História Leis do Destino - Camren - Capítulo 60


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Ally Brook, Camila Cabello, Camren, Dinah Jane, Fifth Harmony, Lauren Jauregui, Normani Kordei
Visualizações 215
Palavras 3.760
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Escolar, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 60 - Ameaças


O semestre apertado chegou ao fim. Era julho, período de férias escolares. Com muito custo, Camila deixou a capital para visitar os pais no interior, já que tinha vinte dias de recesso antes no novo semestre. Prometeu retornar em dez dias para cumprir seus planos com Lauren e viajarem para o litoral , onde a morena faria um trabalho para um catálogo de moda verão.

Ano de eleições há muito tempo eram tempos de tortura para Lauren. O poder político de seu pai em Boston era sua principal lembrança da infância, quando ela nasceu seu pai assumiu seu primeiro mandato nacional. O imperador do gado não se contentou em ser apenas o homem mais rico do estado, usou do seu suposto amor pela região para conquistar destaque na bancada ruralista, os seus feitos e métodos escusos para provar e estender seu poder no seu curral eleitoral e pelos diversos setores do governo se propagavam pelos corredores do congresso e do senado, além de ser eventualmente abafados quando um jornalista mais sério tentava divulgar.

Naquele ano, o senador Michael Jauregui tinha outro plano. Lançara-se candidato a prefeito de Boston, ambicionando em dois anos concorrer ao governo do Estado. O filho mais velho tentava seu terceiro mandato para vereador, assim, a família Jauregui se concentrava mais uma vez na maratona das urnas. Lauren nunca se envolvia, mesmo com os protestos veementes do pai e as constantes ameaças de cortar benefícios caso a filha caçula não ajudasse nas campanhas. O máximo que o pai conseguia da fotógrafa era sua promessa de não protagonizar escândalos, não dar margem para macular a honra da família exigindo comportamento exemplar longe dos holofotes da imprensa.

No entanto, aquele ano prometia ser diferente. Lauren não era mais uma estudante anônima, seu nome no meio fashion já a tirara dessa condição, especialmente pela presença frequente da fotógrafa em festas badaladas de lançamentos de revistas e desfiles. Por esse motivo, as agências de publicidade especializadas em marketing político encontraram na vida da filha caçula do senador Michael um prato cheio para incitar fofocas, especulações, minando a imagem de família tradicional do maior nome do Partido Social Cristão da Família.

A postura ultraconservadora do partido do senador Michael, o fazia um dos maiores defensores dos “valores morais cristãos”, tais valores eram vendidos como aqueles que protegem a família de males como: as drogas, a violência, a prostituição e o homossexualismo. Assim, expor a filha do senador como uma lésbica assumida era um ponto importante para atacar sua campanha.

Durante os dias que Camila estava com os pais, Lauren fora assediada por diversos meios por repórteres, fotógrafos, indagando especialmente fatos sobre sua sexualidade e envolvimento com top models e atrizes. Não precisou grande esforço por parte desses profissionais para encontrar alguma testemunha, ou ainda, alguma modelo atriz querendo mídia gratuita para surgir como uma ex-namorada de Lauren.

Com isso, Lauren viu sua vida ser transformada em um inferno. De um lado estava a conhecida impressa marrom distorcendo, reinventando, mentindo fatos e eventos, manipulando frases e imagens, pintando Lauren como uma lésbica predadora. Do outro lado, estava a pressão massacrante de seu pai e seus irmãos, especialmente Douglas, o mais velho, também político, cobrando satisfações e seu prometido comportamento exemplar.


– Você vai vir para Boston hoje mesmo Lauren! – Douglas berrava ao telefone.


– Ah jura? O que te faz acreditar que você tem algum poder sobre mim? Maninho eu não sou um dos seus assessores corruptos, não te devo nada, não tenho nada a fazer em Boston, estou com uma agenda lotada de compromissos profissionais.


– Compromissos profissionais? Você chama de profissão viver em festas beijando mulher, soltando flashes no seu brinquedinho caro?


