História Legião de Heróis (Interativa) - Capítulo 8


Escrita por: ~ e ~MissFrost

Exibições 74
Palavras 4.250
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Romance e Novela, Saga, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá senhoras e senhores.
Por favor qualquer problema com esse capítulo, me desculpem. Escrevi ele hoje dentro de um ônibus voltando para minha residência após esse feriado.
Enfim... Colocarei um link de música nas notas finais e gostaria de esclarecê-los que tudo o que tiver entre < > é que está sendo pronunciado em outra língua.
E por favor!!!! Não me condenem pelo tamanho do capítulo T_T
Farei eles menores, mas não colocarei todos os personagens =/
Vou tentar fazer capítulos menores e lançar com maior frequência, espero conseguir me programar para isso!
Ahhh esqueci de falar... Ainda tem 3 vagas de herói para esse grupo (de preferência do sexo masculino), então se mais alguém quiser mandar ficha (ou tiver algum amigo interessado) fiquem a vontade, eu criei três personagens para completar, mas achei melhor dar essa oportunidade a vocês, no entanto preciso desses personagens rápido para já ir acrescentando nos próximos capítulos e eles serão meio que coadjuvantes, já vou avisando...
Agora chega né?! Qualquer outra coisa falo nos comentários...

Capítulo 8 - Segundo Ato: "Piloto"


Fanfic / Fanfiction Legião de Heróis (Interativa) - Capítulo 8 - Segundo Ato: "Piloto"

Terça, 14:00 PM – Nova York

A aula inaugural mencionada por Coulson era como uma enxurrada de regras, a maioria envolvendo traições, pelo visto o vazamento de informações foi algo que já acontecera e foi por isso que a Shield passou a fazer parte do CT, diminuindo a presença dos heróis. Outra das principais regras era envolvendo as missões e os horários, como nenhum aluno tinha a obrigação de viver no CT, era extremamente obrigatório que aquele que mora fora das instalações, não se envolva em investigações por conta própria e muito menos fora do horário permitido e não há nenhuma restrição a respeito da vida pessoal do aluno, desde que ele compareça a todas as aulas nos devidos horários. 

As apresentações chegaram ao fim e todos os cem membros do grupo Beta foram obrigados a se apresentar e mostrar suas habilidades tanto aos colegas quanto aos professores. Após as devidas apresentações os alunos da equipe Beta esperavam para a primeira aula de Táticas de Campo, esta era aula que todos mais gostavam, pois era lá que recebiam as missões e como poderiam proceder com elas.

Maggie Arkham sentara ao lado de Genji Shimada ambos partilhavam de uma intensa discussão à respeito do que estaria por vir.

- Bernard, um cara que conheci aqui, disse que geralmente eles escolhem uma pessoa para ser o representante da sala, das cem pessoas. – Maggie começou – Eu preciso ser essa representante, sério, não sou lá muito fã de receber ordens, principalmente se for de alguém arrogante.

- Sério? Não gostaria de ser representante de nada não... Sinceramente... Prefiro engolir alguns “sapos” do que ser responsável por outras pessoas. Se depender de votação, pode contar com meu voto. – Genji confessou – Sei que ter responsabilidade por outros faz parte do pacote, mas uma coisa é ser responsável em proteger inocentes, outra coisa é você ser responsável em levar um grupo de pessoas de encontro ao perigo...

- Faz sentido... Mas sei lá... Cuidei muito bem da minha irmã por muito tempo, ter essa responsabilidade sobre si te faz pensar no impossível toda hora, então meio que eu sempre faço isso... Sempre me preparo pro pior de forma que a mínima coisa boa se torna uma grande vitória... – Maggie se justificou.

- Prepare-se para a vida, não espere o pior. Espere coisas boas e elas virão! – Genji sentiu-se seu antigo mestre dizendo isso e arrependeu-se pelas palavras.

- Olha só o cara que não quer responsabilidade sobre os outros por esperar o pior! – Maggie provocou com seu sorriso cativante.

Um pouco mais adiante Alexander Brown ainda não se aproximara de ninguém, era um tanto tímido a primeiras aproximações, além do mais, sempre preferira observar as pessoas antes de qualquer interação, hábito que aprendeu da pior forma possível. Sua distração era tamanha que transformou um gentil e macio toque em seus ombros em um grande susto.

- Desculpa se o assustei. – Um belo jovem com uma aparência peculiar sorriu alegremente. – Me chamo Teseu Heronstern – Estendeu uma mão para cumprimenta-lo.

