História League of Legends - (Hentai Games) - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias League Of Legends
Personagens Akali, Caitlyn, Darius, Draven, Garen, Irelia, Karma, Katarina, Kennen, LeBlanc, Lux, Miss Fortune, Poppy, Shen, Singed, Swain, Syndra, Talon, Vel'Koz, Vi, Zed
Tags Caitlyn, Hentai, Hentai Games, Ionia, Katarina, League Of Legends, Lol, Noxus, Piltover, Shen, Tentaculos, Zed
Exibições 190
Palavras 5.512
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Romance e Novela, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


E finalmente, aí está a parte 2 do capítulo 40.
Demorei um pouco, mas Ok, saiu, aleluia.
Quero nem imaginar o que vou acabar inventando para o capítulo 50 :p

E, nesse capítulo, será feita a decisão do tema do capítulo 45.
Como vocês bem sabem, esse é chegou pegou. PRIMEIRO COMENTÁRIO AÍ EMBAIXO ESCOLHE O TEMA DO CAPÍTULO 45, QUALQUER QUE SEJA, PULANDO TODA A LISTA! Então, até lá ;)

Capítulo 11 - A Guerra (40) - Pt.2


Fanfic / Fanfiction League of Legends - (Hentai Games) - Capítulo 11 - A Guerra (40) - Pt.2

Os portões caíram com a enxurrada de soldados que se bateram contra ele. Darius corria na linha de frente, gritando, seu machado pesado dizimando os soldados Ionianos que entravam em seu caminho. As forças conjuntas de Noxus e Zaun fluíram em uníssono para dentro da cidade, espalhando caos e destruição. Katarina é um rastro rubro, arremessando adagas para todos os lados, vendo os inimigos caírem em seu caminho, movendo-se como uma dançarina mortal.

Do lado de Ionia, Irellia esperava. Com um movimento de mão ela enviou seus mais fieis guerreiros para combate, para lutar por seu país. Akali saltou para os telhados junto a Shen, Master Yi e Lee Sin correram para parar o máximo possível de tropas inimigas. E ela apenas esperou, parada naquele gazebo, observando as coisas se desenrolarem, gritando ordens para todos. Eles precisam pelo menos segurar Noxus até o momento certo.

Dr. Mundo ria, deliciando-se no combate. Ele deixava que os Ionianos contassem sua carne enquanto ele esmagava seus crânios com suas próprias mãos, fortalecendo-se com a dor. O titã roxo de quase três metros de altura levava um cutelo enferrujado, com o qual abria cortes mortais através das leves armaduras Ionianas.

Talon afastou-se do conflito principal, indo para longe de tudo. Cada soldado Ioniano que cruzava seu caminho ele despachava rapidamente, com um peso na alma. Ele nunca se importara com as vitímas de seus assassinatos, mas aquela guerra o afetava. Ele queria acabar com aquilo o mais rápido possível.

Zed avançava com os Noxianos, matando seus antigos companheiros. Era a vingança pela quão ele tanto esperava, o pagamento por seu aprisionamento e humilhação. Mas diferente dos outros, ele tinha um alvo especifico. E quando seu olhar localizou Zed sobre um telhado, prestes a se jogar no combate, ele sorriu empolgado. Ali estava seu querido Shen. Lançou uma sombra para lá, decidido em acabar com a vida daquele maravilhoso homem.

Darius levantou seu machado, pingando de sangue. Mas ao dar um passo extra para frente, ele viu seu caminho impedido. Um homem se mantinha ereto a sua frente, com uma katana que brilhava com uma luz esverdeada, e com uma máscara cheia de pequenas lentes. Ele parecia decidido, em paz, quase num estado de meditação.

- Afaste-se invasor – Fala Mestre Yi, sua voz aparentemente sem emoções, em paz com sigo mesmo. – Ionia já sofreu demais.

- Há, é a sua vez de cair agora – Responde agressivamente Darius, levantando seu machado e correndo contra o homem. Yi se torna quase que um vulto, correndo rapidamente de um lado a outro, cortando com sua lâmina afiada, desviando dos golpes de Darius. O general Noxiano arfa, sentindo alguns leves cortes em seu corpo, onde a armadura era mais fraca. Sangue escorria de suas axilas. Ele olhou para Yi, que parecia ter um sorriso de escárnio formado no rosto.

- AHhhhhH! – Gritou Darius, correndo contra ele, empunhando o machado em duas mãos. Yi novamente correu em volta dele, espetando como uma vespa, rápido e constante, desviando dos ataques pesados do homem, afastando-se entre as tropas. Darius se cansava daquilo, seu corpo fraquejando. Yi era rápido demais para ele. E quando o samurai deu mais um passo para trás, Darius lançou seu machado.