– Bela descrição você absorveu sobre o que tem sido minha carreira como fotógrafa hein?


– Lauren pouco me interessa com quem você transa! Se você quer viver nessa sujeira, nessa safadeza, por mim não ligo, desde que você não leve a minha carreira e do papai pra lama junto com você!


– Não que isso te interesse ou faça diferença para você, mas o que estão divulgando é mentira! Não sou essa promíscua que estão pintando! Sim, eu gosto de mulher, mas, atualmente só de uma, com a qual estou namorando há meses.


– Você tem razão, isso não me interessa nem faz a menor diferença para mim. Se você não quiser que o papai dê o jeito dele nessa situação, trate de vir para Boston hoje mesmo!


Lauren não levou a sério as ameaças do irmão. O que realmente a incomodava era Camila se machucar com as fofocas ardilosas e falsas que se espalhavam pela mídia a respeito dela.


A preocupação da loira tinha fundamento, tão logo Camila tomou conhecimento das notícias vinculadas, tratou de cobrar explicações da namorada.


– Você quer me dizer o que está acontecendo Lauren?


– Oi meu amor, saudades também…


– Lauren não me enrola!


– Camz isso se chama política. Estão querendo atacar meu pai através de mim. Tudo isso é fruto da sujeira que se faz na vida das pessoas pra respingar nos outros..
.

– Quer dizer que você nunca ficou com aquela modelo esquelética, a Alexia?


– Com ela eu fiquei… Mas, estávamos separadas amor…


– E com aquela adolescente enjoada da novela, a Monique não sei de que?


– Merda, também fiquei, mas ela é maior de idade!


– Porra Lauren! Precisava passar o rodo? Ficar se esfregando, passando a mão em todas que chegassem perto?


Camila desabafou esmurrando sua cama.


– Meu amor, não foi nada sério com nenhuma. Estão exagerando, as fotos foram manipuladas, eu não estive em metade dos lugares que alegam que estive, posso provar isso.


– Sabe o que pior nisso tudo? Eu vim para cá com o intuito de dizer a verdade para meus pais, que estamos morando juntas, que nos amamos, mas agora levo meu tempo defendendo você, tentando fazê-los acreditar que você não é má influência para mim.


– Meu amor desculpe-me… Eu não poderia supor que isso fosse acontecer. Meu irmão está quase usando meu fígado como patê no café da manhã, tenho repórteres na minha cola o dia todo, não sabe o inferno que está sendo, e ainda mais com saudades de você.


– Não tente me sensibilizar… – Camila disse se desarmando.


– Ao menos você estando aí está protegida desses abutres. Mas me sinto tão sozinha aqui enfrentando tudo isso…


– Você não está sozinha, logo estarei ao seu lado para enfrentarmos isso.


A volta de Camila para Nova Iorque não representou calmaria para o conturbado momento de Lauren. A tal viagem para o nordeste foi cancelada, a agência não viu com bons olhos o escândalo que a fotógrafa estava envolvida. Os últimos dias de férias do casal foram praticamente em prisão domiciliar.

Em uma das raras vezes que Lauren saiu preferiu fazê-lo sozinha para resolver assuntos profissionais, para evitar expor Camila, e exatamente nessa ocasião, recebeu a desagradável visita do seu sogro: o senador Michael Jauregui.


– Não vai me convidar para entrar?


O homem alto, com traços fortes, perguntou altivo. Camila nervosa e pálida engoliu seco e apenas abriu passagem para o sogro adentrar.


– A Lauren não está.


Camila falou com a voz trêmula enquanto o senador observava o apartamento.


– Eu sei. Por isso estou aqui, desejava falar a sós com você.


– Co-co-comigo?


– Não vejo outra pessoa nessa sala.


A característica grosseira da personalidade de Michael se apresentava a Camila.


– Você é mais bonita do que eu esperava. Imagino que você é uma moça inteligente, afinal é uma das melhores alunas do seu curso atualmente, e veja só, está investindo em um partidão que é a minha filha!