- Ah... que isso... – Alex ficou encabulado – Meu nome é Alexander... – Disse apertando a mão do rapaz rapidamente com um sorriso sem graça em seu rosto agora avermelhado.

- Alexander... Seu nome é muito sério... Posso te chamar de Alex? – Teseu perguntou ainda sorrindo.

- Acho Alex um pouco... íntimo. – Alex respondeu um tanto evasivo. Talvez a beleza de Teseu o incomodara, ou talvez apenas não estava afim de conversar, no fundo não se sentia confortável naquela situação, Teseu e outras pessoas o deixara inquieto naquela sala.

- Ok, então! Alexander – Achou engraçado a forma com que o rapaz ficara. – Sabia que eles escolhem uma pessoa para representar os cem do grupo?

- Não... não... eu sou novo aqui... – Alex respondeu um tanto sério, mas buscando demonstrar simpatia, apesar de seus sentimentos um tanto confusos.

- Pois é... Fizeram votação uma vez, pra mim não adianta... Tenho 17 anos, representantes tem que ter mais de 18...

- Bom, então pra mim também está furado. – Sorriu sem graça.

- Você tem menos de 18? – Perguntou surpreso e contente ao mesmo tempo.

- Tenho 17 também... – Alex respondeu seco, ambos tinham mais uma coisa em comum, além da beleza.

- Alexander... Acho que nós podemos ser bons amigos. – Teseu tentou ser o mais amistoso possível, apesar da indiferença do rapaz.

Ashena ainda recebia alguns olhares inquietos, mas isso não a incomodava mais, já sabia que nunca estaria sozinha e isso era a única coisa que lhe causa preocupações.

- Ashena! – Isaac Connor’s a cumprimentou.

- Olá Isaac Connor’s! – Ashena respondeu com gentileza – Antes de mais nada, quero que saiba que fiquei extremamente impressionada com suas habilidades de batalha!

- Bom saber! Pois quero que seja minha parceira de treinamento. Tenho certeza que ambos aproveitaremos igualmente – Isaac pela primeira vez demonstrou certa satisfação em conversar com alguém.

- Se tivermos essa oportunidade, será um prazer! – Ashena assentiu.

- O prazer será meu! Duvido que encontrarei alguém que me proporcione maior desafio, aqui no CT, do que você! Treinar ao seu lado vai me ajudar a evoluir muito. – Isaac admitiu.

- Fico lisonjeada, espero atingir suas expectativas e também espero evoluir muito! – Ashena disse em resposta – Não pegarei leve, mesmo você sendo o primeiro a ter me tratado como uma de vocês!

- Seria uma ofensa se pegasse leve comigo. E não te tratei como eles, pois não a considero como tal. Te tratei melhor, por que acho que você é melhor que muitos aqui.

- Somos iguais, Isaac Connor’s, com algumas diferenças físicas, mas no fundo, temos uma essência parecida. – Ashena sentiu-se triste, não queria ser tratada melhor e nem pior, queria ser tratada como igual, sempre pensou ser o coração do guerreiro algo mais importante que sua aparência ou convicções e todos ali eram guerreiros, então deveriam ser semelhantes.

- Não, Ashena. Agora, mais do que antes você provou que nem todos somos iguais.

Paul Bernstein já estava em um grande círculo com diversos admiradores, dos quatro que se apresentaram, foi ele quem recebera os maiores elogios da plateia. Alguns rapazes o admiravam em silêncio ou simplesmente ficavam ali na esperança de sentirem-se “inclusos” nas amizades do rapaz, dentre as moças, algumas o enalteciam futilmente, outras o provocava afim de chamar sua atenção e ainda tinha aquelas que se atiravam sem qualquer tipo de pudor. Apesar de não ser desses homens que prezam beleza e reconhecimento ao invés de conteúdo, Paul gostava daquela situação, pois facilitava sua vida na hora de selecionar as pessoas com as quais valeria a pena gastar tempo, infelizmente, para todos naquele círculo, nenhum deles foram selecionados.

- Chyort voz'mi – Kristýna resmungou algo como “porra” em russo e revirou os olhos com desdém ao ver a cena. A esse ponto a ruiva já havia espantado todos os seus fãs.

Paul deixou o círculo e se aproximou da jovem russa e sussurrou algo em russo.