Yi desviou do golpe, mas Darius sorriu. A traseira do machado prendeu-se no tornozelo do homem, puxando-o em sua direção. O terror tomou conta do rosto de Mestre Yi quando ele foi puxado. Rapidamente, Darius girou o machado ao redor do corpo, fazendo um corte profundo no corpo do homem. E com um grito alucinado, ele saltou ao redor, levantando seu machado acima da cabeça e enterrando no ombro do homem. Alinhando seu corpo, Darius viu o estrago no chão, o corpo desmembrado de Yi jazendo sem vida. Ele sorriu, e olhou para frente, encarando Irellia, avançando lentamente, sangue pingando de seu machado. A mulher franziu a testa, entristecida. Yi lutara valentemente por Ionia. Agora era a vez dela. Com um movimento de mão, suas lâminas voaram para trás dela, e a governanta de Ionia se lançou contra Darius.

 

XXXXX

 

- Agora! – Grita Garen, guiando os reforços Demacianos para a traseira das tropas inimigas. Garen corre contra a maior parte das tropas para os portões de Ionia, enquanto Poppy e Kennen fazem outro caminho, o ninja relampejando na frente, mais rápido que a Yordle em armadura pesado. Ele corre para dentro do acampamento Noxiano, decidido a acabar com qualquer recurso que eles tenham, destruir as linhas de suporte. Mas ao entrar no acampamento inimigo, ele se dá de cara com uma mulher ruiva, vestida como uma vadia, com um chapéu de pirata em sua cabeça, e duas grandes pistolas em sua mão. Ela sorri para o Yordle.

- Procurando algumas coisa, querido?

- Saia do caminho! – Grita Kennen, arremessando alguns shuriken contra ela, imbuídos de eletricidade. A pirata é rápida, rolando para o lado, abrindo fogo contra o Yordle, que deixa a energia fluir por seu corpo para correr como uma esfera de energia. Poppy chega correndo, apontando o martelo para Sarah Fortune, que recua, encurralada.

- Mate ela! – Grita Kennen, e Poppy avança, tentando empurrá-la contra o chão. Mas antes dela tocar a pirata, ela se sente acertada por uma força monstruosa, a pancada no peito arremessando-a diversos metros para trás, rolando pela sujeira. Kennen para, atordoado. Miss Fortune ri, enquanto um grande monstro se levante de dentro de uma tenda, com roupas de mergulhador, levando uma enorme âncora, com a qual acertou Poppy.

- Eu não sou estúpido, seu ratinhos – Ri a pirata – Eu nunca venho para combate sem suporte!

Kennen trinca os dentes e corre em direção a eles, disparando eletricidade.

 

XXXXX

 

Akali recuava assustada, observando seus companheiros serem dizimados pelas forças Noxianas. Ela lutava no maior templo restante da cidade, protegendo seu solo sagrado dos invasores, mas apenas manchando aquelas paredes seculares de sangue. Por mais soldados que ela derrubasse, eles continuavam a fluir pelas portas, e a jovem ninja e seus poucos aliados eram forçados a recuar mais e mais.

Akali saltou para frente, girando suas lâminas, derrubando dois soldados aos seus pés, sem vida, e virou-se para encarar a entrada. Durante esse movimento, ela sentiu um impacto que quase arrancou sua perna, derrubando-a ao chão. O machado que a atingiu retornou às mãos do atacante, e ela viu o carrasco Noxiano aproximar-se com um sorriso no rosto.

- Ora, ora – Ele ri, seu bigode se movendo junto a ele, suas armas sempre girando – Sorte grande. – Ele arremessa um machado num ninja Ioniano que salta em direção a ele, chovendo sangue sobre a sala, derrubando o corpo imóvel no chão antes do machado realizar uma rotação aérea completa e voltar a sua mão. – Fico feliz em encontra-la, belezura.

Draven arremessa seu machado contra Akali, que rapidamente rola para o lado, tendo um pouco de seu cabelo cortado de tão próximo que foi o golpe. Ela salta para trás, desviando de um segundo rápido ataque, Draven não parando com a barragem de ataques. Ela mancava, sua perna sangrando pelo primeiro golpe, tendo dificuldades em se mover, em permanecer viva. Recuando cada vez mais, Akali se viu de costas a parede do templo, assustada. Se ela partisse pro ataque, seria esquartejada pelos machados. Olhou ao redor, buscando uma saída, mas não via nada.

Draven riu, e arremessou o machado em sua cabeça. Akali se jogou em uma esquiva inútil, sabendo que o segundo golpe a acertaria definitivamente, e olhou para a frente, esperando a morte. E, tão surpresa quanto ele, viu sangue escorrer da barriga do carrasco quanto Talon surgiu atrás do aliado. Draven caiu de joelhos, confuso e ferido, enquanto o homem correu para o lado de Akali, passando o braço dela sobre seus ombros.

- Talon... – Ela suspirou.

- Chega. Vamos embora daqui – Falou o Noxiano seco e ríspido, enfurecido com a guerra, cansado daquilo. – Chega. – Ele arrastou Akali para longe, tentando tirar seu amor de próximo do perigo.

- TRAIDOR – Gritou Draven, cuspindo no chão, segurando seu ferimento. – TRAIDOR! – E Talon correu, com aquelas palavras ecoando em sua mente.