Camila permaneceu muda, ainda atordoada com aquela visita, e apavorada com os objetivos desta.


– O que o senhor quer comigo?


– Muito simples: quero que suma da vida de minha filha.


– O quê? – Camila exclamou arregalando os olhos.


– Isso mesmo que ouviu. Suma da vida da minha filha, por sua própria vontade, antes que eu providencie um estímulo para que isso aconteça.


– O senhor está me ameaçando?


– Não sou homem de ameaças, sou homem de ação. Estou apenas te concedendo uma chance de não se comprometer.


O tom ditatorial de Michael e suas ameaças implícitas irritaram Camila, movida por sua personalidade forte e seu sentimento por Lauren a menina cresceu esquecendo a intimidação que aquela visita representava e respondeu:


– Não me comprometer? Senador, eu quero lhe informar que é tarde para o senhor me falar isso. Já estou comprometida. Comprometida com sua filha, com o que sinto por ela, com nossos planos de vida juntas, e nem mesmo o senhor com todo poder que esbanja vai me dissuadir a sumir da vida dela.


– Você não sabe brincar com fogo mocinha, acha que pode mesmo me enfrentar?


– Não estou brincando senador. Nem muito menos é meu desejo enfrentar o senhor. A única coisa que quero é viver em paz com sua filha.


– Você tem noção do que mais essa moda da Lauren está me custando? Está me arrancando uma prefeitura, meu prestígio nacional, minha posição no partido!


– Moda?


– Porra, é mais uma moda dela pra me atacar, pra chamar minha atenção, mais uma rebeldia dela. Desde criança ela faz isso, vivia entrando em seitas estranhas, se vestia como uma maluca só pra manter a pose de menina revoltada, inventou de ser fotógrafa, depois DJ, depois inventou essa moda de ser… De gostar de mulher!


– O senhor se julga mesmo o centro do universo hein? E conhece muito mal sua filha.

 

– Não admito esse tom comigo!


– Com todo o respeito senhor, eu é que não admito que o senhor venha aqui me dizer o que eu tenho ou não que fazer. Sendo assim, se era isso que o senhor tinha a me dizer, faça o favor de se retirar.


– Como ousa? Esse apartamento é meu! – O homem berrou.


Camila disfarçou o constrangimento por ter ousado expulsar o senador de uma propriedade sua, e respondeu firme:


– Sendo assim, saio eu. Boa tarde, senador Michael.


– Não me deixe falando sozinho! Você se arrependerá desse desplante!


Segurando a porta Camila retrucou:


– Mais uma coisa senador: sua filha é mesmo um partidão, concordo com o senhor. … uma mulher linda, generosa, determinada, divertida, talentosa, sensível, apaixonante. A melhor companhia para uma vida toda. Tudo que ela não herdou do senhor, e essa a única herança dela que me interessa.


Camila bateu a porta do apartamento, e só no elevador a resposta orgânica da descarga de adrenalina no seu corpo se manifestou em todas as suas faces. A tensão era tamanha a ponto de sentir todos os seus músculos doerem, e depois rememorando aquele diálogo calculou o peso que a ira do senador poderia ter na sua vida e na vida de Lauren. Meia hora depois de caminhar pelo bairro, Camila recebeu com alivio a chamada da namorada no celular.


– Amor onde você está?


– Aqui perto do prédio.


– E essa vozinha? O que houve?


– Uma visita inesperada que recebi hoje à tarde?


– Sua menstruação veio antes do dia?


Camila deixou escapar uma risada.


– Quem me dera meu amor que nossos problemas fossem meu ciclo menstrual…


– Está me preocupando Camz… O que foi?


– Seu pai esteve lá em casa há pouco tempo, aliás, ainda deve estar lá.


– Meu pai?! Será que ele está escondido? Estou em casa e não tem vestígios dele aqui…


–Não duvido.


Camila brincou.


– Venha para casa amor. Quero saber o que aconteceu.