- < Parece que o pessoal ficou admirado com minhas habilidades> - Deu um sorriso meio bobo - < Disse a eles que você é a única daqui que pode comprovar todas.> - Sorriu sacana ao ver a expressão da ruiva.

- < Vai a merda, Paul! Não envolve meu nome nas suas brincadeirinhas imbecis.> - O olhou com os flamejantes. - < Cuzão!>

- < Foi uma brincadeira, você precisa parar de levar as coisas tão a sério.> - Paul a olhou um tanto sem graça - < Você está deixando o inverno russo se aproximar, Kris... Por mais que eu goste do frio, ele tem um limite> - Deixou a jovem ali e mudou-se para um local mais à frente.

A jovem russa ficou sem graça, sem palavras, sem reagir ao homem que tanto admirara e que aos poucos perdia, malditos americanos, eles a afastavam de Paul cada vez mais.

- < Homens... As vezes eles são perfeitos babacas.> - Izabel Montgomery sentou-se ao lado de Kristýna tentando puxar assunto na língua de berço da russa.

Apesar de sentir-se confortável em conversar em russo com alguém, Kristýna deixou a jovem ali sem a responder, afinal sentira uma completa invasão de privacidade naquele momento.

A ruiva esbarrou em um jovem de cabelos compridos e resmungou um pedido de desculpas em russo. Pierry Taylor tentava se distrair e levava um conversa amistosa com o, um tanto estranho, Kenzo van Hellsing.

- Hey! Que bom que você passou na entrevista! – Pierry tentou afastar sua insatisfação com o sistema sendo amigável com Kenzo van Hellsing. – Eu disse que você ia bem!

- Valeu! Eu tava meio...

- Esquisito?! – O menino o cortou – Relaxa... Todo mundo tem uns negócio assim de vez em quando.

Caralho Kenzo! Você é chato demais, deixa eu fazer uns amigos pra você! Deixa principalmente eu pegar umas vadias pra você” – O “outro” disse olhando para algumas das moças do grupo. Kenzo o ignorou e tentou focar-se em Pierry – Pois é... Mas tá tudo legal agora. – Kenzo deu um leve sorriso.

- Espero que sim! – Pierry disse ainda tentado afastar sua desconforto. – O que ta achando até agora?

- Estou gostando! Tem um pessoal bem legal! – “Legal pra caralho, olha o quanto de vadia gostosa tem aqui pirralho”.

- Você vai ver, vai ficar beeem melhor! Tipo... a nível de porrada mesmo, os treinamentos são pra valer, não tem nada desse negócio de foi mal ou pega leve não. É sobrevivência na certa. – Pierry disse se lembrando do ano anterior.

- Sério? Então essa galera vai ter que tomar cuidado... Não costumo aliviar pra marmanjo nenhum hahahaha... – “Minha espada corta a barriga dos caras e fura as kenga, sacou né Kenzo? HAHAHAAHAHA”  Kenzo estremeceu, a risada do outro fora tão alta que pensou que havia perdido o controle.

- O que foi? – Pierry perguntou.

- Nada. – “Desde quando eu não sou nada?”

Uma linda jovem magricela cantarolava algumas canções há poucos metros dali, Cry Baby Pank, a morena de cabelos encaracolados, pele negra e profunda beleza, porém de raso juízo, que a esse ponto já terminara seus desenhos com giz de cera, permanecia estranhamente quieta em seu canto, não conversou com ninguém, apenas ficou ali cantarolando.

- Oi. – Uma jovem loira a cumprimentou educadamente e com um enorme sorriso.

- Oi. – Respondeu sem a mesma expressão.

- Meu nome é Ludimyla, entrei aqui no ano passado. – Disse receptiva. – Se quiser qualquer ajuda pode falar.

- Meu nome é Diana, também já sou veterana aqui, então qualquer coisa... – A jovem de cabelos tingidos disse com um tom forçado, mostrando que estava ali mais por obrigação com Ludimyla que por receptividade.

- Ok. – Respondeu sem dar atenção e voltou a cantarolar.

- Sério... Qualquer coisa... Nós podemos te ajudar, tem vários calouros perdidos aqui e a gente quer muito deixar o nosso grupo no topo e ganhar...

- Ta bom. Já entendi. – Cry Baby respondeu sem dar atenção e começou a mexer em seus belos cabelos caracolados.

- Garota, nós só queremos ajudar, se não tá afim, pelo menos poderia ser educada. – Diana tomou frente e partiu para a rispidez.