 

XXXXX

 

Ambos sabiam que deviam estar lutando, que deviam estar participando da guerra que se desenrolava a sua volta, que deveriam estar derramando sangue dos seus inimigos, mas eles realmente não se importavam. Katarina sabia que haviam ganhado, e Garen não se importava o suficiente com Ionia. E ambos tinham tão poucas chances de se encontrar. Por isso eles se escondiam atrás de uma abandonada casa Ioniana, em uma ruela deserta, onde Katarina se apoiava contra a parede de tijolos alaranjados, bunda apontando para trás, calças abaixadas, lambendo os beiços. E Garen estava logo atrás dela, penetrando-a com força, usando apenas a parte superior de sua armadura, apertando com força a cintura dela, deixando que seu membro colossal ocupasse a deliciosa boceta dela.

Aquela não era a primeira vez que se encontraram em campo. Não era a segunda. Não era nem mesmo a quinta. Ambos se lembravam perfeitamente bem da primeira vez, quando ambos ainda eram novatos em seus trabalhos, que passaram horas lutando, nenhum capaz de sobrepujar o outro, apenas para levarem esse combate para a cama, ambos completamente sedentos pelo outro, perdidamente atraídos. Katarina não sabia o que a interessava tanto naquele idiota e gigante guerreiro Demaciano, mas não havia sensação melhor que ser fodida por ele. Então, por mais que eles tentassem se matar de vez em quando, sempre acabava em sexo. Daquela vez, eles nem mesmo tentaram lutar. Foi apenas uma troca rápida de olhares, um sorriso ao perceber a presença um do outro, e correr até um lugar relativamente privado.

Katarina gemeu quando Garen golpeou sua bunda, fechando os olhos em prazer. Um pouco de gozo já escorria por seus pernas torneadas, seus joelhos tremendo pela pressão posta sobre ela. Garen então a virou, apertando aquele corpo feminino entre a parede e sua gigantesca armadura, beijando-a furiosamente. Katarina levanta sua perna, deixando que o monstruoso pau do cavaleiro voltasse a deslizar para dentro dela, quente e melado, deliciosamente pulsando.

Pelo canto de olho, ela viu um soldado Noxiano cruzar a esquina, reparando nos dois fodendo atrás da casa, e parando confuso, olhando atordoado. Katarina, mesmo tomada pelo titã chamado Garen, tirou seus braços dos sedosos cabelos dele para pegar uma adaga e arremessar contra o pescoço de seu subordinado, que caiu morto imediatamente ao chão. Garen riu, lambendo o pescoço da ruiva. Katarina tremeu com o toque, sem se importar com a vida que acabara de ceifar, até um pouco mais excitada quanto a isso.

Eles mal falavam, exceto gemidos apaixonados. Sinceramente, eles quase nunca conversavam nas poucas vezes que se encontravam, seu relacionamento focado apenas no selvagem e no prazer. Ambos sabiam que eram inimigos, e nenhum queria deixar de ser, não precisavam falar. Precisavam apenas foder. Katarina mordia e puxava os lábios dele, tendo seu corpo esmagado pela enorme armadura brilhante do homem, um pouco suja de sangue. Seu suor escorria por seu corpo, graças a todo combate anterior e a excitação atual. Seus pés quase não tocavam o chão, suspensa contra a parede. E a cada estocada do homem, ele parecia ir mais fundo, tomando sua intimidade para ele, penetrando-a e devastando-a, pulsando dentro dela, sincronizado com as contrações do corpo da mulher, ambos como um único organismo, ligados instintivamente.

Katarina apoiou suas pernas contra o corpo do homem, empurrando-o para trás, quebrando a conexão. Ambos se encararam por alguns segundos, arfando de bocas abertas, os cabelos ruivos dela completamente bagunçados, os lábios dele marcados pelas mordidas. E ela corre, saltando ao colo dele, agarrada pelos fortes braços do homem, deslizando para o membro dele, gritando ao sentir aquilo enchê-la tão profundamente, como se quase tocasse seu útero.

Garen caiu de costas no chão, graças à força com que Kat se jogou sobre ele, o estrondo de sua armadura sendo ouvida a distância. Ele riu, esperando que ninguém fosse atraído por aquele som. Sua mente rapidamente imaginou como Poppy e Kennen se saiam, mas ele realmente não se importava muito. Aquilo já estava perdido. Ele que aproveitasse enquanto durasse. Aproveitasse que aquela deliciosa ruiva montava sobre ele, cavalgando em seu membro, o rosto tomado por um selvagem sorriso de prazer enlouquecido, seus olhos brilhando em pura diversão.

Eles apenas continuaram, olhos nos olhos, Garen deixando que ela fizesse o trabalho, mãos acariciando o corpo dela, enquanto ela quicava enlouquecida, ainda usando seu top de couro. Eles não tinham muito tempo, não precisam se despir completamente. O homem sentia falta da visão daqueles formosos seios, mas aproveitava mesmo assim. Katarina riu, puxando uma faca que ainda escondia em algum lugar, raspando a lâmina gelada no pouco do membro do homem que não jazia dentro de si. Garen gemeu ao sentir aquele metal frio em contato com sua intimidade.

- Eu poderia acabar contigo agora mesmo... – Arfa ele entre um par de gemidos, sua vagina completamente encharcada.

