entre os dentes. – Porque eu não gosto de compartilhar.

Eu gostaria de poder dizer o mesmo. É o Lexa queria dizer, mas a morena não queria estragar esse momento então ela descartou esse comentário sarcástico e sorriu em seu lugar. – Isso não é algo no qual você tenha que se preocupar.

Clarke sorriu, bicando Lexa nos lábios e dando um pequeno aperto neles. – Você não faz ideia do quanto eu estou ansiosa por esse fim de semana. – Ela comentou, pressionando os lábios no cabelo da morena quando ela posicionou sua cabeça contra o peito dela.

- Eu também. Vai ser bom para relaxar. Não vamos precisar nos preocupar em manter as aparências ou agradar meus Pais. Só chocolate quente, patinação no gelo e fogueiras acolhedoras. – Lexa suspirou, pressionando os dedos no braço da Loira. – E você.

- Eu mal posso esperar poder gastar mais do que só algumas horas com você.

Lexa sorriu para Clarke e em sua defesa, ela não tinha a intenção de cair no sono, mas um em um minuto ela estava olhando para a garota dos belos lábios na TV e no outro ela estava acordando com a boca seca e alguns dedos serpenteando através de seus cabelos.

Ela se manteve em seu lugar por mais alguns minutos, saboreando o conforto do corpo de Clarke, um dos braços da Loira estavam de forma firme em sua cintura e a outra brincando com seu cabelo, a morena também percebeu que a série que elas estavam assistindo foi substituída por um documentário sobre coiotes.

- Sabe, eles andam nas pontas dos pés quando estão perseguindo uma presa.

- Serio? – Clarke sussurrou, pressionando um beijo no topo da cabeça de Lexa.

- Aham – A morena suspirou em resposta e o quarto ficou em silêncio novamente. Lexa se mudou para o lado da Loira, tomando tempo para realmente acordar antes de começar a se mover de novo.

- Você tá bem?

- Sim.. – Lexa bocejou. – Que horas são?

- Oito horas, você provavelmente deve ir em breve – Clarke suspirou, mas se virou para abraçar a morena e apertar ela contra seu corpo. Obviamente ela estava relutante em deixar a morena ir.

- Que horas ele deve chegar?

- Daqui a uma hora.

- Eu vou me levantar e ir então – Lexa tentou sair do aperto da loira, mas Clarke não deixou ela ir e apertou a morena mais forte contra si. – Você tem que me soltar, Griffin.

- Termine de acordar antes de qualquer coisa.

Uma risada muda saltou do peito de Lexa enquanto ela relaxou nos braços da Loira. Bom, pelo menos até seu celular começar a tocar, Lexa se moveu para trás para poder pegar seu celular.

- Quem é Abe?

- Lincoln. Abraham Lincoln. – Lexa explicou, atendendo o celular e sorrindo quando Clarke riu. – Foda-se – Ela sussurrou antes de voltar para o celular. - Oi?

- Lex, onde você está?

- Fora, porque? Tem algo errado?

- Nosso Pai está procurando por você. Ele disse que você devia chegar a horas atrás.

Essa é nova, seu Pai realmente percebeu que ela tinha desaparecido.

- Diga a ele que eu estou na biblioteca e que vou estar em casa logo.

- Onde você realmente está?

Lexa suspirou. – Com Clarke.

- Lexa... – Lincoln choramingou e Lexa compreendia ele, porque seu Pai a mataria se soubesse onde ela estava.

- Eu sei – Ela suspirou e se sentou na borda da cama. – Eu vou estar em casa logo, já estou saindo.

- Ok, tenha cuidado quando você chegar, ele está de mal humor.

- Ele sempre está – Lexa sussurrou. – Te vejo em breve.

- Aconteceu alguma coisa? – Clarke perguntou, observando Lexa enquanto ela se abaixou para recolher suas coisas.

- Não – Lexa respondeu por instinto, enfiando as suas coisas em sua bolsa.

- Lex... – Clarke segurou a morena nos ombros quando Lexa não olhou para ela, a loira sentiu um aperto no seu peito quando sentiu os ombros da morena tensos. – Ei, o que foi?

- Lincoln disse que meus Pais estão de mau humor, eu realmente não queria ter que ir para casa. – Lexa suspirou, inclinando a cabeça contra Clarke, enquanto a loira serpenteava seus braços ao redor da cintura da morena.

- Me manda uma mensagem quando você chegar em casa, ok? Me avise se algo acontecer – Clarke falou com a voz abafada pelo ombro da morena.

- Não vai acontecer nada, ele não vai me machucar. Eu não fiz nada de errado, mas quando ele fica de mal humor, a casa toda fica também. – Lexa respirou e se virou para pressionar um beijo nos lábios de Clarke. – Não fique preocupada.

- Como se isso fosse possível – Clarke falou, procurando os lábios da morena quando ela se afastou.

- Ele não vai me machucar – Lexa argumentou de forma suave, olhando para Clarke enquanto calçava seus sapatos e oferecendo a loira um sorriso tranquilizador.

- Como você pode saber disso? Você disse que ele estava de mau humor.

- Sim, ele está. Mas ele nunca nos bate se a gente não merecer isso.

- Ei – Clarke suspirou, se endireitando para enfrentar Lexa, ela esperou até a morena olhar para ela para poder falar. – O que ele faz, não é certo. Independentemente do que você faz ou não, você não merece isso. Basta lembrar, nada disso é sua culpa.

- Eu realmente tenho que ir.

- Lex – Clarke disse, uma pitada de desespero soou em sua voz enquanto ela observava Lexa colocar sua bolsa em seu ombro e seu celular no seu bolso. – Você acredita nisso, não é? Me diga que você acredita que nada disso é culpa sua.

Lexa olhou para Clarke por cima do ombro, levou alguns segundos antes dela concordar. – Sim.

Clarke não parecia ter comprado a mentira da morena, balançando a cabeça levemente e abrindo a boca para dizer alguma coisa. Algo que Lexa sabia que não queria ouvir, por isso interrompeu a loira antes que ela pudesse falar.

- Eu realmente tenho que ir – Clarke tinha a expressão de quem queria continuar a discutir, mas decidiu desistir, ela balançou a cabeça em concordância e Lexa deu um rápido sorriso para a Loira, bicando seus lábios antes de se afastar. – Eu vou te ver em breve.

- Não se esqueça da mensagem – Clarke avisou enquanto Lexa saia do quarto.

--

Felizmente, quando ela chegou em casa seu Pai parecia estar mais calmo ou simplesmente não estava tão irritado como Lincoln tinha dito, porque ele ignorou ela completamente quando ela chegou em casa. Ela passou toda a viagem de carro se preparando emocionalmente para gritos e ofensas, mas seu Pai mal tirou os olhos de seu Notebook quando ela chegou, a morena mal tinha notado o ar de alivio que deixou o seu peito.

 Ela realmente não poderia viver assim por muito mais tempo.

 

 


Notas Finais


Ces repararam quantas vezes a Clórk perguntou se a Lex estava bem?? e.e

desculpem os erros, besos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...