- Vocês querem me ajudar? Eu to de chica, me arruma um absorvente e faz essas cólicas do inferno voltar pro capeta de onde elas saíram. Aí sim eu vou sorrir e fazer tranças nos cabelos de vocês ou seja lá o que querem... – Cry Baby disse sem grosseria, apenas com seu tom de voz doentio como sempre, o que deixou as duas amigas sem reação.

Bernard já se ambientara com muitos ali, conversara com alguns jovens que reconhecera do ano anterior, conhecera alguns novos e também ajudou a pequena Anne a se ambientar no local. Apesar desse primeiro momento ser bem focado com muitos jovens adultos, Anne provara ser mais evoluída que muitos ali.

- Aposto que aquele cara está dando em cima da Mag. – Anne disse observando a irmã e Genji conversando pouco afastados.

- Você acha? – Bernard os olhou e não viu nada demais.

- Parece não ter nada rolando, tudo porque a Mag é desligada, até ela perceber alguma coisa... – Suspirou com um leve sorriso

- Hahaha bem perceptiva você hahaha – Bernard sorriu.

- Também acho. – Izabel Montgomery se intrometeu entre os dois. – Mas pelo que percebi, ele também não está lá tentando muito, apenas alguns flertes, tão leves e descontraídos que a sua irmã nem percebe... Mas, posteriormente, quando eles tiverem mais intimidade tudo vai fazer sentido pra ela, talvez a esse ponto ele até já tenha feito algum sentimento despertar dentro dela e então ele nem vai precisar se esforçar tanto pra fazer qualquer coisa. – Disse fingindo analisar a conversa, mas analisando a mente de Genji.

- Nossa... – Bernard disse com um sorriso que misturando espanto e vergonha pela falta de inibição da garota de falar aquilo na frente da menina de 10 anos. – Você é uma boa observadora...

- É... – Annastacia respondeu um tanto sem graça – Quem é você? – Foi direta.

- Izabel Montgomery, mas pode me chamar de Izzie. Adorei seus olhos. – Disse com um sincero elogio, mais porque ambas tinham os olhos verdes.

- Os seus também são bonitos... Nós três temos olhos verdes. – Disse com um falso sorriso, não gostara muito de Izzie, algo nela a incomodou, só não sabia o que.

- Haha é verdade! – Bernard concordou. Então... Srta Izabel, pelo visto é uma ótima observadora... O que mais viu de interessante nessas pessoas do grupo Beta? – Bernard tentou puxar assunto e se arrependeu instantaneamente da forma como o fez.

- Bem... A maioria é bem parecida uma com a outra, sempre querendo ser aceita ou ter muitos amigos, no geral todas se resumem a isso... Algumas se mantem distantes porque possuem segredos, outras porque querem sossego e outras porque enxergam isso aqui apenas como um local de passagem.

- E como você enxerga? – Bernard perguntou curioso.

- Um dia você descobre. – Piscou um olho para o rapaz e o deixou a sós com Anne.

Aos poucos alguns dos jovens iam se conhecendo, uns ficavam mais receptivos, outros menos, mas de um jeito ou de outro, a maioria acabou pelo menos sabendo quem era quem, isso em uma sala com cem pessoas já era uma tremenda evolução.

- Boa tarde, jovens heróis! – Uma jovem com traços orientais entrou na sala – Meu nome é Daisy Jhonson, mais conhecida como Tremor – Deu um sorriso discreto – Eu e meu parceiro Mack, podem chamar ele assim mesmo – Daisy tentara deixar o clima mais descontraído, afinal aqueles jovens eram a esperança de uma salvação e deixá-los tensos com a situação não ajudaria em nada – Nós dois seremos alguns dos mentores da Equipe Beta.

- Sem mais delongas... – Mack , um negro alto e muito forte, tomou frente -  Hoje faremos algo diferente aqui. Todas essas regras tem um motivo, mas a gente pode melhorar algumas coisas sem fugir do principal. – O enorme homem disse demonstrando que além de ter uma boa aparência, também tinha boa vontade para treiná-los.

- Para facilitar a coordenação da equipe e as táticas no campo, faremos diferente dos outros anos. – Daisy voltou a falar – Nós os separamos em cinco grupos com 20 membros, cada grupo terá um líder na semana que será responsável por designar as missões secundárias, as missões de campo e a missão principal.