- Você jamais faria isso... – Garen sorri, dando uma piscadela – Você gosta demais de mim... Ohh, Kat... Ahhnnn...

- Haha. Verdade. – Ela deixa a adaga cair ao seu lado ao chão, curvando-se para juntar os lábios do homem ao seu. – Então vamos garotão, acabe comigo! Vai! Precisamos voltar antes que deem falta de nós... Ahnn...!

- Há, sem dúvidas – Garen segura o quadril dela, forçando-a a aumentar o ritmo, a pular ainda mais rápido em seu ereto e pulsante pau, sua boceta já bem adaptada aquele tamanho, cada vez mais úmida. Ela gritou, e ele sentiu a intimidade dela se enchendo de gozo, esquentando mais seu membro, acelerando sua profusão excitada. Era a hora.

- DEMACIAAAAA! – Ele gritou como sempre fazia, jorrando seu quente sêmen para dentro dela, atirando tudo lá dentro, para o delírio luxurioso da assassina, que esbugalha os olhos, tomada por ele. Ela mal se importa com o grito típico daquele cavaleiro delicioso, mesmo que seja o nome de seu inimigo. Tudo que ela sentia era aquele grudento líquido pastoso enchendo-a e deliciando-a, saciando todos seus desejos carnais, até então ainda acessos. Ela nunca se sentia tão completa como quanto tinha o duro pau dele dentro dela.

Parte do sêmen escorreu para for de sua vagina enquanto ela se levantava, pingando no corpo de Garen. Eles sorriram um para o outro, enquanto vestiam novamente suas calças. Como na maioria das vezes, eles não trocaram palavras. O que mais gostavam de ouvir um do outro eram gemidos de prazer. Com um simples sorriso travesso, eles se separaram. De volta à carnificina.

 

XXXXX

 

- Como você ousou? – Grunhiu Zed sobre os telhados, encarando Shen após um acirrado combate entre ambos, os dois suados e feridos, lutando para se manter em pé. – COMO VOCÊ OUSOU?!

- EU? – Shen quase ri, sangue escorrendo por sua máscara rasgada – Quem foi que abriu os portões de Ionia para Noxus?

- Só depois que você quebrou minha confiança – O ninja das sombras range seus dentes – Nós tínhamos algo rolando Shen. Nós tínhamos um futuro, algo. E você jogou tudo fora na primeira ordem de Irelia!

- NÃO TINHAMOS NADA! Você matou meu mestre, traiu nossa ordem! TRAIU IONIA! TRAIU A SEUS COMPANHEIROS! KENNEN, AKALI, EU!

- Pfff. Era necessário para o futuro. PARA NOS PROTEGERMOS DISSO! – Zed aponta para a guerra que seguia abaixo deles – TUDO SERIA DIFERENTE SE VOCÊ TIVESSE SE UNIDO A MIM!

- TUDO SERIA DIFERENTE SE VOCÊ NÃO FOSSE UM TRAIDOR CORRUPTO – Grita Shen, exasperado. – Mas chega. Não mais. Chegou sua hora, traidor.

- Você não conseguiria.

E ambos os ninjas se jogaram um contra o outro, com o sol se pondo no horizonte. Eles cruzaram um com o outro, suas lâminas tocando a carne do oponente, despedindo-se de sua amizade, ambos sabendo que era a última vez que eles se veriam, que falariam. E no fim, os dois pararam. E um caiu, sangrando e morrendo.

Shen cambaleou para frente, ouvindo o último grito moribundo do ninja das sombras. Tinha acabado. E ele não sabia como se sentir. Confuso, o ninja andou para o horizonte.

 

XXXXX

 

- ACABOU! – Exclama Darius, seu machado monstruoso mais uma vez colidindo com as lâminas de Irelia, ambos comandantes se enfrentando em campo – Vocês não tem como resistir. Renda-se mulher. Prometo que seremos gentis – Ele sorri, macabro.

Irelia apenas ri, irredenta, girando suas múltiplas lâminas ao redor do corpo em uma dança mortal, movimento que desmembraria qualquer homem. Darius é acertado, recuando um passo ferido, mas ele não se abala. Toda aquela morte e sangue pareciam curar o homem, que se alimentava com a dor dos outros, que ficava mais forte com cada gota rubra derramada.

E ela sabia que ele não estava errado. Seus soldados caiam, seus prédios queimavam, Noxus avançava. Ela sabia que não havia mais saída, que ela teria que puxar o gatilho. Olhando para Darius, ela mantém sua expressão fechada, misteriosa, suor e sangue manchando sua pele.

- Muito bem. – Ela diz, ligeiramente abaixando suas lâminas, formando um sorriso no rosto do homem – Você pediu por isso.

E com um estrondo, um antigo templo é arremessado para os céus, silenciando o campo de batalha. Todos se viraram, encarando o ponto negro que flutuava nos céus, acendendo dos escombros, com diversas esferas negras girando ao seu redor, brilhando com uma aura arroxeada.

- Não... – Sussurra Darius, encarando a mulher nos céus.

- Vocês nos forçaram – Ri Irellia – Acho que é adequado que todos morramos juntos.