Camila narrou o desagradável diálogo que teve com seu sogro. Finalizando com uma declaração tímida:


– E por fim, expulsei seu pai do apartamento que é dele.


– Dele?


– Foi o que ele falou, aliás, gritou enfurecido.


– Amor esse apartamento é meu. Minha mãe passou para meu nome há dois anos, mas, acho que ela se esqueceu de comunicar isso a ele. – Lauren brincou.


– O que você acha que ele pode fazer contra mim? Contra nós?


– Tenho até medo de imaginar o que meu pai é capaz de fazer em nome do poder dele…


– Ai meu Deus!


Camila levou as mãos à cabeça, despertando a instinto protetor de Lauren, que puxou a cabeça da namorada para seu colo e tentou tranquilizá-la:


– Sou a filha dele Camila. Por mais cruel e inescrupuloso que ele seja não vai fazer nada tão drástico assim. Nem mesmo contra você, ao contrário, quando eu pedi, ele interviu para lhe proteger não se lembra?


– Unrrum.


– O máximo que ele pode fazer é cortar minha mesada, e se isso acontecer podemos nos manter. Tudo que estou ganhando com os trabalhos estou guardando, temos uma boa reserva.


– Mas amor, esse dinheiro é para seus cursos de fotografia no exterior…


– Meu amor acha mesmo que torro tudo que meus pais me mandam? Além do mais, tenho o carro, vale uma fortuna, posso vendê-lo para pagar nossos custos em Nova York.


– Nossos?


– Claro! Acha que vou te deixar meses aqui sozinha? Acha que vou sobreviver? Pior, acha que sou burra de deixar você solta pra esse monte de marmanjo e sapa tentarem te roubar de mim? Trate de tirar logo seu passaporte!


– Meu amor…


Camila segurou as lágrimas emocionadas.


– Além do mais, você tem a ajuda dos seus pais, tem a bolsa de iniciação científica, não vai nos faltar nada, confie em mim.


A declaração segura de Lauren acalmou Camila, no entanto, a morena escondeu a aflição que lhe tomava, formulando mil hipóteses sobre como seu pai poderia punir Camila por enfrentá-lo e principalmente pelo que sua relação com ela se configurava na campanha eleitoral do pai. Ligou para a mãe quando a namorada adormeceu, e as duas compartilharam a preocupação pela reação do senador nos próximos dias.

A primeira atitude de Michael foi solicitar de seus assessores uma investigação minuciosa acerca de Camila e sua família. Ordenou uma devassa até mesmo na vida financeira do senhor Alejandro, conseguiu quebra de sigilo telefônico e bancário, não havia limite para seu objetivo de ter armas suficientes para separar definitivamente a menina do interior da sua filha caçula.

A proximidade das eleições acentuou a briga acirrada entre o principal concorrente de Michael à prefeitura de Boston. Para o desconforto de Lauren, os fatos divulgados especialmente sobre sua sexualidade foram cruciais para a perda de muitos pontos do pai nas pesquisas de intenção de voto. A continuidade da relação com Camila acabou por envolvê-la também nos escândalos, chegando aos ouvidos da sua família no interior.

Camila não negou os fatos quando o senhor Alejandro a interpelou no telefone. A decepção dos seus pais feriu profundamente a latina, que ouviu deles palavras ressentidas em meio a lágrimas. Lauren lhe consolou, garantindo que um dia seus pais aceitariam que aquela reação era natural, eles precisavam de tempo para absorver a novidade.

A aparente passividade de Michael diante do fato que lhe custava aquela eleição acalmou Camila que inocente acreditava que o sogro nada faria contra a filha e sua namorada, mas Lauren conhecendo o pai estava apreensiva, aguardando que a qualquer momento o pai ressurgisse com sua sordidez, lançando mão de algum de seus métodos escusos para promover uma reviravolta no quadro daquela campanha.

Como a fotógrafa previa, a 15 dias das eleições, o senador surpreende a filha chegando ao escritório de prática jurídica da universidade, como sempre, cercado de assessores e seguranças.