- O líder também deve garantir a união da equipe, deve conhecê-los bem, garantir o bem estar e o respeito mútuo entre todos. – Mack andava de um lado ao outro da sala - Além dessas obrigações, o líder também tem a função de garantir o andamento de todas as missões, pode optar se vai a campo ou não e deve montar as estratégias da missão, claro que isso vocês aprenderão em breve nas aulas teóricas.

- Os grupos já foram separados e nomeados em Beta 1 a 5. – Daisy pareceu prender a respiração por um tempo. – Nessa tela mostraremos a divisão e o nome em destaque será o líder.

- Lembrando que o líder já começa a atuar hoje e logo após essa aula, vocês serão levados até uma sala de treinamento, onde o líder não participará, apenas irá observar sua equipe. – Mack ressaltou e logo em seguida sorriu – Vamos aos nomes então?!

Foi um breve momento de tensão, quando os nomes foram distribuídos, algumas pessoas soltaram suspiros de insatisfação e outras gritaram felizes, talvez fora Genji o único a não esboçar nada. Não que não sentia nada, seu coração ainda estava em chamas com a euforia, mas... o que ele iria fazer com tantos estranhos? Pensou que seriam treinos isolados e só se uniriam depois...

Grupo Beta 2:

...
4- Bernardo Ezequiel Pounce
5 - Ashena S’Caryes
6 - Genji Shimada
7 - Diana Jackson
8 - Paul Kazimiersz Bernstein

...
 

“Merda!” – Genji Shimada, primeiro líder do grupo Beta 2 olhava fixamente seu nome destacado diante dos outros.

 ***

Passaram-se algumas horas, Genji recebeu as congratulações do grupo, mas no fundo não se sentiu nenhum pouco contente com a notícia. Como declarara anteriormente, não gostaria de ser responsável por ninguém.

Já se aproximava das 18 horas quando seu grupo foi designado para o treinamento. Genji teria de analisar todos os membros da sua equipe, sua sorte seria que receberia uma cópia do vídeo com a gravação da batalha para uma posterior análise. No outro dia teria de entregar à Daisy ou Mack os nomes e as respectivas missões dos membros do grupo e ainda precisaria bolar uma estratégia muito boa para conquistar seus novos parceiros.

“Droga... Eu queria estar lá.” – Genji pensou enquanto observava os participantes do treino adentrarem a sala.

A Sala de Treinamento era um amplo cômodo sem muitos adornos. O chão e as paredes eram metálicas e possuíam diversas saídas de maquinário, tanto para armamentos quanto para outros objetos, como barras para algum tipo de acrobacia e etc.... A tecnologia utilizada nessa sala era semelhante à utilizada na apresentação, porém possuía menor espaço.

O seu time esperava o início da simulação, um grande monitor mostrava o rosto de cada um dos participantes e um placar abaixo da imagem. Pelas regras, sempre que um participante fosse eliminado sua imagem ficaria em preto e branco e uma equipe de máquinas fariam o seu resgate.

Genji suava à espera da sirene que daria início ao treino, torceu para que tudo fosse tranquilo, de forma que após aquela simulação, não houvesse muito o que discutir com ninguém.

A sirene tocou e diversos robôs Ultron surgiram em grande quantidade. Maggie estava aliviada que Anne não participaria desse treinamento, afinal para uma garotinha de 10 anos aquilo era demais, Pierry, por sua vez, fez total questão de participar do treino, seria ali que provaria a todos que idade não indica eficiência.

 °°°Música do link nas notas finais°°°

Com a intenção de acabar sozinho com todos os Ultrons, Pierry correu o mais rápido possível. Atingiu sua maior velocidade e derrubou vários robôs com apenas um piscar de olhos. Apesar de sentir uma leve dor ao bater nos inimigos, Pierry continuou, foram diversos chutes e murros em alta velocidade, antes de desfragmentarem, era possível ver o metal dos robôs altamente danificado. Apesar da grande eficiência, Pierry já estava muito cansado.

Alexander Brown sentiu-se intimidado, não poderia usar suas habilidades contra robôs e pegaria mal utilizá-las em seus colegas de equipe para protegê-lo, então teria de os enfrentar no mano a mano. – “Isso é injusto” – Pensou um tanto emburrado. – “Como isso vai me avaliar se as condições não favorecem todo mundo por igual?”