Darius olhou para os lados, buscando alguém que pudesse parar a mulher. Seus assassinos tinham sumido, seu irmão não estava em vista, não havia ninguém de relevância, exceto Dr. Mundo que massacrava soldados inocente. Ele segurou seu machado, e preparou-se para correr em direção a grande maga que flutuava nos céus, mas Irelia bloqueou seu caminho, provocativa.

- MUNDO! – Ele grita, atraindo a atenção do Zaunita roxo – AQUI! AJUDA!

O homem monstruoso entendeu, língua de fora, arremessando seu cutelo em direção a líder Ioniana. Irelia bloqueou o golpe, mas foi obrigada a recuar quando mundo veio correndo na direção dela, enlouquecido, em investida. Ela não tinha o que fazer além de recuar daquele titã de carne, sabendo que seria destruída se ficasse entre ele e Darius.

E enquanto Irelia começava a ganhar vantagem, cortando e rasgando a carne do Zaunita, Darius correu em direção daquela que ele sabia ser Syndra. Muitos de seus espiões haviam contado sobre aquela mulher, e ele sabia da chance dela acabar sendo usada. Ele só torcia para sua ideia dar certo.

Ele sabia que não seria fácil atrair a atenção da soberana negra, que fazia chover morte sobre o campo, levitando e dilacerando soldados, envolvendo-os com sua energia roxa, arremessando esferas negras para todo lado. O general Noxiano arrombou uma casa relativamente alta, correndo escadas acima, até finalmente chegar ao telhado. Lá em embaixo, ele ainda via Irelia ocupada com Mundo, que parecia curar-se dos cortes tão rápido quanto ela os fazia.

- SYNDRA! – Ele grita do telhado, atraindo a atenção da mulher – EU VIM PARA BARGANHAR!

- O que você quer?! – A voz dela é seca, mas tomada pelo ódio, talvez um pouco enlouquecida.

- Lhe oferecer liberdade, minha senhora. Você já foi usada por muito tempo por todos que a cercam. Você merece muito mais.

Syndra deixa suas defesas diminuírem um pouco, lentamente se aproximando do homem, flutuando diretamente em frente dele, sobre aquele telhado vazio, olhando nos olhos do general. Os olhos da mulher brilhavam com uma quase cegante luz roxa. Ela vestia um apertado corpete roxo, que realmente não escondia muito de seu corpo curvilíneo.

- O que você está sugerindo, general?

- Chame-me de Darius. Ionia tenta controlar você. A senhorita não quer ser livre? Tomar aquilo que quiser? Deixar seu poder livre? Em Noxus ninguém irá querer lhe conter. Tudo que você quiser será seu.

- Isso parece tentador. – Ela sorri, imaginando as possibilidades – E o que eu precisaria fazer?

- Apenas esperar – Darius percebe que influenciava a mulher – E observar todos aqueles que tentaram lhe conter perecerem a seus pés.

Syndra sorri, seus longos cabelos brancos balançando atrás de seu corpo até sua cintura. – Parece tentador, Darius. Mas você diz que eu posso ter tudo que eu quiser?

- Tudo.

Syndra estala os dedos, e a armadura do general explode, seus pedaços se espalhando pelo teto, seu corpo musculoso e arranhado completamente exposto. Syndra lambe os lábios.

- Sabe, após tantos anos presa em monastérios entediantes, existe algo que eu realmente necessito...

Darius não precisava ouvir mais nada. Ele puxou a soberana negra pela cintura, fazendo seus pés tocarem o chão, enrolando a pequena língua dela com a sua. Ele sabia que seu corpo estava suado e ferido, mas ela parecia não se importar, até mais excitada pelo seu odor másculo.

Syndra o empurrou para trás, ainda em seus braços, colidindo contra parte da parede da casa, e a dizimando. Os dois entraram violentamente na casa mal mobiliada, trocando beijos e carícias, os braços fortes de Darius apertando o corpo da mulher de um jeito que ela nunca sentira antes.

O homem a derrubou no chão, vorazmente rasgando seu corpete, abrindo-o ao meio com suas mãos fortes. Ela gemeu quando ele apertou seus dois médios peitos, com força, um com o outro, e começou a chupá-los. Seus mamilos ficaram imediatamente duros dentro da boca dele, primeiro o direito, depois o esquerdo, enquanto ele alternava constantemente, sempre os espremendo. A saliva escoria pelos dois, deixando-os oleosos, quase reluzentes.

- Deixe-me... Deixe-me tocar... – Ela geme, surpreendentemente tímida no momento. Syndra sonhara tanto por seu momento de se libertar para a vida lasciva, e ela mal sabia o que fazer agora – No seu... Instrumento...

Darius riu, saindo de cima dela. Syndra tinha um corpo maravilhoso, com pele escura, seios bem redondos, cintura fininha. Colocando-se em pé, ele ajudou a mulher a se ajoelhar, e aproximou seu pau do rosto dela, já começando a endurecer.