– Olá minha querida.


Ao reconhecer a voz, Lauren nem se deu ao trabalho de volver seu corpo para confirmar de quem se tratava apenas se preparou para mais um embate com o pai. Sabia o que aquela visita representava.


– Olá papai.


– Não mereço nem um abraço?


Lauren caminhou sem empolgação e abraçou o pai.


– Tem algum lugar aqui para conversamos a sós?


O preceptor de Lauren embasbacado com a visita ilustre se precipitou:


– Claro senhor senador, pode usar meu escritório.


Acostumado a exercer a “simpatia política”, Michael agradeceu a gentileza do professor e seguiu com Lauren para o lugar indicado.


– Então papai, apesar de esperar por algum tempo essa visita, estou curiosa pela demora dela, o que houve?


– Primeiro de tudo: senti saudades. Nem mesmo foi nos visitar nas férias…


– Estava trabalhando, além do mais, a mamãe veio ficar comigo uns dias, ir para Boston em plena campanha política do senhor não faz de lá o melhor programa para as férias.


– Melhor programa é acabar com essa campanha quebrando o nosso trato de você ficar longe de escândalos e dos holofotes da imprensa não é?


Michael mudou o tom de voz deixando evidente sua irritação.


– Pai isso não foi intencional. Metade do foi divulgado é exagero, a outra metade não passa de mentira, boatos plantados, testemunhas de má índole…


– Lauren você sabe muito bem que deu munição para esses ataques, pouco importa nesse ramo o teor de verdade, e sim o estrago que essas noticias fazem e o estardalhaço que você provocou pode me custar muito caro!


– Ok pai então o que o senhor espera que eu faça para digamos, consertar isso? Acha que pode mudar o que sou? Acha que pode simplesmente esconder “a sujeira em baixo do tapete” me empurrando para o armário? Acha mesmo que isso vai mudar seu resultado nas eleições?


– Quero que você aja como membro dessa família ao menos uma vez na vida!


– Agir como uma Jauregui para o senhor é exatamente o quê? Chantagear? Extorquir? Corromper? Mentir? Ameaçar? Usurpar dinheiro público? Ou quem sabe entrar em algum grupo de extermínio de grileiros ou de sem-terra?


– Ora cale-se Lauren!

 

A mão pesada de Michael se levantou contra a filha. Lauren não se intimidou. Os dois travaram um duelo de olhares que minavam uma vida de ressentimentos e decepções mútuas, até o senador baixar a mão e lutar para se recompor.


– Você não cumpriu nosso acordo, vim aqui exigir que o faça agora.


– O senhor não conseguiu nada com a Camila, pensando que seria mais fácil manipulá-la, ameaçá-la e agora me procura com esse papo de nosso acordo? Ora senador, vamos poupar a hipocrisia, sejamos práticos e objetivos, vá direto ao ponto.


– Essa caipira insolente não me deu ouvidos. Um tanto ingrata a meu ver, acaso não sabe o que fiz por ela?


– Ela não se curvou ao seu poder, Camila é forte, pode ter estado por um tempo vulnerável no seu primeiro ano aqui, mas já superou isso, não se submeteria ao senhor por essa dívida. Veio cobrar de mim essa dívida?


– Você é minha filha Lauren! Não negocio com você, estou aqui como seu pai, vim exigir respeito a nossa família! O meu partido tem uma moral a defender, você como minha filha deve ser exemplo disso!


– Pai o que é respeito para o senhor? Esse partido que o senhor é membro, não respeitam homossexuais, mas tolera sua prática política? E todas as acusações de crimes que cercam o senhor? Belo respeito ao eleitor.


– Lauren chega! Você já me tirou a paciência!


– Então me diga de uma vez por todas o que quer aqui!


– Quero que venha comigo para Boston estar ao meu lado, ao lado da sua família nessa reta final de campanha. Encerre essa sua brincadeirinha com a caipira insolente e aja discretamente fazendo todos acreditarem que tudo que foi divulgado foi uma armação do meu adversário para sujar minha imagem.