Alex, o Narciso, não era um lutador muito hábil de forma que mal pode se defender dos atacantes e rapidamente foi eliminado. Igualmente a Izabel, apesar da loira ter um imenso poder de telecinese, a jovem ainda desconhece esse potencial e torna-se eficaz apenas com sua telepatia, assim só conseguiu desviar alguns inimigos até ser desclassificada.

Ludimylla fora outra que não obtivera muito sucesso, com a habilidade de tornar objetos em seres animados, a jovem acabou ficando limitada, pois para ativar suas habilidades, teria de tocar no objeto e os únicos ali eram os dos robôs e a cada tentativa de aproximação era repelida.

Teseu Heronstern, um jovem rapaz de apenas 17 anos levitou-se até possuir uma ampla visão dos inimigos, então utilizando sua telecinese, levantou dezenas de robôs e os arremessou uns contra os outros causando uma enorme explosão. Seus cabelos levitavam graciosamente, seus olhos permaneciam fixos em seus alvos e o rapaz não demonstrava nenhum tipo de expressão, não sorria, não sentia fadiga, nada. Movia seus dedos como se manipulasse marionetes e a cada movimento, por mais leve que fosse, diversos robôs ou se batiam ou simplesmente eram destruídos.

Kenzo va Hellsing vestiu sua armadura que, quando usou da primeira vez, lhe conferiu sua segunda personalidade. Era uma armadura de samurai vermelha com detalhes dourados com uma cabeça de dragão desenhada no tronco. Era tão intimidadora quanto seus oponentes e sua kusarigama deixava tudo pior. A kusarigama é uma foice que possui um pequeno cabo onde se prende uma das extremidades de uma corrente, na outra há um peso o qual pode ser utilizado tanto para imobilizar o adversário quanto para ataca-lo. Kenzo decepava diversos robôs Ultron com sua arma, de forma que nem se importou em utilizar sua espada, mal parecia o rapaz calmo que se apresentou mais cedo.

Kristýna também fora limitada pelos robôs, mas não deixara isso a abater, junto de Paul a ruiva utilizava todo o seu armamento contra as criaturas, em batalha, o casal se esquece completamente de seus descontentamentos e passam a agir como uma só mente. Paul conjurava seus feitiços arcanos e de sua mão lançava diversas esferas negras que ao atingir um ultron, logo se espalhava para os mais próximos e os desligavam. O rapaz guardava as costas da namorada e ela as dele, apesar de não possuir poderes, Kristýna utilizava bastões carregados com energia elétrica que causavam curto-circuito nos adversários.

Isaac Connor’s, apesar de humano e com força limitada contra os inimigos, sabia muito bem como lidar com a situação. Dessa vez não se importava com quantidade de inimigos derrotados, mas sim na sua resistência, dosava a força que gastava nos golpes, procurava não se mover muito e aproveitava todos os ataques dos robôs para ou contra-atacar ou fazê-los atacar entre si.

Diana Jackson, uma meta-humana com habilidades de manipulação de energia elétrica, liberava diversas esferas de raios contra os inimigos, geralmente causava um curto-circuito ou então os sobrecarregavam até causar a explosão. Ela era uma das únicas que demonstrava se divertir com todo aquele caos de robôs.

Bernard utilizava suas barreiras de energia com perícia, mas sempre se desconcentrava com algo, seja com os próprios inimigos ou seja com sua equipe. Não conseguia trabalhar direito sabendo que alguém ali corria perigo, mesmo que fosse o mínimo possível.

Maggie Arkham parecia outra pessoa, apesar de não utilizar seu dom do ilusionismo, a garota ainda tinha sua telecinese, mas não a usava como Teseu. Maggie atacava seus inimigos com ódio e buscava um a um. Seus belos cabelos cacheados levitavam até a altura de seu ombro e seus olhos concentravam-se em seus inimigos, mantinha seus braços levemente abertos em suas laterais e seus passos eram curtos e cautelosos. Qualquer ultron que se aproximava acabava sendo amassado como se fosse uma folha de papel.

Cry Baby Pank se divertia a cada ataque que fazia. A jovem conjurava uma esfera colorida em suas mãos e dessa fazia se transformar em dezenas de outras para então lançá-las em seus inimigos. Tudo ocorria como se fosse em um sorteio, alguns dos robôs ultron encolhiam até o tamanho de uma formiga, outros paravam de funcionar, tinha aqueles que acabavam vestidos com uma roupa feminina e também outros um tanto mais... perturbadores... Eram com esses que Cry Baby mais se divertia, alguns dos robôs passavam a adquirir características humanas e então passavam a serem destruídos tecido por tecido, primeiro a epiderme, seguidos da derme, então ia pro tecido muscular e daí explodiam em uma imensa bomba de sangue.