- Todo seu, minha cara. Eu lhe prometi qualquer coisa. – Os olhos roxos de Syndra pareceram brilhar ainda mais, em antecipação. Primeiro ela o tocou, envolvendo suas mãos ao redor dele, apalpando-o, movendo para frente e para trás. Darius sorriu com os movimentos inexperientes.

- Isso é tão grande... – Ela comenta, ainda vendo-o crescer, sentindo as veias contra sua mão – Acho que nunca vai caber dentro de mim...

- Pode ter certeza que vamos dar um jeito. Agora, porque você não tenta usar sua boca? Pelo que eu vi você é realmente boa com bolas. Vamos ver se isso transfere para cá – Ele ri.

Syndra passa sua língua pela extensão do membro de Darius, começando por baixo, e subindo. Ela continua, beijando e lambendo. Eventualmente, ela coloca a pontinha dentro de sua boca, chupando com vontade, enquanto suas mãos apertando os testículos do homem, com uma cruel força, pressionando suas compridas unhas contra o saco dele. Darius geme com a dor, mas aquilo apenas o excita mais, seu membro já totalmente ereto.

- Isso... – Ele deixa o gemido escapar – Vai mais fundo, Syndra...

Ela se força, fechando os olhos, forçando o máximo que conseguiu do pau dele para dentro de sua boca, sentindo aquilo quase tocar sua garganta, engasgando e tossindo, recuando rápido. Darius ri enquanto ela tosse, vendo a saliva pingando de seu pau. – Você vai pegar o tempo com o jeito.

- Podemos começar de verdade? – Ela se levanta, deixando o resto de suas roupas caírem ao chão. Darius repara imediatamente na pequena pelugem branca sobre a intimidade dela, pequena e encaracoladinha. – Já esperei anos demais para ser finalmente saciada.

Darius a deita no chão, fazendo-a abrir suas belas pernas, passando uns bons segundos admirando seus delicados pés, até beijando um deles. Syndra apenas espera, tocando um de seus seios, girando o dedo ao redor do mamilo babado pelo homem, sentindo sua boceta se encharcar apenas na expectativa. O homem segurou o pau em sua mão, sentindo-o pulsar, respirou fundo e, delicadamente, começou a forçá-lo para dentro dela.

- YAaaaaahhhh!!! – Grita Syndra a plenos pulmões ao sentir a grande cabeça se forçar para dentro dela, devastando-a, tendo dificuldades para entrar naquela tão apertada cavidade. Darius sorri, seus olhinhos brilhando, não se lembrando de sua última relação com alguém tão maravilhosamente apertada, a vagina virgem de Syndra lutando para ter espaço para seu membro. Alguns dos cacheados pelos intímos dela raspavam no corpo de seu membro, enviando calafrios por seu corpo.

- Oh, Darius, Oh senhor. – Ela geme rapidamente, mãos agora firmemente apoiadas no chão – Ahhh... Ahhh... – Os gemidos vão ficando mais lentos, mais contidos, enquanto Darius dá tempo dela se acostumar, não empurrando mais fundo. – Oh, como isso é bom. – Ela ri, um grande sorriso se formando em seu rosto quase sempre estoico.

- Posso ir mais?

- Uhum – Ela confirma com a cabeça, focada nos olhos dele.

Darius segura os dois calcanhares dela, levantando suas pernas, e lentamente empurra seu quadril para frente, forçando seu pau para o apertado interior da garota, as paredes tão úmidas que ele conseguia deslizar para frente, sentindo a forte pressão em si. Ele geme, ela grita, enlouquecida, sentindo o que nunca sentira.

- AAAAAHHHH!!! – Ela berra, levantando seu corpo e abraçando Darius, inadvertidamente empurrando o pau dele ainda um pouco mais fundo dela. Um pouquinho mais da metade já havia penetrado sua boceta, e cada milímetro a mais seria deliciosamente doloroso. Mas ela já não aguentava muito mais, apoiando sua testa no rosto do homem, gozando enlouquecidamente e urinando um pouco, não conseguindo segurar. Os líquidos escorrem pelo membro e pernas do homem, quente.

Eles se desconectam, trocando beijos, distribuindo carícias. Darius jamais imaginaria a soberana negra tão trêmula em seus braços. Ele sentia a respiração pesada dela contra o peito dele, os tenros seios apertados contra seus músculos peitorais. Os cabelos dela raspavam contra sua pele, excitando-o.

- Então?

- Então? – Ela ri – Se é isso que eu ganho por estar ao seu lado, eu com certeza estou ao seu lado. Foda-se Ionia. Eu encontrei a diversão.

Darius sorriu. Ele vencera a guerra, mas não era isso que o empolgava. Ele conseguira algo muito mais importante.

 

XXXXX

 

Acabou, pensa Kennen e Poppy, correndo para longe. Ionia queimava atrás deles. Não havia como eles fazerem nada, nem mesmo sendo capaz de destruir o acampamento Noxiano. Miss Fortune e Nautilus os obrigaram a recuar. Os dois Yordles se encararam, decepcionados. Kennen não tinha mais ideia do que fazer. Colocando seu braço sobre os ombros de Poppy, ambos seguiram caminho de volta para Demacia.