– O senhor só pode estar louco! Nunca faria isso! Nunca!


– Está preparada para as consequências?


– Ah… Estava demorando… Começaram as ameaças. O senhor não negocia comigo, mas me chantageia… O que vai ser dessa vez? Vai cortar minha mesada? Uma novidade para o senhor: isso não me amedronta. Já fez isso e sobrevivi. Nada vai me separar da Camila. Eu a amo. Já enfrentamos muitas barreiras para ficarmos juntas, o senhor será só mais uma. Vai me deixar sem dinheiro? Não me importa, estou trabalhando e posso me manter no final do ano me formo, e vou fazer da minha vida o que quiser, longe das suas rédeas.


– Eu imaginei que reagiria dessa forma. Por isso, me precavi.


Como um mágico que esconde um truque, Michael lançou sobre a mesa uma pasta cheia de papéis e continuou a falar:


– Você ama essa garota? Suponho que tanto amor envolva sua nobreza em proteger também a família dessa moça.


– Do que o senhor está falando?


– Essa pasta tem um dossiê sobre a vida da família dessa caipira. Extratos bancários, empréstimos, dívidas, bens, declaração de impostos, até mesmo histórico médico do senhor Alejandro Cabello.


– O senhor mandou investigar a família da Camila? Aposto que não encontrou nada!


– Nada criminoso é verdade. Mas, em minhas mãos, essas informações podem ser muito úteis. Você sabia que recentemente o pai da sua amiguinha fez um empréstimo altíssimo para ampliar sua loja e comprar propriedades na região e colocou como garantia, todos os bens? Até mesmo a casa que mora?


Lauren permaneceu estática. Sabia que era verdade, há dias Camila comentou com ela a imprudência do pai.


– Pelo que vi, o homem é um empreendedor, conseguirá quitar essa dívida.


– Mas?


– Mas, se eu intervier, ele pode perder o credenciamento para fornecer material para financiamento de bancos do governo para construção, isso seria péssimo para os negócios dele, afinal seus principais clientes são aqueles que conseguem financiamento público para habitação… Suas propriedades podem ser desvalorizadas se eu mexer meus pauzinhos e os arredores abrigarem um lixão, ou uma fábrica poluidora… Ele teria dificuldade em honrar suas dívidas e em poucos meses sua derrocada será vertiginosa. Sua amiguinha seria abalada por isso?


– O senhor é um monstro… – Lauren se sentou com os olhos marejados.


– Ainda tenho informações que acabaria com a credibilidade do senhor Alejandro Cabello, colocando-o como alvo de investigação de sonegação de impostos com as devidas manobras o faria receptador de mercadoria roubada. Veja que drama: falido e na cadeia!


Lauren balançava a cabeça negativamente, incrédula com a crueldade do pai.


– Quem sabe Camila conseguiria ganhar a vida fazendo fotos sensuais, vídeos pornôs, já que ela já tem alguma experiência nisso…


O comentário do pai encheu Lauren de ódio. A morena levantou-se subitamente, e cuspiu na face do senador recebendo de imediato uma violenta tapa que a fez perder o equilíbrio.


– Fui muito condescendente com você Lauren! Deixei que sua mãe te protegesse, olha o que você se tornou! Vou te colocar nos eixos, custe o que custar!


Erguendo-se com alguma dificuldade, Lauren enxugou o rosto banhado em lágrimas silenciosas enquanto o pai limpava o rosto com um lenço de seda.


– Não sei que tipo de monstro é você que chantageia a própria filha envolvendo inocentes gratuitamente… Tenho nojo de você, vergonha de ter seu sangue, hoje o senhor perdeu sua única filha.


– Isso é o que veremos Lauren. Deixe essa dramaticidade de lado e vamos ser práticos como você mesma sugeriu. Você tem três dias para chegar a Boston com essa situação completamente resolvida, caso contrário não hesitarei em cumprir minhas ameaças.


 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...