Dimitrio Refield assim como Izzie e Alex, não era tão hábil para lidar com robôs e mal pode apresentar o quão poderia ser eficiente ao líder Genji.

Haviam outros componentes do grupo, no entanto Genji mal os percebeu, havia ainda uma pessoa que ofuscava todos os 18 participantes do treino, Ashena S’Carye mostrou que nunca havia sido exibida ou lhe faltava modéstia, a Yautja era uma excelente guerreira, provou a todos ali que tamanho e peso para ela não influía em sua velocidade e havia levado apenas seu bastão retrátil, o que foi suficiente para receber a maior pontuação dentre os participantes.

Ashena corria dentre os robôs e os atacava ferozmente, arremessava ultrons uns contra os outros, perfurava a rígida carapaça dos inimigos com seu bastão e os jogava ao encontro de outro. Contra alguns, aproveitava o impulso que tinha no momento e arrancava suas cabeças ou braços, qualquer parte que teria acesso no momento. Quando girava seu bastão era certeza que iria dizimar ao menos uma dúzia de oponentes, às vezes girava-o e o lançava a incríveis trezentos metros e destroçava qualquer oponente em seu caminho. A Yautja, ao correr até seu bastão levava a desfragmentação ao menos uns dez inimigos, todos eles eram destruídos de alguma forma, seja por arrancar membros, ou com seus arremessos ou com a própria força bruta, quando Ashena abriu a “cabeça” de um dos oponentes forçando sua “boca”.

Para Genji aquilo tudo fora já o necessário, não precisaria de mais nada, aquilo foi o suficiente para sua fatídica decisão, agora restava esperar o que seus “parceiros” iriam achar das suas escolhas.


Notas Finais


*Música: https://www.youtube.com/watch?v=Y9dijhg9-4o

Personagens:

*Daisy Jhonson: http://d.christiantoday.com/en/full/49451/chloe-bennet-as-daisy-johnson-aka-skye.jpg?w=760&h=380&l=50&t=40

*Mack: http://www.hdwallpapers.in/thumbs/henry_simmons_agents_of_shield-t2.jpg

* Genji Shimada: https://encrypted-tbn0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRVB4F9S-E_neKzbK2xXLSfOQPwO1Z8KetSsvUHg0uv1jIxFC_L

* Maggie Johansson Arkham: http://images.8tracks.com/cover/i/010/136/968/Ruby-once-upon-a-time-35300348-500-625-1990.png?rect=0,62,500,500&q=98&fm=jpg&fit=max&w=320&h=320

* Anastácia Johansson Arkham: https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/originals/2b/7f/cd/2b7fcd5635a94b736aec15ff9fcf784b.jpg

* Pierry Taylor: https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/originals/49/2c/66/492c66265e1a03054178e710a620b690.png

* Isaac Connor's: https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/564x/79/ee/d2/79eed29978ae3f207dbdc8a77747d203.jpg

*Ashena: https://spiritfanfics.com/perfil/camicinel/jornal/ashena-6598769

* Alexander Brown: https://br.pinterest.com/explore/logan-lerman/

* Cry Baby Prank: http://www.polyvore.com/cgi/img-thing?.out=jpg&size=l&tid=116354129

* Kenzo vom Hellsing: https://lawliet.files.wordpress.com/2006/12/death_note_5_1.jpg

* Diana Jackson -> Não colocou photoplayer

* Izabel Montgomery: https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/236x/6c/ac/eb/6caceb21a52b42e7526c29d56ce2ef66.jpg

* Teseu Heronstern: http://67.media.tumblr.com/621a516a9494f7fabff31d0c7a49d69e/tumblr_nnxnl3YUua1rswbc3o1_1280.jpg

* Bernard Pounce: http://iv1.lisimg.com/image/9870819/540full-matthew-daddario.jpg

* Paul Kazimiersz Bernstein: http://prnt.sc/cpit2h

* Kristýna Zavátsky: http://prntscr.com/cph3y0

* Ludymilla Marcely Giovanna Cosme: http://s1093.photobucket.com/user/atmosferaglamour/media/ATMG2/new6_zps22070d90.jpg.html

* Dimitrio Redfield: https://falaleonardo.files.wordpress.com/2012/04/foto.jpg


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...