A alguns quilômetros de distancia, Talon e Akali corriam por uma floresta, em direção ao desconhecido. Ionia estava queimada e Talon havia traído seu povo, mas eles não se importavam mais. Ambos estavam juntos, destinados a seguir a direção do vento. O futuro ainda poderia ser muito bom, se o passado fosse deixado para trás.

 

XXXXX

 

- O quê? – Pergunta Katarina, atordoada.

- Talon atacou meu irmão. Ele está na enfermaria nesse momento – Conta Darius, sentado num dos poucos templos ainda de pé em Ionia, ocupando um trono improvisado. Ele se sentia surpreendentemente confortável em um trono. Talvez tivesse nascido para isso. Sentada no braço de sua cadeira, agora vestida com as cores de Noxus, Syndra sorria. Esses últimos dias foram perfeitos para ela. A soberana negra mal podia esperar para novamente arrastar Darius para o quarto e arrancar suas roupas. – Ele precisa ser encontrado por isso. Você vai atrás dele, Katarina, e trazê-lo de volta. Vivo ou morto.

- Mas porque ele faria isso? Não faz sentido algum! – Katarina se sentia um pouco traída, tendo confiado em Talon.

- Talvez você consiga as resposta que deseja dele. Mas ele precisa ser encontrado.

- Muito bem. Me porei a caminho. – Com uma desrespeitosa curvatura, Katarina deixa a sala, determinada a conseguir respostas de Talon.

- Sarah – Ele vira sua atenção para a rainha dos piratas, que se apoiava contra a parede. – Você sabe o quão grato Noxus está com sua ajuda. Mais importante, o quão grato eu estou. Espero que nossa relação possa continuar tão proveitosa quanto vem sendo.

- O prazer é meu, querido. O lucro que saqueamos desse lugar é o suficiente para me deixar muito feliz.

- Além disso, temos um presente para você. – Com um aceno, um par de soldados entra na sala, arrastando Karma. A sacerdotisa se encontrava praticamente nua, com apenas um pedaço de pano verde cobrindo sua intimidade, seus seios balançando soltos. Suas mãos iam amarradas atrás do corpo, e uma coleira se prendia apertada em seu pescoço. Os dois soldados a forçam até em frente de Mf, chutando suas pernas, obrigando-a a ajoelhar. – Eu sei o quanto você aprecia levar alguém de volta para casa. Singed nos fez o favor de enviar a sacerdotisa deles após ele trabalhar nos templos.

Sarah Fortune sorri, empolgada. Vel’Koz teria trabalho quanto eles chegassem. – Alguma chance de me dar Irelia também? Sempre tive uma quedinha por quebrar mulheres como ela.

- Infelizmente, Irelia pereceu em combate. Sinto muito.

- Tudo bem – ri Sarah, circulando Karma, examinando-a – Essa vai servir muito bem. Darius, você é o melhor. – Ela lança uma piscadela divertida antes de deixar a sala, levando seu novo brinquedo atrás de si.

Sozinhos na sala, Syndra beija a lateral da cabeça de Darius, mordendo delicadamente sua orelha. – Porque você não deu Irelia para a pirata?

- Irelia é nossa, minha querida. Temos muito que fazer com ela ainda. – Darius se vira, segurando o queixo da garota, olhando-a nos peculiares olhos roxos. – Nós temos muito trabalho pela frente.

- Temos Ionia! O que mais você almeja, Dah? – Ele sorri ao ouvir o apelido carinhoso, sentindo que possui aquela maga incrível em suas mãos.

- Noxus apodrece. É hora de mostrarmos para o maldito Swain quem realmente manda. Está disposta a controlar a melhor cidade do mundo ao meu lado? – Era óbvio que ela estava.

 

XXXXX

 

Jericho Swain sorria, sentado em seu trono. A sua frente, Lux gritava, cercada por guardas noxianos. Ela se deitava sobre um deles, sua bundinha bem aberta, com um segundo penetrando em seu cu. Seu cabelo loiro era uma bagunça, pingando de gozo, completamente bagunçado. Completamente nua, ela era obrigada a chupar um terceiro pau, lágrimas escorrendo por seu rosto. E haviam muitos outros soldados na fila, simplesmente esperando. Eles teriam uma tarde bem movimentada. Swain já sentia uma ereção se formando abaixo de seu longo manto. Logo a jovem Luxanna estaria pronta para ser dele.

- Swain – Ele se assusta, ao ouvir a sedutora voz de LeBlanc ao seu lado, virando-se rápido – Desculpe interromper sua brincadeira.

- O que você está fazendo aqui, LeBlanc? – Swain desvia seu olhar para a cena a sua frente, onde um soldado acabava de sair de cima da garota loira, esperma vazando de dentro do destruído cuzinho dela. Um próximo se aproximava, membro já ereto em mãos, sorriso perverso no rosto. – Você sabe que não gosto de ser incomodado sem aviso prévio.

- Darius tomou Ionia. Irelia morreu, ele tem controle de tudo. Não tivemos problemas.

- Isso é bom.

- Não é, Jericho. Singed me mandou outras informações. Darius tem Syndra a seu lado, e mantém Irelia presa. Dr. Mundo tem certeza que ela vive. E Darius agora é adorado pelas tropas, é um herói. Ele com certeza vai tentar agir contra nós.

- PARA FORA DAQUI! – Grita Swain, socando o braço de sua cadeira. A maioria se vira assustado para o seu líder, um deles gozando se surpresa no rosto da pequena garota, que guincha atemorizada. – LEVEM A PUTA PARA A CELA! FORA, FORA! – Grunhindo em descontentamento, os soldados arrastam o corpo mole e triste de Lux para longe, deixando a sala, um a um. Quando sozinhos, Jericho se virou para sua conselheira, ódio brilhando em seus olhos.

- Como ele ousa, Evaine? Nós demos tudo que ele tem. O homem é um imbecil.

- Ele sempre foi claro que não gosta de nós. Eu só não esperava uma revolta tão cedo. Sorte nossa que Singed é leal a nós.

- Evaine, Evaine, isso é ruim. Se ele tem Syndra ao seu lado, isso é um problema. Se ele tentar o apoio de Demacia contra nós, vai dar tudo errado em nossos planos.

- Não vai acontecer, querido. Demacia não vai se unir a ele, pode deixar isso comigo. – Os olhos da enganadora brilham, empolgada. – Nós temos como impedir qualquer coisa que ele jogue.

- Mas não pode ser público. O povo o ama. E, sinceramente, não são meus maiores fãs.

- Talvez se você parasse com suas sessões de estupro isso melhorasse alguns olhares para você. Jericho, você sabe como boatos correm. O povo na rua tem medo de você.

- Bom que tenha. E o que eu posso fazer, Evaine? Eu também sou um homem. Preciso me divertir às vezes.

- Você poderia simplesmente me procurar...

- Evaine querida, você sabe que eu te adoro. Mas nós deixamos isso para trás a muito tempo, certo? Vamos manter assim. É melhor para nós ambos.

- Certo – Responde LeBlanc, não totalmente convencida. – A questão é, Darius vai agir. E não sabemos se Bilgewater estará com ele ou conosco. Também não sabemos da localização de Katarina. Precisamos fazer algo.

- Muito bem então – Sorri Jericho Swain – Vamos fazer algo.

 


Notas Finais


Mais guerra que Hentai, mas foi isso que vocês pediram ao votar nesse tema, haha.
E, como eu prometi, pessoas morreram =D
Ainda estou imaginando o que fazer se alguém pedir um hentai com Zed '-'
Novamente, deixem seus pedidos abaixo. Se o seu for o primeiro, ele será, OBRIGATORIAMENTE, o capítulo 45, logo depois da orgia de Sonic e do (finalmente) segundo cap. de diabolik lover's.
Abaixo vai a lista de pedidos, e vossa rainha dos Hentais logo retornará, com menos guerra e mais sexisu, prometo.


Sonic x Amy x Tails x Cream
Yui x Ayato
May x Drew
Reiji x Yui
Nath x Castiel x Docete
Docete x Rosalya
Elena Fisher x Sully
Homem de Ferro x Ms. Marvel
Batgirl x Asa Noturna
Vampira x Deadpool
Ravena x Robbin
Wolverine × Mística
Naruto x Ahri
Estelar x Robbin
Ashe x Sejuani
Tidus x Yuna
Master Chef x Cortana
Tidus x Lulu Pt.2
Ash x Dawn
Tifa x Cloud Pt.2
Max x Warren
Vergil x Kat
Neji x Hinata
Alphys x Undyne
Illaoi x Karma
Erza Escarlet x Jellal
Pantera Negra x Viúva negra
Blanche x Candela
Rengar x Nidalee
Marinett x Andrien x Nathaniel
Elsa x Jack Frost
Yui x Subaru
Lightning x Noctis
Red x Yellow x Blue x Green x Ruby x Sapphire x Gold x Crystal X Silver x Diamond x Pearl x Platinum x Black x White
Jake x Sherry
Riven x Yasuo
Leon x Ada
Laito x Yui
Brock x Enfermeira Joy
Castiel x Rosa x Docete X Alexi X Kentin x Nath
Connor x Aveline
Dandellion x Calloneta
Kitana x Milena x Sonya
Caitlyn x Vi x Karma
Docete x Faraize
Kennen x Poppy Pt.2
D.Va x Tracer
Ekko x Jinx
Chris x Jill
Nathaniel x Ambre
Kanato x Yui
Mutano x Terra x Ravena
Vincent x Yuffie Pt.2
Dake x Docete
Teemo x Tristana
Sans x Toriel
Shiryu x Ikki x Saori
Docete x Lysandre
Ezarel x Guardiã
Katarina x Talon
Frisk x Chara
Docete x Dimitry
Docete x Dimitry x Rosa
Docete x Dimitry x Lysandre
Docete x Rosa x Castiel
Docete x Alexy
Docete x Armim
Docete x Leigh
Sans x Frisk
Docete x Dakota
Docete x Jade
Docete x Wenka
Docete x Charli
Nathan x Elena
Asgore x Toriel
Rosalya x Leigh
Feiticeira x Guerreiro


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...